“JOGOS VORAZES – A ESPERANÇA”. A OPRESSÃO PODE MANIPULAR O RIO FLUENTE DA HISTÓRIA?

Os capitalistas Tico e Teco voltaram a conversar sobre o mundo contemporâneo, acompanhados pela diarista Aparecida e pela filha Bytes, no dia 30 de novembro de 2014, no Dia de Santo André.

Tico: No dia de hoje os eleitores da Moldávia foram às urnas num país dividido entre aproximação com a União Europeia e a Rússia. Segundo analistas, os três milhões de eleitores da ex-república soviética devem eleger partidários favoráveis ao bloco europeu. Os cálculos indicam que eles devem conquistar 40 das 101 cadeiras do Parlamento. A dúvida é se os socialistas e comunistas podem alcançar uma maioria se adquirirem os votos do partido Pátria, impedido de disputar a eleição três dias antes do pleito, que é francamente favorável à Comunidade EuroAsiática negociada por Moscou. Caso haja a vitória dos políticos pró-Rússia, eles prometem rasgar o acordo com a União Europeia. A última sondagem feita no país indicou que 45% dos moldavos desejam uma aproximação com a Rússia, enquanto 43% são favoráveis a um acordo com Bruxelas. Gagauzia, uma das regiões autônomas da Moldávia, também foi às urnas. Os eleitores demonstram uma tendência pró-Moscou por causa da fé cristã ortodoxa, principalmente após um referendo sobre o assunto. “Vimos que as pessoas mostraram tender mais para a Rússia, para a união aduaneira. Estão mais perto de nós, porque são ortodoxos e há séculos de história comum”, explicou um líder político da região. Segundo a Comissão Eleitoral Central moldávia, os resultados só serão conhecidos amanhã, já que não haverá divulgação de pesquisa de boca de urna. No início do mês o primeiro-ministro da Moldávia, Iurie Leanca, divulgou que a União Europeia garantiu uma assistência no valor de 410 milhões de euros, destinada à modernização do país. Segundo ele, os recursos virão de acordo com a implementação de “reformas”, como no setor agropecuário, na área de desenvolvimento regional, no judiciário e na administração. Em junho, a Moldávia, a Ucrânia e a Geórgia assinaram simultaneamente os respetivos acordos de associação com a União Europeia.

Teco: No dia de hoje a China divulgou que espera ter relações “pacíficas” com Taiwan após as eleições de ontem na ilha, nas quais o governista Partido Kuomitang sofreu uma dura derrota que provocou a renúncia do primeiro-ministro taiuanês Jiang Yi-huah. “Esperamos que nossos compatriotas do outro lado do estreito mantenham os frutos duramente trabalhados em nossas relações e que juntos salvaguardemos e continuemos contribuindo para um desenvolvimento pacífico das relações através do estreito”, disse Ma Xiaoguang. Yi-huah vinha desenvolvendo uma maior aproximação comercial com a China, que agradava mais a Pequim que defende um só país, mas perdeu a eleição em nove cidades e distritos de Taiwan para o Partido Democrata Progressista que faz oposição à política externa de Yi-huah. Foi mais um golpe para as autoridades chinesas que não conseguem acabar com os protestos de manifestantes em Hong Kong que defendem o direito de livre escolha dos candidatos que participarão da eleição para o governo em 2017, sem a interferência do Partido Comunista Chinês. Milhares de manifestantes voltaram a cercar os escritórios do governo de Hong Kong, região autônoma da China, num novo protesto, apesar da presença de 3 mil agentes e da retirada policial feita na semana passada. Houve confrontos hoje entre manifestantes e a polícia que chegou a usar bolas de borracha e gás lacrimogêneo para dispersar a multidão. Na região rebelde de Xinjiang, que quer se separar da China para formar um país independente chamado Turquestão Oriental, também vive clima de instabilidade. Ontem, pelo menos 15 pessoas morreram após uma explosão de artefato numa rua movimentada. Segundo a agência de notícia oficial Xinhua, entre as vítimas estão 11 terroristas que foram mortos pela polícia. As agências estrangeiras acreditam que o número seja muito maior já que reclamaram de limitação imposta à imprensa na região.

Bytes: No dia de hoje a esquadra naval russa, comandada pelo Almirante Pavel Nakhimov, derrotou as forças otomanas durante a Batalha Naval de Sinop, no mar Negro. O conflito ocorreu na cidade de Sinop, um porto marítimo, no norte da Turquia. Os navios da Marinha Imperial Russa, em patrulha, destruíram as fragatas da Marinha Otomana ancorados no porto. Esta batalha é frequentemente considerada como o último grande conflito na era da vela. No dia seguinte foi instituído o Dia da Glória Militar Russa. Há 161 anos. 

Aparecida: Por falar em conflito, a Moldávia repetirá a Ucrânia?

Bytes: Os resultados da eleição de hoje se refletirão na região separatista da Transnístria, reconhecida apenas por Moscou e que conta com contingente militar russo. No mês passado, o Kremlin garantiu ao presidente da Transnítria, Yevgueni Shevchuk, a defesa da população russa no caso de um conflito similar ao ucraniano. "Não se deve criar expectativas sobre se a Rússia defenderá seus próprios cidadãos. Ela o fará sem sombra de dúvidas. E não se deve pôr nossa paciência e força a toda prova", disse o vice-primeiro-ministro russo Dmitri Rogozin, após reunião com o líder separatista. Há na região o mesmo clima em Moscou e Kiev.

Aparecida: Por falar em força, o comandante-em-chefe da Otan, o general estadunidense Philip Breedlove, disse que está preocupado com os mísseis instalados na Crimeia porque “são capazes de ter a seu alcance todo o mar Negro". A declaração ocorreu na última quarta-feira após reunião com o primeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, que foi reconduzido ao cargo após a eleição deste ano. O premier reiterou o desejo da Ucrânia de aderir à Aliança Atlântica. O que você acha?

Bytes: Hoje o ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, descartou que a entrada da Ucrânia na Otan possa estar na agenda da Aliança e afirmou que não se deve "jogar gasolina no fogo", em referência à tensão entre Kiev e Moscou. "A entrada da Ucrânia na Otan não pode estar na ordem do dia. Não vejo a Ucrânia em direção a Otan", disse Steinmeier numa entrevista à emissora da televisão pública alemã, ZDF. O chefe da diplomacia alemã disse que Kiev deve reforçar sua política de segurança, mas lembrou o "perigoso conflito" vivido no leste do país e advertiu que ele ainda poderia se agravar, pelo que pediu aos atores políticos que atuem com "realismo".

Aparecida: Por falar em conflito, o governo ucraniano divulgou que um comboio humanitário proveniente da Rússia entrou sem autorização no país e acusou Moscou de enviar armas camufladas aos rebeldes separatistas. Em Donetsk, cidade controlada pelos separatistas, os confrontos se intensificaram no aeroporto, disse uma testemunha à agência de notícias Reuters. “A maior parte dos suprimentos vai para os rebeldes, parte na forma de comida, mas principalmente em munição, equipamentos e outras coisas para operações de combate”, afirmou Andriy Lysenko, porta-voz militar ucraniano. Ontem, um monumento em homenagem a Lênin, líder da Revolução Socialista de Outubro na Rússia, foi depredado na cidade ucraniana em Odessa.

Bytes: O que podemos afirmar é que a Rússia efetuou anteontem com sucesso o teste de um míssil balístico intercontinental de última geração Bulava lançado de um submarino nuclear no mar de Barents. O teste foi comemorado porque os outros lançamentos foram fracassados, suscitando dúvidas sobre sua confiabilidade. Segundo o Kremlin, os Topol e os Bulava permitirão ao país manter a igualdade nuclear com os Estados Unidos pelo menos durante o próximo meio século.

Aparecida: Por falar em igualdade militar, a Rússia divulgou ontem que tropas de Defesa Aeroespacial detectaram o lançamento de um míssil balístico estrangeiro. O mesmo teria ocorrido o lançamento de mais dois mísseis estrangeiros. Segundo o vice-comandante da Defesa Aeroespacial, Anatoli Nestechuk, descoberta demonstra a capacidade de combate da defesa antimíssil russa e o profissionalismo dos operadores militares. O teste nuclear no mar de Barents é mais um capítulo da Guerra Fria?

Bytes: O que podemos afirmar é que antes da Guerra do Inverno, iniciada exatamente há 75 anos após a invasão de Moscou a Helsinque, três meses após o início da Segunda Guerra Mundial, o território da Finlândia também atingia o mar de Barents, e o porto de Petsamo era o único porto finlandês livre de gelo no inverno. O local também é centro de extração de petróleo desde a década de 1970, tanto na parte norueguesa como na russa, além de fazer parte do Oceano Glacial Ártico.

Aparecida: Por falar no Ártico, a imprensa russa informou ontem que as tropas do Ártico já chegaram à segunda base construída recentemente pelo Ministério da Defesa na região. A nova instalação, no formato de uma estrela de cinco pontos, está localizada no Cabo Schmidt, na província oriental de Chukotka. Para o ano que vem, está prevista a abertura de mais duas bases no Ártico. Uma na ilha Kotelny, na Nova Sibéria, e outra em Alakurtti, perto da fronteira com a Finlândia.

Bytes: A Rússia convidou a China e a Índia para fazer parte da exploração de petróleo na região. Ainda neste mês Moscou instalou três sistemas antiaéreos Pantsir na ilha ártica de Kotelny, no arquipélago da Nova Sibéria. Na semana passada, Putin definiu a nova doutrina do país. O investimento será no Ártico, na criação de forças de Defesa Aeroespacial e na substituição de importações por causa das sanções contra Moscou. Segundo ele, a Rússia não tenciona atacar ninguém, mas não permitirá que seja envolvida em “intrigas geopolíticas”.

Aparecida: Por falar em geopolítica, Rússia assinou um tratado que visa estreitar os laços de cooperação com a Abkházia, território separatista da Geórgia reconhecido por Moscou. No balneário de Sochi, Putin assinou com o líder da Abkházia, Raul Khadzhimba, o tratado de “aliança e parceria estratégica”, segundo o Kremlin. O acordo estabelece a criação de uma força militar conjunta destinada a proteger a fronteira do território. Moscou se comprometeu a enviar cerca de 12 bilhões de rublos em ajuda externa para o país até 2017. Para a chefe da diplomacia georgiana, trata-se de “um passo na direção da anexação da Abkházia pela Rússia”. A Otan, a União Europeia e os Estados Unidos condenaram o acordo. Haverá uma nova Guerra da Geórgia?

 Bytes: O governo georgiano voltou atrás e minimizou o tratado estratégico. Hoje Putin assinou dois decretos que determinam o combate ao terrorismo em acordos com os países da Comunidade de Estados Independentes. O segundo decreto indica o Serviço Federal da Segurança, o Ministério do Interior e o Serviço da Inteligência Exterior como as autoridades competentes previstas pelo Acordo dos países da CEI sobre a cooperação na área de apoio material e técnico aos órgãos envolvidos na luta contra o terrorismo e outras manifestações violentas de extremismo.

Aparecida: Por falar em extremismo, a estatal russa Rosoboronexport e o Ministério da Defesa da China assinaram o fornecimento a Pequim de pelo menos seis sistemas de mísseis de defesa antiaérea S-400 Triumf. O armamento antimíssil, fabricado pelo consórcio russo Almaz-Antei, é capaz de atingir aviões e mísseis balísticos a distâncias até 400 quilômetros e a altitudes de 5 a 30 quilômetros. A China pode entrar num conflito por causa das críticas à liberdade de expressão do Ocidente ou adotará os ensinamentos da “Arte da guerra?”

Bytes: O que podemos afirmar é que o presidente da Ucrânia, Piotr Poroshenko, disse que o mundo tem de edificar um novo sistema de segurança, já que as entidades de pós-guerra, tanto a nível europeu como mundial, não são hoje eficazes nem capazes de proteger qualquer país. Segundo ele, Kiev está disposta a participar na construção de um novo órgão de segurança. “O novo sistema de segurança não será dirigido contra ninguém, incluindo a Rússia, mas servirá para defender territórios nacionais e fazer com que a violação de fronteiras e a agressão se tornem absolutamente inaceitáveis, fornecendo mecanismos eficazes para a preservação da paz", anunciou o presidente ucraniano em entrevista à rádio e televisão alemã ARD. Sobre a adesão à Otan, Poroshenko disse que o problema não consiste em solicitar a adesão, mas na obrigatoriedade de promover “reformas” no país. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: E como pensa o governo dos Estados Unidos ?

Bytes: Deu no jornal “O Globo” de 24 de novembro de 1964, cuja manchete foi “O presidente acata a decisão do Supremo, mas disse que não transige na defesa do regime”: “Por decisão unânime, o STF concedeu, ontem, o habeas corpus preventivo impetrado pelo governador de Goiás, Sr. Mauro Borges, determinando que o mesmo só poderá ser processado se a Assembléia Legislativa do estado conceder a necessária licença. Os círculos militares não esconderam seu desagrado com a decisão”. E mais: “Segundo colhemos em fontes autorizadas, o Govêrno Castelo Branco pautará sua ação, com relação ao caso de Goiás, da seguinte maneira: 1) Respeito à decisão da Justiça que manteve a liberdade do governador Mauro Borges; 2) Isolamento do foco subversivo denunciado pelo presidente da República, em Goiás; 3) Afastamento dos elementos considerados subversivos, em Goiás, que não disponham de imunidades;  4) Continuação dos inquéritos militares contra o governador Mauro Borges; e 5) Preparação para a intervenção federal em Goiás se necessário”. E mais: “Roberto Campos diz que o Govêrno quer levar o Estado a atuar com a eficiência de uma emprêsa privada. No discurso que proferiu ontem, durante a instalação do Congresso Internacional de Economia, em São Paulo, o Ministro do Planejamento afirmou que o Plano de Ação Econômica do Govêrno corresponde à busca do ideal de ´levar o Estado a funcionar com a eficiência de uma emprêsa privada, com a expectativa de ver o setor privado operando com o espírito público do Estado´. Falando para grande número de empresários e economistas sôbre ´O Govêrno e a Livre Empresa no Processo de Desenvolvimento´, disse mais que ´as medidas de caráter estrutural, como as sugeridas para o setor agrícola e fiscal, por exemplo, buscam estabelecer o clima dentro do qual as regras do jôgo tenham sentido operacional e  a iniciativa privada possa funcionar em base competitiva´”.

Aparecida: Deu no jornal “O Globo” de 24 de novembro de 2014, 50 anos depois: “Escândalos na Petrobras. EUA ameaçam com cadeia envolvidos em corrupção. Governo americano aperta cerco a executivos ligados a esquemas ilícitos. Procuradora que investiga casos como o da estatal diz que ´perspectiva de prisão é muito real´. Último foragido da Lava-Jato vai se entregar hoje. Congresso pode suspender repasse à Abreu Lima”. E mais: “Negócios suspeitos. Funcionários reagem a interferência em fundos. Em reação à ingerência política nos fundos de pensão de estatais, funcionários formaram chapas para eleger conselheiros que fiscalizam a aplicação dos recursos. O movimento começou este ano nos três maiores fundos do país: Previ, Petros e Funcef, que, juntos, gerem cerca de R$ 300 milhões”. E mais: “Risco de fogo amigo. Crise econômica gera insatisfação dentro do chavismo e ameaça esvaziar o governista PSUV. Maduro investe mais de meio bilhão de dólares em jornais e rádios estatais. Orçamento de 2015 prevê mais gastos com comunicação do que com o Poder Judiciário”.

Bytes: O jornal “O Globo” publicou o artigo de Miguel Ângelo Cançado intitulado “A escolha de Dilma”:  “A Constituição do Brasil, logo na sua abertura, estabelece que ´são poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário´. Trata-se de princípio que é um dos pilares da nossa democracia — a separação de poderes, só que falta ser efetivado de verdade, sob muitos aspectos. O sistema de preenchimento das vagas de ministro do Supremo Tribunal Federal, a cada vez que surge uma, tem demonstrado reiteradamente que essa tal independência é ainda uma quimera longínqua criada pelo legislador constituinte. Tem sido frequente a injustificada demora na escolha de membros do Supremo Tribunal Federal, e ocorre também neste momento, pois, há mais de três meses, deu-se a aposentadoria do polêmico e raivoso ministro Joaquim Barbosa. Pois muito bem, desde então a comunidade jurídica do país debate e se pergunta quem será o agraciado da vez: um jurista na pura essência da palavra? Um político-jurista? Um profissional das carreiras jurídicas capaz de agradar a todos os segmentos que se querem ver ´representados´ na mais alta Corte de Justiça do país?”

Aparecida: O que você acha da preocupação em relação à nomeação de ministros do Supremo pela Dilma?

Bytes: O problema está relacionado nas diretrizes estabelecidas pela Alta Corte do País em relação à interpretação da lei. Não é diferente nos Estados Unidos cuja indicação também atributo do chefe de Estado que indica ainda o presidente da Suprema Corte. A pressão que houve em relação à constitucionalidade do Obamacare, a reforma de saúde dos Estados Unidos, com vitória de Obama e críticas dos republicanos dá bem ideia da República americana. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: Por falar em Obama, o presidente da Câmara dos Representantes, John Boehner, ameaçou o presidente de “impeachment” caso não volte atrás no decreto que institui a reforma de imigração. O que você acha?

Bytes: Não acredito em impeachment, mas em ações duras contra o presidente, como a revisão ou anulação do Obamacare. Haverá conflito. Mas essa é a minha opinião. Há outras percepções como a do Bill, seguidor republicano lá de Nova York.  Após as manifestações de repúdio ao arquivamento do processo contra o policial branco que matou um negro desarmado no Missouri, com atos de vandalismo, inclusive contra a polícia, ele escreveu: “Está confirmada a minha previsão. Obama está aos poucos levando os negros e os hispânicos que vivem encostados no Estado a se voltar contra nós. Comprei mais uma arma para defender a nossa democracia. Mas assim como previ o levante de Obama, garanto que o Congresso republicano aprovará o impeachment no próximo ano e Obama estará atrás das grades em 2016”. Ele garante que está virando um “profetinha”. Hoje a polícia prendeu Derrick Robinson, um dos organizadores dos protestos em Ferguson (acima). 

Aparecida: Por falar em atrás das grades, o ex-primeiro-ministro de Portugal José Sócrates foi preso na semana retrasada. O líder socialista Mário Soares o visitou na prisão na quarta-feira e disse que o colega foi acusado injustamente por “malandros”. "Têm feito uma campanha contra ele que é uma infâmia. É a comunicação social que faz, mas são os tipos que estão por trás dela", disse Soares, que garantiu que todo o Partido Socialista está contra esta bandalheira. O que você acha?

Bytes: Segundo o colega adepto da Teoria da Conspiração, Sócrates está sendo acusado por ter direcionado o país para caminhos não aceitos pela Oligarquia Financeira Internacional. Ele se aproximou de Muamar Kadafi, sem receber doações de campanha como Sarkozy, mas para fazer negócios; fechou uma grande parceria estratégica com a Venezuela na época de Hugo Chávez, assim como com o Lula em troca de investimento português na Oi. A estratégia de Sócrates incluiu uma parceria estratégia com a Espanha de José Luís Zapatero. Segundo ele, o líder português tentou transformar Lisboa num “tigre ibérico”.

Aparecida: Por falar em tigre, o que você achou do felino selvagem libertado por Putin na Sibéria e agora está fazendo estragos na China?

Bytes: A primeira notícia é que o tigre havia dizimado nas galinhas chinesas, agora são as cabras. Mas o início da história foi que ele ficou frente a frente com o selvagem siberiano, o dominou como Daniel na cova dos leões. E depois o libertou para viver em estágio natural.

Aparecida: Ah, entendi! Revelou Daniel, “profeta de Israel”, sobre o enfrentamento com a oposição: Então se apresentaram ao rei e, a respeito do edito real, disseram-lhe: Porventura não assinaste o edito, pelo qual todo o homem que fizesse uma petição a qualquer deus, ou a qualquer homem, por espaço de trinta dias, e não a ti, ó rei, fosse lançado na cova dos leões? Respondeu o rei, dizendo: Esta palavra é certa, conforme a lei dos medos e dos persas, que não se pode revogar. Então responderam ao rei, dizendo-lhe: Daniel, que é dos filhos dos cativos de Judá, não tem feito caso de ti, ó rei, nem do edito que assinaste, antes três vezes por dia faz a sua oração. Ouvindo então o rei essas palavras, ficou muito penalizado, e a favor de Daniel propôs dentro do seu coração livrá-lo; e até ao pôr do sol trabalhou para salvá-lo. Então aqueles homens foram juntos ao rei, e disseram-lhe: Sabe, ó rei, que é lei dos medos e dos persas que nenhum edito ou decreto, que o rei estabeleça, se pode mudar. Então o rei ordenou que trouxessem a Daniel, e lançaram-no na cova dos leões. E, falando o rei, disse a Daniel: O teu Deus, a quem tu continuamente serves, ele te livrará. E foi trazida uma pedra e posta sobre a boca da cova; e o rei a selou com o seu anel e com o anel dos seus senhores, para que não se mudasse a sentença acerca de Daniel. Então o rei se dirigiu para o seu palácio, e passou a noite em jejum, e não deixou trazer à sua presença instrumentos de música; e fugiu dele o sono. Pela manhã, ao romper do dia, levantou-se o rei, e foi com pressa à cova dos leões. E, chegando-se à cova, chamou por Daniel com voz triste; e disse o rei a Daniel: Daniel, servo do Deus vivo, dar-se-ia o caso que o teu Deus, a quem tu continuamente serves, tenha podido livrar-te dos leões? Então Daniel falou ao rei: Ó rei, vive para sempre! O meu Deus enviou o seu anjo, e fechou a boca dos leões, para que não me fizessem dano, porque foi achada em mim inocência diante dele; e também contra ti, ó rei, não tenho cometido delito algum”.

Tico: No dia de hoje o papa Francisco deixou a Turquia afirmando que os extremistas religiosos cometem "pecado profundamente grave contra Deus" na Síria e no Iraque, e defendeu um diálogo interreligioso e a ação contra a pobreza para ajudar a por fim aos conflitos na região. Na missa, realizada ao lado do Patriarca Bartolomeu I, líder da Igreja Católica Ortodoxa Cristã, o pontífice disse que praticantes de todas as fés não podiam manter-se indiferentes aos apelos das vítimas de ações "inumanas e brutais" que têm acontecido numa guerra tão próxima. O bispo de Roma terminou a visita se encontrando com jovens cristãos que se refugiados na Turquia após fugirem da Síria, do Iraque e outras regiões em conflito. Ontem à noite, ao fim de um culto de oração, Francisco fez uma reverência ao líder ortodoxo de Constantinopla e pediu que Bartolomeu concedesse uma bênção "para ele e a Igreja de Roma", como forma de aproximação entre os cristãos a fim de acabar com o cisma iniciado em 1054 durante o Império Bizantino. A visita do papa ocorre no momento em que a Turquia enfrenta uma instabilidade política por causa do avanço do Estado Islâmico. Ontem, o principal partido curdo da Turquia acusou o governo de Ancara de fazer “vista grossa” aos militantes do Estado Islâmico em seu território depois que homens-bomba atacaram Kobani, uma cidade ao longo da fronteira turca com a Síria. O gabinete do primeiro-ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu, respondeu num comunicado que enquanto o Estado Islâmico tinha atacado várias partes de Kobani, incluindo Mursitpinar, era "definitivamente uma mentira" que o veículo usado no atentado tinha entrado na Síria vindo da Turquia. Já o partido pró-curdo da Turquia HDP disse que os militantes estavam usando depósitos de grãos estatais do lado turco da fronteira como base para atacar Kobani e descreveu a sua presença numa área patrulhada por forças de segurança turcas como um "escândalo". "Como temos apontado há meses, isso prova mais uma vez que o Estado Islâmico está sendo apoiado", disse o HDP num comunicado, referindo-se a Ancara.

Teco: No dia de hoje o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, ameaçou convocar eleições antecipadas se a base de sustentação do governo não superar a crise ligada ao projeto de lei que dá a Israel o status de “Estado judeu”.  Segundo ele, a legislação é necessária para defender o direito de Israel de existir, enquanto críticos afirmam que isso minaria a democracia e tornaria os cidadãos de minoria árabe "de segunda classe". "Dificilmente passa um dia sem ditames ou ameaças de renúncias ou um tipo de ultimato ou mais", disse o primeiro-ministro, num discurso veemente. "Espero que possamos voltar à conduta normal. Isto é o que o público espera de nós. Esta é a única maneira de conduzir o país, se não teremos de suscitar conclusões", acrescentou. Os comentários foram feitos um dia depois de o ministro das Finanças Yair Lapid, líder do partido de centro Atid Yesh, acusar Netanyahu de praticar uma "política mesquinha" e dizer que há um mês não falava com o primeiro-ministro. A líder de outro partido centrista da coalizão, a ministra da Justiça, Tzipi Livni, advertiu que passar o projeto de lei de nacionalidade poderia forçar eleições antecipadas. Na última terça-feira, as autoridades palestinas condenaram o projeto de lei por "matar a solução de dois Estados", israelense e palestino. O governo israelense aprovou o texto no domingo retrasado, que será submetido à votação do Parlamento, e que propõe não definir Israel como um Estado "judeu e democrático", mas como "o Estado nacional do povo judeu". A Organização de Libertação da Palestina acusou Tel Aviv de impor a a proposta de 'Grande Israel' e do judaísmo do Estado sob o solo da Palestina histórica'. "Ao fazer do judaísmo a definição deste Estado, o projeto de lei acaba de forma unilateral com o reconhecimento mútuo concluído em 1993, durante os Acordos de Oslo sobre a autonomia dos palestinos”, acrescentou a OLP em nota.

Bytes: No dia de hoje começou o conflito entre árabes e judeus, um dia após a aprovação pela ONU do Estado de Israel. A Haganah, organização paramilitar judia, entrou em confronto com a população civil árabe que não aceitaram a decisão das Nações Unidas. No mês seguinte, a Liga Árabe organizou o Exército de Liberação Árabe, uma força de voluntários palestinos, sob a liderança de Fawzi al-Qawuqji, para resistir ao Plano de Partição da Palestina. A luta foi travada sem a atuação das forças britânicas, que administravam o território, sob a alegação de que estavam em retirada. As forças palestinas foram derrotadas, e várias cidades mistas, à exceção de Jerusalém, passaram ao controle das forças judias. Entre 350 mil a 400 mil palestinos iniciaram o caminho do êxodo. O conflito desencadearia no ano seguinte a guerra entre árabes e judeus logo após o Estado de Israel ser criado em maio de 1948. O início do conflito completou 67 anos.

Aparecida: A promessa de dois estados na Terra Santa vai ser ainda realidade? Na página do Kremlin, o presidente Vladimir Putin parabenizou Abbas pelo Dia Internacional da Solidariedade com o Povo Palestino instituído pela ONU e comemorado no dia mesmo dia em que as Nações Unidas aprovaram a criação do Estado de Israel. "Acreditamos que a aquisição da soberania nacional por parte da Palestina sobre o quadro legal internacional comum será um fator importante para garantir uma justa solução global no Oriente Médio. Estamos prontos para continuar a promover a retomada do processo de negociação palestino-israelense no âmbito dos esforços multilaterais e em estreita colaboração consigo", escreveu Putin.

Bytes: Ontem, o chefe da Liga Árabe, Nabil Elaraby, disse que apoiará a proposta de estabelecer novembro de 2016 como data para o fim da ocupação israelense durante reunião no Cairo. Ele também condenou a proposta do reconhecimento de Israel como Estado judeu. Segundo Elaraby, a proposta isso mostrará a "extensão do racismo de Israel contra o povo palestino". No encontro, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, reafirmou que enviará o pedido de reconhecimento do Estado palestino junto à ONU. Ele advertiu também que os palestinos podem tomar outras medidas, incluindo representação na Corte Criminal Internacional, se o Conselho de Segurança rejeitar a resolução. "A situação atual nos territórios palestinos não pode continuar", disse ele. "Não há mais um parceiro para nós em Israel e não nos resta outra coisa a não ser internacionalizar a questão", disse Abbas no Cairo. No início do mês passado, a Jordânia distribuiu um projeto de resolução aos membros do Conselho de Segurança que exige o fim da ocupação israelense até novembro de 2016.

Aparecida: Anteontem o chefe da diplomacia francesa afirmou que é preciso reconhecer o Estado palestino “sem demora”, se as negociações de paz falharem. “Se esse esforço final para se chegar a uma solução negociada falhar, então a França terá que fazer o que é preciso reconhecendo sem demora o Estado palestino”, disse o chanceler francês. A Europa vai pressionar pela criação do Estado da Palestina já que os Estados Unidos não se manifestaram explicitamente sobre a questão?

Bytes: Não há um consenso no bloco a respeito da questão, mas ações isoladas de parlamentares e agora uma posição oficial do governo socialista francês. Na Alemanha, por exemplo, berço do Holocausto, a chanceler Angela Merkel disse que o governo não tem intenções não tem planos para reconhecer num futuro próximo o Estado da Palestina, já que tal reconhecimento não ajudará a resolver o conflito israelense-palestino. Segundo ela, o mais necessário no presente momento é concentrar-se na intensificação do processo de negociação, "o que parece muito difícil na conjuntura atual". O chanceler italiano Paolo Gentiloni afirmou que agora não é o momento adequado para a Itália reconhecer à Palestina como Estado e que a questão será discutida quando for "para obter um resultado". Portugal vai decidir sua posição no dia 9 de dezembro, mas analistas pedem moderação porque o país pode negociar acordos.

Aparecida: Por falar ainda em Europa, o papa Francisco disse no Parlamento europeu pediu um continente novo, mais emprego e saiu em defesa dos imigrantes. “Não podemos tolerar que o mar Mediterrâneo se transforme num imenso cemitério”, disse Francisco. O que você acha?

Bytes: Como chefe da Igreja Católica, Francisco tem procurado um discurso que não é só a visão do mercado por mais produção e sim a preocupação com o ser humano, principalmente os mais pobres. Para muitos críticos, a ida ao Parlamento Europeu foi uma tentativa de “recristianizar a Europa” num momento de crescimento do islamismo ou de acabar com o “estado laico”. O grupo feminista Femen chegou a fazer um protesto na Catedral de Estrasburgo. Uma manifestante com o peito nu segurava a bandeira da União Europeia e usava na cabeça o tradicional chapéu ucraniano.

Aparecida: Por falar em Estrasburgo, o apelo do papa por mais emprego será ouvido pelos líderes europeus?

Bytes: O primeiro-ministro italiano elogiou o discurso do bispo de Roma. "Um discurso extraordinário que fechou com chave de ouro o semestre italiano. Foi um encorajamento de altíssimo nível seja para quem tem fé, mas também para os cidadãos que desejam uma Europa feita de pessoas e não só de tecnocratas", disse Matteo Renzi. Ele ainda ressaltou que o discurso do pontífice está "profundamente" ligado ao que seu governo está fazendo, uma "política séria, com P maiúsculo". E reforço que a Itália fará as reformas necessárias doa a quem doer. Já a eurodeputada francesa Marine Le Pen, que foi reeleita hoje líder da Frente Nacional, disse no XV Congresso do partido que a União Europeia tornou-se uma “fábrica de desempregados”.  Ela comparou o bloco econômico a um "hotel que abriu de par em par as portas para a imigração em massa e toda a pobreza do mundo". Segundo a líder da Frente Nacional, a União Europeia se transformou em "um gigante parque de diversões para as corporações transnacionais, mercados financeiros e tecnocratas". Para ela, a filiação francesa na UE prejudica ainda a identidade nacional do país, ao passo que a "ideologia dos casamentos mistos tem apenas um propósito: ocultar o desaparecimento da diversidade racial", se referindo novamente aos imigrantes.

Aparecida: Por falar em imigrantes, o primeiro-ministro britânico David Cameron anunciou planos para frear o fluxo migratório na União Europeia. Ele defendeu que a liberdade de circulação na Europa não é “um direito absoluto” e criticou a política de portas abertas durante o mandato do trabalhista Tony Blair, quando o país recebeu um milhão de poloneses. “Sem dúvida, aplicar este pacote de medidas em seu conjunto exigirá mudanças nos tratados”, disse Cameron, numa fábrica na região de Londres, depois de anunciar que os imigrantes que não encontrarem emprego em seis meses terão de deixar o país. ”O que está acontecendo no Reino Unido não se limita a nós. Em toda a União Europeia, as questões da imigração estão causando uma grande preocupação”, acrescentou. Segundo o novo pacote, imigrantes terão que viver no país por pelo menos quatro anos para obter benefícios como crédito ou ajuda habitacional. As medidas incluem, ainda, restringir direitos de trazer familiares para o Reino Unido e impedir que cidadãos de novos países-membros da União Europeia trabalhem no país até que suas economias “se aproximem” do patamar dos mais antigos. Cameron também pretende acelerar a deportação de criminosos condenados originários de outros países da União Europeia. O que você acha? Bruxelas pode se desintegrar?

Bytes: Cameron está preocupado porque um pequeno partido, o Independência, já conseguiu a segunda cadeira no Parlamento. O tema imigração preocupa toda a Europa, principalmente na França, Inglaterra e na Itália. A Suíça não aceitou limitação à imigração num referendo hoje, mas há analistas que acreditam que a situação será temporária, apesar da rejeição ter sido significativa.

Aparecida: O Mediterrâneo não será um cemitério como apelou o papa?

Bytes: O que podemos afirmar é que o jornal “Financial Times” publicou reportagem sobre o Mediterrâneo, mas não pela ótica dos imigrantes, mas pelo exercício militar histórico que a Rússia e China farão na região. Segundo o diário britânico, uma possível nova ordem se desenha no mundo com o estreitamento das relações entre os dois gigantes que fazem parte dos Brics. “Durante séculos, as armadas européias cruzaram os sete mares no intuito de explorar, negociar, construir impérios e fazer a guerra. Então a chegada da marinha de guerra chinesa ao Mediterrâneo na próxima primavera, para exercícios conjuntos com a marinha russa será um momento marcante. Este plano foi anunciado na semana passada em Pequim, após um encontro de cooperação militar entre os dois países”, disse o texto escrito por Gideon Rachman. “Os chineses vão sem dúvida gostar desse simbolismo ao navegar no tradicional coração da civilização europeia. Mas além do simbolismo, estamos diante de uma importante declaração sobre o estado do mundo protagonizado pela Rússia e pela China, que sempre desaprovaram operações militares ocidentais próximas das suas fronteiras. Pequim queixa-se das patrulhas navais norte-americanas, enquanto Moscou rejeita a expansão da Otan. Ao efetuarem exercícios conjuntos no Mediterrâneo, ambos os países mandam uma mensagem muito clara: se a Otan pode patrulhar perto das suas fronteiras, então, eles também podem patrulhar o coração da Otan. Russos e chineses pressionam para alterar a atual ordem mundial com base na ideia das "esferas de influência", acrescentou o jornalista.

Aparecida: E como pensa o governo dos Estados Unidos?

Bytes: Deu no jornal “O Globo” de 28 de novembro de 1964, cuja manchete foi “Exército e FAB descobrem no Sul um plano subversivo que atingiria Rio e S.Paulo”: “O General Justino Alves Bastos, comandante do III Exército, comunicou ao Ministro da Guerra que os serviços secretos do Exército e da V Zona Aérea, em ação conjunta com a Secretaria de Segurança do Rio Grande do Sul, descobriram um plano que se articularia simultâneamente no Sul, São Paulo e Rio, em conexão com os acontecimentos de Goiás. Os planos apreendidos serão divulgados tão logo o permita a marcha das averiguações. Adianta-se, por outro lado, que foram efetuadas prisões de elementos comprometidos, e instaurado inquérito policial-militar”. E mais: “As flôres e a gratidão da Pátria lembram as vítimas da Intentona Comunista de 35. As Fôrças Armadas e o povo, unidos, reverenciaram ontem, no Cemitério São João Batista a memória dos heróis sacrificados no cumprimento do dever pela Intentona Comunista de 35. Em seu discurso, o General Peri Bevilacqua acentuou que os homenageados morreram pela sobrevivência da Pátria. ´Eles morreram pela honra e pela liberdade do Brasil´, disse o General. Ele afirmou que o comunismo destrói os direitos humanos, reprime a liberdade de pensamento, de imprensa e da educação dos filhos”. E mais: “Do editorial ´O Governador e o Supremo´. Compreendemos perfeitamente a justa indignação revelada pelo Ministro Ribeiro da Costa, presidente do Supremo Tribunal Federal, diante da declaração pública feita pelo Governador Carlos Lacerda de que o Estado argüiria de suspeição cinco membro daquela Côrte ´comprometidos com o Govêrno passado, com a corrupção e a contra-revolução´ no julgamento da representação da Assembléia contra a promulgação pelo Governador de leis não por ela aprovadas, sob a invocação do Ato Institucional. Pronunciou-se o Governador, com a violência que foi noticiada, contra o Supremo e em especial contra os cinco ministros, em face da decisão do Tribunal no caso do ´habeas corpus´ impetrado pelo Sr. Mauro Borges. Ora, não foi aquela uma decisão tomada por maioria, mas um julgamento unânime, para o qual contribuíram os cinco ministros a quem o Sr. Carlos Lacerda acusou afirmando ´que não possuem qualquer formação jurídica e entraram no Tribunal pela porta política, depois de terem servido a dois governos punidos e cassados pela Revolução´ e também  outros ilustres magistrados aparentemente excluídos da condenação de Sua Excelência”.

Aparecida: Deu no jornal “O Globo” de 28 de novembro de 2014, 50 anos depois: “Equipe nova, ideias novas. Levy anuncia meta fiscal para três anos. Confirmada, equipe econômica promete transparência e ajuste gradual. Superávit será de 1,2% do PIB em 2015 e de ao menos 2% em 2016 e 2017, disse o futuro ministro da Fazenda. Barbosa, do Planejamento, afirmou que vai adequar Orçamento. Tombini, mantido no BC, falou em redução da inflação”. E mais: “Projeto na Nicarágua. Acionistas criticam Eletrobras. Um grupo de acionistas questionou oficialmente a Eletrobras sobre investimento de US$ 100 milhões na Nicarágua, em parceria com a Queiroz Galvão”. E mais: “Crise hídrica. Rio, SP e MG fazem acordo para uso do Paraíba do Sul. Com a mediação do ministro Luiz Fux, do Supremo, os governadores do Rio, Luiz Fernando Pezão, São Paulo, Geraldo Alckmin, e Minas, Alberto Pinto Coelho, fizeram acordo sobre a transposição do Rio Jaguari, na Bacia do Paraíba do Sul, para minimizar a crise de abastecimento de água na Região Sudeste. Pelo acordo, qualquer obra só poderá ser realizada com a concordância dos três estados. Uma proposta conjunta será apresentada até fevereiro, e São Paulo poderá começar logo nas licitações para as obras necessárias”.

Bytes: O jornal “O Globo” publicou o artigo do jornalista Rasheed Abou-Alsamh intitulado “Um acordo nuclear com o Irã é uma miragem”: “A prorrogação da discussão sobre um acordo nuclear do grupo P5+1 (China, França, EUA, Grã-Bretanha, Rússia mais a Alemanha) com o Irã esta semana, por mais sete meses, pode parecer um bom sinal. Mas, para muitos observadores céticos, esse tempo adicional depois de várias prévias prorrogações só serve para dar mais oportunidades para aqueles de linha-dura em ambos os campos, dos americanos e iranianos, afiarem as facas, sabotando as negociações”.

Aparecida: O acordo com o Irã é uma miragem?

Bytes: O que podemos afirmar é que Teerã pediu ajuda de Moscou para entrar na Organização Mundial do Comércio.

Aparecida: Por falar em Moscou, Putin afirmou ao chanceler sírio que a Rússia protegerá a Síria e o Iraque da ação do terrorismo internacional. O presidente Bashar al-Assad respondeu que Moscou retoma agora a sua influência no Médio Oriente. O que você acha?

Bytes: O que podemos afirmar é que a agência de notícias oficial da Síria divulgou que, apesar da militarização nas colinas de Golã, anexadas por Israel em 1967 e não reconhecida pela comunidade internacional, os moradores estão boicotando a “judaização” do local. Segundo a agência Sana, em setembro moradores de Golã acusaram o governo de Benjamin Netanyahu de apoiar grupos armados extremistas que tentam derrubar o presidente da Síria, Bashar al Assad. Em um comunicado, eles criticaram a intervenção do Estado judeu nos assuntos internos da Síria.

Aparecida: Por falar em Assad, ele criticou a atuação dos Estados Unidos no combate ao Estado Islâmico afirmando que a ação não deve ficar restrita aos ataques aéreos. Foi o fracasso ao combate dos fundamentalistas islâmicos o motivo que caiu o ministro da Defesa dos Estados Unidos?

Bytes: Muitos analistas dizem que a sua queda foi após a recente declaração no Congresso dos Estados Unidos de que se Assad for derrubado não há confiança sobre quem assumirá o local. Ele descortinou uma dúvida que paira no Pentágono principalmente após a queda do ditador Muamar Kadafi na Líbia e o desastre que o país se encontra hoje.

Aparecida: Ontem, durante o quarto fórum turco-britânico Tatli Dil, o presidente turco Recep Tayyp Erdogan disse que ataques aéreos não significarão nada se não forem acompanhados por uma operação terrestre. “O Estado Islâmico tem atualmente 40 por cento do Iraque sob controle. Temos uma situação semelhante na Síria também. Ataques aéreos não são suficientes para parar essa ocupação", disse Erdogan. A mesma posição tem Assad. Eles voltarão à parceria estratégica do passado?

Bytes: Erdogan vem declarando que Assad criou um “Estado terrorista”. O que os une, no entanto, é a crítica à visão “hegemônica” dos Estados Unidos. Na semana passada, Erdogan criticou a impertinência dos Estados Unidos na crise síria, após a visita do vice-presidente estadunidense Joe Biden. "Quero que saibam que somos contra a impertinência e as demandas sem fim", disse Erdogan numa reunião de empresários em Ancara, referindo-se à luta contra o Estado Islâmico. "Por que alguém faz uma viagem de 12.000 km para se interessar nesta região?", acrescentou. A Turquia não acatou o pedido dos Estados Unidos de habilitar a base militar de Incirkik para os aviões estadunidenses que bombardeiam as posições do Estado Islâmico na Síria.

Aparecida: O papa Francisco pode ajudar no diálogo no Médio Oriente? Ele se mostrou aberto ao diálogo com o Estado Islâmico na visita que fez à Turquia. Erdogan pode se juntar a esta corrente? Na chegada à Catedral do Espírito Santo, em Istambul, o papa libertou ontem uma pomba branca, símbolo universal da paz (acima). “Convido todos a rezar para que esta visita de Pedro ao irmão André dê frutos de paz, diálogo sincero entre as religiões e harmonia na nação turca”, disse Francisco em referência aos fundadores da igreja Católica e da igreja do Oriente.

Bytes: O Médio Oriente está se tornando um caldeirão em que a violência se sobressai em detrimento ao diálogo.

Aparecida: Por falar em violência, manifestantes voltaram a praça Tahrir no Cairo após a absolvição do ditador Hosni Mubarak das acusações de ter mandado matar os manifestantes. Pelo menos dois mortos ocorreram neste fim de semana. O que você acha?

Bytes: Há uma versão dos adeptos da Teoria da Conspiração que não foi Mubarak que mandou atirar e sim houve uma atuação de franco-atiradores porque o ditador se recusou a instalar uma base militar estadunidense em seu território. Teria alegado “soberania”.

Aparecida: Por falar em soberania, o Estado de Israel vai ser oficialmente um Estado judeu?

Bytes: A medida é controversa e tem até ações na justiça impetrada por organizações de direitos humanos israelenses. Vamos esperar os próximos capítulos após Netanyahu ameaçar a convocação de novas eleições. Ao justificar o título de “Estado nacional do povo judeu”, disse: “O Estado de Israel é democrático e baseado nos princípios de liberdade, justiça e paz, de acordo com as visões dos profetas de Israel”.

Aparecida: Ah, entendi! Está escrito no Êxodo do profeta Moisés da escravidão no Egito para a promessa de liberdade na terra prometida: “E aproximando Faraó, os filhos de Israel levantaram seus olhos, e eis que os egípcios vinham atrás deles, e temeram muito; então os filhos de Israel clamaram ao Senhor. E disseram a Moisés: Não havia sepulcros no Egito, para nos tirar de lá, para que morramos neste deserto? Por que nos fizeste isto, fazendo-nos sair do Egito? Não é esta a palavra que te falamos no Egito, dizendo: Deixa-nos, que sirvamos aos egípcios? Pois que melhor nos fora servir aos egípcios, do que morrermos no deserto. Moisés, porém, disse ao povo: Não temais; estai quietos, e vede o livramento do Senhor, que hoje vos fará; porque aos egípcios, que hoje vistes, nunca mais os tornareis a ver”.

Tico: No dia de hoje os uruguaios foram às urnas para escolher o presidente do país. À noite os principais institutos divulgaram pesquisas de boca de urna que davam vitória por maioria absoluta do candidato da Frente Ampla, Tabaré Vázquez, que terá também maioria no Congresso. Pela manhã, o atual presidente José Mujica votou cedo e disse que saudaria o eleito. Ele revelou que amanhã terá uma agenda apertada e que fará um Conselho de ministros porque “o Uruguai tem que assumir a presidência da Unasur” e ainda “há algumas considerações a ser feitas que tem a ver com decisões sobre o futuro”. Mujica não chegou para votar em seu tradicional Fusca, e sim num carro oficial. Ele fez uma breve avaliação sobre a situação do país. “Não sei se o Uruguai é um exemplo ou se parte do mundo se transformou num desastre”, afirmou. “É um pais muito maduro, que teve seus altos e baixos. Estamos orgulhos e é preciso cuidar disso que temos. Nunca devemos nos conformar”, acrescentou. Vázquez também votou cedo e disse que pretende conversar com todos os partidos. “Vamos convocar um grande encontro nacional para analisar, também com outros partidos, temas econômicos, políticos e sociais. Vamos, com todos, desenhar o Uruguai do futuro”, garantiu. O candidato de oposição, Luis Lacalle Pou, começou pela manhã uma caminhada por diversos bairros de Montevidéu antes de se dirigir a seu local de votação. Ele agradeceu no Twiter ao apoio de seus militantes. "Começando a caminhada com tranquilidade e serenidade. Meu permanente agradecimento a todos os militantes que estão trabalhando hoje", escreveu. As fortes chuvas que caíram hoje no Uruguai causaram alguns transtornos no início da votação, como a mudança de algumas seções eleitorais devido à inundação e o atraso na abertura de outras. Segundo analistas, o maior desafio do presidente eleito será conter a violência no país.

Teco: No dia de hoje o marechal Castelo Branco sancionou o Estatuto da Terra após o golpe militar que derrubou o presidente João Goulart. Segundo o Estatuto, o Estado tem a obrigação de garantir o direito ao acesso à terra para quem nela vive e trabalha. A aprovação teve dificuldade em passar pelo Congresso devido a críticas de parlamentares da UDN e PSD. O artigo 1 da Lei 4.504 diz que o estatuto tinha o objetivo de regular os direitos e obrigações concernentes aos bens imóveis rurais, para os fins de execução da Reforma Agrária e promoção da Política Agrícola. E definia a reforma agrária como o “conjunto de medidas que visem a promover melhor distribuição da terra, mediante modificações no regime de sua posse e uso, a fim de atender aos princípios de justiça social e ao aumento de produtividade”.  Já a política agrícola é definida como “o conjunto de providências de amparo à propriedade da terra, que se destinem a orientar, no interesse da economia rural, as atividades agropecuárias, seja no sentido de garantir-lhes o pleno emprego, seja no de harmonizá-las com o processo de industrialização do país”. Há 50 anos.

Tico: No dia de hoje a Bolsa de Mercadorias & futuros tornou o seu capital aberto. A ação registrou um recorde na procura de seus papéis. A grande procura levou a uma pane no sistema da bolsa de valores. Os primeiros negócios foram realizados no valor de 25 reais por ação. No ano seguinte a BM&F e Bovespa se uniram para formar a Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros. A abertura de capital da BM&F ocorreu há 7 anos.

Teco: No dia de hoje nascia, há 140 anos, o primeiro-ministro britânico Winston Churchill. Proveniente de família da nobreza britânica, do duque de Marlborough, seu pai, lorde Randolph Churchill, fez carreira política, tendo se tornado ministro da Fazenda do Reino Unido. A eleição de Winston Churchill para o Parlamento iniciou um carreira de quatro décadas para quem foi um militar com carreira na Marinha e atuação  política na Primeira Guerra Mundial tendo atraído os Estados Unidos para a Última Guerra Feudal. Após o conflito foi responsável pela divisão da Palestina para dar um “Lar Nacional” aos judeus dentro do Acordo de Balfour assinado entre a Monarquia britânica e a Federação Sionista da Grã-Bretanha. No Parlamento foi um crítico da política externa do primeiro-ministro Neville Chamberlain que pactuou o Tratado de Munique com o ditador Adolf Hitler que dava parte da Checoslováquia aos nazistas a fim de proteger a população de maioria alemã. Suas críticas sobre o desejo do fuhrer de conquistar toda a Europa, no entanto, não eram muito ouvidas na tribuna por causa do gosto de Churchill pelo álcool. Com a deflagração da Segunda Guerra, após Hitler invadir a Polônia, ele foi nomeado primeiro-ministro e atraiu novamente os Estados Unidos a entrar no conflito. Em 2002 foi eleito pela BBC o maior britânico de todos os tempos.

Tico: No dia de hoje morreu, há 23 anos, o jurista brasileiro Sobral Pinto.  Católico fervoroso e amante do Direito, ele surpreendeu várias vezes a opinião pública ao defender réus que tinham ideologia diferente da sua, apenas porque a causa feria a lei. Ele aceitou ser o advogado do comunista Luís Carlos Prestes e do alemão Harry Berger após o envolvimento deles na Intentona Comunista de 1935. No caso de Berger, usou exigiu ao governo a aplicação do artigo 14 da Lei de Proteção aos Animais ao prisioneiro que havia sido torturado nos porões da Ditadura Vargas. Defendeu a tese da legalidade da eleição de Juscelino Kubitscheck, que deu sustentação jurídica à sua posse, mas recusou o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal por JK alegando que a sua atuação foi “justa”. Durante a ditadura militar defendeu presos políticos e foi um dos autores do recurso junto ao STF para o habeas corpus do processo de cassação do governador de Goiás, Mauro Borges. Na petição, escreveu junto com o colega José Crispim Borges:  “Alegam os impetrantes que, desde que se tornou vitorioso o movimento armado de março do corrente ano, os adversários políticos do Governador vêm-se empenhando para afastá-lo do Governo do Estado de Goiás, para o qual fora eleito em pleito honesto e livre pelo povo do mencionado Estado. As providências para tal formalidade são múltiplas e, frustradas umas, outras surgem, numa obstinação fértil em maquinações. A tática posta agora em prática consistiu na instauração de um Inquérito Policial-Militar, que teria começado na área propriamente militar, posteriormente transferido para o Departamento Federal de Segurança Pública, sob a direção do General Riograndino Kruel, com escopo indisfarçável de colheita de provas para o afastamento do Governador”. Com o questionamento de que a ação se configurava “perseguição política”, Sobral conseguiu que o Supremo aprovasse, por unanimidade, o habeas corpus. Na década de 80, durante das Diretas Já, o jurista voltou à atuação política ao apoiar o movimento, lembrando a Constituição.  A sua vida foi retratada no documentário “Sobral – o homem que não tinha preço"produzido pela sua neta Paula Fiuza.

Teco: No dia de hoje nasceu, há 77 anos, o cineasta britânico Ridley Scott. Conhecido por ser um realizador muito versátil; raramente fazendo dois filmes do mesmo estilo, ele é aclamado pela obra-prima “Blade runner – o caçador de androides”. Mas em seu currículo constam “Allien o oitavo passageiro”, “Gladiador” e “Thelma e Louise”. Quando filmava “Cruzada” no Marrocos, chegou a ser ameaçado de morte por extremistas islâmicos por tratar a luta entre cristãos e muçulmanos pela Terra Santa. Para retratar ainda a história dirigiu “1942 – a conquista do paraíso” quando discute a relação entre ciência e fé na crença sobre a existência do Novo Mundo durante a descoberta da América por Cristóvão Colombo. Está prevista para o próximo mês a estreia do seu mais recente filme: “Êxodo – deuses e reis”. O cineasta britânico faz a sua leitura sobre a passagem bíblica do profeta hebreu que conduz o seu povo da opressão do Egito a fim de levá-lo à “terra prometida” por Deus a Abraão, Isaac e Jacó.

Bytes: Ontem eu fui assistir ao filme “Jogos Vorazes – a esperança”, de Francis Lawrence. A história é a continuação da franquia baseada no best-seller de Suzanne Collins sobre a opressão nova nação chamada Panem cujo povo sofre a opressão do regime. Sob a alegação de um mundo de paz, o ditador institui um jogo de sobrevivência no qual apenas um sai vencedor por não morrer. Neste terceiro filme da franquia, a protagonista Katniss Everdeen, interpretada Jennifer Lawrence, se envolve numa trama em que precisa fazer um acordo em troca de paz no reino divido, mas controlado ainda pelas forças militares do ditador Snow. A guerra civil ascendeu a “insurgente” Alma à presidência rebelde dos distritos em combate com a capital. Neste enredo, o rebelde Peeta Mellark capturado pelo ditador, aparece na TV com atitudes que levam à população a vê-lo como um “traidor”. Mas Katniss o ama. E busca a verdade. Com edição ágil, apesar de cenas dispensáveis que deixaria o argumento mais enxuto, o terceiro filme da franquia é “instigante”. Decepciona apenas àqueles que gostariam de entender logo a história. Mas é preciso esperar para a parte II de “Jogos Vorazes – a esperança” para aplaudir ou não. Por enquanto desperta apenas a atenção.

Aparecida: O meu filho disse que as franquias de sucesso têm sempre um tema ligado à “luta pela sobrevivência”, o que desperta a atenção entre os jovens. No primeiro filme da franquia, “Jogos Vorazes”, o roteiro que ele mais gostou, a competição é acompanhada pela população pela TV através de um “reality show”. O que você acha ?

Bytes:  O filme acompanha o interesse dos espectadores, principalmente os mais jovens. Na TV já tivemos vários realities sobre sobrevivência em meio às adversidades da natureza, como “Jogo duro” apresentado pelo ator Paulinho Vilhena na Globo. A cada domingo, oito jogadores passavam por quatro provas, ao ter que enfrentarem animais perigosos, fios elétricos e inundações, até encontrarem as notas de dinheiro. Vencia quem acumulasse a maior soma em dinheiro. Os desafios aconteciam no “laboratório”, “esgoto” e “galpão”. A diferença para o filme de Hollywood é que o vencedor não precisa que os outros morram para ganhar o jogo. Numa tradução literal para o português a obra baseada no livro de Suzanne Collins se chamaria “Jogos da fome”.  Detalhe: Mockingjay que foi traduzido como “esperança” é o pássaro-símbolo do filme.

Aparecida: E como pensa o governo dos Estados Unidos?

Bytes: Deu no jornal “O Globo” de 26 de novembro de 1964, cuja manchete foi “Assinado o decreto e escolhido interventor militar em Goiás”: “Embora o Sr. Amaral Peixoto tenha reafirmado, hoje de manhã, em Brasília, não terem fundamento as notícias de que o Govêrno já assinou o decreto de intervenção em Goiás, fontes ligadas à Presidência da República informaram, também, às primeiras horas da manhã de hoje, que o decreto está realmente assinado desde as 17 horas de ontem, dependendo apenas de pequenas formalidades sua publicação e a indispensável comunicação ao Congresso. Informava-se, igualmente, que o interventor, também já escolhido, será um militar sem vinculação direta com os acontecimentos”. E mais: “A URSS exige o fim da ação militar no Congo. Em notas aos Estados Unidos, Bélgica e Grã-Bretanha qualificou de intervenção armada a operação de resgate de europeus no Congo. O Departamento de Estado rejeitou as acusações de intervenção. Os pára-quedistas belgas ultimam o salvamento de europeus e preparam ataque a outro reduto rebelde”. E mais: “Otávio Bulhões confiante nas medidas antiinflacionárias. A maior parte do combate à inflação já está vencida. O Ministro da Fazenda, Sr. Otávio Gouveia de Bulhões, concedeu entrevista à jornalista Ester Emilio Carlos, para O GLOBO, sobre a condução da política econômica. Perguntado sobre as queixas generalizadas sôbre a elevação dos preços dos gêneros alimentícios e nos transportes, o ministro disse que a queixa é procedente, mas informou que se o Govêrno não tivesse tomado as medidas que tomou, não só a elevação seria muito maior, como não haveria a menor perspectiva de estabilização no próximo ano. ´Os ajustamentos mais fortes de preços já foram conseguidos. Daqui por diante, os produtores terão estímulo para produzir e não há mais necessidade de subsidiar nenhum produto. As safras agrícolas serão abundantes no princípio de 1965´, disse Bulhões”.

Aparecida: Deu no jornal “O Globo” de 26 de novembro de 2014, 50 anos depois: “Equipe nova, ideias novas. Levy deverá assumir logo para iniciar corte de gastos. Anúncio de novo ministro da Fazenda está previsto para amanhã. Nelson Barbosa, escolhido para o Planejamento, também será empossado na sexta. Governo estuda fixar limite para o aumento de despesas a fim de mostrar compromisso com ajuste fiscal de longo prazo. Aécio: Levy é CIA na KGB. Manifesto critica escolhas. Em manifesto lançado na Internet, intelectuais e líderes de movimentos sociais chama de ´repressão´ a indicação e Joaquim Levy e Kátia Abreu para ministérios”. E mais: “Operação Lava Jato. Corrupção na Petrobras choca STJ. Ao negarem ontem recurso de um dos investigados na Operação Lava Jato, ministros do STJ fizeram duras críticas ao esquema de corrupção na Petrobras. O ministro Felix Fischer disse que ´nenhum outro país viveu tamanha roubalheira´”. E mais: “Icaraí tem IDH mais alto que Leblon. Japeri registra os piores resultados na Região Metropolitana do Rio. São Luís, no Maranhão, lidera em educação. O índice de Desenvolvimento Humano de Icaraí, em Niterói, é o maior da Região metropolitana do Rio, segundo o Pnad e o Ipea. A desigualdade caiu no Brasil entre 2000 e 2010, mas ainda é muito grande mesmo dentro de uma região. São Luís, no Maranhão, aparece como a metrópole de melhor desempenho em educação fundamental”.

Bytes: O jornal “O Globo” publicou o editorial “Descontrole e protecionismo ajudam corrupção”: “Com a abertura do mercado brasileiro de petróleo, a Petrobras perdeu a condição de empresa monopolista. Ao menos em tese, todas as atividades nas quais a Petrobras está presente foram abertas à competição, do poço de petróleo ao posto de serviços. Nesse novo quadro, não faria sentido manter a companhia amarrada às regras do serviço público em geral e de outras empresas estatais. Licitações, por exemplo, se conduzidas pelas normas da lei 8.666, levariam bem mais tempo do que o dispensado pelos concorrentes”.

Aparecida: O editorial do jornal “O Globo” questiona se teria disso a dispensa de contratação que favoreceu o superfaturamento, o suborno e o pagamento de propinas nos escândalos de corrupção revelados pela Operação Lava-Jato. O que você acha?

Bytes: Se não houvesse a dispensa a Petrobras não poderia concorrer com as estrangeiras. O que deveria ter havido era um mecanismo de controle além do Tribunal de Contas. Mas na dialética socialista há acusação aos “personagens”: FHC, Lula e Dilma. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: O que você achou da corrupção ter dito “nota fiscal?”

Bytes: Como diz bem o termo teve recolhimento ao “Fisco”. Parece o PC, quer dizer: quem mais parece o PC é o doleiro Yousseff. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: No fim de semana ativistas políticos fizeram manifestação pedindo o impeachment da presidente Dilma por causa das denúncias de corrupção. Ontem, na Avenida Paulista, os manifestantes tiveram a presença do cantor Lobão. O que você acha?

Bytes: Estou mais interessado no processo histórico. Nos Estados Unidos, a manifestação pela morte do estudante negro por um policial branco desencadeou quebra-quebra, apedrejamento de jornalistas, das viaturas policiais e até uma vítima inocente, grávida, perdeu o olho esquerdo ao ser atingida por uma bala de borracha. A TV denunciou que a polícia deixou o vandalismo ocorrer e o prefeito reclamou do governador por não ter demorado a enviar a Guarda Nacional. Qualquer semelhança com junho de 2013 não é mera coincidência. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: O que você acha da eleição no Uruguai?

Bytes: Muito feliz pelo fato da América Latina ter optado pela democracia, apesar do fundamentalismo. A partir de amanhã o Sistema de Pagamentos em Moeda Local com o Banco Central do Uruguai entrará em operação. O sistema substitui as transações em dólares e deve facilitar o comércio de bens e serviços entre o Brasil e o Uruguai. Pelo convênio, importadores e exportadores brasileiros e uruguaios poderão realizar pagamentos e receber em suas respectivas moedas, dispensando o contrato de câmbio. Também será possível a utilização do sistema para o pagamento de aposentadorias e pensões, além de remessas de pequeno valor. O Banco Central do Brasil informou que o sistema com o Uruguai é semelhante ao da Argentina, mas inclui avanços decorrentes da experiência adquirida ao longo dos anos. Entre esses avanços, o BC cita a possibilidade de os agentes brasileiros não apenas exportarem, mas também importarem em reais, e a inclusão de serviços não relacionados ao comércio de bens.

Aparecida: Como fica o mercado de capitais? A BM&FBovespa planeja comprar até 15% de todas as principais operadoras de bolsas na América Latina. Em entrevista ao jornal britânico “Financial Times”, publicada no domingo retrasado, o presidente da BM&FBovespa, Edemir Pinto, disse que a companhia buscava, com isso, aumentar sua influência na região. Os “hermanos” nos acusarão de imperialista?

Bytes: O importante é o rio fluente da história, sem medo de ser feliz. 

Aparecida: Protecionismo ajuda a corrupção?

Bytes: O que ajuda a corrupção é o desconhecimento. E há a exploração política. Recebi pelo “face” um comentário atribuído ao Alexandre Garcia no qual ele diz que os eleitores de Dilma são coniventes da corrupção. Não sei se há veracidade, mas o Gregório Duvivier deve ser preparar para mais livradas de manual na cara. Sobral fará falta. Mas tudo é interpretação da história. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: E qual é a interpretação da história?

Bytes: Na segunda sequencia da franquia “Jogos Vorazes”, chamada de “Em Chamas”, o marqueteiro do reino, interpretado com competência por Philip Seymour Hoffman, diz para o ditador Snow que o regime opressor não deveria matar a protagonista Everdeen porque seria o seu fim da ditadura, mas sim levar o povo a matar a líder que deseja libertá-lo da opressão em direção à liberdade. Vamos espera o próximo capítulo, digo a parte II da “Esperança”. Essa trama já foi contada de outra forma. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: Ah, entendi! Está escrito na “Boa Notícia” na festa sobre a passagem da opressão para a liberdade: “Ora, por ocasião da festa, costumava o presidente soltar um preso, escolhendo o povo aquele que quisesse. E tinham então um preso bem conhecido, chamado Barrabás. Portanto, estando eles reunidos, disse-lhes Pilatos: Qual quereis que vos solte? Barrabás, ou Jesus, chamado Cristo? Porque sabia que por inveja o haviam entregado. E, estando ele assentado no tribunal, sua mulher mandou-lhe dizer: Não entres na questão desse justo, porque num sonho muito sofri por causa dele. Mas os príncipes dos sacerdotes e os anciãos persuadiram à multidão que pedisse Barrabás e matasse Jesus. E, respondendo o presidente, disse-lhes: Qual desses dois quereis vós que eu solte? E eles disseram: Barrabás. Disse-lhes Pilatos: Que farei então de Jesus, chamado Cristo? Disseram-lhe todos: Seja crucificado. O presidente, porém, disse: Mas que mal fez ele? E eles mais clamavam, dizendo: Seja crucificado. Então Pilatos, vendo que nada aproveitava, antes o tumulto crescia, tomando água, lavou as mãos diante da multidão, dizendo: Estou inocente do sangue deste justo. Considerai isso. E, respondendo todo o povo, disse: O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos”.

 

EM MEMÓRIA DE SOBRAL PINTO

Rio de Janeiro, 30 de novembro de 2014

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Exibições: 213

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço