José Maria de Abreu - A Versatividade de um Artista Centenário

 

José Maria de Abreu
* 7/2/1911 Jacareí, SP
+ 11/5/1966 Rio de Janeiro, RJ

José Maria de Abreu herdou o DNA dos pais. A mãe era pianista amadora e o pai maestro, sendo o responsável por sua iniciação musical, ensinando-lhe violão, piano, trompete e violino.

A carreira de José Maria de Abreu seguiu quatro linhas distintas, porém complementares.

A primeira delas está ligada ao teatro de revista, área pela qual iniciou suas atividades musicando e posteriormente, regendo peças.

A segunda atividade foi a de compositor de canções populares, e durou a vida inteira.

A terceira foi a de pianista de casas noturnas, iniciada ainda em São Paulo, no final da década de 1920, que perdurou apenas até meados da década de 1930.

A quarta foi a de pianista e maestro de estações de rádio, começando pela Rádio Mayrink Veiga, do Rio de Janeiro, em 1933, e passando pela Rádio Clube (depois rebatizada como Rádio Mundial), também do Rio de Janeiro, onde chegou a ser o Diretor Artístico e regente da orquestra.


Vamos comemorar seu Centenário de nascimento com muita música composta por ele e/ou em parceria com Jair Amorim, Francisco Matoso, Lamartine Babo, Noel Rosa e tantos outros, abrangendo vários gêneros musicais: samba, marcha, samba-canção, fox-trot e valsas; esse último era o seu gênero preferido, tanto que foi batizado de o “Rei da Valsa”.



VALSAS 


Uma das suas valsas mais famosos é “Boa Noite Amor” em parceria com Francisco Mataso.

 

Francisco Alves interpretando “Boa Noite Amor”. Disco Victor (34.052), 1936.

 

 

 


A valsa “Boa Noite Amor” marcou a presença de Francisco Alves no rádio brasileiro. Ela era tocada como prefixo e sufixo de suas audições.

Segundo Jairo Severiano e Zuza Homen e Mello pouca gente sabe que esta valsa possui uma letra em inglês, de Maria C. Rego, editada pela Vilate (“Good-night sweetheart / my love divine / my dreams belong to you...”).



Confiram também com Elis Regina



 

 



Francisco Matoso e Jair Amorim (foto abaixo) foram seus parceiros mais constantes.

 

 

“Mais uma valsa... mais uma saudade”, de José Maria de Abreu e Lamartine Babo, com Carlos Galhardo. Disco Victor (34.200), 1937.





MARCHAS


“Onde está o dinheiro?”, de José Maria de Abreu / Francisco Matoso / Paulo Barbosa, com Aurora Miranda. Disco Odeon (11.538), 1937. 

 


“Pegando fogo”, de José Maria de Abreu e Francisco Matoso, com Bando da Lua. Disco Victor (34.393), 1938. 

 

 

 

SAMBA-CANÇÃO


“Alguém como tu”, de José Maria de Abreu e Jair Amorim, com D*** Farney. Disco Continental (16.659-B), 1952





 

 


“Um cantinho e você”, de José Maria de Abreu e Jair Amorim, com D*** Farney. Disco Continental (15.916-B) / Matriz (1878). Gravação (04/06/1948) / Lançamento (setembro/1948).

 

 



A cantora Paula Morelenbaum gravou um CD intitulado “Teleco-teco um sambinha cheio de bossa…”, incluindo “Um cantinho e você”.


“Um cantinho e você” com Paula Morelenbaum

 

 

 




No vídeo abaixo, participando do programa Sarau da Globo News, ela diz que Carlos Lyra considera “Uma cantinho e você” a primeira música de bossa nova. Confiram: 


 

SAMBAS

“E você me abandonou”, de José Maria de Abreu e C R de Barros, com Aracy de Almeida. Victor (30.040), 1936)

 

 

 

 

“Ingratidão”, de José Maria de Abreu e C.R. Barros e Souza, com Aracy de Almeida. Victor (34.027), 1935. 

 

 

 

 
Compositor de grande talento e de harmonias elaboradas, José Maria de Abreu, marcou, significativamente, seu nome na história de Música Popular Brasileira.
Que seu trabalho seja lembrado, reconhecido e difundido, hoje (07/02/2011), dia do seu Centenário de nascimento e sempre.

 

********************
Fontes:

- Uma história da música popular brasileira: Das origens à modernidade, de Jairo Severiano. – São Paulo: Ed. 34, 2008.
- A Canção no Tempo: 85 anos de músicas brasileiras, vol.1: 1901-1957, de Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello. – São Paulo: Ed. 34, 1997.

- Sites: Músicos do Brasil / ICCA / IMS

********************

Exibições: 835

Comentário de Gilberto Cruvinel em 10 fevereiro 2011 às 14:05

Oi Laura,

 

Lindo post. Sabe que tentei achar na rede uma versão em inglês que fosse da valsa Boa Noite Amor, mas não houve jeito. Se não me engano há um desenho do Disney que usa a valsa, não há?

Beijos

Gilberto

Comentário de Laura Macedo em 11 fevereiro 2011 às 0:31

Gilberto,

 

Infelizmente não sei informar se há realmente um desenho da Disney com esta valsa.

Quanto a versão em inglês nem cheguei a procurar, mas confio na informação dos afamados pesquisadores Jairo e Zuza :))

 

Beijos.

Comentário de Gregório Macedo em 16 fevereiro 2011 às 1:47

Um cantinho e você/O barquinho, Alguém como tu/Se todos fossem iguais a você... Algo me diz estamos diante de um dos grandes influenciadores dos letristas da Bossa Nova. Basta ouvir outras dele, que a lembrança de clássicos posteriores (final dos anos 50 em diante) virá. José Maria de Abreu, eis aí o cara!

Homenagem justíssima, viu?

Beijos.

Comentário de Laura Macedo em 16 fevereiro 2011 às 18:05

Gregório, você foi na mosca. José Maria de Abreu é um bossanovista nato.

É importante que grandes nomes da nossa MPB, a exemplo de Paula Morelembaum / Carlos Lyra, tragam a tona as verdadeiras fontes originárias da chamada bossa nova.

Beijos.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço