Foto Hugh Hill
Um amigo médico atendeu Boal nestes últimos dias. Disse que ele tinha planos para trabalhar com o filho, felizmente Julian Boal faz o Teatro do Oprimido.
Como alguém disse ai, Boal vive.

Julian Boal dinamiza teatro do oprimido e o teatro-fórum


Daqui


Reprodução de um texto de Ana Cristina Pereira publicado na edição de 15 de Out. no jornal Público com o título «Boal(filho) ou o teatro como espaço para ensaiar a mudança de atitude»
O Teatro do Oprimido cresce em toda a Europa, incluindo Portugal. Talvez seja "um sinal de que a democracia representativa não está a funcionar direito"

Os alunos, quase todos do sexo feminino, formam um círculo. O seu olhar alonga-se para Julian Boal, filho de Augusto Boal, monstro sagrado do Teatro do Oprimido (TO). Enquanto explica o exercício, dois improvisados assistentes colocam nomes de profissões e de figuras públicas atrás das costas de cada um. Cada um deverá tratar os outros como se fossem o que está escrito no papel.

Três coisas que o leitor deve saber antes de continuar a ler este texto:
a) isto é um workshop de TO, organizado pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto;
b) o teatro, segundo Augusto Boal, "é sempre uma acção política";
c) o TO é um conjunto de exercícios, jogos e técnicas que ambiciona "ensaiar a revolução".

Os alunos tentam adequar o seu comportamento a quem encontram. Há tapar de narizes frente ao lixeiro, olhares de desprezo para a prostituta, cuspidelas a Rui Rio, pedidos de autógrafo à Madonna... A partir das reacções que recebe, cada um tenta adivinhar a sua própria identidade. Nem todos conseguem. O polícia pensa que é ladrão, o Noddy pensa que é a Floribella, o gerente bancário pensa que é uma alta individualidade das finanças... Elucidativo?

O exercício pode originar um debate sobre conceitos e preconceitos. "O estereótipo é uma força efectiva", nota Julian Boal. "Ele não é verdadeiro na essência, é verdadeiro estruturalmente. O brasileiro não é em si malandro, mas o estereótipo também é uma força que projecta, que também faz com que a pessoa se conforme a esse estereótipo", exemplifica.

Nos primeiros anos, Julian trabalhava apenas como assistente do pai. Há seis anos, criou o seu próprio grupo de TO - emancipou-se, embora mantenha parcerias com o pai. Viaja muito. Faz workshops como este nas mais diversas partes do mundo. "Está a haver uma explosão" de TO. Talvez seja "um sinal de que a democracia representativa não está a funcionar direito". Em diversos países da Europa, "como a Alemanha, a França ou o Reino Unido, parece igual" votar num partido ou noutro. O TO seria então "uma reacção a essa falta de espaços democráticos".

O teatro-fórum

A técnica mais usada em todo o mundo é o teatro-fórum. Em que consiste? Há um espectáculo baseado em factos que, se não aconteceram, podiam ter acontecido; no fim, os espectadores, mediados por um "coringa", são convidados a entrar no espectáculo, podem mudar cena a cena, resolver o conflito. A ideia é transformar o espectador em protagonista da acção dramática e, desse modo, ajudá-lo "a preparar acções reais que o conduzam à libertação".

Julian mora em França. Trabalha há dois anos com imigrantes da Argélia e do Mali, a maior parte clandestinos, residentes num albergue. O seu grupo visitou-os umas 20 vezes antes de apresentar o primeiro tema: segurança laboral. A primeira sessão "foi intensa e maravilha ao mesmo tempo". No debate, um imigrante contou que lhe deram só uma luva para manipular material tóxico. "Ele disse: "O patrão é como amigo que dá comida, não se pode reclamar." Fiquei sem saber o que fazer, felizmente outro interrompeu e disse: "Não é assim, o trabalhador tem direitos"."

"Uma sessão só não basta" para ajudar a libertar um oprimido, como não basta ler um livro ou participar num debate. "Se eu abro o espaço da discussão política, sinto-me responsável por que as continuem a debater", refere, enquanto os alunos preparam outro exercício no tapete. "Não abro para fechar logo. Trabalho muito tempo com as pessoas".

O que consegui, afinal, ao fim de dois anos, no albergue? "Acho que há uma circulação de palavra que não havia. No início, uns não tomavam a palavra. Agora, tomam. Os mais para o branco com papéis ainda falam mais do que os não tão brancos sem papéis. Mas hoje há uma situação mais igualitária. Havia muita diferença e muito grande entre argelinos e malianos." Julian observa agora menos discriminação a diversos níveis, mais partilha.

A utopia

De que forma o TO muda a realidade? "Meu pai fala em ensaio da revolução." Ao entrar em cena, o espectador "aprende a detectar as armas do opressor e treina tácticas e estratégias de luta, treina para uma transformação". Essa força "tem de ser usada fora do fórum, porque é fora do fórum que se faz a mudança". Experiência mais marcante? "Talvez descobrir Jana Sanskriti", na Índia. "Usam o teatro do oprimido não só para se expressar, também para se emancipar." Isso "só tem paralelo no Brasil, com o Movimento dos Sem-Terra (MST). Mas o MST constituiu-se como movimento e criou grupos de TO, enquanto na Índia foi através de TO que eles se constituíram como movimento. É um movimento enorme. Há uma rede, na Índia inteira são três milhões".

A utopia é "o mundo parecer-se com um teatro-fórum". Tradução: "Um mundo em que as pessoas podem experimentar. Em que todas as relações podem ser discutidas, criticadas. Um mundo em que, de facto, a pessoa possa argumentar." Embora a
comunicação esteja longe de resolver tudo.

Exibições: 411

Comentário de Helô em 4 maio 2009 às 1:13
Pois é, Laura
Você nos traz esta matéria tão boa sobre Julian Boal.
E a gente fica feliz sabendo que as idéias de Boal são adotadas não só no Brasil, mas em diversos países do mundo.
Beijo.
Comentário de Lia Noronha em 4 maio 2009 às 20:21
O cara revolucionou o teatro...o teatro do oprimido foi um grande diferencial!
Bjus mil da amiga de sempre.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço