Waka waka

(...) "Um apartheid que não diz seu nome, como o que existe no Brasil, é evidente em toda parte......"

A Shakira fará um show na pré-abertura da Copa, hoje, em Johannesburgo. Já houve uma pré-pre festa de inauguração em que a Shakira ensinou como se dança a "Waka waka", a música oficial da Copa.

Ontem, uma multidão passou pelo nosso hotel na direção do hotel que hospeda a seleção do Parreira, que fica aqui perto. Um mar amarelo, acompanhado pelo som das vuvuzelas e das buzinas dos carros. As vuvuzelas ganharam.

Parreira não achou boa esta celebração fora de hora, mas escalou alguns jogadores para subirem num ônibus e fazerem um inédito desfile triunfal antes do triunfo.

O ônibus circulou no meio da multidão entusiasmada e voltou para o hotel. Dá para imaginar como será a festa se a África do Sul estrear bem contra o México, amanhã. Tudo no espírito da "Waka waka".

Estão dizendo que não se viu um clima assim no país desde a libertação do Mandela e o fim do apartheid.

Com perdão do psicologismo barato, acho que a euforia de hoje tem a ver com uma necessidade coletiva de desagravo, de mostrar que a África do Sul merece ser remida dos seus pecados.

O desfile da vitória antecipado pode ter sido um reconhecimento inconsciente de que uma vitória real não virá, mas a vitória fora do campo, a prova de que o país pôde superar seus traumas e organizar uma festa como esta, é um objetivo realista.

O objetivo maior é que o mundo possa pensar na África do Sul sem automaticamente pensar em raça e violência. O entusiasmo contagiante pelo time seria um entusiasmo por outra imagem, e por uma nova forma de autoestima. Fim do psicologismo barato.

É claro que as impressões não morrem e as feridas do passado permanecem abertas. Um apartheid que não diz seu nome, como o que existe no Brasil, é evidente em toda parte. E é difícil estar aqui e não pensar o tempo todo no que o apartheid oficial significou para o país.

O apartheid informou não só suas leis e seus costumes como a sua cultura, alta e baixa. Os dois prêmios Nobel da África do Sul, Nadine Gordimer e J.C. Coetzee, notabilizaram-se pelas suas posições diante das leis raciais tanto quanto pela qualidade literária. E o apartheid produziu uma das personalidades mais notáveis de todos os tempos. O indiscutível cara, o Mandela.

Por sinal, ainda não se sabe se Mandela estará nas festas de inauguração. Suspeita-se que esteja tendo aulas particulares de "Waka waka" com a Shakira. O Madiba pode tudo.

Exibições: 30

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço