La BOHÈME-Puccini, Ópera Moderna, Versão Histórca

La BOHÈME-Puccini
Ópera Moderna, Versão Histórca

Emoção a cada nota. Essa é a melhor frase para se definir a ópera La Bohème de Giacomo Puccini. Quem não se apaixona pelos personagens Mimi e Rodolfo. Que ouvidos não se sensibilizam com os temas dos amantes ou dos boêmios. Muitas óperas já fazem parte do passado, La Bohème tem lugar no futuro e está entre as óperas mais representadas e queridas pelo público.
O diretor Franco Zeffirelli é conhecido como gastador. Suas produções caras e luxuosas espantam muitos teatros, mas aqueles que podem arcar com suas despesas quase nunca se arrependem. O resultado é uma montagem sóbria e moderna. Respeito ao libreto e as intenções do compositor é outro detalhe que não escapa. Nessa ópera ele acerta em cheio. Os figurinos adequados e os cenários inventivos são exigências de um diretor que entende do assunto. A correta movimentação dos cantores e suas atuações demonstram o controle sobre os mesmos. Fato esse nem sempre conseguido.Usa técnicas do teatro em prol do drama operístico. Zeffirelli não inventa teorias ou releituras, faz o básico com muito bom gosto e qualidade. Essa é sua maior virtude. Esse é o motivo de seu aclamado sucesso.
Tendência da ópera moderna é os cantores terem o tipo físico do personagem. Conciliar tipo físico com boas vozes é tarefa deveras complicada. Luciano Pavarotti cantou essa ópera diversas vezes, existem muitos registros em vídeo, difícil imaginar o tenor com mais de 50 anos um boêmio faminto e com frio. Nessa versão todos os cantores-atores estão vocal e cenicamente ideais para encarar seus personagens. Equilíbrio conseguido poucas vezes em uma ópera.
Marcelo Alvarez é tenor de bela voz e interpretação segura . Domina o palco com sua juventude marcante e cativante. Seu Rodolfo é misto de amor e ciúmes, sua paixão avassaladora no primeiro ato culmina com a tentativa frustrada de abandonar sua amada no terceiro. O último ato mostra o equilíbrio entre música e atuação que o cantor consegue impor, faz da morte da amada algo comovente.
Cristina Gallardo-Domas não chega a ser uma Leila Guimarães (cantora brasileira que ganhou o primeiro concurso de Luciano Pavarotti e cantou com ele uma fantástica La Bohème em 1982 na Filadélfia , existe versão pirata dessa ópera) mas com belo timbre de soprano , bons agudos e médios consegue impor uma atuação respeitável. Mostra a fragilidade de Mimi desde sua primeira entrada até sua morte.
A orquestra do Scala de Milão é soberba quando o assunto é ópera italiana. O maestro Bruno Bartoletti conduz La Bohème com tempos corretos.Apenas um pouco lento na Valsa de Musseta. As cordas são uma espetáculo a parte, som brilhante e nítido. Se em vídeo é uma maravilha imaginem ao vivo! O coro domina todo o segundo ato, a quantidade monumental de coristas cantando de forma tão afinada só se consegue em uma produção do Scala.
A direção de câmera foi impecável nessa produção, trabalho de diretor que conhece a ópera. Ângulos e closes mostram toda a ação de forma perfeita. Imagem e som excelentes , gravação original e digital para dvd. A iluminação contribui muito para a fluência do enredo. Digna de um grande iluminador de teatro.
O maior trunfo de La Bohéme é comover. Nos comovemos com os amantes se conhecendo no primeiro ato, nos emocionamos com a alegria deles no Café Momus e com a valsa de Musseta na segundo, nos entristecemos com sua separação iminente no terceiro. Lágrimas vem aos olhos ao ver Mimi doente , a música repetindo os temas passados, quando conheceu Rodolfo. A emoção é febril . Mimi não é um personagem interior, não tem a música metafísica de uma Isolda de Richar Wagner. Mas a emoção que transmite nesse quarto ato é marcante. Sua morte não é uma redenção e sim uma tragédia da vida. Temos hoje nesse dvd uma versão moderna de La Bohème, no futuro essa será considerada histórica.
La Bohème, compositor Giacomo Puccini- Cantores: Cristina Gallardo-Domas,Hey-Kiung Hong, Marcelo Alvrez,Robert Servile,Natale de Carolis,Giovanni Battista Parodi,Alberto Fraschina,Mateo Pieroni,Ângelo Romero,Ernesto Paraniello,Tino Nava, Antonio Novello. Regente:BRUNO BARTOLETTI.Direção Franco Zeffirelli.Coro e Orquestra do Teatro Ala Scala de Milão. DVD com legendas em Inglês, Francês , Italiano e Espanhol. Cantado em Italiano. Regão 0, Todos os países, 134 minutos
Ali.hassan.123@hotmail.com
Ali Hassan Ayache

Exibições: 223

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço