Sátiro Bilhar

*4/4/1862 - Crato (CE)

+24/10/1926 – Rio de Janeiro (RJ)

Violonista / Compositor

 

 

 

 

Uma das figuras mais conhecidas e queridas no meio musical. Pertenceu à geração de chorões antigos ao lado de músicos como João Pernambuco, Quincas Laranjeiras, Catulo da Paixão Cearense, Heitor Villa-Lobos, Donga, entre outros.

 

 

 

 

 

 

 

Embora não fosse um virtuose do violão, sua execução peculiar chamava mais a atenção do que o próprio repertório. O compositor Heitor Villa-Lobos dizia que não era o que ele tocava, mas como tocava é que era genial. Interpretava sempre as mesmas obras (duas ou três composições suas), imprimindo-lhes, porém as mais diversas possibilidades de variação em sua execução.

 

 

 

 

 

 

 

A esse respeito dizia o compositor Donga: "O Sátiro era sujeito formidável, formidável. Ele tinha duas ou três composições só, e só tocava aquilo. Tinha uma que ele denominava de várias maneiras, 'Sons não sei de que', uma denominação clássica. Daquilo ele fazia tudo, clássico, popular, virava tudo, tocava pra lá, tocava pra cá, em cada lugar, conforme a casa e o ambiente".

 

 

 

 

 

 

 

 

Sua polca "Tira poeira" gravada por Jacob do Bandolim, até hoje, é tocada/gravada pelos chorões da atualidade.

 

 

 

Tira poeira” (Sátiro Bilhar) # Jacob do Bandolim.

 

 

 

 

 

 

 

 

Sátiro Bilhar era um boêmio convicto, apesar de ser telegrafista e trabalhar na Estrada de Ferro central do Brasil. Foi uma figura lendária da cidade do Rio de Janeiro da sua época. Merece ser lembrado para que as novas gerações conheçam sua arte.

 

 

 

 

************

Fontes:

-Dicionário Cravo Albin da MPB.

- Site YouTube.

 

************

Exibições: 341

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço