Waldemar Henrique

 

* 15/02/1905 - Belém (PA)
+ 28/03/1995 - Belém (PA)

 

 

Waldemar Henrique, nos seus 90 anos de existência, construiu uma das obras mais expressivas da Música Brasileira - tanto em qualidade e estilo -, já que se situa entre as vertentes da música popular e erudita.

 

 

 

Sua primeira composição, aos 18 anos, foi “Minha terra”, originalmente gravada por Jorge Fernandes, em 1935. Onze anos depois Francisco Alves, também, grava a primeira composição de Waldemar Henrique, que afirma: “Nunca fui homem da ‘aquarela do Brasil’, embora tenha escrito ‘Minha terra’ - aquela música que começa assim: ‘Este Brasil tão grande e amado é meu país idolatrado’”.

 

 

 

 

Minha terra” (Waldemar Henrique) # Francisco Alves (voz) / Lírio Panicalli (piano) / Eduardo Patané (violino). Disco Odeon (12.680-B), 1946.

 

 

 

 

Os dois vídeos que se seguem contam um pouco da trajetória do talentoso compositor e maestro Valdemar Henrique e sua relação com Mário de Andrade e Villa-Lobos

 

 

 

 

Reportagem sobre a história e obra de Waldemar Henrique, maestro e pianista paraense. A exibição foi no Jornal da Noite da TV Cultura do Pará especial sobre Waldemar Henrique no aniversário de 106 anos do maestro, dia 15/02/2011.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Reportagem sobre algumas curiosidades da vida de Waldemar Henrique.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Gosto muito da música popular daquela do Pixinguinha, Noel Rosa, Nássara, Ary Barroso, todos meus contemporâneos. Mas acabei embarcando na canoa do Hekel Tavares e do Villa-Lobos, que junto com Mário de Andrade diziam: ‘Tente cair nas raízes!'. Tudo isso me interessou apaixonadamente, mas o fato é que não entrei no grupo dos compositores populares nem nos eruditos”.

 

 

 

A seleção dos vídeos abaixo prova o contrário da afirmação acima. Waldemar fazia parte, sim, de ambos os grupos.

 

 

 

 

Rolinha” (Waldemar Henrique) # Jorge Fernandes (voz) / Waldemar Henrique (piano). Disco Odeon (12.426-B), 1943/1944.

 

 

 

 

 

 

 

 

Foi boto Sinhá!...” (Waldemar Henrique [música] sobre o poema de Antônio Tavernard) # Jorge Fernandes (voz) / Waldemar Henrique (piano). Disco ‘Música de Waldemar Henrique na Interpretação de Jorge Fernandes, 1956.


 

 

 

 

 

 

 

 

Meu último luar" (Waldemar Henrique) # Dalva de Oliveira.

 

 

 

 

 

 

 

 

Boi bumbá” (Waldemar Henrique) # Cláudia Todorov (voz) / Wagner Segura (violão) / Fernanda da Silveira (cavaquinho) / Fabrício Gonçalves (percussão).

 

 

 

 

 

 

 

 

Abaluaiê” (Waldemar Henrique) # Quinteto Abanã: Negravat (voz), Giovani Di Ganzá (violão), Renato Antunes (violoncelo), João Nascimento (atabaque), Douglas Lima (agogô).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Waldemar Henrique foi entrevistado pelo jornalista/escritor/crítico musical Sérgio Cabral. A referida entrevista foi publicada no jornal O Globo, edição de 13 de novembro 1978. A entrevista completa é uma delícia. Alguns trechinhos abaixo:

 

 

- Sérgio Cabral: - Qual o seu compositor preferido no momento?

 

 

- Waldemar Henrique: - Ah! O Chico Buarque! Ele tem acertado no meu gosto. Agora mesmo o Guerra Peixe fez aquele disco com as músicas do Chico e saiu um primor. Também gosto imensamente do Tom Jobim. Quando começou era o meu favorito. Conheci Tom com 17 anos, estudando piano. Essa gente toda conheci quando eram meninos. O Luiz Eça, o Sérgio Ricardo... Um dos meus favoritos era o Garoto, aquele do violão que morreu.

 

 

 

 

 

 

 

- Sérgio Cabral - Nos anos 30 o senhor vivia a vida boêmia no Rio? Freqüentava o Café Nice?

 

 

- Não muito. Frequentava pouco porque eu trabalhava demais e era muito míope. Mas ficava feliz por dar algumas passadas pelo Nice e bater com Noel Rosa, Sílvio Caldas, Nássara, João de Barro, com aquele sambista que era um primor, o....

 

 

 

- Sérgio Cabral: - Luiz Barbosa.

 

 

- Waldemar Henrique: - Luiz Barbosa! Morreu cedo, coitado! Com aquele chapéu de palha, era extraordinário, uma flor de pessoa. O Chico Alves também estava sempre lá. Conversava muito com as cantoras também. A Aracy Cortes trabalhou comigo no teatro. Não podia conviver muito com eles, entre outras razões, porque, depois, passei a viajar muito. A Carmen Miranda! Conheci bem, também trabalhamos juntos na época dos cassinos.

 

 

 

 

 

 

- Sérgio Cabral: - O que o senhor achou de voltar às paradas de sucesso com Fafá de Belém?

 

 

- Waldemar Henrique: - Conheci a Fafá ainda menina, é filha de amigos meus. Ela aprendeu a cantar “Tamba tajá” numa revista que foi apresentada no Teatro da Paz. Aliás, Fafá, gravou “Tamba tajá” de uma forma deliciosa. Graças a ela voltei às paradas de sucesso e tenho que mandar cópias dessa música para todo o Brasil.

 

 

 

Tamba tajá” (Waldemar Henrique) # Fafá de Belém. Gravação de 1976.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Waldemar Henrique teve a sensibilidade de integrar elementos fundamentais, como as culturas do branco, índio e negro, síntese da formação do povo brasileiro, refletindo-os em sua obra.

O Brasil precisa, cada vez mais, redescobrir/referenciar a obra de Valdemar Henrique.

 

 

 

 

************

Fontes:

 

- ABC do Sérgio Cabral - Um desfile de craques da MPB. - Rio de Janeiro: Codecri, 1979.

- Dicionário Cravo Albin da MPB.

- Site YouTube (Vídeos)

 

************

Exibições: 1441

Comentário de Gregório Macedo em 18 fevereiro 2014 às 1:52

"Valdemar Henrique, que acabo de conhecer, é realmente merecedor da homenagem. Deixou para a posteridade um acervo composto de 1.500 peças, é autor de um poema fantástico sobre o Brasil - 'Minha terra' -, que por muito tempo foi tido como hino nacional. O acervo de Valdemar deve ser tratado da forma como ele tratava suas canções: ele pouco se ausentava de casa, e vivia a dizer: "Não vou a festas para não deixar as canções esperando". Isso, sim, é que é amor à arte!

Beijos."

................

Para o comentário não se perder nas brumas...

Beijos.

Comentário de lucianohortencio em 29 maio 2014 às 15:28

Comentário de lucianohortencio em 29 maio 2014 às 15:29

Parabéns pelo excelente Post!

Abraço do luciano

Comentário de Laura Macedo em 29 maio 2014 às 20:32

Amigo Luciano,

Você sempre garimpando/descobrindo novos intérpretes/compositores e divulgando-os para o nosso deleite.

Valeu, amigo.

Grande abraço.

Comentário de lucianohortencio em 30 maio 2014 às 9:03

Voltei pra anexar SENHORA DONA SANCHA, para a Senhora Dona Laura!

Abraço do luciano

Comentário de Laura Macedo em 30 maio 2014 às 20:26

Quem gosta retorna, já dizia minha mãe :-)

Abraços da amiga Laura.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço