Portal Luis Nassif

The swimmer # Pablo Picasso

Para Fênix pelas conversas em verso e prosa

No oceano da vida sempre podemos escolher entre o nado e o nada. Cafu

Canto IX (Hilda Hilst – Zeca Baleiro) # Mônica Salmaso

Fênis (Arnaldo Antunes)# Arnaldo Antunes (respiração e programação)

Debaixo d’água/ Agora (Arnaldo Antunes/ Titãs) # Maria Bethânia

Depois

Depois da cinza morta destes dias,

Quando o vazio branco destas noites

Se gastar, quando a névoa deste instante

Sem forma, sem imagem, sem caminhos,

Se dissolver, cumprindo o seu tormento,

A terra emergirá pura do mar

De lágrimas sem fim onde me invento.

Sophia de Mello Breyner Andresen 

Blue III # Joan Miró

As minhas mãos

As minhas mãos mantêm as estrelas,

Seguro a minha alma para que se não quebre

A melodia que vai de flor em flor,

Arranco o mar do mar e ponho-o em mim

E o bater do meu coração sustenta o ritmo das coisas.

Sophia de Mello Breyner Andresen 

O mundo é grande (C. D. de Andrade - Sueli Costa)/Inicial (Sophia de Mello Breyner)/ Cirandas (Domínio Público - Adap. Jaime Alem) # Maria Bethânia

Como fa un’onda /Como uma onda (Lulu Santos - Nelson Motta Versão: Massimiliano de Tomassi) # Renato Russo e Célia Porto

Poemas:

Coral # Sophia de Mello Breiner Andresen

Músicas:

 

Ode descontínua e remota para flauta e oboé - De Ariana para Dionísio # Hilda Hilst, Zeca Baleiro e convidadas

Nome # Arnaldo Antunes

Mar de Sophia # Maria Bethânia

Duetos # Renato Russo e convidados

 

Poema "the and":

http://www.arnaldoantunes.com.br/new/sec_artes_obras.php?id_type=4

Exibições: 176

Comentário de Ivanisa Teitelroit Martins em 15 agosto 2013 às 20:38

Cafu, quanta sensibilidade! Beijos, querida! Muitas saudades. Posso publicar na minha página no facebook?

Comentário de Cafu em 15 agosto 2013 às 22:22

Querida Ivanisa,

Seja bem-vinda! Sirva-se à vontade dos acepipes desses artistas maravilhosos. Fico grata e feliz com sua visita e comentário . Beijos =mente saudosos.

Mais Sophia para você, fã de carteirinha:

Ó poesia - quanto te pedi

 

Ó poesia - quanto te pedi!

Terra de ninguém é onde eu vivo

E não sei quem sou - eu que não morri

Quando o rei foi morto e o reino dividido.

 

 

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2018   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço