NIÓBIO, MINERAIS, COMODITIES NO PROGRAMA.

Em março de 2012, publiquei o tópico MOVIMENTO POR UM PARTIDO.
No texto dessa publicação declaramos que: O estatuto não permitirá desvios da rota traçada. Tudo deve ser elaborado de tal modo que não haja disputa do poder só pelo poder; por mais ardilosa que seja. E um investimento de, pelo menos, 15% do PIB na EDUCAÇÃO, como parte inerente do programa, é o âmago desse texto.

Infelizmente, nenhum partido usa princípios tão avançados e necessários para o pleno desenvolvimento social e econômico do Brasil.

Primeiro, o governo declara que o aumento do investimento na educação quebra o país.
Segundo, em solidariedade com essa posição, quem aspira chegar ao poder declara que os pífios 5% investidos, hoje, só necessitam de uma boa gestão.

Todos, sabemos que desvios existem e sempre vão existir. Porém, o volume de recursos é tão pequeno que mesmo sem qualquer desfalque, não é possível melhorar o ensino público nem remunerar com um pouco de decência os professores.

Ambos ficam atrelados ao financiamento privado, tornando-se reféns desse execrável sistema imposto pelos setores:

Financeiro, pelas grandes empreiteiras, pelas construtoras, pelas multinacionais, pela lavagem de dinheiro etc. Assim, fica impossível baixar os juros, aumentando a dívida pública; as obras são superfaturadas e de qualidade duvidosa; os imóveis ficam caros devido ao custo do dinheiro e da ganância; os carros e eletrodomésticos aumentam os preços devido ao envio de royalties, remessas de lucros para o estrangeiro e impostos que são arrecadados para o governo pagar os juros ao sistema bancário, amortizando a dívida interna e a famosa lavanderia que branqueando o dinheiro sujo lança nosso país nessa calamidade que é a segurança pública.

Ambos fazem vista grossa, em seus programas político e de governo para um fato que deixa o país vulnerável: Continuamos sendo um país exportador de matérias primas, as denominadas comodities: Soja, café, milho, açúcar, carne, minério de ferro, alumínio bruto, metais nobres e o NIÓBIO. Importamos produtos com tecnologia avançada e nesse caminho continuamos no atraso.

O Nióbio.
É um metal com número atômico 41. Suas principais aplicações: Aços inoxidáveis, ligas especiais usadas em tubulações para o transporte de petróleo, na indústria nuclear, nos motores a jato, devido à alta resistência à combustão é usado na fabricação de foguetes, em supercondutores etc. Tem, portanto, uma vasta área de aplicações.

O Brasil detém mais de 95% desse precioso metal. As jazidas estão localizadas em Araxá –MG, Catalão-GO, Itambé-BA e a maior, em São Gabriel - AM.

A maior mina, em atividade, é a de Araxá, explorada pela CBMM, controlada pelo grupo Moreira Salles que controlava o Unibanco, atualmente, incorporado pelo Itaú.

Em Catalão, a produção é controlada pela Anglo American.

O Brasil, praticamente, não beneficia, não cria valor agregado. Exporta como matéria prima a um preço vil. No exterior, o produto é vendido para as indústrias por valor muito maior, gerando grandes lucros. Há denúncias de que o Nióbio esteja sendo contrabandeado, em grande volume. Outro minério com denúncias de contrabando é o Tântalo.

Calculam que os prejuízos causados ao Brasil; pelo baixíssimo preço e pelo descaminho; devem estar na faixa de centenas de bilhões de dólares.

Um país sem educação, cujas elites que o governam e outras que se candidatam para governá-lo; mas não apresentam um programa para mudar esse quadro de desmando, de pilhagem das nossas riquezas; que futuro terá?

Fazem oposição, quando se trata de investir os 15% na educação, mas se omitem a situações como essa.

Esse assunto do Nióbio foi escancarado pelo Wikileaks, porém como envolve banqueiros, dizem que TV (também) e muitos figurões, então, pouca notícia é lançada para o grande público.

Exibições: 129

Comentário de Francisco Constantino Simão em 3 março 2013 às 23:05

Gente...!!! Esse minério é mais importante que o Pré-Sal...!!!

Comentário de Lafaiete de Souza Spínola em 3 março 2013 às 23:46

Valcir,

Dizem que os Moreira Salles são bilionários, mesmo não se saindo bem com o Unibanco.

Comentário de Lafaiete de Souza Spínola em 3 março 2013 às 23:49

Francisco,

Estranho que a Globo não coloque no Fantástico! Por que?

Comentário de Francisco Constantino Simão em 4 março 2013 às 14:06

Porque o contrabando desse minério a Globo tem participação juntamente com gente do Ibama e mais, um acordo firmado entre o Lula e a Inglaterra para se servirem como quiserem desse minério....Somos um país sem dono...e o povo fica calado e nem sabem o que é o Nióbio...

Comentário de Lafaiete de Souza Spínola em 5 março 2013 às 0:31

Carta Capital, n° 736, publicou uma matéria, afirmando que a Dilma vai editar uma Medida Provisória para mudar o Código de Mineração. O objetivo é moralizar a exploração de minérios.

Foram exibidos dados comprovando que essa área lucra muito e paga pouco imposto em relação aos demais países. Nesse projeto, o imposto arrecadado será investido na educação. Se isto acontecer, algo está mudando em boa direção.

Comentário de Francisco Constantino Simão em 5 março 2013 às 14:00

Louvado seja Deus que essa carta capital 736 não seja 171.........

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço