Portal Luis Nassif

O ALERTA DE MIKIS THEODORAKIS: "SE OS POVOS DA EUROPA NÃO SE LEVANTAREM, OS BANCOS TRARÃO O FASCISMO DE VOLTA."

Com a devida licença do colega
GUILHERME CARDOSO DE SÁ
(a quem cabe o mérito de trazer
este manifesto do grego
Mikis Theodorakis), repriso aqui
este tópico com o objetivo de
exaltar MIKIS THEODORAKIS,
tantas vezes aqui no Portal
lembrado com dezenas de
vídeos que postamos.
 
Exalto-o com uma ligeira
biografia e com o vídeo de
uma sua que foi o grito de
guerra contra a ditadura grega.
No rodapé o manifesto de
Theodorakis exortando os
povos europeus a se levantarem
contra os Bancos.
Marco Nogueira

Míkis Theodorákis.

Míkis Theodorákis, em grego Μίκης Θεοδωράκης, (Chios, 29 de julho de 1925) é um compositor e político grego mundialmente conhecido pela trilha (banda) sonora dos filmes hollywoodianos Zorba, o Grego (1964) e Serpico(1973). Em 1980-1982 foi-lhe atribuído o Prêmio Lênin da Paz.

Theodorákis é também conhecido por sua posições políticas de esquerda, as quais expressa abertamente (incluindo durante o governo da junta militar que comandou a ditadura grega). Militou em diversas campanhas de direitos humanos, como o conflito do Chipre, as tensões entre a Turquia e a Grécia, os ataques da OTAN contra a Sérvia, o seqüestro de Abdullah Öcalan ou o conflito israelo-palestino. Recentemente, suas declarações contra George W. Bush e Ariel Sharon suscitaram diversas críticas.

 

Mikis (Michael) Theodorakis ( grego
: Μίκης Θεοδωράκης,
pronunciado [micis θeoðoracis] ) (nascido em
29 julho de 1925) é um dos compositores mais renomados grega e
compositores. Internationally,
he is probably best known for his songs and for his scores
for the films Zorba
the Greek
(1964), Z
(1969), and Serpico
(1973).
Internacionalmente, ele é provavelmente mais conhecido por suas
canções e pela sua pontuação
para os filmes Zorba,
o Grego
(1964), Z
(1969) e Serpico
(1973).

Politically, he
identified with the left until the late 1980s; in 1989, he ran as an independent
candidate within the centre-right New
Democracy
party in order for the country to come out of the political crisis
that had been created due to the numerous scandals of the government of Andreas
Papandreou
[ 1 ] and
helped to establish a large coalition between conservatives, socialists and
leftists.
Politicamente, ele identificou com a esquerda até o final de
1980, em 1989, ele concorreu como candidato independente dentro do
centro-direita Nova
Democracia
partido para que o país a sair da crise política que tinha sido
criado devido à numerosos escândalos do governo de Andreas
Papandreou
[1] e ajudou a estabelecer uma
grande coalizão entre conservadores, socialistas e esquerdistas.
In 1990 he was
elected to the parliament (as in 1964 and 1981), became a government minister
under Constantine
Mitsotakis
, and fought against drugs and terrorism and for culture,
education and better relations between Greece and Turkey.
Em 1990 ele foi
eleito para o parlamento (como em 1964 e 1981), tornou-se um ministro do governo
sob Constantino
Mitsotakis
, e lutou contra as drogas eo terrorismo e para a educação,
cultura e melhores relações entre a Grécia ea Turquia.
He continues to
speak out in favor of left-liberal causes, Greek-Turkish-Cypriot relations, and
against the War in Iraq. [ 2 ] [ 3 ] He has
consistently opposed oppressive regimes and was the key voice against the Greek
Junta
1967-1974, which imprisoned him. [ 4 ]

Ele continua a falar em favor de esquerda-liberal causas, greco-turca de
Chipre-relações, e contra a Guerra no Iraque. [2] [3] Ele se opõe constantemente
regimes opressivos e era a voz-chave contra o grego Junta
1967 - 1974, que o prenderam. [4]

 

 

http://youtu.be/39ZxflllCao

 

 

"Se os povos da Europa não se levantarem,
os bancos trarão o fascismo de volta."

 - por Mikis Theodorakis -

 

Cartaz na Acrópole: 'Povos da Europa, levantem-se'. No momento em que a Grécia é colocada sob a tutela da Troika, que o Estado reprime as manifestações para tranquilizar os mercados e que a Europa prossegue nos salvamentos financeiros, o compositor Mikis Theodorakis apela aos gregos a combater e alerta os povos da Europa para que, ao ritmo a que as coisas vão, os bancos voltarão a implantar o fascismo no continente.


Entrevistado durante um programa político popular na Grécia, Theodorakis advertiu que, se a Grécia se submeter às exigências dos chamados ".parceiros europeus" será ".o nosso fim quer como povo quer como nação". Acusou o governo de ser apenas uma "formiga" diante desses "parceiros", enquanto o povo o considera "brutal e ofensivo". Se esta política continuar, "não poderemos sobreviver … a única solução é levantarmo-nos e combatermos".

Resistente desde a primeira hora contra a ocupação nazi e fascista, combatente republicano desde a guerra civil e torturado durante o regime dos coronéis, Theodorakis também enviou uma carta aberta aos povos da Europa , publicada em numerosos jornais… gregos. Excertos:

"O nosso combate não é apenas o da Grécia, mas aspira a uma Europa livre, independente e democrática. Não acreditem nos vossos governos quando eles alegam que o vosso dinheiro serve para ajudar a Grécia. (…) Os programas de "salvamento da Grécia" apenas ajudam os bancos estrangeiros, precisamente aqueles que, por intermédio dos políticos e dos governos a seu soldo, impuseram o modelo político que conduziu à actual crise.

Não há outra solução senão substituir o actual modelo económico europeu, concebido para gerar dívidas, e voltar a uma política de estímulo da procura e do desenvolvimento, a um proteccionismo dotado de um controlo drástico das Finanças. Se os Estados não se impuserem aos mercados, estes acabarão por engoli-los, juntamente com a democracia e todas as conquistas da civilização europeia. A democracia nasceu em Atenas, quando Sólon anulou as dívidas dos pobres para com os ricos. Não podemos autorizar hoje os bancos a destruir a democracia europeia, a extorquir as somas gigantescas que eles próprios geraram sob a forma de dívidas.

Não vos pedimos para apoiar a nossa luta por solidariedade, nem porque o nosso território foi o berço de Platão e de Aristóteles, de Péricles e de Protágoras, dos conceitos de democracia, de liberdade e da Europa. (…)

Pedimos-vos que o façam no vosso próprio interesse. Se autorizarem hoje o sacrifício das sociedades grega, irlandesa, portuguesa e espanhola no altar da dívida e dos bancos, em breve chegará a vossa vez. Não podeis prosperar no meio das ruínas das sociedades europeias. Quanto a nós, acordámos tarde mas acordámos. Construamos juntos uma Europa nova, uma Europa democrática, próspera, pacífica, digna da sua história, das suas lutas e do seu espírito. Resistamos ao totalitarismo dos mercados que ameaça desmantelar a Europa transformando-a em Terceiro Mundo, que vira os povos europeus uns contra os outros, que destrói o nosso continente, provocando o regresso do fascismo".

 

07/Novembro/2011

A versão em francês encontra-se em www.centpapiers.com/... e em http://www.silviacattori.net/article2301.html
Tradução de Margarida Ferreira.


Este apelo encontra-se em http://resistir.info/ .

 

 

 

 

Exibições: 4160

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2017   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço