Portal Luis Nassif

O CARIOCA ANDRÉ HELLER-LOPES ESTREIA MONTAGEM DA ÓPERA 'TOSCA' EM SALZBURGO

RIO - O diretor de ópera André Heller-Lopes, um carioca de 38 anos que vem fazendo bela carreira internacional desde 2001, quando foi estagiar e trabalhar na Ópera de São Francisco, adiciona neste sábado, dia 6, mais uma importante realização ao seu currículo, como responsável por dois suicídios, um estupro, um assassinato a facadas e outro por fuzilamento na estreia de sua montagem de "Tosca", de Puccini, na sala Haus Für Mozart ("Casa Para Mozart") do Teatro Estatal de Salzburgo. Às 19h (de lá), quando a trágica história começar a se desenrolar no palco, o brasileiro terá feito seu début na cidade austríaca onde nasceu Wolfgang Amadeus Mozart, local onde se realiza anualmente, do fim de julho ao fim de agosto, um famoso festival de música clássica em que óperas têm papel de destaque e que atrai um público endinheirado para ver orquestras e solistas de primeiro time do mundo todo. A Haus Für Mozart, com seus 1.800 assentos, é um dos lugares que abriga eventos do festival. É o segundo mais importante palco da cidade.

Embora não faça parte do glamoroso glamouroso festival, a produção representa um marco para Heller, pelo enorme prestígio associado a Salzburgo, onde o nível de exigência artística é alto. Apesar disso, o diretor disse que esse trabalho foi mais tranquilo do que outros que havia realizado anteriormente.

A preparação foi ideal, ao longo de seis semanas de ensaios, sendo que, em quatro, as marcações cênicas já estavam todas feitas. Foi um período de muita paz e felicidade, que me fez refletir sobre minha maneira de ser. Ano passado foi curioso, pois fiquei hiperestressado com o fim do meu doutorado coincidindo com o início do
meu retorno ao Brasil e, acima de tudo, com diversos compromissos importantes. Para complicar, as três óperas que fiz no Brasil em 2009 foram concertos cênicos, em que as condições de trabalho para um encenador são, logicamente, muito tensas e mesmo frustrantes - contou Heller, referindo-se às óperas "Falstaff", de Verdi, e "O cavaleiro da rosa", de Strauss, nas quais trabalhou com a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), e "O anão", de Zemlinsky, que o trouxe ao Rio em dezembro, a convite da Petrobras Sinfônica.

Segundo ele, a tensão acumulada ao longo de 2009 chegou a prejudicar seu rendimento num trabalho que estreou em janeiro deste ano em Lisboa: - Eu percebi que, apesar do sucesso enorme de, por exemplo, "O cavaleiro da rosa", em São Paulo, eu permanecia tenso, sem poder aproveitar essa grande experiência artística, e, o que é pior, carregava essa carga negativa para o próximo trabalho. Com isso, fiz, em Lisboa, uma comédia de Rossini que ficou pesada, de um humor mau humorado, num espetáculo que só se salvou pela segunda parte, uma ópera de Bernstein ("Trouble in Tahiti") que deu super certo. Agora, sinto como se tivesse saído de um banho de mar, e isso se reflete nesta "Tosca".


Heller, que já comandou a Coordenadoria de Ópera da prefeitura do Rio, está acostumado a trabalhar em importantes casas no exterior. Depois da experiência em São Francisco, onde participou de um programa de treinamento de 11 semanas para jovens promissores e foi assistente do diretor britânico John Copley numa montagem de "Così fan tutte", ele acompanhou, no ano seguinte, o mesmo Copley numa produção de"Il pirata", ópera de Bellini, no Metropolitan de Nova York. Ao fim daquele ano, as simpatias de réveillon parecem ter dado certo de novo, pois, com a chegada de 2003, veio a oportunidade de integrar o "Programa para Jovens Artistas" da prestigiosa Royal Opera House de Londres e colaborar na direção de várias produções operísticas lá. As passagens por diferentes lugares proporcionam uma comparação curiosa: - Em Portugal e no Brasil, somos mais emocionais, mais pessoais na maneira como encaramos cada etapa boa ou má do trabalho. Na Áustria, há uma distância maior com relação a tudo, que acaba resultando numa impressão de profissionalismo maior, o que me deixa super calmo. Acho que eles admiram o nosso lado criativo. Sinto-me mais à vontade aqui (em Salzburgo) do que, por exemplo, em Londres, onde a maravilhosa tradição teatral às vezes me faz ficar com receio de ousar.

No caso de Heller, a vontade de ousar, porém, nunca se sobrepõe ao respeito pela história, pela música e pelos personagens. Em terras germânicas, o oposto disso é bastante comum. Lá, existe uma corrente artística muito forte chamada Regietheater ("Teatro de diretor"), que se caracteriza por uma radical subversão das tradições ligadas à encenação de obras clássicas dos séculos passados. O próprio Heller conta já ter visto, por exemplo, um "Rigoletto" que se passava no "Planeta dos macacos", com os cantores fantasiados de símios. Ele é contra esse tipo de coisa.

- A minha concepção de "Tosca" é basicamente clássica, porém com temperos novos. Eu vejo a peça como uma tragédia humana, onde religião e poder traçam o destino das pessoas. É como um grande pesadelo onde, no início, tudo parece lindo e feliz e, ao final, todos os três protagonistas estão mortos. É uma descida no abismo, então, fiz o primeiro ato com a cor branca predominando, o segundo é em tons de prata e cinza, e o terceiro, em negro. Conhecer a ópera a fundo permite que eu tome liberdades, mas sempre dentro da lógica do personagem. A cena do estupro, eu levo mais adiante do que normalmente se faz. O prazer de Scarpia não é somente violar, mas fazer com que Tosca goste do sexo com ele. Eu me lembro sempre de um texto do Millôr Fernandes, "Os órfãos de Jânio", onde uma prisioneira política narra que foi violada e que, para seu supremo nojo, gozou. Por isso, Tosca dá não somente uma facada, mas cerca de oito em Scarpia. Será que isso é um toque brasileiro? É muito sangue, é muito latino. Mas o povo aqui ama isso - brincou Heller, que chegou a receber de um assistente local a absurda sugestão de impedir Tosca de pular para a morte no fim da história, o que daria um ar mais moderno à montagem.

O GLOBO
Eduardo Fradkin

Exibições: 160

Comentário de Oscar Peixoto em 6 março 2010 às 19:38
Com agradecimentos à proficiência da Helô.
Comentário de Helô em 7 março 2010 às 0:55
Óscar, parabéns ao Heller pela carreira brilhante. Tem outro brasileiro que também brilhou nos palcos do Metropolitan, ontem, o barítono Paulo Szot.
Veja aqui a notícia no Estadão.
Beijos.
Comentário de luzete em 7 março 2010 às 1:28
assinando o ponto e navegando com as luzes trazidas por você oscar e pela helô. sempre.
Comentário de Henrique Marques Porto em 7 março 2010 às 16:22
Oscar, Helô e luzete,
Desculpem o anticlímax, mas a concepção que Heller deu a essa Tosca é absolutamente arbitrária (mais uma) e, como acontece nesses casos, equivocada.
Diz ele que concebeu a história "como um grande pesadelo onde, no início, tudo parece lindo e feliz (...)". Tirou isso da própria cabeça, não da partitura ou do texto. A tensão dramática dessa ópera já começa nos primeiros acordes da orquestra, que abre o espetáculo com sons pesados e vigorosos (a tutta forza), como a anunciar que na história que se vai contar nada, nem ninguém terá um final feliz. O tema evoca a figura violenta do Barão Scarpia, chefe de Polícia de Roma. É o mesmo tema que Puccini irá utilizar no Te Deum e no final do primeiro ato. E, com variação, no final trágico da ópera. Imediatamente após entra em cena o personagem Angelotti -fugitivo das torturas de Scarpia, que está em seu encalço. Está faminto, desesperado em busca de abrigo e esconderijo seguros. E na concepção de Heller, "tudo parece lindo e feliz".
Até o dueto de amor entre Tosca e Cavaradossi é tenso, ponteado pelos ciúmes de Tosca e as dissimulações de Cavaradossi, que não quer que a amante saiba que ele protege um fugitivo da polícia.
Compositor de agudo senso teatral, Puccini colocou nesse primeiro ato a figura leve e ingênua do Sacristão, para dar equilíbrio às cenas e quebrar um pouco o clima pesadíssimo que só fará crescer nos dois atos seguintes.
Mas o "estupro" de Tosca talvez seja pior. Ele não existe no texto da ópera e nem na peça de Victorien Sardou. Scarpia é violento, corrupto, sem escrúpulos e lascivo. Mas é vaidoso. "A donna bella io non mi vendo a prezzo di moneta", diz ele a Tosca quando ela pergunta quanto ele quer para livrar Cavaradossi. Tosca, por seu lado, é uma mulher simples, uma atriz que se mantém distante das questões políticas que são o pano de fundo da ópera. Mas é altiva e descobre no segundo ato possuir uma coragem pessoal que não suspeitava ter.
Se Heller realmente colocou no palco uma cena de "estupro", o que fez ele com a última frase do Barão Scarpia, antes de receber a primeira facada? Diz o texto, que reproduzo de memória (corrija aí, oscar):
"-Tosca! Finalmente mia! (recebe uma facada) Ahhhhhhh! Maledetta!"
"-Questo eh il baccio di Tosca!"
"Finalmente mia..." Antes ele havia conseguido não mais que um sarro ou uns agarrões, todos repelidos por Tosca, o que o deixa mais furioso e ameaçador. Negocia com ela uma noite de "amor" em troca da liberdade do amante. Mas acaba indo ter ao inferno das óperas, apesar das velas piedosas que Tosca acende para sua alma depois que o mata.
Os diretores de cena já tentaram de tudo com essa ópera. Já foi ambientada na Chicago dos mafiosos e na alemanha nazista, por exemplo. Eles se esquecem que estão lidando com uma obra de mais de 100 anos, um clássico indiscutível do repertório operístico. O máximo que conseguem é chamar por algum tempo a atenção para suas pessoas. E não ouvem as rizadinhas irônicas e abafadas do público. A obra clássica sempre se impõe.
abraços
Henrique Marques Porto

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2017   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço