Portal Luis Nassif

À primeira vista, não fazia lógica a história da divulgação do suposto dossiê contra a filha de José Serra, que estaria sendo armado pelo PT.

Primeiro, por ser inverossímil. Com a campanha de Dilma Rousseff em céu de brigadeiro, à troca de quê se apelaria para gestos desesperados e de alto risco, como a divulgação de dossiês contra adversários? Se a campanha estivesse em queda, talvez.

Além disso, os dados apresentados pela Veja, repercutidos pelo O Globo, eram inconsistentes. Centravam fogo em Luiz Lanzetta, que tem uma assessoria em Brasília que serve apenas para a contratação de funcionários para a campanha de Dilma – assim como Serra se vale da Inpress e da FSB para suas contratações.

Serra atacou Lanzetta, inicialmente, através de parajornalistas usualmente utilizados para a divulgação de dossiês e assassinatos de reputação. Só que há tempos caíram no descrédito e os ataques caíram no vazio. Serviram apenas como aviso.

Aí, se valeu da Veja que publicou uma curiosa matéria em que dava supostos detalhes de supostas conversas sobre supostos dossiês, mas nada falava sobre o suposto conteúdo do suposto dossiê.

Até aí, é Veja. Mas os fatos continuaram estranhos.

Há tempos a revista também caiu em descrédito tal que sequer suas capas são repercutidas pelos irmãos da velha mídia. Desta vez, no entanto, entrou O Globo, inclusive expondo a filha de Serra – como suposto alvo do suposto dossiê. Depois, o próprio Serra endossando as suposições, em um gesto que, no início, poucos entenderam. A troco de quê deixaria de lado o «Serra paz e amor» para endossar algo de baixa credibilidade, em uma demonstração de desespero que tiraria totalmente o foco da campanha?

Havia peças faltando nesse quebra-cabeças. Mas os bares de Brasília já conheciam os detalhes, que acabaram suprimidos nesse festival de matérias e editoriais indignados sobre o suposto dossiê.

A história é outra.

Quando começou a disputa dentro do PSDB, pela indicação do candidato às eleições presidenciais, correram rumores de que Serra havia preparado um dossiê sobre a vida pessoal de seu adversário (no partido) Aécio Neves.

A banda mineira do PSDB resolveu se precaver. E recorreu ao Estado de Minas para que juntasse munição dissuasória contra Serra. O jornal incumbiu, então, seu jornalista Amaury Ribeiro Jr de levantar dados sobre Serra. Durante quase um ano Amaury se dedicou ao trabalho, inclusive com viagens à Europa, atrás de pistas.

Amaury é repórter experiente, farejador, que já passou pelos principais órgãos de imprensa do país. Passou pelo O Globo, pela IstoÉ, tem acesso ao mundo da polícia e é bem visto pelos colegas em Brasília.

Nesse ínterim, cessou a guerra interna no PSDB e Amaury saiu do Estado de Minas e ficou com um vasto material na mão. Passou a trabalhar, então, em um livro, que já tem 14 capítulos, segundo informações que passou a amigos em Brasília.

Quando a notícia começou a correr em Brasília, acendeu a luz amarela na campanha de Serra. Principalmente depois que correu também a informação de um encontro entre Lanzetta e Amaury. Lanzetta jura que foi apenas um encontro entre amigos, na noite de Brasília. Vá se saber. A campanha do PT sustenta que Lanzetta não tem nenhuma participação na campanha.

Seja como for, montou-se de imediato uma estratégia desesperada para esvaziar o material. Primeiro, com os ataques iniciais a Lanzetta, que poucos entenderam o motivo: era uma ameaça. Depois, com a matéria da Veja.

A revista foi atrás da história e tem, consigo, todo o conteúdo levantado por Amaury. Curiosamente, na matéria não foi mencionado nem o nome da filha de Serra, nem o do repórter Amaury Ribeiro Jr. nem o conteúdo do suposto dossiê.

O Globo repercutiu a história, dando o nome da filha de Serra, mas sem adiantar nada sobre o conteúdo das denúncias – medida jornalisticamente correta, se fosse utilizada contra todas as vítimas de dossiês; mas só agora lembraram-se disso.

Provavelmente Veja sairá neste final de semana com mais material seletivo do suposto dossiê. Mas sobre o conteúdo do livro, ninguém ousa adiantar.



Exibições: 195

Comentário de Sérgio Troncoso em 3 junho 2010 às 20:32
Nassif, o que ressalta nessa história, é a instrumentalização da imprensa para serviços político-partidários discricionário, com certeza jamais deveria e nem poderia ser assim. Depois essas "famiglias" vêm posar de imparciais, e pior, grandes instrumentos garantidores da democracia do nosso país. Que Deus nos ajude...
Comentário de romério rômulo em 3 junho 2010 às 20:55
nassif:
as sociedades da filha do serra, verônica serra, são há bastante tempo conhecidas na internet.
fazer dossiê sobre o óbvio? agora você adiciona elementos novos ao bolo: LUTA interna do PSDB.
romério
Comentário de Raí Araujo em 3 junho 2010 às 21:09
Caro Nassif,não estou conseguindo mais entrar no blog. Tentei por diversas veses,e atravéz de diversos atalhos,e sempre "cai"na página dos colunistas do Ig,da qual o seu nome não faz mais parte. Poderia ajudar-me a voltar a participar do blog ?
Comentário de Luis Nassif em 3 junho 2010 às 21:12
Comentário de Ester Alves em 3 junho 2010 às 21:18
Essa espionagem e contrata espionagem dentro do PSDB parece filme do agente 86, é pantomima pura
Comentário de Marcelo Teixeira de Oliveira em 3 junho 2010 às 21:18
Usando o vocabulário da própria mídia golpista: É o aparelhamento da mídia.
Comentário de Adriano Ribeiro em 3 junho 2010 às 21:45
Nassif, além do grande número de acessos (PHA e Carta Capital publicaram seus últimos posts em destaque), seu site pode estar sendo vítima de ataques de negação de serviço. Peça para seus técnicos observarem a origem dos endereços de IP que "pingam" no seu DNS. Se forem provenientes do exterior, geralmente .edu (servidores de universidades americanas hackeadas), provavelmente é DDoS (Distributed Denial of Service). Aí é trabalhar seu firewall neles. Espero que eu não esteja certo nessa teoria.
Comentário de Marise em 3 junho 2010 às 21:56
http://www.brasilianas.org/user/16/contact
Nassif eu só consigo entrar por este link.
O www.nassif.com.br é um em homenagem aoDr.João Alberto Nassif.
Comentário de João Bosco Coelho Costa em 3 junho 2010 às 22:06
Parece que o PT já saiu da postura de galinha morta e vai interpelar judicialmente o José Serra pela acusação a Dilma de ser responsável pelo suposto dossiê. É o mínimo do mínimo que eles podem fazer.
A propósito, estou à espera de algum comentário ou análise acerca dessa mudança de postura do José Serra.
Como cidadão e eleitor sinto-me ofendido ao ser tratado como idiota. Como aceitar que uma hora para outra um candidato mude de discurso assim tão rapidamente? Anteriormente, então, ela mentia? É isso?
Cada vez mais se consolida para mim uma imagem desse cidadão: a de um mistificador. E como tal não merece os votos do brasileiros.
Comentário de Ruy Lombardi Mendes em 3 junho 2010 às 22:08
Nassif,
Engraçado, eu estava com o mesmo problema do Raí (acima), mas depois que solicitaram meu cadastro a um tal "ning", tudo voltou ao normal!!!!! Aliás, saiu até um link no twitter que eu nem faço idéia de onde partiu: conferindo o perfil de RLM no portal Luis Nassif. ! Estranho, não?!

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2018   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço