O MONSTRO INVISIVEL QUE CRIARAM!

Associação criminosa da FIFA suas afiliadas e membros deve ser mais, muito mais abrangente do que nosso limitado entendimento pode prever.

Eivada de suspeitas pelos interesses geopolíticos com acusações mutuas entre EUA, Russia e a própria cúpula da FIFA, evidente que há mais do que isso envolvido.

...

Desde 11 de setembro há um "fantasma" assombrando não apenas os Estados Unidos, mas o mundo. Ciente que ninguém, "exatamente ninguém" está seguro, mecanismos foram acionados, cérebros privilegiados e magos da informática foram convocados, e mais do que nunca houve a necessidade de rastrear fortunas que pudessem estar financiando o tráfico e o terror que não se fantasiava apenas de cor ideológica, mas a vertente mais radical para além de braços políticos, o "fundamentalismo religioso". Se a politica radical assusta, o fundamentalismo religioso aliado ao politico, assusta muito mais.

Sem perceber, criaram um "monstro invisível" difícil de enfrentar e dominar, e não havia outra alternativa a não ser, descobrir o alimento que sustenta e fortalece esse "monstro".

Endureceram as regras de controle interno de transferência, descobriram 'rotas' alternativas, chegaram no HSBC, na FIFA, e a cadeia alimentar que sustenta o monstro está apenas chegando a ponta do Iceberg e daí segue rumos inimagináveis atingindo 'cartolas', 'magnatas' do capital, corporações e países.

Não há dúvida que o ‪#‎sonegometro‬ indica que o Brasil está na mira e na rota dessa cadeia alimentar e não obedece princípios, nem cor ideológica.

Nisso, um ponto positivo se destaca: De pouca ou nenhuma valia serve, a histórica aliança politica entre a direita brasileira e os Estados Unidos, quando o interesse maior é "destruir" a cadeia alimentar que sustenta o "monstro invisível que criaram".

Cabeças vão rolar!

Exibições: 135

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço