Portal Luis Nassif

O PODER ALIENANTE DAS REDES SOCIAIS.

FACEBOOK: AS MUDANÇAS NOS COMPORTAMENTOS SOCIAIS

 

Como o uso exagerado das redes sociais, mais especificamente o Facebook, tem interferido nas relações entre as pessoas e como estas relações tem causado alterações e quais seus efeitos na sociedade? Em que, basicamente, se apoia o Facebook para atrair e manter as pessoas dependentes do seu uso?

 

Não é difícil traçar um perfil da maioria dos usuários do Facebook. As razões aparentes podem ser diversas para o seu acesso contínuo. Desde a simples diversão, como para comunicar-se, divulgar ideias, na divulgação de criação de projetos literários, na exposição de ideais políticos e religiosos e, até mesmo, encontros com objetivos sexuais. Contudo, mesmo que uma parte dos usuários seja atraída para essa rede com esses objetivos, a maioria o faz impulsionada pela autoafirmação. Diremos que a principal motivação de acesso ao Facebook é a autoafirmação. É aquilo que estar por trás da força de atração da própria rede e a dependência que cria nas pessoas. Ou seja, o seu grande poder para criar um vínculo constante em seus usuários.

Por que podemos concluir e afirmar que a principal motivação do uso de redes sociais, como o Facebook, ocorre em virtude da autoafirmação? Não é difícil constatar, através das postagens da maioria absoluta dos usuários, a confirmação desse fato. Óbvio que essa motivação tem um conteúdo psicológico e, portanto, merece uma delicada e profunda avaliação. Mas, não é difícil entender o impulso que faz as pessoas postarem fotos exageradamente (de todo tipo e de vários momentos). O que deseja uma pessoa provocar nas outras, quando posta uma foto, principalmente em situações muito particulares, como estar numa praia bebendo, almoçando num restaurante, posando de biquíni ou sunga e, até mesmo, a foto da própria comida?

O que vemos no Facebook é uma caricatura, com objetivos evidentes de distorcer a própria realidade em que vive a maioria das pessoas que o usam. Nessa rede, todos são bonitos(as), bem-sucedidos(as), sábios, inteligentes, bem informados(as), etc. Nela, deparamo-nos com outra realidade; uma realidade mascarada, onde não há pobreza, restrições intelectuais, etc. É um mundo mágico, onde todos podem converter-se ou converter sua realidade num sonho idealizado. Fundamentalmente, no Facebook, a maioria tenta vender uma imagem de poderoso(a), esperto(a), atraente, “descolado(a)”. Não é à toa, que nessa rede, ideias alienantes encontrem tanta repercussão e adesão. O meio é propício e fértil para isso. Afinal, é um universo mágico, em que a realidade é alterada, sem, no entanto, alterar a realidade. Há uma “criação” de uma realidade, mas não a alteração da realidade, porque nessa rede tudo se transforma numa realidade virtual e, podemos deduzir, isso já supre as deficiências sociais que os usuários encontram em seu universo real. O fato é que o mergulho nessa realidade virtual tem gerado uma falta de interação mais constante entre as pessoas. Não é difícil assistirmos usuários alheios ao mundo à sua volta porque estão acessando essa rede e vivendo-a como se nada mais existisse. Diversas reportagens já foram realizadas, flagrando pessoas acessando a rede na hora de um confraterno encontro para almoço, num ponto de ônibus, etc, confirmando a alienação em que a maioria dos usuários dessa rede vive.

Conseguimos compreender porque a maioria do povo brasileiro se tornou usuário e dependente dessa rede, pois, afinal, a qualidade de vida que esse povo leva é “compensada” por uma “vida virtual” que o envolve numa magia criadora e transformadora que não encontra em seu mundo real. Ali, ele tem, supostamente, a liberdade de levantar a voz; de construir suas teorias políticas e espirituais; de bradar seu inconformismo com ferocidade; de ser bravo e respeitado, sem saber, no entanto, que essa pseudodemocracia desse meio eletrônico é uma farsa, montada para criar nele a ilusão de que realmente é uma pessoa que tem algum valor civil, já que sua cidadania quase sempre é desconsiderada e, sente-se impotente, incapaz, desprezado e humilhado pela estrutura social em que ver-se inserido. No Facebook, as pessoas são “adicionadas”; fazem parte de uma grande malha de inter-relacionamentos; sentem-se existentes. E, nada mais gratificante ou mais cativante do que sentir-se valorizado. É justamente esse “valor” que a maioria das pessoas não encontra em sua convivência social mais direta.

Quando uma pessoa está acessando o Facebook, por exemplo, tem a falsa sensação de que foi “adicionada” socialmente, que encontrou sua identidade social. Sente-se, afinal, que pertence a um grupo e que tem algum valor nele. Sua voz é ouvida e, na maioria das vezes, respeitada. E, o que supostamente mensura a sua voz são as “curtidas”. Cada “curtida” tem uma repercussão, naquele que fez alguma postagem, resgatando a sua autoestima através do sentimento de uma valorização social, que poucas vezes encontra em seu próprio meio de convívio direto.

Mas, até aonde isso tem interferido e contribuído para modificar a nossa sociedade? Mais recentemente assistimos mobilizações populares serem provocadas e realizadas a partir dessa rede social. O poder que, através dela, se tem para divulgar e provocar reações nas pessoas é considerável e merece, realmente, atenção. Porém, até o momento só verificamos reações mais conservadoras e, até mais reacionárias. Isso é significativo e um indicativo que o poder de manipular tem encontrado um eco preocupante nessa rede social. Evidentemente, que isso aponta para a essência daquilo que está sendo manipulado, o ego dos usuários. É muito mais fácil estimular pessoas que estão vivendo um processo de alienação, pois, a realidade, naquele meio, também é manipulada. A alienação só fortalece a desinformação e vice-versa. E, a desinformação profunda a respeito da dinâmica e motivação de nossas estruturas políticas por parte da maioria dos usuários, tem servido de campo para criar adesão nos mais desavisados. Imaginam que estão oferecendo-lhes opções e oportunidades melhores, quando estão apenas sendo usados. Podemos constatar isso quando lemos uma informação intencionalmente distorcida e que, no entanto, encontra rápida cooptação nos usuários.

O estudo e a pesquisa que se pode realizar nesse meio é fácil de ser efetuado, pois, ele oferece um painel muito claro para chegarmos a uma conclusão bem fundamentada a respeito das motivações e efeitos nos seus usuários e a influência tem nas atitudes individuais e coletivas.

Hideraldo Montenegro

Exibições: 1613

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2017   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço