Em parceria com o Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro, vinculado a Secretaria de Estado de Cultura, com a Editora Irmãos Vitale, e o Instituto Jacob do Bandolim (IJB) foi lançado no dia 18 de abril, o "Caderno de Composições – Obra completa do Jacob do Bandolim”. Nele estão todas as partituras do artista, contando ainda com 15 inéditas, e também mostra o músico estreando em sua carreira tocando cavaquinho com afinação de bandolim na gravação original de "Amélia" (1942), com Ataulfo e suas pastoras.

 

Após cinco anos de uma detalhada pesquisa de repertório em arquivos particulares e acervos públicos, o "Caderno de Composições – Obra completa do Jacob do Bandolim” pode ser considerado uma referência no que diz respeito à obra do bandolinista.

 

A publicação, produzida e revisada por um renomado grupo de pesquisadores e músicos, reúne a obra de Jacob desde a década de 1930, época em que iniciou sua carreira de compositor, até seu falecimento em 1969. O álbum ainda é formado por manuscritos feitos pelo próprio artista, além de trazer partituras recuperadas e a análise/ transcrição de suas gravações em 78 RPM e LPs.

 

A elaboração do trabalho envolveu cinco anos de pesquisa de repertório em arquivos particulares e acervos públicos. Entre os itens encontrados, está a rara gravação de “Se Alguém Sofreu” (cujo nome original é “Si Alguém Soffreu”), na voz de Aracy de Almeida em 1939. Trata-se da primeira canção com letra e música de Jacob, que na época tinha 21 anos.

 

Se alguém sofreu” (Jacob do Bandolim) # Aracy de Almeida.

 

 

Para a equipe do instituto é o próprio Jacob que acompanha os artistas. Com cerca de 130 composições, sendo 15 inéditas, o "Caderno de Composições – Obra completa do Jacob do Bandolim” chega nas principais livrarias em dois volumes, em formato espiralado, justamente para facilitar o manuseio dos músicos.

 

 

Crédito

 
Para a realização deste projeto, o Instituto Jacob do Bandolim reuniu uma equipe renomada:

 

Direção musical: Marcílio Lopes (músico, professor e integrante do Água de Moringa);

 

Pesquisa de repertório e coordenação: Sergio Prata e Pedro Aragão (músicos);

 

Consultoria: Déo Rian (bandolinista e especialista da obra de Jacob do Bandolim);

 

Harmonização: Maurício Carrilho, Luiz Otavio Braga e Paulo Aragão (músicos e arranjadores);

 

Arte: Egeu Laus (designer gráfico);

 

Textos: Hermínio Bello de Carvalho, Sergio Cabral, Izaias Bueno e Rosa Maria Araujo (presidente do MIS);

 

Produção executiva: Lucia Romano.

 

 

 

 

Curiosidades sobre o nome de algumas composições de Jacob do Bandolim.

 
Se Alguém Sofreu”: o nome original era “Si alguém soffreu” e foi a primeira gravação de uma composição escrita por Jacob. Trata-se de um samba com letra e música de Jacob, gravado por Aracy de Almeida no auge da carreira, em 1939. Jacob tinha apenas 21 anos;

 

A ginga do Mane”: composto em 1962, inspirado nos dribles de Mané Garrincha durante a Copa do Mundo no Chile daquele mesmo ano;

 

Alvorada”: choro inspirado no trinado do seu pássaro “cardeal” de nome Nêgo;

 

Bola Preta”: dedicado ao Cordão do Bola Preta;

 

De coração a coração”: valsa dedicada ao seu cardiologista Dr. Luciano Vieira;

 

Forro de Gala”: esse ‘coquinho’ teve o nome dado por Dona Julia, mãe de Cesar Faria e avó de Paulinho da Viola;

 

Heróica”: esse schottisch, ou simplesmente uma ‘xotis’, como Jacob gostava de falar, foi composta em 1966 na casa de Napoleão de Oliveira, um dos fundadores do Rancho Ameno Reseda;

 

Meu samba é meu lamento”: samba feito em parceria com Ataulfo Alves;

 

Treme Treme”: primeira gravação como solista, em 1947. O nome do choro era uma homenagem ao doce ‘manjar’;

 

Doce de Coco”: nome em homenagem ao doce que Jacob mais adorava;

 

Bole Bole”: inspirado no solo de um trombonista, em uma gafieira.

 

 

Composições inéditas

 
Estímulo nº 1”: estudo para bandolim composto em homenagem ao Dr. Arnoldo Veloso, seu médico e bandolinista de Brasília;

 

Elena”: valsa dedicada a sua filha Elena Bittencourt;

 

Longe dos carinhos teus”: samba;

 

Meu Viveiro”: choro;

 

No jardim – Mazurca”: composta em 15 de março de 1968, em Brasília;

 

Mimosa”: valsa;

 

Mimoso”: choro encontrado no acervo de Pixinguinha no Instituto Moreira Salles;

 

No Teatro d’Alma”: valsa composta em parceria com Pedro Caetano;

 

Valsa”: composta em parceria com Waldo Abreu, em 23 de outubro de 1966, à 1h30min (conforme anotação do próprio Jacob);

 

Mulher Vaidosa”: samba em parceria com Torres Homem;

 

Para Encher Tempo”: choro;

 

Pensando em Você”: único tango brasileiro composto por Jacob;

 

Minha Saudade”: valsa;

 

Chuva de Estrelas”: única parceria com o bandolinista paulista Amador Pinho (raridade!).

 

 

 

Saiba mais sobre Jacob do Bandolim e ouça suas composições / interpretações, aqui.

 

 

 

************

Fonte: Museu da Imagem e do Som (RJ)

 

************

Exibições: 792

Comentário de Laura Macedo em 26 abril 2012 às 21:38

Concordo plenamente, Doraci.

Grata pela visita. Apareça sempre, será um prazer.

Abraços.

Comentário de Gregório Macedo em 1 maio 2012 às 1:48

Noel tinha predileção por Aracy. Jacob, aos 21, é premiado por Aracy, então no auge da carreira. Noel e Jacob, dois talentos em MPB e estética sonora.

Beijos.

Comentário de Laura Macedo em 1 maio 2012 às 2:01

É tudo verdade, Gregório, em relação a premiação de Jacob por Aracy de Almeida e aos dos talentosos artistas, Noel e Jacob.

Beijos

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço