Nascido nos grotões do Brasil, mais especificamente na região do Recôncavo Baiano, o samba, uma herança africana, rodou o mundo e se tornou símbolo da cultura brasileira. O samba chula, que é um dos pioneiros subgêneros do estilo, de acordo com a Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana, traz na receita: pitadas da dança de capoeira, das batidas dos tambores e zabumbas do candomblé e das cantorias e poesias dos sambas-de-roda. Atualmente, essa manifestação popular perdura na capital e no interior da Bahia. Porém, é desconhecida da grande maioria, devido, em grande parte, ao mercantilismo da música e, conseqüentemente, ao descaso da mídia.

Um estadunidense e ex-capoeirista, que mora no Brasil desde 1992 e mantém uma rede social de música e cultura brasileira, a Euterpédia Brasil, Randy “Pardal”, não compreende a falta de apoio aos grupos remanescentes desse samba rural: “Ainda penso em fazer um documentário, onde o cenário é a roça, com gente do povo, e não teatros elegantes como costumam fazer. Os cantadores são pessoas simples, no sentido material”, diz Pardal, inconformado. Ele sempre gostou da música brasileira, mas achava que o samba era africano, até comprar um disco de Raimundo Sodré, começar a pesquisar e ficar ainda mais encantado ao descobrir que, apesar da dura vida que levavam, os escravos brasileiros criaram “o mais alegre ritmo que ele já ouviu na vida”.

Em uma homenagem ao Mestre Bule Bule, o historiador e professor da Universidade do Estado da Bahia, Roberto Dantas, compartilhou da preocupação de Pardal, ao discursar a favor de cantadores de samba, tocadores de zabumba, trios nordestinos e todo o cancioneiro da Bahia. “Onde eles estavam quando, nas festas de São João, só lucravam as grandes bandas? Todos devem ter o direito de espaço, como todos devem ter o direito de escolher o que escutar. É uma perversa exclusão: os trios e arrochas faturam as maiores somas, enquanto os cantadores são marginalizados e ficam acanhados entre as bandas. Há de se ter espaço para todos, sem preconceitos entre a tradição e a modernidade”, finalizou, enfático. O antropólogo e membro do Conselho estadual de Cultura, Washington Queiroz, discursou em uníssono à Dantas e ressaltou o papel do Estado para a manutenção da memória deste Brasil culturalmente plural. Ele defendeu a apreciação do projeto de lei que regulamenta a profissão do vaqueiro, e o pedido de registro no IPAC como patrimônio cultural imaterial.

Apesar das dificuldades, existem “heróis” que permanecem na luta para a perpetuação do samba chula. São os mestres, cantadores, sambadores, músicos, poetas, repentisas e vaqueiros. Entre eles, destacam-se Bule Bule, Raimundo Sodré; os grupos Samba Chula de São Braz, Filhos da Pitangueira de São Francisco do Conde e Raízes do Sertão; os mestres Ananias, João do Boi e Zeca Afonso. Alguns sequer aparecem na mídia, pois não aceitam “cangalha nem cabresto para tocar” como diz o Mestre Bule Bule. “O único cabresto que aceito é o dinheiro, mesmo assim, gasto de imediato. Quando não tenho nobremente com o que gastar, eu invento”, enunciou, um dia antes de viajar para se apresentar em Porto Alegre (RS), ao lado de Gilberto Gil.

O “Programa Cultura Viva”, do MinC, também contribui para a continuidade e evolução do samba de roda, através da parceria do IPHAN com a Associação dos Sambadores e Sambadeiras do Estado da Bahia. Juntos, administram a “Casa do Samba”, em Santo Amaro (BA), a 76 km de Salvador, um ponto de cultura que valoriza o notório saber dos mestres do samba e onde é possível apreciar, quinzenalmente, a uma boa roda. No mês de maio, dia 15, se apresentou o grupo Samba Chula Alegria da Terra de Candeias (BA). No mesmo dia, Raimundo Sodré participou do “Bembé do Mercado”, evento que começa no dia da assinatura da Lei Áurea, dia 13, e é conhecido como o primeiro e único candomblé de rua do mundo. Quando o assunto é cultura popular, a região de Santo Amaro fervilha, porque um dos grupos mais tradicionais, o Samba Chula de São Braz, se apresenta semanalmente em uma colônia de pescadores. Lá, o Mestre João do Boi canta os versos da chula, acompanhado do miudinho, o passo de dança das sambadeiras.

Mas nem tudo é tradicional nessa riquíssima diversidade musical. A nova geração de repentistas, cantadores e poetas bebe direto da fonte e acrescenta um toque pessoal à arte. Vale a pena conhecer o trabalho do músico e cordelista Maviael Melo; do multi-instrumentalista e etnomusicólogo Cassio Nobre em parceria com Júlio Caldas no grupo Viola de Arame; e dos repentistas Pardal do Jaguaripe e Davi Nunes. Dessa forma, parafraseando Bule Bule, o samba chula “junta a fome com a vontade de comer” e une o tradicional ao moderno para atravessar as barreiras históricas e fazer história.

Links:

Trecho de Samba Chula de São Braz: http://www.youtube.com/watch?v=BYcSaRJJxfs

Site do Samba Chula de São Braz no Euterpedia: http://www.euterpediabrasil.com/profile/SambaChuladeSaoBraz

Cassio Nobre e Viola de Arame: http://www.youtube.com/cassionobre

Site do projeto Cantador de Chula (DVD/CDs, lançado pela Associação Cultural Umbigada): www.cantadordechula.wordpress.com

Site da Associação dos Sambadores e Sambadeiras do Estado da Bahia: http://www.asseba.com.br/

Site de Mavial Melo no Palco MP3: http://palcomp3.com/maviaelmelo/

Samba Chula Filhos da Pitangueira e Milton Primo: http://www.youtube.com/watch?v=MwS_AxizQoc&feature=player_embedded#!

Cordel Digital com Pardal do Jaguaripe: http://www.cordeldigital.com.br/_cordeis/cordel-000033-digital.html

Exibições: 312

Comentário de sue saphira em 22 maio 2010 às 18:52
Não entendi a ausência do grupo Barlavento .... Já possuem três CDs garvados, tocam em Portugal, na Espanha, em Ferrara todos os anos e em Londes, o nosso samba de barravento!
Comentário de Adriano Ribeiro em 22 maio 2010 às 19:54
Realmente Sue, faltou o Barlavento na minha matéria.Na próxima, mais aprofundada, estará com certeza. Obrigado pela contribuição.
Comentário de luzete em 22 maio 2010 às 20:34
Adriano, adorei teu artigo.
mas, sabe, poucos paises no mundo, tem preservado sua cultura como o Brasil e a tem registrado das mais diferentes formas (discordando do randy pardal). aliás, não só a cultura, como o próprio povo e aqui me refiro às nações indígenas e quilombolas.

sabe, às vezes,fico pensando: o nosso atraso econômico fez muito bem a nossa cultura, a nossa terra. e explico: onde o "desenvolvimento" (falo das barbáries do capitalismo) passou, ele não deixou pedra sobre pedra (veja o que resta da cultura indígena nos estados unidos. cassinos? veja as florestas: desertos?).

então, temos muita, mas muita coisa ainda viva. inteira. rica. vigorosa. que encanta a nós e ao mundo.

agora, outra coisa é a mídia: o que ela divulga? o que fazem e o que fizeram as grandes empresas de produção musical? divulgam o melhor? produzem o melhor? não, né? querem grandes lucros e não produção cultural qualificada. e, neste mercado, os gringos sempre prevaleceram, não é mesmo?

por isto, vamos em frente.
aliás, o primeiro vídeo (lindo demais) aparece em inglês mas é produção de gente da terra, com gente da terra, né?

valeu, viu, adriano. brigadão.
verei, com o tempo, cada um dos vídeos que vc postou.
Comentário de Adriano Ribeiro em 22 maio 2010 às 21:20
Eu que agradeço Luzete!
Concordo com você. E vamos em frente.
O vídeo é um trecho do documentário de Jorge Pascoa "Samba de Roda na Palma da Mão". O grupo Samba Chula de São Braz em destaque.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço