Portal Luis Nassif


Palácio da Alvorada # Brasília – DF






Suíte Brasília (Renato Vasconcelos) # Nivaldo Ornelas




Alvorada (Jacob do Bandolim) # Época de Ouro, Carlinhos Leite e César Faria




O Palácio da Alvorada, residência oficial do Presidente da República, foi o primeiro prédio de alvenaria construído na nova capital. Concebido pelo arquiteto Oscar Niemeyer em traços modernos e arrojados é constituído de ambientes amplos, arejados, cheios de luz e leveza, com lindas vistas para o jardim. Tem como marca registrada as famosas colunas, inspiradas em redes estendidas nas varandas das casas de fazenda do Brasil colonial. Sua decoração conta com importantes peças de design e mobiliário de época. O palácio é dotado de um acervo de obras de autoria dos mais representativos nomes das artes plásticas brasileiras e possui também uma biblioteca respeitável.

Inaugurado em 30 de junho de 1958, pelo então presidente Juscelino Kubitschek, essa magnífica edificação, que é tombada pela UNESCO como patrimônio da humanidade, atravessou mais de quatro décadas conservando-se apenas mediante pequenas reformas, reparos emergenciais e inúmeros “quebra-galhos”.

Quando o Presidente Lula assumiu o governo, em 2003, recebeu a residência presidencial em estado deplorável: mofo, infiltrações e goteiras em vários lugares; carpetes e pisos estragados; 80% das instalações hidráulicas corroídas pelo tempo; rede elétrica repleta de gambiarras improvisadas para acomodar aparelhos modernos (que nem existiam quando Niemeyer idealizou o projeto); elevador tão antigo que nem havia mais as peças de reposição. E isso não é nem a metade da missa!

Dona Marisa Letícia e o Presidente Lula toparam encarar os problemas de frente – sem medidas paliativas. Optaram por restaurar o Palácio e devolvê-lo ao seu perfil original (descaracterizado por 45 anos de ocupação e uso de sucessivos inquilinos). Para tanto, valeram-se do apoio de grandes empresários (que bancaram os custos da empreitada), contaram com o suporte técnico da Diretoria do Departamento de Documentação Histórica da Presidência em parceria com o SPHAN e os trabalhos de resgate histórico tiveram a assessoria de Anna Maria Niemeyer, a primeira decoradora do Alvorada.

Entre dezembro de 2004 e março de 2006 o Palácio ficou em obras e não representou nenhuma despesa para os cofres públicos. A restauração custou 16 milhões e meio de reais e foi financiada por um consórcio ligado à Associação Brasileira de Infra-Estrutura e Indústrias de Base – a Abdib – mais algumas grandes construtoras e grupos empresariais.

Ao término dos trabalhos, o povo brasileiro recebeu de volta seu inestimável patrimônio histórico, artístico e cultural totalmente refeito: o Alvorada passou a ter rede hidráulica de cobre e rede elétrica novinhas em folha; esquadrias e pisos novos; sistema de ar condicionado central (em dias ensolarados a temperatura interna dos salões chegava a 35°, "cozinhando" os convidados); reparos diversos nos 10 mil metros quadrados de área interna e 7,9 mil metros quadrados de anexos; mobiliário e obras de arte resgatados; sistemas de vigilância e informática reformulados; sistema de irrigação dos jardins substituídos. O resultado ficou uma beleza e merece ser conhecido e apreciado!

O Palácio da Alvorada está aberto à visitação duas vezes por semana, entre 15:00 hs e 17:30hs. As terças-feiras destinam-se às escolas públicas e privadas (agendadas previamente) e as quartas-feiras ao público em geral. As senhas são distribuídas às 14:15hs, por ordem de chegada, e os visitantes são divididos em grupos de 25 pessoas. A passeio dura cerca de 30 minutos e são suspensos nos dias de chuva.

Vale a pena ler esta reportagem de Rodolfo Borges, feita em março de 2010 para a Revista ISTOÉ Dinheiro, sobre a restauração do Palácio da Alvorada. Nela há uma entrevista exclusiva com a Dona Marisa Letícia que supervisionou pessoalmente a reforma:


http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/5911_RESGATE+HISTORICO






Sinfonia Nº 4, "Brasília" - I. Allegro Enérgico (Camargo Guarnieri) # Orquestra Sinfônica de São Paulo. Regente: John Neschling




Sinfonia Nº 4, "Brasília" - II. Lento e Trágico (Camargo Guarnieri) # Orquestra Sinfônica de São Paulo. Regente: John Neschling




Sinfonia Nº 4, "Brasília" - III. Enérgico Trionfante (Camargo Guarnieri) # Orquestra Sinfônica de São Paulo. Regente: John Neschling







Cerca de 70 emas vivem no Alvorada e circulam livremente pelos jardins. O primeiro casal da ave foi presenteado ao ex-presidente Jânio Quadros.





Espelho d’água com estátua As Banhistas (ou As Iaras) de Alfredo Cheschiatti (fundida em bronze).





Detalhe da Capela de Nossa Senhora da Alvorada





Imagem de Nossa Senhora da Alvorada




Detalhe do teto da Capela criado por Athos Bulcão





Capela vista do fundo





Entrada do Palácio, belíssima parede em latão dourado de Athos Bulcão. Nele está inscrito o seguinte trecho do discurso de lançamento da pedra fundamental da construção de Brasília por JK em 20/10/1956: Deste Planalto Central, desta solidão em que em breve se transformará em cérebro das altas decisões nacionais, lanço os olhos mais uma vez sobre o amanhã do meu país e antevejo esta alvorada com fé inquebrantável em seu grande destino.





Salão com vista para frente. Os salões estão no térreo e são utilizados pelo Presidente da República, para compromissos oficiais de governo.



Salão com acesso ao subsolo (auditório para 30 pessoas, sala de jogos, almoxarifado, despensa, cozinha, lavanderia e a administração do palácio) e ao piso superior (ala residencial, onde se encontram quatro suítes, dois apartamentos e sala íntima).





Visão central da biblioteca






Sala de jantar com mesa de 30 lugares, podendo “esticar” para 50 lugares





Coluna e jardim (fundos)





Escultura O Rito do Ritmo de Maria Martins (jardins dos fundos)






Jasmineiros e piscineiros.





O casal presidencial divide sua privacidade com um condomínio de pássaros. Existem na sacada da ala residencial três casas de João de Barro que a Dona Marisa não permite que sejam removidas. Viva Dona Marisa!





Fachada dos fundos





Pavões no jardim. Os 38 hectares de jardins do Palácio da Alvorada se estendem até o lago Paranoá. É projeto de um paisagista japonês e foi presente do Imperador Hiroito ao presidente Juscelino Kubitschek.









Os caminhões de operários vinham de toda parte do Brasil querendo colaborar, pensando que iam encontrar a terra da promissão, e estão lá nas cidades satélites, tão pobres quanto antes. Não basta fazer uma cidade moderna; é preciso mudar a sociedade. Isso é que é importante.

Oscar Niemeyer








Mais fotos da restauração do Alvorada:


https://www2.gestao.presidencia.serpro.gov.br/sala-de-imprensa/fotografia/galeria-de-fotos/19

Obras de arte do acervo do Alvorada:


http://www.presidencia.gov.br/palacios/palacio_alvorada/obras_arte/autores/index_html/A/

Música:


Viagem em direção ao oco do toco # Nivaldo Ornelas




Chorando Baixinho # Um encontro histórico



Camargo Guarnieri # Sinfonias 1 a 6

Exibições: 2204

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2018   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço