Procura-se uma oposição séria




Em que pese ser arriscado cantar vitória antes do tempo, penso que a eleição de Dilma vai se tornando irreversível. E devo dizer que o fenômeno, por mais que decorra da satisfação do brasileiro com a forma
como o país é administrado, pode ser debitado, em grande parte, a erros
crassos e à mediocridade e à falta de seriedade da oposição midiática.

A começar pela escolha do candidato da oposição. É espantoso que PSDB, PFL e seu aparato midiático tenham confundido o recall (lembrança de um político pelo eleitorado) de Serra com força eleitoral do tucano.

Pesquise-se a blogosfera progressista e se encontrarão centenas de análises de que o que o tucano tinha não era nada mais do que confusão do eleitorado entre um nome conhecido (o de Serra) e o candidato que
Lula apoiaria.

Contudo, os péssimos analistas políticos da oposição e da mídia simplesmente se negaram a enxergar o fato. Talvez por continuarem acreditando que se mantinha vigente o poder de persuasão que essa mídia
deixou de ter após a catástrofe que foi o segundo governo FHC, devido ao
eleitorado ter entendido que foi induzido ao erro de votar no tucano em
1998, pois a manutenção do real valorizado, que ele prometera, era uma
farsa.

Outro erro da direita midiática foi abusar da invenção de escândalos para desmoralizar Dilma e Lula. Estão em curso estudos acadêmicos sobre o tsunami de escândalos inventados ou irracionalmente vitaminados que se
abateu sobre o país a partir de 2005.

Outro grande erro da aliança entre a oposição e a mídia foi deixarem ver que um governo Serra poderia se constituir em uma verdadeira ditadura. Os setores verdadeiramente politizados da sociedade se
assustaram com um governo que, como o de FHC, iria pairar acima do bem e
do mal simplesmente porque, não tendo imprensa para fiscalizá-lo,
poderia cometer atrocidades como as que cometeu o governo tucano entre
1995 e 2002.

Andei refletindo sobre o seguinte: por que um poder econômico tão gigantesco quanto esse que apóia Serra, dotado de toda a grande imprensa e dos mais poderosos grupos empresariais do país, não conseguiu um
único analista que lhe dissesse para onde caminhava o projeto político
conservador?

Não havia um analista que lhes dissesse que através da escandalização do nada não só não conseguiriam impedir que um governo tão popular fizesse seu sucessor como também estavam expondo que Serra era o
candidato encarregado de manter a desigualdade no país?

Claro que havia. Não faltam analistas capacitados em uma coalizão política tão poderosa, do ponto de vista econômico e institucional. O que faltou foi coragem para contrariarem os caciques tucanos e pefelês,
os barões da mídia, o mega empresariado e a elite branca em si.

É aquela velha história de monarcas enlouquecidos pelo poder absoluto trucidarem mensageiros portadores de más notícias. Foi medo dos analistas lúcidos de serem mal-interpretados pela elite midiática ao
sugerirem comedimento na proteção da mídia a Serra e na difamação de
Dilma e de Lula.

Os dois maiores atos irracionais em favor de Serra certamente serão estudados pela ciência social do futuro: a ficha policial falsificada de Dilma e a acusação a Lula de que teria sido um maníaco sexual que
tentou estuprar um adolescente. Não me lembro de outro país em nosso
estágio de importância e de desenvolvimento em que a oposição tenha
tentado algo parecido.

Não sei até que ponto os agentes políticos já mensuraram, inclusive, o custo da campanha de difamação contra Lula e Dilma. Se calcularmos o custo do tempo de tevê e de rádio e dos espaços intermináveis na
imprensa escrita que foram usados para atacar os petistas, chegaremos a
cifras espantosas. Não me espantaria se chegassem aos bilhões de reais…

E o que mais impressiona é que não vejo o menor sinal de que os partidos e os meios de comunicação de direita estejam sequer cogitando interromperem a estratégia de desmoralizarem os adversários para se
concentrarem em tentar oferecer alguma proposta ao eleitorado sobre o
que Serra poderia fazer de realmente melhor.

A aposta tucano-midiática, ao menos até o dia da eleição em primeiro turno, não tenho dúvida de que será a de produzir mais do mesmo, ou seja, mais denúncias, mais pseudo escândalos, mas ridicularizações e
desqualificações da candidata governista. E não haverá, nesse grupo
político alucinado, quem tenha coragem de sugerir mudança de rota.

Aliás, penso que a estratégia permanecerá a mesma em um cada vez mais possível governo Dilma Rousseff.

Só que a incapacidade dos conservadores brasileiros de se reciclarem, ao contrário do que possam pensar seus adversários progressistas, é péssima para o país. A continuidade da escandalização do nada atrasa o
desenvolvimento, atrasa projetos, políticas públicas, enfim, prejudica o
desenvolvimento do Brasil.

Uma oposição propositiva, que fiscalize o que está errado mas que não tente criar erros e escândalos inexistentes, faz falta a qualquer país. Uma imprensa séria, que fiscalize os políticos e governantes
independentemente de ideologias e de colorações partidárias, faz mais
falta ainda.

Quem nos garante que Dilma, por exemplo, não pode vir a ser uma péssima governante que iluda o povo com crescimento da economia herdado do governo anterior? Quem nos garante que ela não poderia deixar a
corrupção campear, não se aliaria a grupos econômicos, enfim, que ela
não fizesse o que fizeram um Collor ou um FHC?

Se isso ocorresse – e, vejam bem, não estou dizendo que ocorrerá, mas que tal possibilidade existe em qualquer governo –, quem poderia defender a sociedade e denunciar os malfeitos? Só a imprensa, é claro.
Mas, então, não teríamos imprensa e oposição com credibilidade. Qualquer
denúncia seria apontada como apenas mais um factóide difamatório da
direita midiática.

O Brasil precisa de uma imprensa e de uma oposição sérias, mas não tem e não deverá ter por ainda muito tempo. A sociedade brasileira está dependendo de que tenha no poder bons governos como o de Lula. Se
votarmos errado, como fizemos em São Paulo (na capital e no Estado),
teremos que amargar governos ruins perpetuando-se no poder.


http://www.blogcidadania.com.br/2010/06/procura-se-uma-oposicao-seria/


Exibições: 44

Comentário de Francisco de A. P. da Silva em 30 junho 2010 às 22:08
Texto perfeito. A imprensa tem uma função repúblicana absolutamente insubstituível. O povo que não tem imprensa livre e com credibilidade está desarmado. Nós o estamos. Outra: o Brasil precisa desesperadamente de um partido liberal, ou seja, um partido leitor de Voltaire e radical (ra-di-cal!) na defesa da liberdade de expressão, de reunião, de associação, de sindicalização, de imprensa, de ir e vir, de greve, de religião, de crença, em resumo, um partido liberal sem coronéis e cangaceiros. O século XIX precisa terminar! Se Lula fosse cem por cento coerente com o programa socialista, o BNDES deveria estar reservando suas linhas de crédito quase que exclusivamente para cooperativas. Quem dá dinheiro e estimulo para empresa privada é liberal! Com a popularidade que tem, se Lula fosse mal intencionado, dava uma de Putin, introduzia o parlamentarismo e se sagrava primeiro ministro de Dilma. Porquê não? Era só querer! Quem impediria? Alvaro Dias? Fernando Henrique? ACM Neto? Quem é liberal e ocupa espaço politico no país? Quem tem moral para defender as liberdades do homem? O Estadão? Digo sempre e repito aqui: é preciso institucionalizar a liberdade. Reforma da mídia, reforma politica e tributária já!

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço