Se estivesse vivo - e, nesse caso, estaria com 85 anos-, Tom Jobim teria sido recebido com clarins nos salões do Riocentro, na abertura da conferência Rio+20. Não por ser o autor de "Corcovado", "Chovendo na Roseira", "Águas de Março", "Borzeguim", "O Boto" e muitos outros sambas que celebram a conservação da natureza. Ou não apenas por isso. Mas por ser um porta-voz da ecologia, desde a época em que, no Brasil, essa palavra tinha de ser procurada no dicionário.

 

Na maioria das entrevistas que concedeu, Tom sempre denunciou a destruição da mata e da fauna, a contaminação dos rios, lagoas e baías, o envenenamento do ar e a descaracterização das cidades pelo automóvel e pela política de terra arrasada da especulação imobiliária. Era quase uma ideia fixa, mais até do que a música - sobre a qual, aliás, pouco falava para jornalistas.

 

De repente, entre duas frases, Tom desfiava os nomes das diversas espécies de urubu. Ou se queixava: "Outro dia fui ao mato piar um inhambu, e o que saiu de trás da moita foi um Volkswagen". Ou, como num passeio que fiz com ele pelo Central Park, em Nova York, em 1989 - parecia saber identificar pelo nome cada passarinho americano. Mas a paixão pelo Brasil é que era sua seiva criativa: "Toda a minha obra é inspirada na mata atlântica".

 

Conto isso para contrastar com a brutalidade com que Tom era visto nas redações em que trabalhei, no Rio e em SP, durante os anos 70 e boa parte dos 80. Era visto como um chato. "Ih, lá vem de novo o Tom Jobim com aquela mania de ecologia." Ou, diante de minhas repetidas sugestões de uma entrevista com ele, para uma revista que se orgulhava de suas entrevistas: "Não! Tom Jobim é a coisa mais rançosa que existe!".

 

Ainda não percebíamos que ele estava dando em prosa o mesmo recado que dava nas canções.

 

 

 

Como é bom ouvir, hoje e sempre, as belas composições de Tom Jobim. Abaixo as cinco citadas por Ruy Castro.

 

 

 

 

Corcovado” (Tom Jobim) # Elis Regina, 1974.

 

 

 

 

 

Chovendo na Roseira” (Tom Jobim/Vinicius de Moraes) # Elis Regina, 1974.

 

 

 

 

 

Águas de março” (Tom Jobim) # Elis Regina/Tom Jobim, 1974.

 

 

 

 

 

Borzeguim” (Tom Jobim) # Gal Costa, 1982.

 

 

 

 

 

O Boto” (Tom Jobim/Jararaca) # Elis Regina, 1978.

 

 

 

 

 

 

 

 "Passarim" (Tom Jobim) # Tom Jobim, 1987 (Sugestão do maridão Gregório Macedo).

 

 

************

Fonte:

- Folha de São Paulo/Colunistas (Ruy Castro publica na segunda, quarta, sexta e no sábado).

- Site #Radinha

 

************

 

Exibições: 110

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço