SEM CHUVA NAS NASCENTES DO RIO PARANÁ, ITAIPU APELA PARA O LAGO

Christian Rizzi



VÍDEO SOBRE....

HIDRELETRICA DE ITAIPU - DIA - BRASIL




SEM CHUVA NAS NASCENTES DO RIO PARANÁ, ITAIPU APELA PARA O LAGO



A falta de chuvas nas principais nascentes da bacia do Rio Paraná – regiões Sudeste e Centro-Oeste – está obrigando a hidrelétrica de Itaipu a usar água armazenada em seu reservatório para manter a produção de energia nos patamares normais para esta época do ano. A manobra vem baixando o nível do Lago de Itaipu, no Oeste do estado, que na sexta-feira estava 1,20 metro abaixo do normal.
Segundo a administração de Itaipu, a utilização das águas do reservatório foi determinada pelo ONS (Operador Nacional do Sistema) – órgão responsável pela administração do sistema interligado de energia brasileiro – e aprovado pelos representantes do Brasil e do Paraguai, no Conselho de Administração de Itaipu. A medida, que deve ser mantida até o final de janeiro, conforme o regime de chuvas, foi tomada porque não começou a chover em novembro nas nascentes do Rio Paraná, como era previsto, e também é preciso atender à demanda de energia do Brasil e Paraguai. Por enquanto, não há risco de faltar energia.
O gerente do Departamento de Reservatório e Áreas Protegidas da Itaipu Binacional, João Antonio Cordoni, diz que a chuva dos últimos dias no Extremo Oeste não é suficiente para manter o nível normal das águas do lago. “Tem que chover na época certa e no local certo”, explica. Ele diz que é comum o nível do reservatório oscilar nesta época. No entanto, este ano a marca está maior. Em 2006, o nível do lago baixou cerca de meio metro.
As prefeituras da região estão preocupadas com a possibilidade de perder turistas nesta temporada de verão. Santa Helena, a 120 quilômetros de Foz do Iguaçu, que tem a praia mais movimentada da temporada e de melhor infra-estrutura, já planeja ações para evitar a fuga dos visitantes. O secretário de Indústria, Comércio e Turismo do município, Altair Schimelfenig, diz que uma das duas praias do balneário da cidade já está inviabilizada para banho. Por isso, a prefeitura solicitou à Itaipu autorização para bombear água do lago para a praia comprometida.
Schimelfenig calcula que, se a medida não for tomada, pode haver redução de até 30% no fluxo de turistas. Segundo ele, a cidade costuma receber pelo menos 200 mil visitantes durante toda a temporada de verão.


Para minimizar os reflexos ambientais provocados pelo rebaixamento do lago, a Itaipu criou um Plano de Medidas de Contingência. Um dos trabalhos dos técnicos é resgatar peixes que ficam presos em poças d’água formadas devido à redução do volume de água. Esta semana, os técnicos retiraram das poças cerca de 5 mil peixes na região de Guaíra. Após fazer um mapeamento das espécies, eles devolvem os peixes ao lago.
Outra conseqüência do rebaixamento é o atraso da piracema, que tem como condição básica para ser desencadeada a ocorrência de cheias.
O nível do reservatório vem oscilando nesta época do ano conforme o regime de chuvas na bacia do Paraná. A redução mais brusca dos últimos anos foi registrada entre 1999 e 2000, quando o reservatório ficou cinco metros abaixo do normal.


FONTE:
www.oesteinforma.com.br/

Exibições: 281

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço