(Uma humilde homenagem aos professores no seu dia)


Quem aspira a ser mestre não deve pensar que vai apenas andar na frente, mostrando o caminho. Deve lembrar-se que, muitas vezes, tem que estar junto, sentindo o medo e as aflições de seus discípulos.

Quem guia tem a enorme responsabilidade de ter não só um comportamento exemplar, mas um comportamento e um discurso que demonstrem a sua fé em Deus, na vida e nos homens. Tem que ter alegria e paixão. Deslumbrar-se com as coisas de Deus e as coisas dos homens. Muitas vezes, quando seus discípulos choram, nada poder fazer senão chorar com eles, apenas sempre exortá-los à esperança.

Ser mestre não é colocar-se como autoridade ou como dono do saber. Porque, seja qual for a nossa posição no mundo, a vida é um aprendizado constante e mesmo as pessoas mais ignorantes têm sempre muito a nos ensinar.

Ser mestre é colocar acima de si próprio e de suas necessidades, as necessidades e o bem-estar de seus discípulos. Por isso, a função é sublime. Se for de outra forma a pessoa será comum e não terá nada a dar.

Por estas razões só devem aspirar ao magistério os dadivosos, generosos, humildes e sábios. Aqueles que, sobretudo, amam profundamente o ser humano e vêem nele o próprio Criador.

Melhor é renunciar à função de mestre quando não se é desprendido e não se tem o carisma da liderança. Deus ama muito mais àqueles que sabem varrer bem uma rua e cumprem sua função com alegria e amor, do que àqueles que, pomposamente, se autodenominam pastores de alma, sem serem o mais humilde de todo o rebanho.
Maria Luiza Silveira Teles

Exibições: 35

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço