“SOMOS TÃO JOVENS”. O DESEJO DE LIBERDADE NA LUTA CONTRA O TEMPO PERDIDO DE SONHAR

A polícia iraniana negou hoje (13/05) ter matado imigrantes afegãos que tentavam atravessar de maneira clandestina a fronteira entre os dois países e considerou que as informações divulgadas por Cabul sobre o incidente são "falsas". Ontem, o Afeganistão convocou o embaixador do Irã para protestar pela morte de 10 imigrantes clandestinos afegãos assassinados, segundo Cabul, por guardas de fronteira iranianos. No mesmo dia o comandante da V Frota da Armada estadunidense, com base no Barhein, vice-almirante John W. Miller, negou que as manobras militares nas quais participam 41 países em águas do Golfo Pérsico tenham como alvo atacar o Irã. Segundo ele, a missão é "manter a segurança marítima" no golfo Pérsico, que é palco de tensões entre EUA e o Irã devido às ameaças de Teerã de fechar o estreito de Ormuz, pelo qual transitam um terço dos embarques mundiais de hidrocarbonetos. "Temos uma ideia clara de sua capacidade marítima (em referência ao Irã). É uma força capaz e nós respeitamos isso", justificou Miller. Na véspera, o Irã anunciou ter criado um drone que não é detectado pelos radares. Segundo o ministro da Defesa iraniano, Ahmad Vahidi, a aeronave não tripulada, chamada Epic, é capaz de fazer voos de longo curso a grande altitude e atacar alvos inimigos. No dia 18 de abril, o Ministério da Defesa do Irã apresentou três modelos do avião não tripulado, inclusive o Throne, invisível a radares e capaz de atacar alvos inimigos no ar. Hoje dez civis afegãos, incluindo três crianças, morreram na explosão de uma bomba em uma estrada da província de Kandahar, sul do Afeganistão. A província de Kandahar é um dos redutos da insurreição armada dos talibãs contra o governo afegão. As bombas de fabricação caseira são, ao lado dos atentados suicidas, a arma predileta dos talibãs afegãos. Na última quinta-feira (9), o presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, informou que os Estados Unidos querem manter nove bases militares no país após a retirada das forças da Otan do país em 2014 e que ele era favorável ao pedido. A decisão surpreendeu o país já que Karzai se mostrava irredutível a qualquer presença estadunidense no território afegão. O líder afegão já tinha passado por constrangimento após reportagem do jornal “The New York Times” ter divulgado no mês passado que a CIA, o serviço secreto estadunidense, enviou malas de dinheiro para o seu gabinete durante a última década com o objetivo de ganhar seu apoio. A estratégia, porém, só teria aumentado a corrupção. No mesmo dia da declaração de Karzai, Washington divulgou que não desejava manter bases no Afeganistão a não ser que fosse “convidado” pelo governo afegão. "Como o presidente (Barack Obama) já deixou claro, os EUA não planejam bases militares permanentes no Afeganistão. Sendo assim, qualquer presença após 2014 seria só a convite do governo afegão", explicou Jay Carney, porta-voz presidencial, aos jornalistas que o acompanhavam na viagem do presidente estadunidense ao Texas. Ele, no entanto, destacou que os Estados Unidos "visualizam que o acordo de segurança bilateral permitirá o acesso e uso das instalações afegãs pelas forças estadunidenses" após 2014. "Estamos no processo de retirada de nossas tropas de acordo ao compromisso e políticas do presidente Obama, junto com nossos parceiros, e entregar gradualmente o controle total da segurança às forças afegãs", acrescentou Carney. No dia seguinte a chanceler alemã, Angela Merkel, e seu ministro da Defesa, Thomas de Maizière, chegaram ao Afeganistão para uma visita surpresa.  No sábado retrasado (4), um soldado alemão da Isaf (Força Internacional de Assistência para a Segurança no Afeganistão), junto com outros sete estrangeiros, morreu no dia mais sangrento para as forças da Isaf. Cinco soldados estadunidenses morreram na explosão de uma bomba na província de Candahar (sul) e outros dois militares foram baleados e mortos por um soldado afegão "infiltrado" pelos talebãs na província de Farah (oeste). No mesmo dia da visita de Merkel a Cabul, o príncipe inglês Harry foi aos Estados Unidos para prestar as suas homenagens aos soldados estadunidenses que foram mortos no Afeganistão e no Iraque. Em visita ao Cemitério Nacional de Arlington (acima), usando o uniforme de gala de seu regimento no Exército britânico, o terceiro na linha de sucessão ao trono deixou uma nota escrita a mão: "Aos meus camaradas de armas dos Estados Unidos da América, que fizeram o último sacrifício pela causa da liberdade". Ele assinou o cartão com seu nome oficial, capitão Henry Wales, pois esteve duas vezes no Afeganistão atuando como piloto de helicópteros. No domingo (12), o príncipe passou a tocha para o tenente estadunidense Brad Snyder que ficou cego numa explosão quando servia no Afeganistão em setembro de 2011, durante a cerimônia de abertura dos Warrior Games em Colorado Springs, ao lado da nadadora estadunidense Missy Franklin, medalhista de ouro olímpico por quatro vezes. A competição de estilo paraolímpica tem participação de militares feridos dos EUA, Reino Unido, Canadá e Austrália.

Os Estados Unidos e o Reino Unido decidiram hoje (13) "aumentar a pressão" sobre o presidente sírio, Bashar al-Assad, para que deixe o poder. "Juntos, nós iremos continuar com nossos esforços para aumentar a pressão sobre o regime de Assad, fornecer ajuda humanitária aos sírios, reforçar a ajuda à oposição moderada e preparar o caminho para uma Síria democrática sem Bashar al-Assad", afirmou o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em entrevista coletiva conjunta com o primeiro-ministro britânico, David Cameron. Três dias depois de ter se reunido com o presidente russo, Vladimir Putin, que apoia o regime de Assad, o primeiro-ministro britânico ressaltou que "a história da Síria está sendo escrita com o sangue de seu povo". "E isto está acontecendo sob nossos olhos", acrescentou. Amanhã, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, desembarcará em Moscou para uma conversa privada com o presidente russo, Vladimir Putin. Tel-Aviv criticou a venda de mísseis da Rússia para o regime de Assad, negociação que a diplomacia russa avisou que não fere o direito internacional. No próximo dia 16 será a vez do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, chegar a Moscou para uma reunião com o chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, a fim de discutir a crise síria. Hoje o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, rejeitou a versão de Damasco, que negou qualquer relação com o atentado que deixou 46 mortos no sábado na cidade fronteiriça turca de Reyhanli, e voltou a vincular o incidente ao regime sírio. "Esse regime está baseado em mentiras", declarou Erdogan aos jornalistas em Ancara ao rejeitar as palavras do ministro da Informação sírio, Omran al-Zoubi, que havia negado a participação de Damasco no ataque. O ministro das Relações Exteriores turco, Ahmet Davutoglu, declarou durante uma visita oficial a Berlim ontem que, por trás do atentado, há uma "velha organização de orientação marxista" que tem vínculos com o governo de Assad. Davutoglu solicitou que o Conselho de Segurança tomasse uma atitude mais incisiva na Síria, enquanto Erdogan defendeu manter a "cabeça fria" para não cair no "sangrento lodaçal" da Síria, cuja guerra civil,  segundo a ONU, matou cerca de 70 mil pessoas. De acordo com a emissora estatal de televisão russa RT, ministro da Informação sírio culpou o governo da Turquia pelas explosões de carros-bomba perto da fronteira com a Síria (acima), e chamou o primeiro-ministro turco de “assassino”. Ontem, Erdogan disse a Turquia "não vai cair na armadilha que eles estão tentando nos empurrar", mas acrescentou: "Quem atinge a Turquia, mais cedo ou mais tarde, vai pagar o preço". No mesmo dia autoridades turcas prenderam nove cidadãos turcos que confessaram o duplo ataque a bomba desferido na véspera. A prisão dos acusados, no entanto, gerou protesto de grupos que acusam o líder sírio de provocar conflito com o país vizinho, o que gerou temor de alguns analistas de que a Turquia, membro da Otan e ponte entre a Ásia e a Europa, possa entrar também numa guerra civil. A troca de acusações também atingiu outros vizinhos. O grupo guerrilheiro libanês Hezbollah, aliado do regime sírio, acusou a "inteligência internacional" pelo duplo ataque, a qual chamou de “odioso”. "Esses atentados têm a marca da inteligência internacional que procurar desestabilizar e criar discórdia nesses países", ressaltou. Segundo o Hezbollah, esses atentados terroristas são parte de "uma série de crimes silimares que afetam inocentes em mais de um país árabe e islâmico e que só podem ser apoiados por criminosos". Na véspera, o presidente libanês Michel Suleiman afirmou que as armas do grupo xiita Hezbollah devem ser colocadas à disposição do Exército libanês para a defesa perante uma possível agressão israelense. Jordânia, o rei Abdullah II afirmou que foram adotadas todas as medidas para manter o país livre da crise síria, no dia seguinte do atentado registrado na cidade turca. A instabilidade política, no entanto, ronda Amã. Hoje de 87 deputados dos 150 que formam a Câmara baixa do Parlamento jordaniano assinaram uma solicitação para uma moção de censura contra o governo por não ter obedecido às determinações do Parlamento para expulsar do país o embaixador israelense em Amã, Daniel Nevo. Na última quarta-feira (8), os legisladores jordanianos votaram por unanimidade a favor da medida após a prisão do grande mufti de Jerusalém, xeque Mohammed Hussein, e por causa da repressão da polícia israelense nos últimos distúrbios na Esplanada das Mesquitas em Jerusalém Oriental. No sábado (11), houve protesto também do chanceler da Autoridade Nacional Palestina, Riad Malki, por causa da aceleração das autorizações israelenses para a expansão dos assentamentos judaicos na Cisjordânia ocupada. Segundo ele, a interrupção das construções é vital para o processo de paz na região. "Condenamos esta nova decisão que é uma prova de que o governo israelense quer sabotar e arruinar os esforços do governo americano para reativar o processo de paz", reagiu Malki. Israel aprovou o projeto de construção de 296 casas na colônia de Beit El, perto de Ramallah. Washington classificou como “contraproducente” consideraram nesta quinta-feira contraproducente o prosseguimento da colonização por parte de Israel. "Uma Palestina independente deve ser viável, com verdadeiras fronteiras que devem ser desenhadas. Dissemos isso diversas vezes e nossa posição não mudou", declarou o porta-voz adjunto do Departamento de Estado dos EUA, Patrick Ventrell. Na semana passada, a China informou que está disposta a trabalhar a trabalhar com a comunidade internacional para realizar trabalhos de mediação no processo de paz no Oriente Médio, após ter recebido a visita do presidente palestino Mahmoud Abbas e do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu. "O fato de receber os líderes de Palestina e Israel é um novo esforço do país para promover as conversas de paz e demonstrar nossa atitude construtiva para resolver os problemas deste ponto quente no Oriente Médio", disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying. 

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, procurou hoje (13) acalmar uma revolta no seu Partido Conservador sobre a permanência da Grã-Bretanha na União Europeia, dizendo que todos os ministros apoiam sua estratégia sobre o assunto, apesar de dois expressarem pontos de vista mais céticos. Cameron, que lidera uma coalizão de dois partidos, prometeu tentar renegociar a presença da Grã-Bretanha na UE caso vença a eleição em 2015 e, em seguida, convocar um referendo para decidir se o seu país vai continuar a ser um membro do bloco. Ele não pode agir agora porque seus parceiros de coalizão, os liberais-democratas, se opõem a tal movimento. Ontem, dois de seus ministros sugeriram que votariam para deixar a UE se a votação fosse hoje, enquanto Cameron sempre disse que a Grã-Bretanha quer permanecer em uma União Europeia reformada. "O que importa é ter certeza de que vamos fazer tudo o que pudermos para reformar a UE... para que quando tivermos o referendo, antes do final de 2017, possamos dar ao público britânico uma escolha real", disse Cameron a repórteres antes de embarcar para os Estados Unidos, onde foi dar apoio a um acordo comercial EUA-UE. "Cada ministro conservador está confiante de que seremos capazes de realizar essas mudanças. Estamos todos confiantes no sucesso", acrescentou. A proposta britânica de reforma no bloco econômico ocorre no momento em que os europeus reivindicam mais emprego e menos aperto fiscal. Ontem, milhares de espanhóis foram às ruas para celebrar o segundo aniversário do movimento dos indignados. Sob o lema "Da indignação à rebelião", os manifestantes se reuniram em Madri próximos à Porta do Sol, a emblemática praça do movimento, para comemorar o aniversário com um minuto de silêncio. Os indignados saíram de três pontos diferentes da capital para o protesto e exibiam cartazes com dizeres como: "A luta continua", "Juntos, é possível", "A isso se chama democracia, mas não é". Alguns agitavam bandeiras republicanas e outros vestiam a camisa verde que simboliza as mobilizações no setor da educação, duramente atingido, como o da saúde, pelos cortes orçamentários. A manifestação foi seguida também em 30 cidades espanholas, como Barcelona. O desemprego continuou a avançar na Espanha, chegando a um índice recorde de 27,16%. Cerca de 6,2 milhões dos 45 milhões de habitantes estão desocupados. A mesma realidade também é registrada na Grécia em Portugal. Na última quinta-feira (9), o Escritório de Estatísticas da Grécia informou que o desemprego no país atingiu um novo recorde. Segundo a entidade, a subida foi de 0,3 ponto percentual em relação a janeiro, mas de 5,1 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano passado. Em Portugal, Instituto Nacional de Estatística divulgou que a taxa de desemprego passou de 16,9% no fim de 2012 para 17,7% no primeiro trimestre deste ano, um novo patamar histórico de alta para o país. Na Itália, o novo primeiro-ministro, Enrico Letta, exigiu que o próximo conselho europeu, em junho, se concentre em um plano de urgência para lutar contra o desemprego dos jovens. "Sem trabalho para os jovens não há esperança, nem para os Estados membros, nem para a Europa", justificou. A taxa de desemprego na Itália alcançou 11,5% da população economicamente ativa e disparou para 38,4% entre os trabalhadores de 15 a 24 anos. O ministro da Economia, Fabrizio Saccomanni, prometeu à União Europeia que o país cumprirá as metas de déficit orçamentário para este e para o próximo ano, apesar do fim de um imposto sobre imóveis e do aumento dos benefícios para desempregados. Para apoiar o novo governo, o ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi impôs o fim da taxa sobre imóveis. Se a eleição fosse hoje, Berlusconi voltaria ao cargo. No sábado, ele reuniu milhares de pessoas numa manifestação na cidade de Brescia, para protestar contra a decisão de um tribunal de Milão, que esta semana confirmou uma sentença de quatro anos de prisão para o político (acima). O protesto também reuniu adversários, principalmente militantes do Movimento 5 de estrelas do comediante Beto Grillo, que gritavam: “cadeia”. Na última quarta-feira (8), os juízes da Segunda Corte de Apelação de Milão confirmaram a sentença de quatro anos de prisão para Berlusconi, que é acusado de fraude fiscal no processo da compra de direitos de transmissão para seu conglomerado de televisão Mediaset. Ele também foi banido da vida pública por cinco anos e terá de pagar uma multa de 10 milhões de euros, juntamente com outros três réus no processo. A sentença ainda precisa ser confirmada pelo Tribunal de Cassação e pelo Senado. Na manifestação, Berlusconi disse que os juízes querem "eliminá-lo", que se sente perseguido pela justiça e que sobre ele existe um "preconceito político, uma inveja que incentiva o ódio" contra a ele e contra as classes sociais que representa. Já o Partido Democrata, em crise desde que o líder Pier Luigi Bersani não conseguiu votos suficientes para governar a Itália, elegeu o socialista Guglielmo Epifani, de 63 anos, ex-líder do principal sindicato italiano CGIL, para comandar o partido.  "Seu perfil é o mais idôneo para dirigir o PD rumo ao próximo congresso e para as novas e grandes responsabilidades que tem o partido neste momento", afirmaram os dirigentes Roberto Speranza e Luigi Zanda.

A Rússia desmentiu hoje (13) que o espaço aéreo da Finlândia tivesse sido violado por aviões russos. Segundo o porta-voz do serviço de imprensa do Ministério da Defesa da Federação Russa major Vladimir Drobyshevsky, um avião russo An-26 realizou um voo sobre as águas internacionais do golfo da Finlândia. Ele informou que, devido a condições meteorológicas adversas, o An-26 alterou, com a aprovação dos controladores aéreos finlandeses, a rota do seu voo se aproximando da fronteira da Finlândia a uma distância de 15 quilômetros. De acordo com Drobyshevsky, o voo do An-26 ao longo da fronteira foi acompanhado por um avião F-18 da Força Aérea Finlandesa. A resposta veio após o Ministério da Defesa finlandês ter informado sobre a invasão do espaço aéreo por parte do avião russo. A notícia acendeu uma luz vermelha por causa da instabilidade na fronteira russa com os seus vizinhos. Os Estados Unidos vão realizar exercícios militares de duas semanas na Polônia. Segundo o chefe da Força Aérea polonesa, general Lech Majewski, o principal objetivo dos exercícios é o treino de pilotos poloneses. "As lições aprendidas com a colaboração diária com os estadunidenses serão utilizadas na preparação de nossas unidades para as tarefas decorrentes das obrigações polonesas perante a OTAN", disse ele. Na última sexta-feira (10), o chanceler russo Serguei Lavrov afirmou que as potencias ocidentais não deveriam se preocupar com a instalação na Bielorrússia de uma base militar russa. Segundo ele, Moscou e Minsk são dois Estados de união e representam um espaço único, incluindo de ponto de vista militar. "A Otan está violando obrigações anteriores, visto que a infraestrutura militar da aliança realmente está se movendo para o leste", disse Lavrov. Segundo ele, tais ações sempre levantam questões. E acrescentou: "A Rússia e a Bielorrússia defendem suas fronteiras". No mesmo dia o presidente da Rússia, Vladimir Putin, recomendou aos membros do Conselho de Segurança da Rússia para que voltem suas atenções aos países da Ásia Central, elaborando planos para a implementação de grandes projetos econômicos russos nestes países. Ele disse que estas nações são parceiras naturais da Rússia e, por isso, merecem ser contemplados com planos de cooperação multilateral que incluam projetos relacionados a setores estratégicos como infraestrutura, energia, combustíveis e transportes. Putin disse ainda que, ao cooperar com o crescimento econômico destes países, a Rússia estará contribuindo também para a estabilidade política e institucional das repúblicas asiáticas. O presidente entende que, ao formular este vasto projeto de cooperação internacional, estará estimulando os governos dos países da Ásia Central a considerar a hipótese de se juntarem à União Aduaneira, entidade formada por Rússia, Bielorrússia e Cazaquistão, e que pode se consolidar, futuramente, como a Comunidade Econômica Euroasiática, que incluirá países europeus. Na quarta-feira (8), As tropas russas de defesa aeroespacial de Moscou adotaram seis novos radares, capazes de identificar, simultaneamente, mais de 100 alvos de diferentes classes a uma distância de até 400 km da capital. Segundo o Kremlin, as novas instalações de radar farão parte do sistema de mísseis antiaéreos S-400Triumf que estão protegendo o espaço aéreo de Moscou e a região central industrial da Rússia. Para este ano está prevista a entrada em funcionamento do radar Voronezh, nos arredores de Armavir, para compensar as perdas resultantes da retirada dos meios de radiolocalização russos do Azerbaijão e da Ucrânia. “Os radares foram construídos em uma base tecnológica diferente, mais sofisticada. São, sem dúvida, mais modernos por uma série de parâmetros do que o radar de Gabala, do Azerbaijão, que parou de funcionar em dezembro do ano passado”, informou o analista militar Oleg Ivannikov. Um piloto da Força Aérea Russa também realizou o primeiro voo num caça de quinta geração T-50. Até o fim de junho as empresas bélicas vão entregar ao governo russo a criação de mísseis hipersônicos. "Na época soviética, havia projetos muito promissores, mas devemos nos dar conta de que passou bastante tempo. Aqueles projetos ficaram só no papel porque não havia dinheiro para sua materialização. Aliás, não havia também necessidade especial para tal... Mas atualmente, quando no Ocidente está sendo desenvolvido este tipo de armamentos, não podemos permanecer de braços cruzados, porque em determinadas circunstâncias estas armas poderiam ser dirigidas contra nós. Por isso, devemos criar algo nosso, utilizando a experiência dos desenvolvimentos realizados antes da década de 90. Naturalmente, dali passaram mais de vinte anos, durante os quais apareceram novos materiais, software e equipamentos eletrônicos do hardware, assim como novos conceitos de criação de armamentos – tudo isso vamos levar em conta", explicou o editor-chefe do jornal Nezavisimoye Voyennoye Obozreniye (Resenha Militar Independente), Viktor Litovkin. Na última quinta-feira (9), a Rússia celebrou o Dia da Grande Guerra Patriótica quando Moscou derrotou o nazismo na Europa. A festa teve a presença de Putin e do primeiro-ministro Dimitry Medvedev (acima) que demonstravam ter divergências, mesmo com as informações da imprensa russa de que a aliança foi seriamente afetada após a demissão na véspera do vice-premiê russo Vladislav Surkov, considerado um dos homens mais influentes no governo e muito próximo a Medvedev. Em pronunciamento no desfile militar, Putin afirmou que o seu governo fará de tudo para fortalecer a segurança no mundo. "Sempre lembraremos que precisamente a Rússia, a União Soviética, jogou por terra os planos arrogantes e sangrentos dos fascistas, os impedindo de conquistar o mundo", disse o presidente russo se dirigindo aos veteranos. "Vossos sacrifícios e perda são incomensuráveis. Honraremos eternamente vossas façanhas, guardaremos luto pelos caídos e sempre defenderemos a verdade sobre a guerra", acrescentou.

Os capitalistas Tico e Teco voltaram a conversar sobre o mundo contemporâneo, acompanhados pela diarista Aparecida e pela filha Bytes, no dia 13 de maio de 2013, no Dia de Nossa Senhora de Fátima.

Tico: No dia de hoje o papa João Paulo II sofreu um atentado na praça de São Pedro, em Roma. Durante audiência pública realizada sempre às quartas-feiras, o turco Mehemed Ali Agca disparou três vezes uma pistola Browning de nove milímetros a menos de sete metros de distância, ferindo gravemente o estômago, a mão esquerda e o cotovelo do pontífice. O autor do atentado disse à polícia que teve dificuldades para mirar em João Paulo II porque ele segurava uma criança de um ano e seis meses. Houve comoção de líderes políticos de todo o mundo manifestando repúdio ao atentado, que seria um protesto contra o imperialismo da Rússia e dos Estados Unidos e genocídios em El Salvador e no Afeganistão. No entanto, o caso nunca foi devidamente esclarecido. Quando foi preso, Ali disse que o atentado foi encomendado pelos serviços secretos russos e búlgaros. Em 2000, o extremista ganhou a anistia da Justiça italiana e foi extraditado para a Turquia, onde cumpriu pena também pelo assassinato do jornalista Abdi Ipecki, em 1978. Após ser libertado, mudou a versão. Em entrevista à televisão pública turca TRT, Agca disse que o atentado foi planejado dentro do Vaticano sendo o autor intelectual o então secretário de Estado Agustino Casaroli. "Definitivamente, o Governo do Vaticano esteve por detrás da intenção de assassinar o papa. O cardeal Agustino Casaroli, o número dois do Vaticano, decidiu assim", acusou. Recentemente, Agca culpou os xiitas do Irã pela autoria do atentado. No livro, intitulado "Prometeram-me o paraíso. A minha vida e a verdade sobre o atentado contra o papa", Agca disse que foi procurado pelo então líder supremo do Irã, aiatolá Khomeini, após ter fugido de uma prisão turca, onde cumpria pena pelo assassinato de um jornalista. Ele disse que foi “doutrinado” durante várias semanas antes de ser reunir com Khomeini. "Tens de matar o papa em nome de Alá. Tens de matar o porta-voz do diabo na terra", teria dito o então líder iraniano, segundo Agca. No livro, ele disse que se arrepende do que chamou de “nazi-fascismo islâmico” e que agora é cristão: "Hoje, sei que Jesus Cristo é a melhor pessoa que andou na terra", escreveu Agca. Para os médicos, ele está mentalmente perturbado. O atentado contra o papa João Paulo II ocorreu há 32 anos.

Teco: No dia de hoje o papa Bento XVI inaugurou a Conferência de Aparecida, realizada no Brasil. Também chamado de V Conferência Geral do Episcopado Latino-americano e do Caribe, o encontro foi convocado pelo papa João Paulo II com o tema: “Discípulos e missionários de Jesus Cristo, para que nele nossos povos tenham vida”. A reunião foi dividida em seis tópicos: “Sociedade e Igreja na atualidade”, “Jesus Cristo, reino e discipulado”, “Igreja e missão”, “Desafios e diretrizes pastorais”, “Opções básicas da Igreja na América Latina e no Caribe” e “Proposta da missão continental”. Há 6 anos.

Bytes: No dia de hoje o papa João Paulo II visitou, pela primeira vez, o santuário de Nossa Senhora de Fátima, em Portugal. A visita começou tumultuada porque o papa quase foi esfaqueado por Juan María Fernández y Krohn, um ano depois do atentado em Roma. Apesar da ameaça, ele continuou a peregrinação e depositou a bala que o atingiu na praça de São Pedro no altar de Nossa Senhora de Fátima. Na homilia, João Paulo II lembrou a ligação entre Nossa Senhora e o apóstolo João: "E a partir daquele momento, o discípulo recebeu-A em sua casa.  Com estas palavras termina o Evangelho da Liturgia de hoje, aqui em Fátima. O nome do discípulo era João. Precisamente ele, João, filho de Zebedeu, apóstolo e evangelista, ouviu do alto da Cruz as palavras de Cristo: Eis a tua Mãe. Anteriormente, Jesus tinha dito à própria Mãe: Mulher, eis o Teu filho. Este foi um testamento maravilhoso. Ao deixar este mundo, Cristo deu a Sua Mãe um homem que fosse para Ela como um filho: João. A Ela o confiou. E, em consequência desta doação e deste ato de entrega, Maria tornou-se mãe de João. A Mãe de Deus tornou-se Mãe do homem. E, a partir daquele momento, João recebeu-A em sua casa. João tornou-se também amparo terreno da Mãe de seu Mestre; é direito e dever dos filhos, efetivamente, assumir o cuidado da mãe. Mas acima de tudo, João tornou-se por vontade de Cristo o filho da Mãe de Deus. E, em João, todos e cada um dos homens d'Ela se tornaram filhos”. O papa também visitou o santuário em 1991 e em 2000. A primeira visita de João Paulo II a Fátima ocorreu há 31 anos.

Aparecida: No dia de hoje nascia, há 221 anos, o papa Pio IX. Como devoto de Nosso Senhora, proclamou em 8 de dezembro de 1854 o dogma da Imaculada Conceição da Virgem Maria como sendo um dogma de fé da Igreja Católica mediante a encíclica Ineffabilis Deus.

Bytes: No dia de hoje morreu, há 605 anos, Muhammed VII, 12º rei nasrida de Granada, a última dinastia muçulmana da península Ibérica. Chamado de Al-Musta, ele ascendeu ao trono de forma violenta, afastando o seu irmão Yusuf, o herdeiro legítimo. Em 1396, a Ordem de Alcântara, a quem havia sido profetizado uma vitória cristã, empreendeu uma cruzada contra Al-Musta, sofrendo uma pesada derrota. Em 1406, as tropas castelhanas voltaram à guerra e tomaram a fortaleza de Zahara de la Sierra no ano seguinte. Al-Musta morreu dois anos depois. A conquista da fortaleza foi fundamental para a expulsão dos muçulmanos da península Ibérica em 1841. Hoje, Granada pertence à Espanha.

Aparecida: No dia de hoje nascia, há 82 anos, o pastor estadunidense Jim Jones. Fundador da igreja Templo dos Povos, ele provocou um suicídio em massa da comunidade de Jonestown, na Guiana, em 18 de novembro de 1978, com o resultado de 918 mortes, em sua maioria por envenenamento. Desde a infância, Jim Jones mostrou inclinações místicas e na juventude foi um leitor dedicado de obras políticas e sociais. Também demonstrou simpatia pelo marxismo e pelas reivindicações dos afro-estadunidenses contra a segregação e a discriminação racial. Através do Templo, Jim Jones adquiriu notoriedade e apoio político e da mídia em Indianópolis, contribuindo para por fim à segregação racial em repartições públicas, restaurantes e hospitais. Em 1974, o Templo arrendou uma gleba de terra na Guiana, junto à localidade de Port Kaituma, próximo à fronteira com a Venezuela, a fim de erguer o “Projeto Agrícola” do Templo dos Povos. Jones chamava os Estados Unidos e o capitalismo de serem inspiração do Anticristo. Começaram, então, as acusações de sequestro de crianças pelo templo. Em novembro de 1978, o Congresso dos Estados Unidos autorizou uma viagem do parlamentar Leo Ryan para a Guiana, a fim de investigar a denúncia. O democrata, três repórteres e uma ex-integrante do culto de Jones foram mortos. Assim que chegou a notícia da morte de Ryan, à noite, Jones pôs em prática o suicídio em massa de toda a comunidade de Jonestown. No Congresso, a oposição republicana conseguiu endurecer as relações dos Estados Unidos contra a Guiana, acusando o presidente Burnham de corresponsabilidade na tragédia. No entanto, ele permaneceu no poder até sua morte, em 1985, e seu corpo foi mumificado pela equipe do Mausoléu de Lênin, em Moscou. 

Bytes: No dia de hoje foi fundada a Rede Bandeirantes. O ato de fundação teve a presença de artistas, políticos e celebridades. Há 46 anos.

Aparecida: Hoje é o Dia de Nossa Senhora de Fátima. Em 96 anos de aparição, reza uma desconfiança. Os cristãos não creem que o terceiro segredo era o atentado ao papa João Paulo II frustrado por Nossa Senhora de Fátima. Ao contrário dos outros dois: a guerra mundial mais sangrenta da história e a conversão da Rússia.

Bytes: Segundo o secretário de Estado do Vaticano, Angelo Sodano, o terceiro mistério anunciado por Nossa Senhora aos pastores era a imagem de um bispo vestido de branco que caminhava entre os corpos de mártires caídos ao chão, aparentemente mortos, sob uma chuva de disparos. A praça de São Pedro é rodeada de imagens de santos e mártires. Daí a conexão com o atentado contra João Paulo II é a profecia, mas que Nossa Senhora de Fátima a reverteu. Ou seja, foi um milagre.

Aparecida: Por falar em milagre, muitos féis estão se reunindo em Ceilândia, cidade satélite de Brasília, para cultuar um galho de árvore congelado que registraria uma aparição de Nossa Senhora (acima). Segundo a profecia de alguns videntes, inclusive um padre, ela voltará a aparecer. Os fiéis esperam curas milagrosas para as suas dores. O que você acha da possível aparição de “Nossa Senhora de Brasília?”

Bytes: Se for para resolver a “nhaca” da política de Brasília, acho que será um milagre. Mas se for “tempo perdido”, se chamará praga. O deputado Garotinho, cujo partido faz parte do governo, chamou a MP dos Portos de MP dos porcos.

Aparecida: Ah, entendi! Está escrito na Gênesis, a “origem”, sobre a paz definitiva entre os irmãos, filhos de Israel: “Depois de haver sepultado seu pai, voltou José para o Egito, ele e seus irmãos, e todos os que com ele subiram a sepultar seu pai. Vendo então os irmãos de José que seu pai já estava morto, disseram: Porventura nos odiará José e certamente nos retribuirá todo o mal que lhe fizemos. Portanto mandaram dizer a José: Teu pai ordenou, antes da sua morte, dizendo: Assim direis a José: Perdoa, rogo-te, a transgressão de teus irmãos, e o seu pecado, porque te fizeram mal; agora, pois, rogamos-te que perdoes a transgressão dos servos do Deus de teu pai. E José chorou quando eles lhe falavam. Depois vieram também seus irmãos, e prostraram-se diante dele, e disseram: Eis-nos aqui por teus servos. E José lhes disse: Não temais; porventura estou eu em lugar de Deus? Vós bem intentastes mal contra mim; porém Deus o intentou para bem, para fazer como se vê neste dia, para conservar muita gente com vida”. 

Tico: O que você acha da crise síria?

Teco: O problema reside que Bashar al-Assad conseguiu recuperar as áreas perdidas. O apoio ao seu governo ainda é alto. O problema é quando o discurso do Hezbollah e do Irã começar a ser considerado o verdadeiro: Israel é o grande problema do Médio Oriente. Passaria a ser o estímulo da “Primavera Árabe”. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Bytes: A presidente Dilma felicitou o colega egípcio pela Primavera Árabe. “Acompanhamos com emoção e sentimento de solidariedade o processo de transformação desencadeado na praça Tahrir. (...) Vivemos no Brasil processo similar de redemocratização a partir dos anos 80”, afirmou. “Os ventos da redemocratização vão ser o precursores de projetos econômicos, renovado tanto do ponto de vista social quanto do ponto de vista político quanto no que se refere à afirmação da soberania no Egito”, acrescentou. O ex-presidente egípcio Hosni Mubarak revelou estar preocupado com o empréstimo que o Egito tenta conseguir junto ao Fundo Monetário Internacional. "Estou muito preocupado com o país e com o empréstimo do FMI, porque suas condições são muito difíceis e representarão um grande perigo para a economia egípcia, já que afetarão os cidadãos mais pobres e os que têm receitas limitadas", afirmou Mubarak ao jornal independente “Al Watan”.

Bytes: Na vizinha Líbia a tensão dos últimos dias começou a pegar fogo. Hoje explodiu um carro próximo de um hospital na cidade de Benghazi, a segunda maior do país, onde também foram cometidos ontem ataques a duas delegacias policiais. Isto aconteceu dois dias depois das explosões em dois outros prédios policiais. Os Estados Unidos e o Reino Unido anunciaram que vão retirar seus funcionários do país norte-africano, temendo pelo recrudescimento no país.

Aparecida: Washington pôs em estado de alerta máximo duas subdivisões militares na Europa caso seja necessário transportá-las para Trípoli, informou o porta-voz do Pentágono aos jornalistas. Estarão de prontidão forças especiais em Stuttgart, na Alemanha, e uma parte do Corpo de Fuzileiros Navais em Moron, na Espanha.

Bytes: Por falar ainda na Líbia, o secretário de Estado John Kerry prometeu na semana passada, em Roma, a sua intenção de esclarecer o ataque ao consulado em Benghazi, que em setembro de 2012 causou a morte de quatro estadunidenses, entre eles o embaixador Chris Stevens. Na sexta-feira, o canal ABC divulgou que o Departamento de Estado ordenou a eliminação das referências ao terrorismo de um documento elaborado pela CIA. O relatório do serviço secreto estadunidense relatava os pontos importantes sobre o ataque ao consulado dos Estados Unidos em Benghazi. Segundo a informação da "ABC", que investigou várias mensagens entre funcionários da Casa Branca, a então porta-voz do Departamento de Estado, Victoria Nuland, pediu à CIA que retirasse do documento as referências ao grupo terrorista Ansar al Sharia, filiado à Al Qaeda. Nuland pediu, além disso, que fossem retiradas as alusões às ameaças terroristas em Benghazi produzidas meses antes do ataque. De acordo com as mensagens rastreadas, Nuland argumentou aos funcionários da Casa Branca que essas referências "poderiam servir aos membros do Congresso a criticar o Departamento de Estado por não prestar atenção nas advertências". As revelações da rede de TV ABC contradizem o dito anteriormente pela Casa Branca, que sempre defendeu que o documento usado pela embaixadora dos EUA na ONU, Susan Rice, foi elaborado pela CIA e nele só foram introduzidas mudanças estilísticas, e não de conteúdo. Após o relatório da ABC, o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, se reuniu em particular com vários dos repórteres que cobrem o governo Obama. Alguns republicanos acreditam que o governo mentiu sobre quem estava por trás do ataque ao consulado por motivos políticos, já que aconteceu menos de dois meses antes das eleições presidenciais que elegeram Obama. O presidente da Câmara dos Representantes do Congresso, o republicano John Boehner, pediu ao governo democrata que publique os correios eletrônicos do Departamento de Estado relacionados ao ataque em Benghazi. Três testemunhas do ataque ao consulado questionaram na quarta-feira passada numa audiência perante o Congresso a atuação de Obama no episódio.

Aparecida: E como pensa o governo dos Estados Unidos?

Bytes: Deu no jornal “O Globo” de 9 de maio de 1963, cuja manchete foi “José Bonifácio denuncia manobra eleitoral sob a máscara da reforma agrária”: “A propalada reforma agrária (proposta pelo PTB) não visa a desapropriar terras, mas desapropriar os eleitores da UDN e do PSD, foi a denúncia que fêz ontem à Câmara, em longo discurso, o deputado José Bonifácio, 1º secretário da Casa, diante de um plenário que o ouviu atentamente”. E mais: “Os pastores Martin Luther King, líder principal dos negros de Birmingham, e seu adjunto, Ralph Abernathy, foram condenados ontem a 180 dias de prisão e a pagar, cada um, cem dólares de multa por ter organizado manifestações de protesto contra discriminação racial sem autorização. A fiança que permitiria sua liberdade condicional foi arbitrada em 732.500 dólares. Em consequência, as manifestações que, com caráter simbólico, deveriam ser realizadas ontem, transformar-se-ão, sem dúvida, em verdadeiras marchas de protesto”.

Aparecida: Deu no jornal “O Globo” de 9 de maio de 2013, 50 anos depois: “Disparada dos preços. Inflação dos alimentos já é de 14% em 12 meses. Esses produtos respondem por metade da alta do custo de vida este ano. Tomate continua vilão. Em um ano, a batata  encareceu 123% e a cebola, 94,18%”. E mais: “Uma década de cativeiro. Polícia de Ohio é criticada por inação. Vizinhos da casa onde três jovens fizeram cativas por dez anos dizem ter alertado polícia sobre movimentos suspeitos e gritos. A maioria dos avisos teria sido ignorada. Em outras vezes, polícia teria ido à casa, mas sem passar de porta”.

Bytes: Em artigo no “JB Online”, intitulado “Como os bancos lucram com a fome do mundo”, o jornalista Mauro Santayana discorre sobre o relatório da Fundação Gates e a inflação dos alimentos. Com o chamativo título “As pessoas morrem de fome, enquanto os bancos lucram especulando”, o documento explica como é feito o estoque de alimentos para conseguir a elevação de preços. Santayana faz uma crítica também ao neoliberalismo implantado por Margareth Thatcher na Inglaterra.

Aparecida: Por falar em Inglaterra, a rainha Elizabeth II, de 87 anos, não participará na próxima reunião de cúpula da Commonwealth, a Comunidade Britânica, em novembro pela primeira vez desde 1971. Quem vai é o príncipe Charles que a acompanhou no discurso anual na Câmara de Lordes na semana passada (acima). Elizabeth II prepara a abdicação como Bento XVI e Beatrix da Holanda? Uma pesquisa divulgada na semana passada indicou que aumento o número dos que aceitam a abdicação da rainha em favor do filho Charles

Bytes: O que podemos afirmar é que a rainha britânica anunciou mudanças nas regras da imigração e do uso do sistema de bem-estar social. Entre outras medidas, o primeiro-ministro David Cameron facilitará a deportação de criminosos estrangeiros, punirá os proprietários que alugarem imóveis para imigrantes ilegais e limitará o que chamou de “turismo da saúde”. Segundo a monarca, o caminho do país será atingir o crescimento econômico e criar uma "sociedade justa". Elizabeth II disse que o objetivo da nova lei de imigração é “garantir que este país atrai pessoas que contribuam para a sociedade, e dissuadir a entrada daqueles que não o farão". O sistema e saúde, por exemplo, só será acessível aos britânicos. A economia será revertida para os seus laços econômicos.

Aparecida: Por falar em laços econômicos, o príncipe Harry causou alvoroço entre mulherada em sua visita a Washington. Segundo o jornal britânico "Daily Mail", ele provocou um “frisson” entre as funcionárias do Capitólio ao visitar uma exposição fotográfica ao lado do senado republicano John McCain. A última vez que o príncipe esteve nos Estados Unidos, ele foi fotografado nu num ménage a trois. Na Casa Branca, o entusiasmo foi o mesmo. Michelle Obama o apresentou como um sex-simbol: “Surpresa!”, disse a primeira dama às esposas dos militares que se preparavam para tomar um chá na sede da Presidência estadunidense.

Bytes: Por falar em Casa Branca, Obama lançou na sexta-feira uma campanha para defender seu programa de saúde pública das duras críticas dos republicanos, que dizem que o programa aumentará custos e prejudicar contratações. Aproveitando o Dia das Mães, Obama enfatizou os benefícios do plano para as mulheres. Um dos principais focos da campanha serão os jovens de 18 a 25 anos, dos quais um grande número está concentrado na Califórnia, Flórida e Texas. A intenção do governo é percorrer comunidades do país identificando pessoas que teriam direito ao benefício e estimulando-as a se cadastrar. Já a reforma da imigração passou na comissão do Senado, mas, segundo especialistas, terá dificuldade no Plenário. O Paul me reenviou a mensagem que o colega republicano está passando para os seus amigos. “O caso de Cleveland demonstra o perigo que os latinos representam para a nossa comunidade. Eles vivem de vender drogas, do Estado e de subemprego. É hora de dar um basta no Obama. Estamos ameaçados de perdermos a paz que sempre traduziu a América”.

Aparecida: O que você acha do sequestro das jovens nos Estados Unidos?

Bytes: Pobre é o país que necessita de heróis. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: Ah, entendi! Revelou Nosso Senhor Jesus Cristo aos seus discípulos sempre dentro da “lógica”: “Naqueles dias não sigam o caminho dos escribas e fariseus. São cegos. Como um cego poderá conduzir outro cego na abreviação dos tempos? Ambos conhecerão a cova”. Viva!

A Venezuela começou hoje (13) o plano chamado “Pátria Segura” com o envio de 3 mil soldados para patrulhar as ruas, principalmente nas cidades controladas pela oposição. Segundo o presidente Nicolas Maduro, a violência é o problema mais grave do país. "O maior problema da nossa sociedade é o vinculado à criminalidade, à violência; a chamada insegurança; é o problema mais grave", disse Maduro, acrescentando que o plano será "mais que uma operação". O governante tinha anunciado a criação do plano na segunda-feira passada quando garantiu que entre os oficiais da Força Armada há "entusiasmo" para sair "em união cívica militar para proteger o povo" da Venezuela. Maduro aproveitou o ato para advertir à Força Armada que "o império", como chama os Estados Unidos, "não descansa" em seu empenho de "apoderar-se" da América Latina e que "bate portas para ver quem lhe abre", "para ver a quem corrompe". “Que ninguém se deixa enganar por um sorriso e uma saudação, nem perante um afago nem um visto para viajar aos Estados Unidos", acrescentou o presidente venezuelano no ato oficial, no qual inaugurou novas instalações militares e anunciou um aumento salarial aos soldados numa porcentagem não revelada. Para ele, o grande culpado pela violência no país não é o poder público, nem a corrupção policial ou a frouxa legislação sobre armas, como apontam os analistas. “É um problema criado pelo consumismo, pelo culto às armas, às drogas, criado pelo capitalismo”, opinou o presidente. Maduro se voltou também contra programas na TV das emissoras privadas que “promovem a prostituição, as drogas, a violência”. “Às vezes o que fazem a escola e os pais em casa é destruído por um programa de televisão”, afirmou o presidente. “Faço um chamado à consciência dos donos das empresas de comunicação do país, se é que as têm: usem o espaço de acordo com as leis do país. Não vamos permitir séries violentas. Que cesse o banquete da morte”, acrescentou. Maduro justificou sua decisão dizendo que precisa “proteger as crianças venezuelanas”. “Depois não venham dizer que sou um ditador. Tenho que proteger os nossos jovens”, finalizou. No sábado (11), em cadeia de rádio e televisão, Maduro criticou a violência no estado de Miranda, governado pelo oposicionista Henrique Capriles. Em abril, os dois disputaram a Presidência, tendo Maduro ganhado por uma margem estreita de votos, o que levou Capriles a não aceitar o resultado. Ontem, o presidente acusou Capriles de "semear o ódio", mas disse estar disposto a dialogar com ele. "Até com o Diabo estamos dispostos a conversar pela paz da Venezuela", declarou durante entrevista ao programa "É Notícia", da Rede TV. No sábado, o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) começou a juntar assinaturas a fim de apoiar um processo judicial para pedir a destituição de Capriles como governador de Miranda. No mesmo dia, Maduro afirmou que os Estados Unidos cometem um "erro grave" ao não reconhecer sua vitória nas eleições presidenciais, lembrando o papel de liderança de seu país na América Latina e no mundo. "Acredito que (os Estados Unidos) estão cometendo um erro grave, mais um de sua política para a América Latina", disse Maduro ao ser consultado sobre o tema em uma entrevista com o canal Telesur, com sede em Caracas. "Estão cometendo um erro tremendo porque a Venezuela desempenha um papel de liderança na América Latina e no mundo", acrescentou o presidente, que destacou a visita a Caracas do vice-presidente chinês Li Yuanchao e sua visita à Rússia "em alguns dias". Na semana passada, Maduro saiu em visita aos principais sócios do Mercosul: Uruguai, Argentina e Brasil. Em Montevidéu, o presidente venezuelano surpreendeu ao aparecer num ato na Central Operária Uruguaia dirigindo um ônibus. Ex-motorista de ônibus na Venezuela, ele dirigiu o coletivo da Prefeitura de Montevidéu, onde recebeu a chave da cidade, até a sede da Central Única dos Trabalhadores do Uruguai."Estar aqui é como um sonho pela admiração que temos pela luta do movimento operário uruguaio (...). É preciso fazer um grande esforço para coordenar nossas centrais sindicais" e construir um "poderoso bloco em toda a América Latina e o Caribe", declarou. Na última quarta-feira (8), autoridades da Argentina, Brasil e Equador concluíram uma reunião de dois dias em Quito para buscar avanços na criação da Escola Sul-Americana de Defesa (Esude), um centro de formação em segurança para assegurar a paz no continente. Segundo a nota da União de Nações Sul-americanas (Unasul), a criação da Escola de Defesa permitirá concretizar a vontade política dos países-membros da Unasul para "consolidar a região como uma zona de paz, base para a estabilidade democrática e o desenvolvimento integral de nossos povos, como contribuição efetiva à paz mundial". No mesmo dia milhares de estudantes chilenos voltaram a se manifestar pelas ruas de Santiago para pedir uma reforma profunda no sistema educacional, em pleno ano eleitoral. Ao fim do protesto, como aconteceu outras vezes, manifestantes encapuzados enfrentaram o batalhão de choque da polícia (acima). O confronto terminou com 73 detidos e deixou três policiais e um jornalista do canal de notícias CNN Chile feridos, de acordo com dados divulgados pela Intendência de Santiago. Desde 2011, os estudantes chilenos defendem uma reforma profunda no ensino herdado da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990). Agora, querem se fazer ouvir em um ano em que os eleitores deverão votar, 17 de novembro, no sucessor de Sebastián Piñera, que viu sua popularidade cair justamente por causa das demandas estudantis. A mais provável vencedora da eleição, de acordo com todas as pesquisas, é a ex-presidente Michelle Bachelet. Durante seu mandato (2006-2010), a socialista também enfrentou protestos estudantis, dessa vez de alunos do ensino médio.

Tico: No dia de hoje a princesa Isabel sancionou a Lei Áurea, que acabou com a escravidão no Brasil. O projeto de lei foi aprovado por 85 votos a 9, sendo em seguida também referendado pelo Senado Imperial, com apenas um voto contra. O processo de abolição da escravatura no Brasil foi gradual e começou com a Lei Eusébio de Queirós de 1850, seguida pela Lei do Ventre Livre de 1871, a Lei dos Sexagenários de 1885 e finalizada pela Lei Áurea em 1888. O Brasil foi o último país independente do continente americano a abolir completamente a escravatura. A palavra Áurea, que vem do latim Aurum, é uma expressão de uso simbólico que significa "feito de ouro", brilhante, magnífico, nobre ou "de muito valor". Quando se instalou a República no Brasil, a data se transformou em feriado nacional por ser uma “comemoração à fraternidade brasileira”. O feriado existiu até 15 de dezembro de 1930, quando Getúlio Vargas o revogou através do Decreto 19.488 após o golpe de Estado da Revolução de 30. O fim da escravidão no Brasil ocorreu há 125 anos.

Teco: No dia de hoje o Exército do imperador francês Napoleão Bonaparte ocupou Viena. Após os ingleses se recusarem a entregar a ilha de Malta aos Cavaleiros da Ordem de São João de Jerusalém, como determinava o Tratado de Paz de Amiens, iniciou novo conflito com os franceses. Em 1805, com a adesão da Áustria, de Nápoles, da Rússia e da Suécia em apoio à Inglaterra, começava a Terceira Coalizão. A ideia desta união de países era tentar deter as crescentes ambições de Napoleão na Europa. As vitórias francesas no Norte da Europa causaram o fim do Sacro Império Romano Germânico, que existia desde o século V. No seu lugar, surgiu a Confederação do Reno. A ocupação de Viena pelo Exército de Napoleão Bonaparte ocorreu há 204 anos.

Bytes: No dia de hoje foi criada a Divisão Militar da Guarda Real de Polícia do Rio de Janeiro. Com as invasões das tropas de Napoleão Bonaparte em Portugal, a Família Real, juntamente com outros portugueses, veio para o Brasil. A segurança pública, na época, era executada pelos chamados "quadrilheiros", corpo tradicional, existente desde a Idade Média, responsável pelo policiamento urbano das cidades e vilas de Portugal, e que foi estendido ao Brasil colonial. Eles eram responsáveis pelo policiamento das 75 ruas e alamedas da cidade do Rio de Janeiro. Com a chegada da Família Real e de outros integrantes, os quadrilheiros não eram mais suficientes para fazer a proteção da Corte, então com cerca de 60 mil pessoas, sendo mais da metade escravos. Durante a Independência do Brasil, a divisão teve um papel importante para a segurança da recém-nação liderada pelo português D. Pedro I. Após a independência do País, a Guarda Real teve o seu nome alterado para Imperial Guarda de Polícia, hoje Polícia Militar do Rio de Janeiro. A Guarda Real da Polícia do Rio de Janeiro foi criada há 204 anos.

Aparecida: No dia de hoje nascia, há 246 anos, o imperador português D. João VI. O seu reinado nunca conheceu a paz duradoura. Ora era a situação portuguesa ou europeia a se agravar, ora era a brasileira. Não esperara ser rei, mas ascendeu ao trono após a morte do irmão mais velho: D. José. Assumiu a regência quando sua mãe, a rainha Maria I, foi declarada mentalmente incapaz. Teve que ser subserviente a nações mais poderosas, como Espanha, França e Inglaterra. Obrigado a fugir de Portugal quando as tropas napoleônicas invadiram o país, logo que chegou ao Brasil enfrentou revoltas liberais no Brasil que refletiam eventos similares na metrópole Lisboa. Foi obrigado a retornar à Europa em meios a conflitos em seu país. Perdeu a colônia sul-americana quando seu filho D. Pedro proclamou a Independência do Brasil, enquanto o seu outro filho, D. Miguel, tramava para depô-lo do trono de Portugal. Sua esposa, a espanhola Carlota Joaquim, passou os últimos dias conspirando contra o marido em favor de interesses pessoais e da Espanha. Soube-se mais tarde que D.João VI morreu envenenado.

Bytes: No dia de hoje morreu, há 52 anos, o ator estadunidense Gary Cooper. Vencedor por duas vezes do Oscar de melhor ator, ele atuou em mais de cem filmes. Cooper era reconhecido por seu forte estilo de atuação, e pelos vários papéis que teve em filmes do gênero Western. Um dos seus filmes mais famosos é “A árvore dos enforcados”.

Aparecida: No dia de hoje nascia, há 80 anos, o cantor baiano Waldick Soriano. Classificado como autor de músicas “bregas”, ele trabalhou como lavrador, engraxate e garimpeiro até conhecer a fama em São Paulo. O sucesso veio com a música "Quem és tu?", que traçou o seu destino em compor letras sobre a “dor de cotovelo”. Seu maior sucesso foi "Eu não sou cachorro não", que foi regravada em inglês macarrônico pelo cantor Falcão. Também se tornaram conhecidas outras músicas suas, tais como "Paixão de um homem", "A carta", "A dama de vermelho" e "Se eu morresse amanhã". A sua história foi sensivelmente mostrada no documentário “Waldick sempre no meu coração”, de Patrícia Pillar, realizado pouco antes de morte do cantor, em 2008, vítima do câncer de próstata. Uma obra-prima da atriz, que mostrou ser boa dublê de cineasta.

Bytes: Ontem eu fui assistir ao filme “Somos tão jovens” do cineasta Antonio Carlos Fontoura (acima). A história de Renato Russo é contada desde a sua ideia de ser cantor de rock punk em Brasília, por se identificar com a onda vinda de Londres, até a sua estreia no Circo Voador, no Rio de Janeiro, o passaporte para a fama. Sim, o drama de portar o vírus da Aids, o consumo de heroína e cocaína, o relacionamento de Russo com o seu filho e com a mãe fica para a próxima franquia. A parte 2 da saga já está sendo negociada com os distribuidores. Boa sacada. O filme de estreia mostra com detalhes a vida do gênio que não sonhou ser um professor de inglês porque podia voar mais. Ele traduz uma geração pós-1968, o ano que ainda não terminou, que quer viver intensamente como luta contra o tempo perdido das gerações anteriores. O roteiro dialoga com a juventude com maestria. O grande destaque é da atriz Laila Zaid que defende muito a jovem contemporânea, encantada com o homem sensível, mas sabedora que ele prefere mais meninos do que meninas. Valeu o preço do ingresso.

Aparecida: O filme alcançou 470 mil espectadores no fim de semana de estreia. Foi o mais visto de 2013 entre os roteiros do cinema nacional. Sentiu alguma falta?

Bytes: A única frustração do público é a expectativa de que a história de Renato Russo não vai até o fim. Talvez porque muitos esperassem uma obra como “Cazuza – o tempo não para”, de Sandra Werneck e Walter Carvalho. A história do músico, também cria do Circo Voador, que morre também vítima da Aids. Para mim, no entanto, deu é vontade de cantar “Tempo perdido”. E me emocionei com a letra de  “Fátima”quando o Renato fazia ainda parte do grupo “Aborto elétrico”: “Vocês esperam uma intervenção divina/Mas não sabem que o tempo agora esta contra vocês/Vocês se perdem no meio de tanto medo/De não conseguir dinheiro pra comprar sem se vender/E vocês armam seus esquemas ilusórios/Continuam só fingindo que o mundo ninguém fez/Mas acontece que tudo tem começo/E se começa, um dia acaba/Eu tenho pena de vocês/E as ameaças de ataque nuclear/Bombas de nêutrons não foi Deus quem fez/Alguém um dia vai se vingar/Vocês são vermes, pensam que são reis/Não quero ser como vocês/Eu não preciso mais/Eu já sei o que eu tenho que saber/E agora tanto faz/Três crianças sem dinheiro e sem moral/Não ouviram a voz suave que era uma lágrima/E se esqueceram de avisar pra todo mundo/Ela talvez tivesse um nome e era Fátima/E de repente o vinho virou água/E a ferida não cicatrizou/E o limpo se sujou e no terceiro dia/Ninguém ressuscitou”.

Aparecida: O que você acha dos gênios como Renato Russo e Cazuza?

Bytes: Eles expressam o que sentem. A sensibilidade é aguçada e querem romper o espaço-tempo que cria a matéria para exterminar com a opressão humana. Pensei isso após assistir a um comentário do cineasta baiano Glauber Rocha no programa “Abertura” quando ele voltou do exílio. O bloqueio à liberdade, via felicidade, forma a imagem e ganha nome em personagens e objetos. A busca dos gênios é pelo “absoluto”.

Aparecida: Ah, entendi! Escreveu o apóstolo João, o “discípulo amado”, acerca da revelação sobre a vida: “Na verdade, na verdade vos digo que aquele que não entra pela porta no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador. Aquele, porém, que entra pela porta é o pastor das ovelhas. A este o porteiro abre, e as ovelhas ouvem a sua voz, e chama pelo nome às suas ovelhas, e as traz para fora. E, quando tira para fora as suas ovelhas, vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz. Mas de modo nenhum seguirão o estranho, antes fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos. Jesus disse-lhes esta parábola; mas eles não entenderam o que era que lhes dizia. Tornou, pois, Jesus a dizer-lhes: Em verdade, em verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas. Todos quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores; mas as ovelhas não os ouviram. Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens. O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância”. 

Tico: O que você acha da Comissão Nacional da Verdade?

Teco: TEMPO. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Bytes: A Secretaria de Comunicação da Presidência da República contratou uma campanha publicitária no valor de R$ 4,5 milhões para divulgar as atividades da Comissão Nacional da Verdade. De acordo com a Secom, o objetivo é "divulgar a sua atuação e mobilizar a sociedade para que partilhe informações, dados e documentos relativos ao período de 1946 a 1988, de forma a esclarecer circunstâncias sobre este período da história do País". O vídeo da campanha mostra pessoas completando as peças de um quebra-cabeça, que forma a fotografia de uma manifestação realizada em 1968, no Rio de Janeiro. A narração é da atriz Marieta Severo. Ela afirma que a Comissão da Verdade existe para esclarecer violações de direitos humanos de 1946 a 1988 e convida quem tiver informações ou registros do período a contribuir, enviando documentos.

Aparecida: Na última quinta-feira, o general Luiz Eduardo da Rocha Paiva disse que tortura não era crime tipificado na época da ditadura militar no País e que por isso "ninguém pode ser punido por ele, nem os agentes públicos civis e militares, nem os agentes da esquerda revolucionária". A declaração foi feita na audiência pública na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, em Brasília, sobre o Projeto de Lei 573/11, que altera a Lei da Anistia. O projeto exclui do rol de crimes anistiados após a ditadura militar aqueles cometidos por agentes públicos, militares ou civis, contra pessoas que, efetiva ou supostamente, praticaram crimes políticos. A autora da proposta, a deputada socialista Luiza Erundina, explicou que a mudança permitirá que agentes públicos responsáveis por crimes comuns cometidos durante a ditadura, como tortura, assassinatos e desaparecimentos de corpos, sejam punidos. O que você acha?

Bytes: Tortura é um crime hediondo apesar de diariamente ser praticado nas delegacias de polícia. Mas o Estado tem o compromisso de manter uma ética na questão dos direitos humanos por ser o maior poder coercitivo. Por outro lado, há a visão da direita de que manteve o País no seu “destino manifesto”. Para nós, capitalistas brasileiros e contemporâneos, o importante é que os “anciãos das horas” estão “distraídos”. Viva!

Aparecida: Em depoimento à Comissão Nacional da Verdade na sexta-feira, o ex-coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, que foi chefe de órgão de repressão política durante a ditadura militar, afirmou que a presidente Dilma Rousseff participou de organização terrorista com intenção de implantar o comunismo. Para Ustra, se os militares não tivessem lutado, o Brasil estaria sob "a ditadura do proletariado". O que você acha?

Bytes: A Dilma responderia que o golpe militar é que implantou uma ditadura no Brasil e que os guerrilheiros só foram à luta armada por causa de falta do diálogo democrático. Não é bem assim. A guerrilha também atingiu países com regimes democráticos na Europa. A causa foi o desejo de liberdade visualizada no marxismo como o “paraíso terrestre”. O importante é que o Brasil não seguirá o caminho do nacional-socialismo europeu, mas do “Iluminismo americano”. A construção da “verdadeira comunidade”.

Aparecida: O ex-sargento Marival Chagas, ex-servidor do DOI-Codi de São Paulo, afirmou durante depoimento à Comissão Nacional da Verdade que o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra comandava as torturas na repressão e era conhecido como “senhor da vida e da morte” nos porões da ditadura. “Não tenho dúvida que ele torturava, porque ele circulava por pela área de interrogatório, especialmente quando tinham presos importantes sendo interrogados. Vi ele lá, por exemplo, na antessala do interrogatório, aguardando o momento de serem chamados o Wladimir Herzog e Paulo Markun”, disse Marival no depoimento à Comissão.

Bytes: O Brasil com a sua cruz ainda está em processo de “formação de capital”. O importante é que o País tem várias fontes de informação. A Band foi responsável por momentos importantes da democracia brasileira como o “Canal Livre”. O programa de debates deu liberdade de expressão a líderes partidários como Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso. Ela também impulsionou os debates políticos na TV e a Globo teve que seguir, mesmo a contragosto. O que era uma troca de ofensas entre os candidatos ganhou mais conteúdo porque havia um modelo: Os Estados Unidos. E hoje estamos na Era digital, de compressão tempo-espaço. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: E como pensa o governo dos Estados Unidos?

Bytes: Deu no jornal “O Globo” de 13 de maio de 1963, cuja manchete foi “Apoio à circular de Kruel e repúdio à farsa feita em tôrno dos sargentos”: “Duas manifestações paralelas ocorreram ontem com referência a acontecimentos políticos e militares: a primeira, de aplausos à atitude do ministro Amauri Kruel (Guerra), consubstanciada na circular por êle enviada no sábado aos altos comandados do Exército, manifestando sua integral repulsa aos esforços daqueles que querem subverter sua hierarquia e desprestigiar seus chefes; a segunda, de repulsa à farsa no auditório do IAPC, sábado, quando 300 sargentos e um número maior de elementos estranhos à classe militar realizaram uma demonstração contra a autoridade e as instituições”. E mais: “A apreensão é generalizada em Brasília, de vez que a crise nascida em tôrno da emenda constitucional para a reforma agrária continua radicalizando as posições, levando muitos líderes à previsão de que hoje, hoje em diante, os grandes problemas nacionais sofrerão o mesmo processo de discussão se não houve um esforço geral para desarmar os espíritos”.

Aparecida: Deu no jornal “O Globo” de 13 de maio de 2013, 50 anos depois: “Competitividade em xeque. Sem MP dos Portos, país pode perder R$ 35 bi. Dilma convoca tropa de choque para garantir que Câmara comece a votar hoje. Cálculos do governo estimam queda de investimento de R$ 54 bilhões para R$ 19 bilhões na modernização portuária caso medida provisória não seja aprovada esta semana. Presidente na quer ouvir falar em plano B”. E mais: “Freio na paz. Entrega de armas é menor no Norte. Entre os cinco estados com as menores taxas de entrega de armas para a Campanha do Desarmamento deste ano, quatro são os do Norte: Pará, Amapá, Roraima e Amazonas. Os números vêm caindo desde 2005”.

Bytes: Por falar em armas, um tiroteio ontem num desfile de Dia das Mães em Nova Orleans, nos Estados Unidos, deixou 19 pessoas feridas, sendo dois adolescentes. A polícia classificou o fato como "incidente de violência de rua". Ou seja, “briga entre gangues”. Foi divulgado um vídeo para a identificação do suspeito. O Paul, no entanto, disse o escândalo é o assassinato a facadas de uma menina de 8 anos pelo seu irmão de 12 anos. Eu respondi no Twitter: “Aqui os defensores da redução da maioria penal vão soltar fogos dizendo: Nos Estados Unidos este assassino vai mofar na cadeia. Lá o sistema não é tão permissivo que aqui. Os estadunidenses defendem a liberdade do justo”. 

Aparecida: Por falar em liberdade, o seu Carlos disse, exaltado: “A jovem que foi estuprada no microônibus disse ao jornal O Globo que deixará o Rio. Vocês não querem acreditar em mim. Eu sou um profetinha. O Rio de Janeiro é a visão futura de Sodoma e Gomorra. Só perderá para a cidade do Salvador com a explosão de violência e orgias sexuais dos baianos”.

Bytes: Por falar em baianos, hoje eu ouvi a música "13 de maio" na voz de Caetano Veloso e da cantora italiana Fiorella Mannoia:“13 Di Maggio”“Dia 13 de maio em Santo Amaro/Na Praça do Mercado/Os pretos celebravam/(Talvez hoje inda o façam)/O fim da escravidão/Da escravidão/O fim da escravidão/Tanta pindoba!/Lembro do aluá/Lembro da maniçoba/Foguetes no ar/Pra saudar Isabel/Ô Isabé/Pra saudar Isabé”.

Aparecida: Por falar em Bahia, o Senado aprovou na última quarta-feira, por meio de votação simbólica no plenário, o projeto de lei da Câmara que oficializa o dia 2 de julho como data histórica no calendário nacional, gerando um novo feriado no País. A senadora comunista Vanessa Grazziotin disse que, com a aprovação da matéria, o Senado ajuda a resgatar a história brasileira. Para o senador Walter Pinheiro, do Partido dos Trabalhadores baiano, a data é de suma importância para a memória do Brasil. "Este projeto resgata a história e faz com que esse ato possa circular nos diversos cantos do País e nas escolas, para que o povo brasileiro tenha acesso à sua história, dando aos verdadeiros heróis o merecido destaque", afirmou ele. A matéria seguiu para sanção da presidente Dilma Rousseff. O que você acha?

Bytes: Ao contrário da proclamação de independência do Brasil, por ter sida proclamada por um português, o movimento baiano foi muito sangrento, com forte participação civil na luta contra a opressão do Império. A gente tem que entender a “lógica socialista”. Por que o feriado de Zumbi dos Palmares foi proclamado? Porque foi o povo oprimido que sangrou para conseguir a sua liberdade e não devido ao consenso obtido no Parlamento sobre a Lei Áurea. Ou seja, foi sancionada pela princesa Isabel como uma concessão da burguesia que impede a consciência dos oprimidos sobre os exploradores. Ao ler a notícia do possível feriado nacional de 2 de julho para ser maior do que 7 de Setembro, o colega gaiato lá da facû especulou: “Vocês vão ver agora os socialistas não descansarem dia e noite enquanto não convencerem o povo brasileiro de que a evolução da raça humana só se dá pelo sangue derramado. É o sentimento de inferioridade dos socialistas brasileiros. O complexo de vira-lata”.

Aparecida: O seu Carlos disse, exaltado: “Se a princesa Isabel sancionou a Lei Áurea, a czarina Dilma é quem vai sancionar o feriado do 2 de julho para resumir a sua biografia”. O que você acha?

Bytes: Se no feriadão do 2 de julho o pessoal continuar a enfrentar o engarrafamento, reduzindo a atividade econômica, principalmente nos portos, mas mantendo os problemas na mesma proporção que a compressão tempo-espaço, vai chegar o momento em que os jovens gritarão para os anciãos das horas: “Chega!” Porque eles desejarão vida e vida em abundância. Viva!

Aparecida: O mundo continuará na mesma premissa do “princípio dos tempos?”

Bytes: Há os socialistas de direita, como Herodes, que mantêm o status quo oferecendo piscina de Siloé gratuita ao povo com direito a ticket do leite. Há os socialistas de esquerda, como Jesus Barrabás, que planejam o assalto ao QG de Roma para roubar armas e sonham com a guerrilha para lutar contra o Império e libertar a cidade da sua ocupação opressiva. E há o Cristo, que sabe de onde vem e para onde vai, que enfrenta diariamente a cruz como um cordeiro levado ao abate.

Aparecida: Aparecida: Ah, entendi! Está escrito na “Boa Notícia” sobre a Páscoa, símbolo da libertação dos escravos: “Ora, por ocasião da festa, costumava o presidente soltar um preso, escolhendo o povo aquele que quisesse. E tinham então um preso bem conhecido, chamado Barrabás. Portanto, estando eles reunidos, disse-lhes Pilatos: Qual quereis que vos solte? Barrabás, ou Jesus, chamado Cristo? Porque sabia que por inveja o haviam entregado. E, estando ele assentado no tribunal, sua mulher mandou-lhe dizer: Não entres na questão desse justo, porque num sonho muito sofri por causa dele. Mas os príncipes dos sacerdotes e os anciãos persuadiram à multidão que pedisse Barrabás e matasse Jesus. E, respondendo o presidente, disse-lhes: Qual desses dois quereis vós que eu solte? E eles disseram: Barrabás. Disse-lhes Pilatos: Que farei então de Jesus, chamado Cristo? Disseram-lhe todos: Seja crucificado. O presidente, porém, disse: Mas que mal fez ele? E eles mais clamavam, dizendo: Seja crucificado. Então Pilatos, vendo que nada aproveitava, antes o tumulto crescia, tomando água, lavou as mãos diante da multidão, dizendo: Estou inocente do sangue deste justo. Considerai isso. E o povo respondeu: O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos”.

Tico: Haverá a união dos cristãos?

Teco: Só quando houver a mesma “frequência” que unifica a visão sobre a história a partir do “entendimento”. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Bytes: Passados 40 anos da visita histórica do líder copta Shenouda III ao Vaticano, o atual patriarca da Igreja Copta Ortodoxa do Egito, Teodoro II, visitou o túmulo de São Pedro e se reuniu com o papa Francisco. "Estou convencido de que sob a guia do Espírito Santo, nossas perseverantes preces, o diálogo e a vontade de construir dia a dia a comunhão com amor recíproco nos permitirão dar novos e importantes passos rumo à união plena dos cristãos", afirmou Francisco no discurso que fez a Teodoro II na sua visita à Santa Sé. O papa acrescentou que é "consciente" de que o caminho rumo à unidade é, "talvez, ainda longo", mas ressaltou que "não podemos esquecer o trajeto já percorrido, que se concretizou em luminosos momentos de união, entre eles o encontro em fevereiro de 2000 no Cairo de Shenouda III e João Paulo II, em sua peregrinação durante o Grande Jubileu às origens de nossa fé". Francisco prometeu visitar o Egito, país em que o cristianismo é ortodoxo.

Bytes: Ontem, milhares de pessoas participaram na praça de São Pedro, em Roma, da missa presidida pelo novo papa para a proclamação de novos santos, latinos, os primeiros canonizados no seu pontificado. Entre eles, as madres Laura de Santa Catarina de Sena, colombiana, e Maria Guadalupe García Zavala, mexicana; além de 801 mártires italianos que foram mortos durante o Império Turco-Otomano por se recusarem a negar a fé cristã.

Aparecida: Por falar em Turquia, a polícia frustrou um plano para assassinar o patriarca de Constantinopla, Bartolomeu I, por ocasião do 560º aniversário da conquista turco-otomana de Constantinopla. A tomada da cidade - ocorrida em 1453 pelo sultão Maomé II - destruiu o Império Bizantino cristão e marcou o nascimento do Império Turco-Otomano islâmico. O plano teria sido descoberto graças a uma carta anônima enviada ao procurador-chefe de Istambul. Bartolomeu I, de 73 anos, cujo nome laico é Dimitris Archotonis, e é patriarca de Constantinopla desde 1991. Ele participou da missa inaugural do pontificado do papa Francisco, no dia 19 de março, sendo o primeiro patriarca ortodoxo a assistir à cerimônia de posse de um pontífice católico desde o Grande Cisma do Oriente de 1054.

Aparecida: Por falar em ortodoxos, o patriarca de Moscou e toda a Rússia, Kirill, foi a Pequim para se reunir com as autoridades chinesas. Ele visitou a Igreja da Assunção, que abriga o Museu da Missão Eclesiástica Russa na China. A atividade sacerdotal começou no século XVII, quando o sacerdote russo Maksim Leontiev chegou a Beijing. Em 1713 foi instituída a Missão Espiritual Russa no vizinho asiático, que atraiu milhares de fiéis para a fé ortodoxa. Em 1917 a Igreja Russa fundou na China centenas de centros ortodoxos para o estudo da história, economia, política, filosofia, língua, literatura e cultura da China antiga e da China moderna. Em 1954 a Missão Ortodoxa Russa na China foi fechada por ordem do líder comunista Mao Tse-Tung. A intensa perseguição, principalmente durante a Revolução Cultural, a Igreja Ortodoxa da China perdeu praticamente toda a sua estrutura institucional.  O encontro do patriarca com o presidente da China visou estreitar ainda mais as relações, perdidas durante este período. Em 2000, foi restabelecida a paróquia dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, sendo mais tarde construído um centro de estudo da língua russa. Em 2009, foi erguido um templo ortodoxo na china de Beijing: a Igreja da Assunção da Virgem Santíssima.

Bytes: Durante a canonização na praça de São Pedro dos italianos que não negaram a sua fé, o papa Francisco declarou: "Enquanto nós veneramos os mártires de Otranto, pedimos a Deus para sustentar os muitos cristãos que, hoje em dia, em muitas partes do mundo, neste momento, ainda sofrem violência e dar-lhes a coragem de serem fiéis de responder ao mal com o bem". Os especialistas dizem que o papa estava se referindo à violência contra os cristãos no Médio Oriente. No mesmo dia os chefes das igrejas cristãs em Jerusalém denunciaram "o castigo brutal" imposto pela polícia de Israel a sacerdotes e peregrinos durante as celebrações do fogo sagrado na Basílica do Santo Sepulcro, localizada na Cidade Velha de Jerusalém, durante a Páscoa ortodoxa. "Nós, os chefes das igrejas em Jerusalém, fomos testemunhas de cenas terríveis de tratamento brutal dispensado ao nosso clero, povo e peregrinos na Cidade Velha de Jerusalém durante o Sábado Santo", denunciaram patriarcas católicos e ortodoxos num comunicado. "Um dia de alegria e celebração se transformou em um dia de enorme tristeza e dor para alguns dos nossos fiéis, que foram maltratados pela polícia israelense", acrescentaram.

Aparecida: Por falar em Jerusalém, o Ministério para Questões de Culto de Israel informou que vai pedir a modificação da lei vigente para que os fiéis judeus possam orar na Esplanada das Mesquitas em Jerusalém Oriental, ocupada por Israel. Se aprovada, a lei irá autorizar aos judeus orar na Esplanada, considerado por eles como o monte do Templo, e confiará à polícia a missão de avaliar a segurança para que não se altere a ordem pública. "Como aceitar que os judeus não tenham direito a orar no lugar mais sagrado para eles", questionou Moshe Feiglin, deputado do Likud, partido do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Na última quarta-feira, o mufti de Jerusalém, xeque Mohammed Hussein, foi liberado após pressão da Autoridade Nacional Palestina. Ele tinha sido preso após distúrbios ocorridos na Esplanada das Mesquitas. "A detenção representa um ousado desafio à liberdade de culto", criticou o presidente palestino Mahmoud Abbas, em comunicado oficial.

Bytes: Por falar em liberdade, um representante da Santa Sé, durante uma visita ao México, disse que o culto à chamada Santa Morte é uma “blasfêmia”. Ele faz parte do sincretismo religioso que veio dos astecas misturado ao catolicismo. "A religião celebra a vida, mas aqui você tem a morte", afirmou o presidente do Conselho Pontifício para Cultura, cardeal Gianfranco Ravasi. "Não é religião apenas porque está vestida de religião; é uma blasfêmia contra a religião", acrescentou. Os devotos da Santa Morte rezam para a imagem de um esqueleto feminino vestido com uma túnica e com uma foice na mão. O maior problema é que os maiores devotos são os traficantes de drogas. "A máfia, o tráfico de drogas e o crime organizado não têm um aspecto religioso e não têm nada a ver com religião, mesmo que eles usem a imagem da Santa Morte", afirmou Ravasi, acusando "criminosos" de estimular a adoração.

Aparecida: Por falar em crime, o seu Carlos disse, exaltado: “A Jornada Mundial da Juventude será um fracasso. Os sacerdotes que estão organizando o evento estão enviando mensagens para as embaixadas dizendo que o Rio de Janeiro está pacificado. Vai ser um movimento com tanques nas ruas por causa da violência na cidade”. Tudo porque a Conferência dos Bispos da Alemanha enviou de uma recomendação para que os católicos menores de idade não venham para o Rio. Estão temendo as ondas de estupro que se proliferaram com a chegada do evento.

Bytes: Por falar em Jornada Mundial da Juventude, o jornal “O Globo” publicou na edição de sábado: “4.000.000 de hóstias.... Visita do Papa vai custar 118 milhões”. O diário carioca, que fez a contabilidade, afirma que só o governo federal desembolsará R$ 62 milhões, sendo que R$ 30 milhões serão só para as ações de segurança ao redor do sumo pontífice. O efetivo será de 10.700 homens, com a maioria dele sendo das Forças Armadas. A Igreja vai colaborar com a contratação de 2 mil seguranças particulares. A Prefeitura do Rio e o governo estadual gastarão R$ 28 milhões cada um de seus orçamentos para a vinda papal. Entre os gastos estão também as 4 milhões de hóstias que serão distribuídas durante os seis dias da Jornada. Elas serão fabricadas por seis fornecedores em todo o País. A expectativa é que dois milhões de peregrinos se desloquem para a cidade. A divisa política.

Aparecida: Eu me lembro da visita de João Paulo II ao Brasil. Ele abençoando o Rio a partir do Cristo Redentor, mas a passagem mais bonita foi a missa campal no Aterro do Flamengo. Uma vizinha umbandista disse que queria ir. Eu achei estranho, mas a levei. Ela chorava e cantava: “A benção, João de Deus, nosso povo te abraça”. Não acha estranho?

Bytes: Renato Russo cantou: “Quem um dia irá dizer/Que existe razão/Nas coisas feitas pelo coração?/E quem irá dizer/Que não existe razão?” Eu achei muito bonita a imagem do João Paulo II repetindo: “Se Deus é brasileiro, o papa é carioca”. Porque lembrou em seguida da repercussão junto aos gaúchos e aos baianos. Mas emocionante foi Fafá de Belém cantando “Ave Maria” para o papa no Maracanã. 

Aparecida: O papa Francisco disse, na última quarta-feira, no tradicional encontro com os fiéis no Vaticano, que religiosos "carreiristas" e "alpinistas sociais" estão causando um sério dano à Igreja Católica. "Homens e mulheres da Igreja que são carreiristas, alpinistas sociais, que usam as pessoas, a Igreja, os irmãos e irmãs - aqueles a quem deveriam servir - como trampolim para suas próprias ambições e interesses pessoais causam um grande mal à Igreja", disse ele. "Aprendemos a pobreza com os humildes, os pobres, os doentes", acrescentou. Segundo ele, os religiosos devem trabalhar com os marginalizados e a rejeitarem os "ídolos do materialismo" que turvam o verdadeiro sentido da vida. "Não temos serventia para a pobreza teórica", disse Francisco. Os especialistas disseram que o novo papa mandava uma mensagem à Cúria romana.

Bytes: Na sexta-feira, Berlim lembrou o 80º aniversário da famosa queima de livros, organizada pelos nazistas. No dia 10 de maio de 1933, menos de quatro meses depois da chegada de Adolf Hitler ao poder, livros de intelectuais alemães como Sigmund Freud, Heinrich Mann, Karl Marx e Kurt Tucholsky foram reduzidos a cinzas em atos públicos realizados em 21 cidades da Alemanha. Dois dias antes, em Viena, a Áustria celebrava o fim da Segunda Guerra Mundial, homenageando pela primeira vez com uma guarda de honra as vítimas do nazismo. Organizações estudantis de extrema-direita, que se acostumaram a comemorar na cripta da praça dos Heróis os soldados nazistas mortos em combate, foram impedidas de realizarem manifestação. “O 8 de maio será sempre um dia de alegria pela libertação e um dia de memória", disse ministro da Defesa, Gerald Klug, acrescentando que não havia lugar para "outras interpretações".

Aparecida: Por falar em interpretações, o que você achou do resultado do julgamento sobre o assassinato do PC Farias?

Bytes: O que podemos afirmar é que a viúva disse ao “Jornal Nacional” antes de ter um enfarte fulminante e ser cremada na mesma velocidade: “Ele vai ser morto”. Assim como o juízo do Ministério Público sobre o caso. “O porco tem direitos humanos do porco”, disse o promotor Marcos Mousinho, provocando risos até da assistente do juiz Maurício Breda. Ele afirmou que "nunca mais" vai se descobrir quem matou o casal.

Aparecida: O que você acha do livro “10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma” que foi lançado hoje? O ex-presidente disse que os petistas precisam se reinventar para que a política não fique “mais pervertida do que já foi em qualquer outro momento”, e para que o partido seja capaz de estabelecer alianças e coalizões sem precisar “estabelecer uma relação promíscua”.

Bytes: Segundo o colega gaiato da facû, “Se o Lula for eleito papa, ele repetirá Francisco e condenará os alpinistas sociais”. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: Ah, entendi! Está escrito na “Boa Notícia” sobre o Primogênito; “E, quando os oito dias foram cumpridos, para circuncidar o menino, foi-lhe dado o nome de Jesus, que pelo anjo lhe fora posto antes de ser concebido. E, cumprindo-se os dias da purificação dela, segundo a lei de Moisés, o levaram a Jerusalém, para o apresentarem ao Senhor (Segundo o que está escrito na lei do Senhor: Todo o macho primogênito será consagrado ao Senhor). E para darem a oferta segundo o disposto na lei do Senhor: Um par de rolas ou dois pombinhos. Havia em Jerusalém um homem cujo nome era Simeão e este homem era justo e temente a Deus, esperando a consolação de Israel e o Espírito Santo estava sobre ele. E fora-lhe revelado, pelo Espírito Santo, que ele não morreria antes de ter visto o Cristo do Senhor. E pelo Espírito foi ao templo. E, quando os pais trouxeram o menino Jesus, para com ele procederem segundo o uso da lei, ele, então, o tomou em seus braços, e louvou a Deus, e disse: Agora, Senhor, despedes em paz o teu servo, Segundo a tua palavra, pois  já os meus olhos viram a tua salvação, a qual tu preparaste perante a face de todos os povos. Luz para iluminar as nações e para glória de teu povo Israel. E José, e sua mãe, se maravilharam das coisas que dele se diziam. E Simeão os abençoou, e disse a Maria, sua mãe: Eis que este é posto para queda e elevação de muitos em Israel, e para sinal que é contraditado (E uma espada traspassará também a tua própria alma); para que se manifestem os pensamentos de muitos corações”.

 

A FÁTIMA

Rio de Janeiro, 13 de maio de 2013

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Exibições: 432

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço