Por Miriam Pacheco
Sou veleiro em alto mar,
minhas regras é bater de encontro a maré.
Mar agitado e violento,
rebenta na costa e no porto,
tentando extrair-me a proa.
Engana-se o mar que assim acredita,
sou veleiro fantasma,
já muito séculos,
estou mergulhada,
em águas profundas.
Naúfrago nessa águas revoltas.
Se de tristeza sofro, assombro.
Se de alegria vivo, acalmo teu coração.
ó água, que tanto revoltas?
Tu, esbravejas à toa,
minha proa aguenta muito mais.
Sou mais veloz com a língua e as letras.
Tu ó água quando vê meu espectro se apavora,
volta na praia agora mais tranquila.
Água insalobre,
se tu fosse ao menos pura de verdade,
mataria a sede por justiça
de milhões neste mundo virtual,
que são mais naúfragos que navegantes.
Como sou um veleiro,
mentiras não me assustam.
Verdades são sempre maiores,
no coração de uma mulher comunista.

Exibições: 183

Comentário de Paulo de Tarso Correa em 2 agosto 2009 às 0:51
Ah se todos tivessem essa espiritualidade

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço