“VAI QUE DÁ CERTO”. AS TRAPALHADAS LEVAM O LADRÃO AO MAIOR PROTAGONISTA DA HISTÓRIA

O jornal “Jerusalem Post” publicou hoje (25/03) que o governo israelense vai retomar as transferências de impostos devidos à Autoridade Palestina, após uma suspensão decretada em dezembro do ano passado. O congelamento das transferências foi aprovado pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu em Dezembro, dias depois de as Nações Unidas terem conferido à Palestina o estatuto de Estado observador. A retomada das transferências foi interpretada como um dos legados da visita histórica do presidente Barack Obama à Terra Santa na semana passada. Na sexta-feira (22), o Departamento de Estado dos EUA informou que Washington liberou cerca de US$ 500 milhões em ajuda para a Autoridade Palestina, dinheiro que ficou congelado durante meses por decisão do Congresso estadunidense. "Nesta data estamos transferindo US$ 295,7 milhões em fundos do ano fiscal 2012 e US$ 200 milhões em assistência do ano fiscal 2013", disse a porta-voz do departamento de Estado, Victoria Nuland. A Autoridade Palestina enfrenta sua pior crise em anos, em parte devido à falta de cumprimento de promessas de países doadores, mas principalmente após a decisão do presidente Mahmud Abbas de pedir o status de observador na Assembleia Geral da ONU para a Palestina, em setembro passado. Hoje as forças israelenses impuseram o regime de completo isolamento dos territórios palestinos, temendo uma ação de terroristas palestinos durante o feriado da Páscoa judaica. Ontem, as autoridades israelenses negaram que tenham se comprometido a pôr fim ao bloqueio à faixa de Gaza como parte do acordo de reconciliação com a Turquia. Depois do anúncio de sexta-feira de um acordo mediado pelos Estados Unidos, o primeiro-ministro da Turquia, Tayyip Erdogan, declarou que Israel havia aceitado sua exigência de um pedido de desculpas por ter matado nove turcos que estavam a bordo de um navio de ativistas, em 2010, com destino a Gaza, além de pagamento de compensação para os parentes ou feridos na operação e o levantamento do bloqueio ao território, o que permitiria a entrada de mais produtos de consumo para os palestinos. "Não temos nada contra o povo palestino. O bloqueio marítimo deriva somente de considerações de segurança, já que grupos terroristas podem contrabandear enormes quantidades de armamento pelo mar", afirmou uma autoridade da Defesa, Amos Gilad, à Rádio do Exército de Israel. Outro alto funcionário disse à Reuters que o Hamas, facção islâmica que governa a Faixa de Gaza, ainda estava tentando buscar armas e isso faz com que "o bloqueio seja tão necessário como sempre". Anteontem, o presidente do Líbano, Michel Suleiman, aceitou a renúncia do governo do primeiro-ministro Najib Mikati, por divergências internas, o que trouxe preocupação à estabilidade no Oriente Médio. Na véspera, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, pediu que o Líbano mantenha a estabilidade e a união após a renúncia de Mikati. "Neste momento desafiador para a região, o secretário-geral convoca todas as partes no Líbano a permanecerem unidos com a liderança do Presidente Sleiman", divulgou o porta-voz do secretário-geral em um comunicado. O premiê do Líbano atribuiu sua saída do governo ao atual impasse em relação à reformulação das leis eleitorais vigentes, criticadas por grupos de cristãos libaneses. Mikati afirmou também, durante seu discurso, que a renúncia está relacionada à recusa do gabinete de ampliar o mandato de Ashraf Rifi, chefe da polícia libanesa, que se aposenta em abril. O movimento xiita Hezbollah, que hoje domina o gabinete no Líbano, recusa a ampliação por ver em Rifi um rival. Tanto Mikati quanto Rifi são sunitas. Durante visita de Obama à Terra Santa, o Hezbollah chamou o presidente estadunidense de "simples funcionário da entidade sionista", depois que o presidente dos Estados Unidos considerou o movimento xiita armado libanês de organização terrorista. "Obama se apresentou como um simples funcionário da entidade sionista e não como o principal dirigente de um Estado independente", afirmou a organização num comunicado. Na visita, o presidente estadunidense tratou de não interferir na crise entre palestinos e israelenses. Na sexta-feira, ele disse que a criação do Estado de Israel em 1948 não foi produto do Holocausto, afirmação que os líderes israelenses esperavam há quatro anos. Obama recebeu do colega israelense, Shimon Peres, também agraciado com o Prêmio Nobel da Paz, a Medalha da Distinção, a maior honra concedida pelo Estado judeu e que é entregue pela primeira vez a um presidente estadunidense. Na véspera, após reunião com o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, Obama ouviu a reivindicação de que a construção de novos assentamentos judaicos nos territórios ocupados são um entrave à paz (acima). "Uma retomada das negociações não é possível sem um congelamento da colonização na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental", declarou o assessor político da presidência palestina, Nimr Hamad, citando as afirmações de Abbas durante sua reunião com Obama. O presidente estadunidense criticou os assentamentos porque, em sua opinião, "não fazem avançar a paz". Anteontem, Abbas recebeu o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, quando reafirmou a crítica palestina aos assentamentos. "Abbas realçou que as colônias israelitas colocam em perigo o processo de paz e que Israel deve libertar os prisioneiros palestinos", indicou o embaixador palestino Attallah Kheiry.

Um comunicado de imprensa enviado pela Presidência da Síria desmentiu hoje (25) que o presidente Bashar al-Assad tenha sido assassinado. O boato foi disseminado no fim de semana por veículos de comunicação e redes socais. Segundo a nota, a Presidência manifestou surpresa com a propagação da notícia falsa em veículos conhecidos. Um dos boatos surgiu na agência de notícia Reuters por meio do correspondente da empresa em Cabul que divulgou a notícia pelo Twitter. A embaixada da Síria em Moscou já havia negado os relatos da morte de Assad na mídia. “A informação não está correta”, assegurou a embaixada. Segundo o governo sírio, não procede a informação de que um guarda-costas de nacionalidade iraniana do presidente, com o nome de Mahdi al-Yacoubi, havia disparado contra o mandatário na madrugada de ontem. A nota assegurou que “tais informações carecem de qualquer veracidade” e que nenhum cidadão iraniano faz parte da equipe de proteção de Assad. Hoje Moscou divulgou que vai insistir para que representantes russos e chineses juntem-se à investigação da ONU sobre acusações de que armas químicas foram usadas na Síria na semana passada. Na última quinta-feira (21), o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, anunciou o inquérito e deixou claro que iria se concentrar em um ataque que matou 26 pessoas perto de Aleppo. O governo sírio e opositores acusaram um ao outro de dispararem mísseis carregados com elementos químicos. O vice-chanceler russo, Gennady Gatilov, disse que a investigação só poderia ser objetiva se fosse conduzida por um "grupo equilibrado de especialistas internacionais". O governo russo acusou inicialmente os rebeldes pelo uso de armas químicas no incidente em Aleppo, ecoando a versão do governo sírio, mas depois Gatilov disse que não havia "provas inequívocas" sobre isso. A investigação ocorre no momento em que os rebeldes enfrentam problemas internos. A Coalizão Nacional Síria (CNFROS), a principal aliança opositora síria, rejeitou a renúncia de seu presidente, Muaz al Khatib, e ressaltou que este lhes representará e ocupará o assento da Síria na cúpula árabe que será iniciada amanhã em Doha. Em sua página no Facebook, Khatib justificou a renúncia afirmando que assim poderia trabalhar com a liberdade que a instituição não o oferecia. Ele disse também que havia prometido ao povo sírio que deixaria o cargo se o que chamou de "determinadas linhas vermelhas" fossem cruzadas. Ao mesmo tempo o jornal estadunidense “The New York Times” divulgou que países árabes e a Turquia, apoiados pela CIA, aumentaram de forma considerável a ajuda militar aos rebeldes sírios nos últimos meses. A Agência Central de Inteligência (CIA) americana apoia os esforços, segundo o jornal, que cita dados de tráfego aéreo, entrevistas com funcionários anônimos e comandantes rebeldes. A ponte aérea aumentou e inclui mais de 160 voos de carga com aeronaves de tipo militar jordanianas, sauditas e do Qatar, que pousam no aeroporto de Esenboga, perto de Ancara, e em outros terminais aéreos turcos e jordanianos. Agentes da inteligência americana ajudam os governos árabes a adquirir as armas, incluindo uma grande compra na Croácia, segundo o "NYT". Também tem investigado comandantes e grupos rebeldes para determinar quem deve receber os armamentos. A Turquia supervisiona boa parte do programa, monitorando os caminhões que transportam a carga por seu território. "Uma estimativa conservadora da carga destes aviões seria de 3,5 mil toneladas de equipamento militar", declarou ao jornal Hugh Griffiths, do Instituto Internacional de Estudos para a Paz de Estocolmo (SIPRI). "A intensidade e frequência destes voos sugerem uma operação logística militar clandestina bem planejada e coordenada", disse. Ontem, em visita-surpresa a Bagdá, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, acusou o governo iraquiano de fazer vista grossa com relação às aeronaves iranianas que sobrevoam o país em direção à Síria. Segundo ele, as aeronaves iranianas cruzam o espaço aéreo iraquiano com armas e soldados destinados às tropas do governo sírio em vez de ajuda humanitária. "Eu deixei muito claro que, para todos nós que estamos fazendo esforço para ver o presidente Assad renunciar, qualquer ato de apoio a ele é muito problemático", afirmou Kerry após encontro com o primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki. Caso não haja a possibilidade de banir todos os voos iranianos, Washington cobrou que os aviões sejam obrigados a pousar e inspecionados no país árabe. Além disso, o resultado dessa busca deve ser divulgado. No ano passado, a antecessora de Kerry, Hillary Clinton, havia assegurado a promessa das autoridades iraquianas de que todos os aviões do Irã que cruzassem o espaço aéreo iraquiano seriam inspecionados. Desde então, porém, apenas duas aeronaves foram revistadas no país, segundo informações do Departamento de Estado dos EUA. No comunicado divulgado por seu escritório político, Maliki não mencionou os voos iranianos e se limitou a dizer que concordou com Kerry quanto à necessidade de chegar a uma solução política que evite mais sofrimento ao povo sírio. "Nenhum país pode se isolar do que acontece a seu ao redor", afirmou o chefe do Governo iraquiano. O Iraque vive um momento de muita comoção durante o aniversário de 10 anos da invasão norte-americana ao país com visita de parentes dos mortos aos seus túmulos (acima). Ontem, o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), entidade não governamental com sede em Londres, informou que os rebeldes sírios se apoderaram recentemente no sul do país de uma faixa de 25 km que se estende da Jordânia até a linha do cessar-fogo com Israel nas colinas de Golã. O novo ministro da Defesa de Israel, Moshe Yaalon, anunciou uma resposta imediata a todo e qualquer disparo sírio na direção das colinas de Golã, ocupadas pelo Estado hebreu, afirmando que o regime de Damasco é responsável por este possível ataque. "Toda violação da soberania israelense e qualquer disparo do lado sírio terá resposta imediata, silenciando a origem do fogo", afirma um comunicado, que cita uma declaração de Yaalon depois que as tropas abriram fogo contra um posto militar sírio. Na sexta-feira (22), durante visita a Amã, na Jordânia, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, expressou seu temor de que "a Síria se transforme em um paraíso de extremistas", e destacou a necessidade de uma "oposição coesa". No mesmo dia Londres e Paris exigiram uma investigação "o mais ampla possível" sobre o suposto uso de armas químicas na Síria e destacaram o risco de sua utilização por parte do regime de Damasco. "As armas químicas são um perigo extremo. Bashar al Assad possui muitas e há indicações que poderia tê-las utilizado", assegurou o ministro das Relações Exteriores francês, Laurent Fabius, depois de se reunir em Dublin com seus colegas europeus. Na semana passada, os diplomatas franceses e britânicos insistiam junto aos colegas a necessidade da Europa armar a oposição síria contra Assad. 

Os resultados divulgados hoje (25) das mais recentes pesquisas de opinião feitas por diversos institutos de pesquisa da Venezuela dão como vencedor o presidente em exercício, Nicolás Maduro, com vantagem entre 16 e 22 por cento sobre o candidato da oposição, Henrique Capriles. Na última quinta-feira (21), o opositor desprezou a desvantagem, afirmando que as pesquisas são “fajutas”. No mesmo dia duas pessoas ficaram feridas num confronto entre oposicionistas e chavistas, que se enfrentaram com paus e pedras, o que obrigou a intervenção da polícia (acima). Ontem, o candidato da situação, o socialista Nicolas Maduro, ressaltou que nas eleições de 14 de abril estará em jogo “a própria existência desta pátria, a paz da República" e o futuro do projeto do comandante Hugo Chávez, a quem chamou de “Libertador do século XXI”. Segundo ele, os eleitores decidiram entre dois modelos econômicos e sociais: "Ou a revolução democrática anti-imperialista, a revolução da independência socialista de Chávez, ou o nada, a burguesia, a antipátria, o liberalismo, o saque, o obscurantismo". "É a pátria ou a antipátria. Ou é o projeto do comandante Chávez ou a burguesia saqueadora antipátria", disse num comício realizado na cidade de Barquisimeto, no estado de Lara. "O que está em jogo aqui dentro de três domingos, no dia 14 de abril, é se na Presidência da República Bolivariana da Venezuela vai estar um filho de Chávez, um patriota, um revolucionário, ou um filho da burguesia, da oligarquia. Vocês decidirão se vão votar para que Nicolás Maduro Moros, filho de Chávez, seja presidente, ou se vão votar para que a burguesia volte ao poder e saqueie esta pátria", acrescentou, sendo ovacionado. Maduro manifestou a confiança de que o povo obterá uma vitória contundente e vai dar uma surra histórica no candidato da direita, Henrique Capriles. "Um dia como hoje, exatamente dentro de três semanas, o povo vai bater a burguesia, a direita corrupta e parasitária", expressou. Ele confirmou também que seu compromisso logo que seja eleito é ir a Moscou a convite do presidente Vladimir Putin. "Eu vou lá!" – escreveu Maduro no seu Twitter. Já Capriles afirmou que a eleição no país será uma uma luta "espiritual" e de "caráter divino" entre o "bem e o mal", em referência a seu adversário 'chavista" Nicolás Maduro. "Sinto que esta luta se tornou algo espiritual, de caráter divino, porque em toda a Venezuela sentimos que isto agora é uma luta para derrubar o muro do mal", disse Capriles num comício no estado de Yaracuy. Segundo ele, o candidato da situação faz campanha usando a máquina do governo. "Quem acredita na verdade está do lado do bem, está ao lado dos que querem derrotar o mal", afirmou Capriles, derrotado nas eleições de outubro passado pelo presidente Hugo Chávez, que morreu de câncer no último dia 5 de março. Já na Argentina o dia ontem foi de manifestações para lembrar a ditadura militar. Centenas de organizações sociais, políticas, estudantis, sindicais e humanitárias, como as Mães e Avós da Praça de Maio, voltam a se reunir para repudiar o golpe de Estado pelos militares no dia 24 de março de 1976. "Queremos manter viva a memória e homenagear as vítimas do genocídio", explicou, em uma carta pública, Estela de Carlotto, líder das Avós da Praça de Maio. "Trinta mil companheiros detidos e desaparecidos, agora e sempre", diz um dos cartazes exibidos diante da Casa Rosada, sede do governo. Buenos Aires voltou ao fervor político, principalmente após a eleição do novo papa, Francisco, que é argentino. Dois cartazes com foto do encontro entre o pontífice e a presidente Cristina Kirchner conta das ruas da capital argentina. Num deles um passa para o outro uma cuia de mate, a bebida típica argentina. "Compartilhamos esperanças", diz. O outro, mais direto, é uma foto do pontífice com as inscrições: "argentino e peronista".  O novo papa atuou numa organização peronista de direita em sua juventude, a chamada Guarda de Hierro, inspirada numa associação romena do mesmo nome. Perón deu muito incentivo a grupos católicos, mas as divergências começaram quando nas escolas o mito de Perón e de sua mulher Evita, chamada de “santa”, foram parar nos livros escolares. Perón, por sua vez, começou a construir pontes com líderes de outras religiões e a defender alterações nas leis civis, propondo o divórcio, e educativas, tirando poder das instituições religiosas, o que levou ao rompimento definitivo. O conflito se acirrou e, entre 1954 e 1955, tomou contornos violentos. Padres passaram a criticar o governo abertamente nas missas, Perón expulsou religiosos do país, enquanto associações peronistas deram início à queima e destruição de igrejas. 

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, determinou hoje (25) ao governo que estude as possibilidades de reestruturação de um empréstimo anteriormente feito ao Chipre. "Tendo em conta as decisões tomadas pelo Eurogrupo, Putin considera possível apoiar os esforços do Presidente do Chipre e da Comissão Europeia, que visam superar a crise na economia e no sistema financeiro e bancário desses país", , anunciou o porta-voz do Kremlin. "Putin ordenou ao Governo e ao ministro das Finanças elaborar com os parceiros as condições de reestruturação do crédito anteriormente cedido ao Chipre", concluiu. Moscou emprestou 2,5 mil milhões de euros ao Chipre. Antes, o primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, reagiu de forma bem diferente à crise do Chipre, considerando que, em Nicósia, tem lugar "o roubo do roubado". "Aí, penso eu, continuam a roubar o roubado. É preciso compreender como, no fim de contas, vai acabar essa história", declarou Medvedev numa reunião com vice-primeiros-ministros do Governo russo. As declarações das autoridades ocorrem no momento em que procuradores e agentes fiscais realizaram hoje uma busca nos escritórios da Anistia Internacional e outros grupos de defesa dos direitos humanos, em Moscou. Putin já afirmou acreditar que ONGs estrangeiras sejam ferramentas por meio das quais o governo dos Estados Unidos interfere na política nacional e já pediu para que sejam criadas leis que impeçam essas instituições de praticar espionagem. O chefe da filial da Anistia em Moscou, Sergei Nikitin, afirmou à agência de notícias Associated Press que os agentes públicos solicitaram documentos que já haviam sido entregues ao governo. Os agentes trabalharam ao lado de jornalistas da emissora estatal NTV. No último mês, autoridades russas realizaram buscas em até 2 mil organizações internacionais, em todo o país, conforme o conselho de direitos humanos da Presidência. Outra situação que constrangeu o Kremlin foi a morte do bilionário russo Boris Berezovski, que se exilou em Londres após afirmar que está sendo perseguido por Putin. A imprensa russa, citando especialistas ou cientistas políticos, evocava várias hipóteses para explicar a morte de Berezovski que vão de um possível assassinato pelo MI5, o serviço secreto britânico, a uma simples encenação. "Berezovski fez até de sua morte um mistério", afirmou a primeira página do jornal “Komsomolskaia Pravda”. A polícia londrina descartou qualquer vínculo com envenenamento de produtos químicos, como o aventado na morte do o ex-espião russo Alexander Litvinenko, também exilado em Londres e crítico de Putin, cujo corpo foi encontrado com vestígios de polônio, elemento químico utilizado para envenenar vítimas. O canal público Pervy Kanal citou a opinião de Andrei Lougovoi, ex-membro do FSB (serviço de inteligência russo), considerado o principal suspeito do envenenamento de Litvinenko. "Quando pessoas como ele são assassinadas, é preciso entender que sempre há uma razão (...) Acusar a Rússia é ridículo, não há nenhum benefício político com sua morte", disse Lougovoi, que se converteu em deputado da Duma (câmara baixa). Até hoje Londres não conseguiu a extradição de Longovoi para responder sobre a acusação. A Procuradoria Geral da Rússia continuará a conseguir retornar os ativos do empresário russo Boris Berezovsky. A turbulência política e econômica destoou ao simbolismo da viagem do novo presidente chinês, Xi Jingping, tratando pela imprensa dos dois países como “histórica” por se tratar do encontro entre o maior produtor de petróleo do mundo e o maior consumidor. Na última sexta-feira (22), Putin e Jingping destacaram no encontro o excelente nível da relação bilateral (acima). "Agradecemos sua decisão de ter escolhido nosso país para sua primeira visita ao exterior", declarou Putin. "Somos bons amigos, as relações entre Rússia e China nunca foram tão boas", respondeu Jingping. "Nos últimos 20 anos, o comércio bilateral multiplicou por 14 e alcançou no ano passado o valor recorde de US$ 88,2 bilhões", destacou o chefe de Estado chinês. Uma das prioridades é elevar o comércio a US$ 100 bilhões até 2015 e "desenvolver a colaboração estratégica", acrescentou. Durante a visita, os dois presidentes assinaram um acordo sobre o aumento de fornecimento de petróleo a China. Putin disse que a parceria entre os dois países está colaborando com a segurança global e ajudando a criar uma ordem mundial mais justa. Na visita a Moscou, o novo presidente chinês advertiu contra interferências externas nos assuntos de outras nações. "Precisamos respeitar o direito de cada país no mundo de escolher de forma independente seu caminho de desenvolvimento e se opor a interferência nos assuntos internos de outros países", afirmou Xi a estudantes em uma escola de relações internacionais.

Os capitalistas Tico e Teco voltaram a conversar sobre o mundo contemporâneo, acompanhados pela diarista Aparecida e pela filha Bytes, no dia 25 de março de 2013, no Dia de São Dimas.

Tico: No dia de hoje foi eleito papa Constantino. A primeira parte do seu pontificado foi marcada por uma fome cruel em Roma. A segunda por uma extraordinária abundância. Sírio de nascimento, o pontífice fez uma viagem ao Oriente onde ordenou 12 bispos. Durante o seu reinado, conseguiu uma relativa paz entre a Igreja e o Império Romano. A eleição do papa Constantino ocorreu há 1305 anos.

Teco: No dia de hoje o poeta inglês Percy Bysshe Shelley foi expulso da Universidade de Oxford pela publicação do panfleto “A necessidade do ateísmo”. Filho de Sir Timothy Shelley, um membro Whig do Parlamento, partido liberal inglês, Shelley recebeu sua primeira educação com aulas ministradas pelo reverendo Evan Edwards. O pai o preparava para a oratória e para a vida pública, lendo com ele os clássicos, na expectativa de torná-lo um erudito. Por ter escrito sobre o ateísmo, o poeta foi julgado pelo reitor da Universidade de Oxford George Rowley. Ele foi expulso da instituição, mas seu pai conseguiu que ele voltasse desde que se retratasse do que escreveu. A terminante recusa causou uma desavença com o seu pai. Segundo Shelley, “Deus é uma hipótese, e, como tal, depende de prova: o ônus da prova cabe ao teísta”. Há 202 anos.

Bytes: No dia de hoje foi fundado o Partido Comunista Brasileiro. A agremiação foi fundada em Niterói por 9 delegados representando cerca de 73 militantes de diferentes regiões do Brasil. Entre eles o barbeiro de origem libanesa Abílio de Nequete, o jornalista carioca Astrojildo Pereira, o contador pernambucano Cristiano Cordeiro, o eletricista mineiro Hermogênio da Silva Fernandes, o gráfico paulista João da Costa Pimenta, o alfaiate carioca Joaquim Barbosa, o alfaiate espanhol Manuel Cendón, o sapateiro carioca José Elias da Silva e o vassoreiro Luís Peres. Logo após a formação da legenda houve dissidência porque muitos preferiram a linha socialista de Leon Trotski procrastinado do Partido Comunista soviético após a expulsão do teórico na subida ao poder de Josef Stalin. Com a Ditadura Vagas, durante o Estado Novo, a maioria dos dirigentes foi presa. Em 1956, sob o impacto do XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética (PCUS), quando o primeiro-ministro soviético Nikita Khrushchov denunciou as barbáries da Era Stalin contra o povo, o PCB passou por divergências internas profundas, que levaram ao partido perder um número expressivo de militantes, dirigentes e intelectuais. Foi lançada, então a famosa "Declaração de Março" de 1958, na qual o partido começa a discutir mais a fundo a questão democrática. A fundação do PCB ocorreu há 91 anos.

Aparecida: No dia de hoje foi assinado o Ato contra o Comércio de Escravos de 1807. Ele foi um ato do parlamento do Reino Unido que aboliu o comércio de escravos no Império Britânico, mas não a escravidão propriamente dita; que teve de esperar pelo Ato de Abolição da Escravatura de 1833. O comércio britânico de escravos começou em 1562, durante o reinado de Elizabeth I, quando John Hawkins chefiou a primeira expedição escravagista. A abolição foi conduzida por um grupo de evangélicos aliados aos quakers, uma sociedade de amigos cristãos, que também eram contra a escravatura e o tráfico de escravos. Os quakers viam há muito tempo a escravidão como imoral, uma chaga para a humanidade. Conhecida como os "santos", a aliança era chefiada por William Wilberforce, o mais importante dos militantes anti-escravagistas. Além disso, muitos britânicos que eram anteriormente neutros sobre o tema escravidão mudaram de opinião devido a preocupações com a segurança após a rebelião dos escravos contra o domínio francês que resultou na Independência do Haiti em 1804. O Ato contra o Comércio de Escravos ocorreu há 206 anos.

Bytes: No dia de hoje nascia, há 666 anos, Santa Catarina de Siena. Leiga da Ordem Terceira de São Domingos, ela foi uma personagem influente no Grande Cisma do Ocidente. No ano 1376, quando toda a Itália estava envolvida em graves disputas políticas a manifestantes organizaram nas cidades de Peruggia, Florença, Pisa e em toda a Toscânia milícias e revoltas contra o poder do papa Gregório XI. Catarina decidiu seguir até a cidade francesa de Avignon, onde os papas viviam há mais de 70 anos, para o convencer o pontífice a voltar a Roma, a fim de conseguir a unidade da Igreja e a pacificação da Itália. O papa atendeu o chamado, mas adoeceu e morreu, não impedindo o histórico “Grande cisma do Ocidente”.

Aparecida: No dia de hoje morreu, há 22 anos, o cardeal francês Marcel Lefebvre. O monsenhor se notabilizou pela resistência às reformas da Igreja Católica instauradas pelo Concílio Vaticano II.  Ele fundou a dissidência católica conhecida como Fraternidade Sacerdotal de S. Pio X, que mantinha as tradições pré-concílio como a reza de missas em latim. Oriundo de uma família de seis irmãos, um dos quais sacerdote e três religiosas. Sua mãe foi prisioneira na Primeira Guerra Mundial, e seu pai morto pelos nazistas na Segunda Guerra. O monsenhor integrou a comissão preparatória do Concílio Vaticano II, firmou os documentos, mas não os aceitou. Para ele, a guinada da Igreja em direção ao modernismo e ao liberalismo conduzira a Igreja para o pecado. Lefebvre colocou-se contra o que considerava a “protestantização da Igreja” e justificou a rebeldia afirmando que o concílio não poderia apagar a Bula de São Pio V, decretada no século XVI, que previa a excomunhão quem alterasse o Rito Romano. Mas excomungado acabou sendo Lefebvre e a Fraternidade Sacerdotal de S. Pio X pelo papa João Paulo II, revogado por Bento XVI em 2009 sob a alegação de “unidade da Igreja”.  

Bytes: No dia de hoje, há oito anos, o papa João Paulo II visitava o Muro das Lamentações em Jerusalém, o primeiro pontífice a entrar nos vestígios do que foi o Templo de Salomão, onde deixou um pedido.

Aparecida: Hoje é Dia de São Dimas, apelidado de “Bom ladrão”. Consagrado santo, ele foi o crente crucificado à direita de Jesus Cristo, em Jerusalém, porque assim previa o Direito Romano a quem roubava no Império e em seus protetorados: a pena de morte. E morte de cruz. O meu filho escutou hoje o grupo de rap paulista Racionais MC's com a música “Vida de Loka – parte II”: “Deus é o juiz/Enquanto Zé Polvinho/Apedrejava a cruz/E o canalha, fardado, cuspiu em Jesus/Oh.../Aos 45 do segundo arrependido/Salvo e perdoado/É Dimas o bandido/É loko o bagulho/Arrepia na hora/Oh Dimas, primeiro vida loka da história/Eu digo/Glória...glória.../Sei que Deus tá aqui/E só quem é/Só quem é vai sentir/E meus guerreiro de fé/Quero ouvir....quero ouvir...”

Bytes: Hoje começa a Páscoa judaica e vai até o próximo dia 2 de abril. Os judeus ultraortodoxos começaram a queimar produtos fermentados como parte da tradição (acima). Em mensagem enviada ao rabino Riccardo di Segni, da comunidade judaica em Roma, sobre a Páscoa, o papa Francisco escreveu: “"Que o Todo Poderoso, que libertou o seu povo da escravidão no Egito guiando-o à Terra Santa, continue a libertá-lo de todo o mal e acompanhá-lo em Sua benção". E acrescentou: "Peço que orem por mim, enquanto eu vos asseguro de minha oração por vocês, na confiança de que podemos aprofundar os laços de estima e de amizade recíprocas".

Aparecida: Como será a convivência do novo papa com a comunidade judaica?

Bytes: Em entrevista ao portal “Terra”, o rabino Segni disse que, quando cardeal em Buenos Aires, Francisco tinha boas relações com a comunidade judaica. Chegou até a escrever o livro “Entre o céu e a terra” sobre as conversas que teve com o rabino local. Sobre a fé que divide as duas religiões, Segni deixou explícito o maior valor agregado para a desunião, cuja doutrina começa na mesma base: o Antigo Testamento. Perguntou o rabino de Roma: “Acho que a pergunta deveria ser: para um cristão, um ser humano que não acredita em Cristo pode salvar-se?”

Aparecida: Ah, entendi! Revelou o profeta Isaías no Antigo Testamento, a “Torá judaica”: “O Senhor Deus me deu uma língua erudita, para que eu saiba dizer a seu tempo uma boa palavra ao que está cansado. Ele desperta-me todas as manhãs, desperta-me o ouvido para que ouça, como aqueles que aprendem. O Senhor Deus me abriu os ouvidos, e eu não fui rebelde; não me retirei para trás. As minhas costas ofereci aos que me feriam, e a minha face aos que me arrancavam os cabelos; não escondi a minha face dos que me afrontavam e me cuspiam. Porque o Senhor Deus me ajuda, assim não me confundo; por isso pus o meu rosto impassível como pedra, porque sei que não serei envergonhado”. 

Tico: O encontro entre Francisco e Bento XVI é “histórico?”

Teco: Claro, pois não havia nada semelhante desde o “cisma”: Dois papas vivos.

Bytes: Ontem, durante a missa do Domingo de Ramos, o papa Francisco convocou os fiéis a ir à Jornada Mundial da Juventude 2013, que será realizada no Rio em julho. Segundo ele, será “um sinal de fé para o mundo inteiro”.

Aparecida: Na sua visita a Israel, Obama declarou que "a paz deve chegar à Terra Santa". "A paz deve chegar à Terra Santa. Nunca perderemos de vista a paz entre Israel e os seus vizinhos" árabes, especialmente palestinos, declarou Obama num breve discurso. "A nossa aliança é eterna", afirmou o presidente, ressaltando que os Estados Unidos sentem-se "orgulhosos de serem o principal aliado de Israel". Já em Ramallah, durante entrevista coletiva junto com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, Barack Obama destacou que os palestinos "merecem o fim da ocupação". Ele disse que os assentamentos judaicos "dificultam" a paz, embora não tenha exigido explicitamente a Israel interromper a sua construção. O que você acha?

Bytes: Os Estados Unidos sempre adotaram essa posição de não desagradar árabes e judeus, pendendo sempre para Israel já que Washington e Tel Aviv lembram que têm a mesma visão sobre a “liberdade”.

Aparecida: Por falar em liberdade, o que você achou do Obama ter arrancado um pedido de desculpas de Israel à Turquia sobre o incidente que resultou na morte de ativistas turcos na flotilha que trazia ajuda humanitária a Gaza?

Bytes: Foi um gol importante de Obama no primeiro tempo, já que a Turquia é estratégica na crise que vive o Médio Oriente. Mas para Erdogan, o importante foi a decisão do Partido do Curdistão de não realizar mais ataques terroristas. Já Netanyahu negou que flexibilizará o cerco a Gaza como afirmou o líder turco para justificar a concordância para um possível acordo de paz entre os dois países.

Aparecida: Por falar em Turquia, o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan chegou na noite da última quarta-feira a Haia para se reunir com o colega holandês, Mark Rutte. O objetivo é tentar acalmar as tensões entre os dois países provocadas pelo caso de um casal de lésbicas que recebeu a guarda de um menino de origem turca. Ancara protestou contra a decisão da Justiça holandesa, alegando que o menino terá “valores” muito diferentes dos pregados pelos pais biológicos que agora querem recuperar a guarda do filho. Haia, por sua vez, não vê com bons olhos a tentativa da Turquia de interferir neste caso.

Bytes: Segundo reportagem do jornal “O Globo”, rezar é um requisito básico para passar de ano na maioria das escolas públicas. Levantamento feito pelo portal Qedu.org.br a partir de dados do questionário da Prova Brasil 2011, do Ministério da Educação, mostra que em 51% dos colégios há o costume de se fazer orações ou cantar músicas religiosas. Apesar de contrariar a Lei de Diretrizes e Bases, segundo a qual o ensino religioso é facultativo, 49% dos diretores entrevistados admitiram que a presença nas aulas dessa disciplina é obrigatória. Para completar, em 79% das escolas não há atividades alternativas para estudantes que não queiram assistir às aulas. “A professora manda eu rezar Ó pai bondoso, livra-nos de todo espírito do mal, para quem é da macumba entrar para a igreja, porque eu sou do candomblé. Se eu não repetir a oração, ela me manda para a sala da direção. E a diretora diz que a professora tem que ensinar o que ela acha que está certo. Não posso faltar, senão, ela disse que vou ser reprovada”, contou uma aluna do 5º ano do ensino fundamental.

Aparecida: E como pensa o governo dos Estados Unidos?

Bytes: Deu no jornal “O Globo” de 25 de março de 1963, cuja manchete foi “San Tiago hoje com Kennedy para encerrar as negociações”: “O ministro San Tiago Dantas será recebido às 11h de hoje pelo presidente John Fitzerald Kennedy para concluir as negociações de ajuda norte-americana no Brasil, e que poderão resultar num auxílio de 580 milhões de dólares ao govêrno brasileiro, para refinanciamento total de suas dívidas êste ano”. E mais: “O deputado Herbert Levy, presidente da UDN, disse ontem que os fatos estão demonstrando cada vez mais que não haverá qualquer divisão em seu partido. Acrescentou que o problema da sucessão do Sr. João Goulart, na UDN, desenvolve-se normalmente em suas preliminares. Todos reconhecem os direitos tanto do Sr. Carlos Lacerda, quanto do Sr. Magalhães Pinto de aspirarem a indicação udenista à Presidência da República. Caberá ao partido, num determinado momento, próximo de 1965, intervir no problema, escolhendo seu candidato”. E mais: “Aumentam cada dia mais a campanha liderada por políticos e militares que visa à suspensão das eleições presidenciais marcadas pra junho e à instalação de um govêrno de fôrça na Argentina, a fim de evitar a volta ao peronismo ao poder, mesmo que para isso seja preciso recorrer a uma revolução”. 

Aparecida: Deu no jornal “O Globo” de 25 de março de 2013, 50 anos depois: “Benefício fiscal. Deputados incluem armas em pacote de desonerações. Dilma deve vetar adendo feito por parlamentares financiados pelo setor. Ministérios da Justiça e da Fazenda recomendaram à presidente não reduzir encargos sociais de empresas da área”. E mais: “Chipre decide congelar contas bancária”.  E mais: “Barricada contra o casamento gay. Policiais lançaram gás lacrimogêneo em alguns dos 300 mil manifestantes que saíram às ruas de Paris, ontem, contra a lei que institui o casamento gay e a adoção de casais do mesmo sexo no país. Em Nova York, um outro protesto apoiou a adoção da medida nos Estados Unidos”.

Bytes: Ontem, cerca de 300 mil franceses vindos de diversas partes do país lotaram o Arco do Triunfo, em Paris, para protestar contra o casamento gay e adoção de crianças por casais homossexuais. Nos cartazes, muitos erguidos por crianças, havia palavras de ordem como: “Tous nés d´un homme et d´une femme” (acima). Em tradução literal para o português é: “Tudo nasce de um homem e uma mulher”. “Viemos defender o fato de que a família composta por um pai e por um mãe é melhor para as crianças. Não desistiremos”, disse uma manifestante identificada como Marie, de 30 anos. Uma das principais organizadoras da marcha, a ativista que adota o codinome Frigide Barjot, mandou um recado a François Hollande: “Queremos que o presidente cuide da economia e deixe a família em paz”.

Aparecida: Já os nova-iorquinos saíram às ruas em defesa da união entre pessoas de mesmo sexo. A manifestação visava a uma pressão de última hora sobre magistrados e sociedade diante de um debate marcado para amanhã e quarta-feira na Suprema Corte dos EUA, que examinará dois recursos envolvendo a legalização do casamento gay. O próprio presidente Barack Obama já se posicionou a favor da medida. Nos Estados Unidos, apenas 9 dos 50 estados, além da capital, Washington, legalizaram o casamento gay.

Bytes: Na França, as pesquisas mostram que 51% dos franceses são favoráveis à medida. Os opositores à nova lei, porém, são irredutíveis. Segundo eles, o projeto “perturba totalmente a sociedade, negando o parentesco e a filiação natural”, algo que teria “consequências econômicas, sociais e éticas incalculáveis”. Eles defendem que o texto seja submetido a um referendo nacional.

Aparecida: Nos Estados Unidos, a Suprema Corte vai analisar dois recursos: um envolvendo a lei que proíbe o casamento gay na Califórnia, e o outro sobre a questão dos direitos federais dos homossexuais já casados legalmente. No cerne da questão está a definição de casamento, descrito pela Lei de Defesa do Patrimônio como “a união de um homem e uma mulher”. Na Califórnia, a chamada Proposição 8 declara ilegais as uniões gays realizadas no estado após a aprovação num referendo em 2008. Em 2010, porém, um tribunal de apelações declarou institucional a emenda. Os defensores decidiram levar o caso à Suprema Corte. “É um pouco assustador que 9 juízes tenham nosso destino nas mãos”, disse Anne Kichoffer, que pretende acompanhar as audiências ao lado da companheira.

Bytes: Na Inglaterra, a Justiça britânica manteve na semana passada a proibição de publicidade que um grupo anglicano faria nos ônibus de Londres sugerindo que é possível se curar da homossexualidade. O grupo anglicano Core Issues Trust pretendia anunciar nas laterais dos ônibus de Londres a campanha: “Gay não! Ex-gay, pós-gay e orgulhoso. Supere isso!”  A iniciativa foi uma resposta nos mesmos ônibus ao grupo Stonewall, que defende os direitos dos homossexuais, cuja publicidade dizia: “Algumas pessoas são gays. Supere isso!”

Aparecida: No Brasil a situação está sendo considerada insustentável para o deputado pastor Marcos Feliciano. O próprio presidente da Câmara admitiu isso. Hoje um ato liderado pelo deputado federal Jean Wyllys e pelo deputado estadual Marcelo Freixo, ambos do Psol-RJ, reuniu artistas como Caetano Veloso, Leandra Leal, Lázaro Ramos e lideranças de várias religiões na sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no Rio de Janeiro. "Será um ato em defesa da cultura contra o fundamentalismo religioso", adiantou Wyllys na semana passada.

Bytes: Já o deputado viajou para a Bolívia porque acha mais importante resolver o problema da prisão dos torcedores corintianos. Na Internet circula o vídeo sobre o deputado pastor na Terra Santa. Segundo ele, mensagens inspiradas por Deus. 

Aparecida: Ah, entendi! Está na "Boa Notícia" durante a crucificação na Páscoa: “E, quando chegaram ao lugar chamado a Caveira, ali o crucificaram, e aos malfeitores, um à direita e outro à esquerda. E dizia Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. E, repartindo as suas vestes, lançaram sortes. E o povo estava olhando. E também os príncipes zombavam dele, dizendo: Aos outros salvou, salve-se a si mesmo, se este é o Cristo, o escolhido de Deus. E também os soldados o escarneciam, chegando-se a ele, e apresentando-lhe vinagre. E dizendo: Se tu és o Rei dos Judeus, salva-te a ti mesmo. E também por cima dele, estava um título, escrito em letras gregas, romanas, e hebraicas: ESTE É O REI DOS JUDEUS”. E um dos malfeitores que estavam pendurados blasfemava dele, dizendo: Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo, e a nós. Respondendo, porém, o outro, repreendia-o, dizendo: Tu nem ainda temes a Deus, estando na mesma condenação? E nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o que os nossos feitos mereciam; mas este nenhum mal fez. E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino. E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso. E era já quase a hora sexta, e houve trevas em toda a terra até à hora nona, escurecendo-se o sol. E rasgou-se ao meio o véu do templo. E, clamando Jesus com grande voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, havendo dito isto, expirou”. 

A Comissão Europeia (braço executivo da União Europeia) disse hoje (25) que o controle de capitais no Chipre será breve. A medida foi aprovada de madrugada como parte da economia para o acordo sobre o resgate de € 10 bilhões (R$ 26 bilhões). O governo cipriota e os credores internacionais --UE, Banco Central Europeu (BCE) e FMI (Fundo Monetário Internacional)-- concordaram em impor o confisco de todos os depósitos maiores que € 100 mil (R$ 260 mil) nos dois maiores bancos do país, o Banco do Chipre e o Laiki Bank. Mais cedo, o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, disse que é difícil prever o futuro econômico da ilha do Mediterrâneo. "Confio que esse programa vá funcionar, mas preciso ser honesto. Até este momento, não podemos dizer exatamente que impacto ele terá". Já o Banco Central do Chipre diz acreditar que o pacto permitirá formar um sistema bancário forte e sustentável, que permita estabilizar a economia do país e o crescimento econômico. A expectativa da instituição é que o confisco forneça € 4,2 bilhões dos € 5,8 bilhões exigidos pelos credores internacionais. Por se tratar de uma reestruturação bancária, não é necessário que o acordo passe pelo crivo do parlamento cipriota, simplificando e acelerando o processo de implementação das novas condições. Recorde-se que a proposta inicial, que implicava um imposto sobre todos os depósitos, foi rejeitado pelo Parlamento do Chipre. Já o diretor do centro cipriota do Peace Research Institute Oslo (PRIO), Harry Tzimitras, disse que a crise bancária cipriota veio trazer Nicósia para a ribalta de um conflito geopolítico mais vasto no Mediterrâneo Oriental. Segundo ele, até certo ponto o Chipre tornou-se uma região de embate entre Bruxelas e Moscou, ainda que a Rússia tenha declinado, por ora, não colocar em perigo as suas relações com a Alemanha. "Rússia, a outra única alternativa, mostrou-se relutante em resgatar Chipre por uma série de razões políticas e econômicas. O que deixou o governo de Nicósia sem alternativas realistas. O acordo de resgate com o Eurogrupo, e o Memorando de Entendimento que se vai seguir até meados de abril, por mais duros que sejam, evitaram um perigo bem real de bancarrota imediata, deixando os cipriotas confrontados com aceitar o menor dos males", sublinhou o professor de Direito Internacional e Relações Internacionais. Hoje o chefe da diplomacia francesa, Laurent Fabius, disse que Moscou pode reagir de forma brusca ao acordo para salvar os bancos Chipre, uma vez que muitos russos mantém grandes depósitos nestas instituições. "Eu não sei qual será a reação dos russos, mas pode ser dura de fato", afirmou Fabius em entrevista à rádio Europe 1. A insatisfação popular é crescente. Milhares de pessoas foram às ruas de Nicósia, capital do Chipre, para protestar contra a utilização dos recursos dos do fundo de previdência dos trabalhadores de bancos para o resgate do setor bancário cipriota. Os manifestantes gritavam palavras de ordem como "Tirem as mãos dos fundos de pensão" e "Todos unidos, empregados e poupadores", além de exigir a renúncia do diretor do Banco Central. Os funcionários de bancos temem que a reestruturação do setor, além de demissões, cause a perda dos fundos destinados a suas pensões e seu seguro médico. "Vim me manifestar porque está sendo decidido nosso futuro. Mas temos futuro?", se perguntava Dimitris Dimitriu, dono de uma carreira de 35 anos no Laiki Bank. "Tudo indica que o Laiki [um dos principais bancos do país] fechará", opinou Dimitriu, a quem faltam cerca de quatro anos para a aposentadoria: "Vou perder tudo. Temos que garantir pelo menos os fundos de pensão". Na última sexta-feira (22), o fundo de estabilização bancário grego informou terceiro maior banco grego, o Piraeus Bank, vai adquirir as subsidiárias do Bank of Cyprus e do Cyprus Popular Bank (CPB) na Grécia. “O Fundo Helênico de Estabilidade Financeira [HFSF, na sigla em inglês] aprovou a oferta de compra apresentada pelo Piraeus Bank sobre as subsidiárias dos bancos cipriotas na Grécia”, divulgou a entidade através de um comunicado citado pela agência Associated Press (AP). O HFSF salientou, no entanto, que a operação está sujeita à aprovação das autoridades da concorrência da Comissão Europeia. Os gregos vêm acompanhando os desdobramentos da crise cipriota pelos jornais (acima), já que a ilha é influenciada tanto pela Grécia quanto pela Turquia. Ela se transformou no calcanhar de Aquiles da Eurozona, a ponto de as fontes europeias terem ameaçado deixar que saia do bloco para evitar um contágio a outros países, como Grécia, Espanha ou Itália. A chanceler alemã Angela Merkel advertiu que o Chipre não deve "abusar da paciência dos sócios da Eurozona", afirmaram participantes de uma reunião da chefe de governo da principal potência econômica do bloco com deputados de sua aliança parlamentar. A preocupação no Mediterrâneo não se concentra apenas no Chipre. O líder da centro-esquerda italiana Pier Luigi Bersani começou oficialmente hoje as consultas para tentar formar um governo em Itália. “Precisamos de um governo, precisamos mesmo de um governo que faça milagres”, desabafou num cenário de incredulidade. O ex-premiê italiano Silvio Berlusconi repetiu hoje que Bersani deve fazer uma coalizão com seu grupo de centro-direita, ou a Itália deve realizar novas eleições. "Ou o Partido Democrático... faz a coisa razoável e se abre para um governo com o Povo da Liberdade... ou a única coisa a ser feita é voltar para as urnas o quanto antes", disse Berlusconi em uma entrevista em seu próprio canal de TV, Canale 5. No sábado (23), milhares de pessoas se manifestaram a favor dele num comício em que o ex-premier já abria uma nova campanha política. "Todos prontos para uma nova campanha eleitoral?", perguntou Berlusconi a seus eleitores, que responderam um grande "sim". "Vocês estão contentes com a campanha eleitoral? Vocês estão orgulhosos?", lançou o Cavaliere, que a cada nova pergunta recebia como resposta um "sim". "Vejo que vocês estão prontos para a campanha eleitoral, então eu posso dizer oficialmente que também estou pronto", declarou à multidão.

Tico: No dia de hoje os gregos se revoltaram contra o Império Otomano, dando início à Guerra da Independência Grega. Influenciados pelos revolucionários italianos, três mercadores gregos, Nikolaos Skoufas, Manolis Xantos, e Atanásios Tsakalov, fundaram uma sociedade secreta, a Filiki Eteria, “Sociedade dos Amigos”, em Odessa, um centro importante de mercadores da diáspora grega. Com a ajuda de exilados gregos na Grã-Bretanha e Estados Unidos e com a ajuda de simpatizantes da Europa Ocidental, eles planearam a rebelião contra o domínio dos turcos otomanos. A idéia inicial do grupo era reviver o Império Bizantino, tendo Constantinopla como capital, hoje Istambul, em vez da formação de um Estado nacional. Foi convidado para fazer parte da sociedade secreta Alexander Ypsilantis, que serviu no exército russo como general e assistente do czar Alexandre I, que aceitou o convite. A sociedade cresceu rapidamente, atraindo membros em diversas regiões povoadas por gregos. Em 1821, o Império Otomano estava ocupado numa guerra contra a Pérsia e com a revolta promovida por Ali Paxá no noroeste da Grécia. as Grandes potências, aliadas sob o "Concerto da Europa", em oposição às revoluções decorrentes do período de Napoleão Bonaparte, estavam preocupadas com revoltas na Itália e na Espanha. Foi sob este contexto favorável que os gregos decidiram mobilizar-se para uma revolta. As revoltas foram promovidas em três lugares primeiramente: o Peloponeso, os Principados do Danúbio e Constantinopla. Por causa da influência grega do período clássico, principalmente na área filosófica, havia muita simpatia pela causa grega por toda a Europa. Muitos aristocratas dos Estados Unidos e da Europa Ocidental, como o poeta Lord Byron, pegaram em armas e se juntaram aos revolucionários gregos. Outros financiaram a revolta. Todos esperançosos que, por causa da tradição, poderiam transformar a independência grega na “verdadeira comunidade”. Há 192 anos.

Teco: No dia de hoje foi assinado o Tratado de Roma instituindo a Comunidade Econômica Europeia (CEE) e a Comunidade Europeia da Energia Atômica (Euratom). Além disso, previa a criação de um mercado comum europeu a partir do dia 1 de Janeiro de 1958. Assinaram o documento a República Federal da Alemanha, a França, a Itália, a Bélgica, os Países Baixos e Luxemburgo. A união se deu mais tarde na moeda comum: o euro. Em seu preâmbulo o Tratado que instituía a CEE afirmava: "...os signatários estão determinados a estabelecer os fundamentos de uma união sem fissuras mais estreita entre os países europeus". Há 56 anos.

Bytes: No dia de hoje o Reino da Iugoslávia se juntou às forças do Eixo com a assinatura do Pacto Tripartite. Com a derrota dos três grandes impérios na Primeira Guerra Mundial, austro-húngaro, o russo e o turco otomano, a região dos Bálcãs se livrou da tutela estrangeira. Pelos Tratados de Paris, em 1919, foi garantida a autonomia do Reino da Sérvia, da Croácia e da Eslovênia, que foi reunificado como Reino da Iugoslávia, cuja capital era Belgrado, sendo a coroa pertencente a Pedro I. Mas não durou muito a tranqüilidade daquele reino. Em março de 1941, Pavel, o príncipe regente da Iugoslávia, cedendo à pressão dos nazistas e dos fascistas italianos, foi constrangido a assinar um tratado com o Eixo, o que colocava os Bálcãs subordinados às potências fascistas. Foi o que bastou para que uma rebelião popular antimonárquica e antifascista tomasse conta das ruas de Belgrado. Adolf Hitler aproveitou-se da situação confusa em que o reino caiu e ordenou, em abril de 1941, que suas divisões, juntamente com tropas húngaras, italianas e búlgaras o ocupassem. Para os estrategistas militares, a necessidade de manter os Bálcãs militarmente ocupados fez com que Hitler fosse obrigado a atrasar em dois meses a invasão da União Soviética. Há 72 anos.

Aparecida: No dia de hoje aviões e navios da 6ª Frota estadunidense atacaram mais três lanchas-patrulhas da Líbia e, pela segunda vez em dois dias, a base de lançamentos de mísseis na cidade de Sidra. Segundo Washington, a investida foi uma represária ao disparo de seis mísseis Sam-5 contra caças F-14 da 6ª Frota no dia. A Líbia ordenou o estado de alerta em todo país e ameaçou transformar o Mediterrâneo "em um mar de sangue", para dar aos Estados Unidos uma lição pior do que a do Vietnã. O secretário de Defesa dos EUA, Caspar Weinberger, advertiu sobre o prosseguimento das manobras aeronáuticas no golfo de Sidra, alegando que a 6ª Frota exercia direito de navegar em águas internacionais. O líder líbio Muamar Kadafi, contudo, afirmou que o golfo pertence à área de águas territoriais líbias, inflamando ainda mais o conflito. A maior parte dos países da Europa deu apoio cauteloso aos Estados Unidos, sem defender de forma direta a ação estadunidense, mas rechaçando a soberania sobre o golfo de Sidra, reivindicada por Kadhafi. Por outro lado, o líder líbio angariou forte defensores. A queda de braço EUA x Líbia foi travada em plena política estadunidense na Nicarágua com a disputa entre sandinistas e contra-revolucionários. Há 27 anos.

Bytes: No dia de hoje a cidade do Rio de Janeiro começou a ser iluminada por lampiões a gás. O projeto foi graças à ação do empresário Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, comemorado pela população já que a luz coibiria a ação dos ladrões. As primeiras áreas foram Praça XV, Ruas 1.º de Março, Ouvidor, Rosário, Hospício, Alfândega, general Câmara e São Pedro. Dois meses depois, estava beneficiado todo o centro e as filas de lampiões se estendiam até ao próprio Mangue. Há 159 anos.

Aparecida: No dia de hoje nascia, há 140 anos, o pensador alemão Rudolf Rocker. Orador anarquista, ele foi defensor do sindicalismo revolucionário. De origem judaica, o pensador morou em diversos países europeus até imigrar para os Estados Unidos junto com sua companheira e também ativista libertária, Milly Witkop, para defender suas ideias. Segundo ele, o primeiro objetivo para os anarquistas deveria ser "garantir a generalização da liberdade pessoal e social a todos os homens”. Em Paris, ele primeiro entrou em contato com anarquistas judeus e apresentou o seu projeto na Confederação Geral do Trabalho.

Bytes: No dia de hoje morreu, há 95 anos, o compositor francês Claude Debussy. A sua música inovadora agiu como um fenômeno catalisador de diversos movimentos musicais em outros países. Ele influenciou a obra de Ravel também Béla Bartók, Manuel de Falla, Heitor Villa-Lobos e outros. Por causa de sua importância foi dado o nome de Debussy a uma cratera do planeta Mercúrio, com mais de 80 km de diâmetro. A cratera foi formada possivelmente pela colisão de um meteoro e é caracterizada por sulcos que, a partir dela, se estendem por vários quilômetros, o que seria uma metáfora da influência do músico. Eu ouvi a bela composição: “Clair de Lune”.

Aparecida: No dia de hoje nascia, há 68 anos, a atriz Leila Diniz. Filha de comunistas e nascida em Niterói, ela começou a carreira como professora primária. Ao conhecer o cineasta Domingos de Oliveira, com quem se casou, acabou rompendo com o magistério e o noivado para embarcar no estrelato. Seu maior sucesso foi o filme “Todas as mulheres do mundo”, que retratava o amor e a dor de Domingo com a separação. A atriz fluminense quebrou tabus de uma época em que a repressão dominava o Brasil, escandalizou ao exibir a sua gravidez de biquini na praia, e chocou o país inteiro ao proferir a frase: "Transo de manhã, de tarde e de noite". Em entrevista ao jornal “O Pasquim”, declarou: “Você pode muito bem amar uma pessoa e ir para cama com outra. Já aconteceu comigo”. Após a publicação da entrevista, o regime militar instaurada a censura prévia à imprensa, mais conhecida como Decreto Leila Diniz. Perseguida pela polícia política, Leila foi obrigada a se esconder no sítio do apresentador Flávio Cavalcanti, tornando-se em seguida sua jurada. Alegando razões morais, a TV Globo não renovou o contrato de atriz. De acordo com Janete Clair, não haveria papel de prostituta nas próximas telenovelas da emissora. Morreu num acidente aéreo, vôo JAL471, da Japan Airlines, no dia 14 de junho de 1972, aos 27 anos, no auge da fama, quando voltava de uma viagem à Austrália. Ficou na memória a imagem da atriz fluminense como a verdadeira "garota de Ipanema"

Bytes: Ontem eu fui assistir ao filme “Vai que dá certo”, de Maurício Farias (acima). É uma comédia que beira o besteirol americano, mas que diverte o pessoal jovem que lotou as sessões do cinema. Trata-se da trapalhada de um grupo de “duros” que só veem a perspectiva de subir na vida através do roubo. Mas há uma “ética”. O roubo é ao sistema financeiro que “rouba” os seus clientes com os juros altos. Ou seja, o ditado: “ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão”. O roteiro vai neste sentido. Afinal, vai que dá certo e ninguém descobre o malfeito. O tema permeia o filme. A cena mais significativa é quando no frustrado roubo ao sistema financeiro, os “malfeitores” se veem nas mãos de dois grupos que deveriam duelar feito gato e rato: os bandidos e a polícia. Ou seja, a justificativa é pensar no roubo é reunir do dinheiro para salvar a sua vida nas duas pontas do “poder coercitivo”. Os diálogos são bem elaborados, o som razoável, mas o espectador gosta. As atuações são muito boas, ficando como destaques os atores Lúcio Mauro Filho e Natália Lage.

Aparecida: a comédia nacional com Fábio Porchat e Danton Mello, abriu bem no último final de semana, conseguindo o 10º lugar nas maiores aberturas nacionais desde a retomada do cinema brasileiro. Em cartaz em 450 salas no país, o longa foi visto por mais de 395 espectadores nos primeiros três dias de exibição.

Bytes: O que atrai a galera para o cinema são os atores da nova geração. Tem amigo meu que não sai de casa sem assistir um esquete do “Porta dos fundos” postado na Internet.

Aparecida: Por falar em portas dos fundos, um fuzileiro naval disparou de forma indiscriminada e matou três colegas na base militar de Quantico, no Estado da Virgínia, nos Estados Unidos, na noite de quinta-feira. Ele foi encontrado morto em seu alojamento após o incidente.

Aparecida: Por falar em morte, um cidadão de Nova York condenado em 1991 pelo assassinato de um rabino foi libertado na semana passada, após 23 anos de prisão, ao final de uma investigação que provou sua inocência. "Neste momento, eu sinto como se estivesse debaixo d' água, nadando", disse David Ranta após ser libertado. Menos de 48 horas depois, ele sofreu um ataque cardíaco e está internado.

Bytes: Parece a história da família do ciclista que perdeu o braço num acidente criminoso em São Paulo. O irmão sofreu um acidente de moto e também está internado. A mãe está desolada.

Aparecida: Por falar em imagens da vida, o jogador britânico David Beckham fez a alegria do público feminino na manhã de ontem na Universidade de Pequim. Ele exibiu barriga tanquinho e uma tatuagem com caracteres orientais que dizia: "a vida e a morte têm datas marcadas, a riqueza e a honra são determinadas por Deus e dependem dos céus".

Bytes: Por falar em céu, moradores da costa leste dos EUA encheram as redes sociais de relatos na noite da última sexta-feira após um brilho breve e intenso marcar os céus. Segundo Derrick Pitts, astrônomo-chefe do Instituto Franklin da Filadélfia, não é possível ter 100% de certeza sobre a natureza do fenômeno, a não ser que a rocha tenha caído no solo e seja possível calcular sua trajetória. Mas, para ele, as descrições são consistentes com a ocorrência de um meteoro.

Aparecida: Na semana passada, o diretor da Nasa, Charles Bolden, deu um conselho aos parlamentares da Câmara dos Representantes dos EUA sobre o que fazer se um grande asteroide estiver a caminho da Terra: rezar. O que você acha?

Bytes: Nos Estados Unidos, uma equipe de cientistas que participou da 44ª Conferência de Ciência Lunar e Planetária concluiu agora que a rocha espacial acusada de extinguir os dinossauros, há cerca de 65 milhões de anos, não era um meteoro, mas sim um cometa. Com a palavra os cientistas......

Aparecida: No dia de hoje a maior lua de Saturno, Titã, foi descoberta pelo astrônomo holandês Christiaan Huygens. O que podemos dizer de Titã?

Bytes: Na mitologia grega, Na mitologia grega, os Titãs são seres anteriores aos deuses do Olímpo na guerra contra Zeus, Júpiter. Os titãs liderados por Saturno acabaram derrotados e confinados ao Tártaro. A visão do “mundo inferior” para onde todos os inimigos do Olimpo são enviados e onde são castigados por seus crimes. Já na vida real, Atenas celebrou o Dia da Independência com polícia na rua para evitar protestos.

Aparecida: Escreveu Paulo, “apóstolo dos gentios”, em carta dos gregos de Tessalônica: “Mas, irmãos, acerca dos tempos e das estações, não necessitais de que se vos escreva. Porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite. Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobre-virá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão. Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão. Porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas. Não durmamos, pois, como os demais, mas vigiemos, e sejamos sóbrios”. 

Tico: O que você achou da visita de Obama à “Terra Santa?”

Teco: Ficou a imagem do encontro com Mahmoud Abbas. Ele apontou para o líder palestino como se estivesse dizendo: “É o cara!” Elementar, meu caro Watson.

Aparecida: O que você achou da reportagem da “Folha” sobre o Lula receber dinheiro das empreiteiras em viagens à África?

Bytes: Os mascates são propensos a valorizar o seu produto, graças ao petróleo, graças à China. Quem fica de fora do negócio, reclama. É uma questão de “espaço”, física. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: O Brasil e a China vão assinar um acordo para troca de moedas no valor de R$ 60 bilhões durante a Cúpula dos Brics, que começa amanhã em Durban, na África do Sul. O objetivo da linha é ser usada em momentos de emergência, como ocorreu na crise de 2008 ou na europeia em 2011, quando há uma retração no crédito mundial. O acordo é semelhante ao fechado em 2008 com o Fed. "Alguns bancos multilaterais já estão como a capacidade de empréstimos esgotada para certos tomadores, inclusive dos Brics", disse à Folha uma fonte envolvida nas negociações. O objetivo é que o banco dos Brics tenha uma boa classificação de risco para conseguir captar recursos a custos baixos.

Bytes: O meu colega gaiato lá da facû perguntou sobre o Lula: “Será que seria uma preocupação do New York Times se o Clinton estivesse divulgando Washington através de seu instituto?”

Aparecida: A presidente Dilma Rousseff saiu em defesa do Lula. "Eu me recuso a entrar nesse tipo de ilação sobre o presidente Lula. O presidente Lula tem o respeito de todos os Chefes de Estado da África e deu grande contribuição ao País nessa área".

Bytes: O novo presidente da China, Xi Jinping, disse hoje aos africanos que deseja uma relação de iguais, que ajude no desenvolvimento do continente. Analistas de Washington ficaram preocupados porque temem que Pequim queira apenas as “matérias-primas” estratégicas do continente. Na primeira escala de uma visita à África, Xi disse ao presidente da Tanzânia, Jakaya Kikwete, que os investimentos chineses vão ajudar o continente a enriquecer. As relações sino-tanzanianas já sofreram bastante”, disse Kikwete, cujo país desenvolveu uma estreita relação com a China nos primeiros anos após a independência em relação à Grã-Bretanha, em 1964. “Agora nós nos tornamos amigos a toda prova”, acrescentou. Na véspera, as ruas de Dar Es Salaam ficaram lotadas de tanzanianos para saudar o novo presidente chinês.

Aparecida: E como pensa o governo dos Estados Unidos?

Bytes: Deu no jornal “O Globo” de 22 de março de 1963, cuja manchete foi “Os EUA anunciam o refinanciamento total das dívidas do Brasil em 1963”: “Um porta-voz da missão econômica brasileira informou ontem que o grupo negociador norte-americano comunicou ao sr. San Tiago Dantas a disposição do govêrno dos Estados Unidos de conceder o refinanciamento total das dívidas brasileiras, num montante de cerca de um bilhão e 50 milhões de dólares”. E mais: “Carregados de presentes, os astronautas Popovich e Nikolayev, os gêmeos do espaço, desceram ontem em Brasília. Para o presidente João Goulart, entregaram miniaturas de foguetes, fotos coloridas dos pilotos espaciais russos e um livro de Gagarin. João Vicente ganhou um boneco vestido com uma roupa de astronauta”. E mais: “O sr. Miguel Arraes é um chefe frio, premeditado, ponderado, competente, que não se expõe, levando avante, implàcavelmente, cientificamente, o plano traçado para a entrega do Brasil ao comunismo internacional. Fomenta disfarçadamente as agitações que levaram o Estado à presente situação pré-conflagrada, levando as mãos de qualquer responsabilidade. É êle, hoje, o grande comissário do comunismo russo no Brasil”. Com essas palavras, o sr. JoãoCleofas iniciou uma entrevista a O GLOBO, fazendo uma série advertência aos democratas brasileiros”.

Aparecida: Deu no jornal “O Globo” de 22 de março de 2013, 50 anos depois: “Nó na infraestrutura. Apagão logístico faz China cancelar compra de soja. Gigante de comércio exterior desiste de importar quase 5% do total vendido pelo Brasil. Produto poderia se tornar o principal item da pauta de exportações brasileiras este ano, ultrapassando o minério de ferro, mas as filas nos portos e problemas em armazenagem e embarques deixam a meta mais distante”. E mais: Reforma ministerial. Dilma recebe afastado na faxina. A presidente Dilma recebeu o ex-ministro Alfredo Nascimento (PR), afastado na faxina ética, com quem discutiu nome do partido para o ministério. O novo ministro do Trabalho, Manoel Dias (PDT), prometeu resgatar a imagem de Carlos Lupi”. E mais: “A nova pirâmide social. Consumo, renda e mais o quê? Nova classe média tem trabalho precário, pouca instrução e moradia inadequada”. 

Bytes: Em entrevista ao jornal “O Globo” na sexta-feira, o sociólogo Jessé Souza, professor da Universidade Federal de Juiz de Fora, que estuda classes há 20 anos, defendeu o uso de critérios além da renda: “Este conceito está inserido na cegueira de pensar que as classes sociais se reproduzem apenas no capital econômico, quando a parte mais importante não tem a ver com isso, mas com o capital cultural, com tudo aquilo que a gente incorpora desde a mais tenra idade”.

Aparecida: Quais são as classes sociais do Brasil?

Bytes: Segundo ele, basicamente quatro. “A alta, que tem capital econômico. Tem a classe média, que não é privilegiada a quanto a alta, mas se apropria de um capital cultural valorizado, saber científico, pós-graduação, línguas estrangeiras, um conhecimento que tem valor econômico. Essas duas são as classes do privilégio. Para a classe alta, o mais importante é o capital econômico, embora o capital cultural tenha uma função. E, para a classe média, o que prevalece é o capital cultural, embora algum capital econômico também seja necessário”.   

Aparecida: Há a luta de classes no Brasil?

Bytes: Para nós, capitalistas brasileiros e contemporâneos, só há duas classes: A dos que servem e a dos que são servidos.

Aparecida: Ex-morador de rua e de favela, produtor musical, escritor, documentarista, além de criador e ex-coordenador da Central Única das Favelas, Celso Athayde decidiu deixar de lado suas outras atividades para fundar a Favela Holding, guarda-chuva que reúne dez empresas que atuam exclusivamente em favelas. Ele vai investir no Morro do Alemão junto com outros investidores. Segundo ele, levantamento do DataFavela mostrou que cerca de 12 milhões de pessoas moram em favelas no Brasil. Juntas, elas ganham R$ 56 bilhões por ano, uma renda comparável do Produto Interno Bruto da Bolívia. O chamado "favela shopping" vai ser a cereja no bolo do projeto da FHolding, que inclui, entre outras iniciativas, o instituto de pesquisas, uma parceria com a editora Objetiva para a publicação de livros de autores de comunidades, uma fábrica de móveis e uma sociedade com uma produtora de eventos do MMA. A ideia é contratar 100% dos funcionários na própria comunidade, além de ter 60% das lojas do shopping comandadas por moradores do Alemão, por meio de um recurso que Athayde batizou de "franquia social". O que você acha do projeto?

Bytes: É um projeto que nasce dentro do capitalismo com investidores diversificando o seu produto. Qual é a base? Se os especialistas com pós-graduação em Harvard estão errando feio, trazendo prejuízos ao investidor por quê não investir em algo diferenciado? Traduzindo: Vai que dá certo.

Aparecida: Por falar em prejuízo, o que você acha da crise no Chipre?

Bytes: Ontem, o maior jornal espanhol, o “El País”, publicou um artigo intitulado “A Alemanha contra a Europa”, no qual a chanceler Angela Merkel é comparada com Adolfo Hitler. O autor do artigo, o economista Juan Torres López, escreveu, em particular, que “Merkel, tal como Hitler, declarou guerra à Europa para manter o espaço econômico vital para a Alemanha”. Segundo ele, Merkel defende os grandes bancos e corporações alemães à custa do bem-estar dos países europeus e dos habitantes da Alemanha. O artigo provocou uma avalancha de críticas na Europa, em primeiro lugar na Alemanha e, pouco tempo depois de publicado, foi eliminado da página eletrônica do jornal.

Aparecida: Por falar em Merkel, a chanceler alemã brincou hoje com crianças, em sua visita a uma casa de ajuda em Langenfeld, Alemanha. O jogo foi sobre as mudança geográficas do país durante a história.

Bytes: No ano passado, Merkel caiu na rede ao ficar escandalizada que a Alemanha ficasse tão próxima da Rússia no mapa mundi.

Aparecida: O antigo presidente do Eurogrupo e atual primeiro-ministro do Luxemburgo, Jean-Claude Juncker, disse que “os demônios da guerra na Europa podem voltar a acordar”. Segundo ele, a situação que se está produzindo hoje em dia no Velho Mundo aparenta, de uma maneira surpreendente, a do início do século passado. Era o período anterior à Primeira Guerra Mundial, a qual causou uma reordenação radical de todo o mundo. Para Juncker, as ameaças fundamentais consistem na confrontação dos interesses nacionais e a rivalidade entre as principais potências europeias, no enorme desigualdade do desenvolvimento econômico e sócio-político dos países da UE e, igualmente, na brusca estratificação social. O que você acha?

Bytes: O Prêmio Nobel da Paz ganhará concorrente. Por uma questão de “mercado”. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: O que você acha da crise econômica no mundo?

Bytes: Para os brasileiros, que já passaram por todo tipo de pacote econômico, inclusive o confisco de suas contas bancárias, a única certeza é que estamos vivos no jogo.

Aparecida: O que você acha do “Bom Ladrão?”

Bytes: Para quem teve os seus “bens” surrupiados, a palavra não combina com adjetivos. A não ser que haja uma “boa causa” para o “entendimento”, como o “fim da escravidão”. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: Ah, entendi! Revelou Nosso Senhor Jesus Cristo a seus discípulos: “Eu virei como ladrão porque só existe uma maneira de vencer o valente: sendo ladrão. Porque o ladrão manieta o valente. Quando o valente abrir os olhos, a casa estará toda saqueada”.

 

A SÃO DIMAS, APELIDADO DE “BOM LADRÃO”

Rio de Janeiro, 25 de março de 2013

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Exibições: 257

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço