Portal Luis Nassif

Viva Villa! A maior mostra já realizada sobre Villa-Lobos

"A maior exposição sobre a vida e a obra de Heitor Villa-Lobos foi inaugurada no dia 12 de outubro, no Rio de Janeiro. Um trem cenográfico - O Trenzinho Caipira - levará os visitantes a uma viagem pelo universo mágico do maestro".



Antes de falar sobre a magnífica exposição, deixo um levantamento que fiz sobre Villa-Lobos aqui no Portal. É material para deixar qualquer pesquisador com água na boca. Parabéns a todos!

Villa-Lobos no Portal

Posts

- O Nacionalismo de Heitor Villa-Lobos (Helô)
- Heitor Villa-Lobos (Laura Macedo)
- Villa-Lobos - Homenagens Pelo Mundo (Laura Macedo)
- Série: Villa-Lobos em Três Tempos (Laura Macedo)
- Villa-Lobos em Três Tempos (Gilberto Cruvinel)
- Heitor Villa-Lobos - Lendas e Fatos (Laura Macedo)

Fotos (Laura Macedo, Helô e Paulo Yoshi)

- Foto 1
- Foto 2
- Foto 3
- Foto 4
- Foto 5

Vídeos (Participação de vários integrantes da comunidade)

- Clique aqui.

Grupo

- Villa-Lobos, cinquententário da morte (Criado pelo Nassif com grande participação da comunidade. Merece destaque especial a participação da Marise, Simone, Lena, Marcia e Theo)

Fórum

- Villa-Lobos, o Dia Nacional da Música Clássica e a ditadura Vargas (Elizabeth)

Mais Villa-Lobos

- Clique aqui e navegue por 43 páginas com citações, vídeos e textos sobre Villa.

*******

"Cenografia, artes plásticas, grafismos, cinema e concertos irão recriar, no Arquivo Nacional, de 12 de outubro a 5 de janeiro, a trajetória do maior compositor das Américas, Heitor Villa-Lobos, na exposição Viva Villa! - a maior mostra já realizada sobre a vida e obra do maestro, que nasceu em 5 de março de 1887 e morreu aos 72 anos, em 17 de novembro de 1959. Dividida em três partes, a exposição tem como objetivo aproximar o espectador da história da música no Brasil e no mundo, a partir de Villa Lobos, levando-o a refletir sobre a permeação entre fronteiras da música erudita e popular.

Idealizada e produzida pela Clan Design com Fabiano Canosa (que trabalham no projeto há três anos, e foram responsáveis pela recuperação e digitalização do acervo audiovisual do Museu Villa-Lobos, em 2007), Viva Villa! irá mostrar que o legado da rica trajetória pessoal e artística do compositor permanece vivo no repertório internacional em seus mais variados estilos. A coordenação do projeto é de Cláudio Fernandes, que assina com Cláudio Lobato e Fabiano Canosa a direção de arte. Com curadoria de Canosa. Viva Villa! conta ainda com a parceria de várias instituições nacionais e estrangeiras, entre as quais o Museu Villa-Lobos (RJ), Library of Congress (Washington), Richard Rodgers Library, Spanish Institute, New York Public Library (New York), Bibliotheque Nationale (Paris) e Accademia Nazionale di Santa Cecília e Embaixada do Brasil (Roma), Consulados do Brasil (New York, Washington, Praga) e Cinemateca de Praga (Republica Tcheca).



A exposição

Um imenso painel no portal de entrada dará o tom da mostra: um recorte do mapa do Brasil, pontilhado por diversas imagens, fotos, vídeos, reproduções da figura de Villa-Lobos, chamado carinhosamente de Tuhú pela família, formará uma alegoria multimídia sobre a vida e obra do maestro.

E começa a viagem, em três tempos. Na primeira parte, o espectador fará um passeio do século XIX até a primeira metade do Século XX, com suas revolucionárias transformações, acompanhando a trajetória de vida do maestro no Brasil, em Paris (anos 20) e nos Estados Unidos. A ambientação contará com painéis de textos e imagens ilustrativas, cartazes, pinturas, capas de discos, partituras, instrumentos musicais e objetos pessoais de Villa-Lobos. Entre os destaques, uma reprodução da sala da casa dos Villa-Lobos no centro da cidade, em escala real; o Rio boêmio, onde Villa ganhou a vida tocando choros no Cinema Odeon, Teatro Recreio e na lendária Confeitaria Colombo; as suas viagens e momentos marcantes como a Semana de Arte Moderna (onde fez duas apresentações sob uma chuva de vaias), o emblemático concerto em São Januário (que reuniu 40 mil crianças, durante o Estado Novo de Getulio Vargas) e o desfile carnavalesco do Sôdade do Cordão, bloco criado pelo maestro, que arrastou multidões pelas ruas do centro do Rio de Janeiro. Em todo o percurso, o registro musical de suas composições.

No segundo momento da exposição, a reprodução de um trem – o Trenzinho Caipira – levará os visitantes a percorrer os caminhos que a música de Heitor Villa-Lobos trilhou até ser reconhecido como o Compositor das Américas. O trem terá cinco vagões: Sertão, Paris, Anos 30/40, Amazônia e Américas. Em cada um deles, uma primorosa ambientação.

No Vagão do Sertão, imagens caleidoscópicas de cenários marcantes na juventude do maestro serão projetadas pelas janelas do mesmo.

O Vagão Paris, que terá os bancos forrados de tecidos, apresentará imagens projetadas dos locais significativos da história de Villa-Lobos na Cidade Luz, como a Place St. Michel, seu reduto, onde se reunia com os músicos e intelectuais de seu circulo, e o Hotel Bedford, na Madeleine, onde o maestro se hospedava.

No carro dos Anos 30/40 estarão imagens do Brasil e dos concertos espetaculares que o maestro fez pelo país.

No Vagão Amazônia, o ambiente será fantasioso, com pinturas indígenas, adereços de pena e palha. Nas janelas, o público verá uma selva cenográfica, e um efeito luminoso representará o lendário uirapuru! Nesse vagão, o público poderá desembarcar e passear pela “floresta”.

O Vagão das Américas terá de cinema: fotos de Villa-Lobos com celebridades junto a fotos de filmes da época. Nas janelas, imagens dos concertos internacionais, bem como imagens da Broadway em seu apogeu, onde se destaca o musical “Magdalena”, de sua autoria.


Espaço Papagaio de Moleque
A terceira parte da exposição será dedicada inteiramente às crianças. Em toda a sua vida, Villa-Lobos adaptou melodias infantis, muitas das quais baseadas em cantigas de roda, que chegaram inclusive a ser interpretadas por cantoras líricas. Além disso, foi Villa-Lobos quem criou o projeto Canto Orfeônico, que implantou a educação musical em todos os colégios e resultou na formação de imensos corais de crianças que fizeram apresentações apoteóticas, como a que reuniu 40 mil crianças em São Januário. Esse mundo mágico de Villa terá figuras do folclore e reproduções ampliadas de brinquedos artesanais que remetem à obra do maestro, que também adorava fabricar pipas. O espaço, interativo, terá computadores, instrumentos musicais e material para a confecção de brinquedos artesanais. As crianças serão orientadas e motivadas por monitores para o uso do espaço.

Villa e o Cinema
No Auditório do Arquivo Nacional, serão projetados filmes como "O Descobrimento do Brasil", de Humberto Mauro, para o qual Villa-Lobos compôs a trilha sonora; do Cinema Novo, "Deus e o Diabo na Terra do Sol" e "Terra em Transe", de Glauber Rocha, "Macunaíma", de Joaquim Pedro de Andrade, “Arraial do Cabo”, de Paulo Cesar Sarraceni e "Menino de Engenho", de Walter Lima Jr, entre outros, que utilizaram suas composições como trilha sonora em particular a cinebiografia "Villa-Lobos", de Zelito Vianna, além de documentários dedicados à vida e à obra do compositor.

Tuhú Eterno
Entrevistas, depoimentos, fotos e registros sonoros irão apontar para a imensa herança que Villa deixou na música brasileira. Herança esta que sempre se renova e mantém viva a chama criativa do maestro, através de músicos como Tom Jobim, Edu Lobo, Nelson Freire, Turíbio Santos (para quem Villa-Lobos “é bandeira e bússola”), Raphael Rabello, Yamandu Costa e muitos outros.

Villa in Concert
Completam a exposição uma série de apresentações musicais – concertos de solistas, orquestras, teatro e balé – inteiramente gratuitas ao público visitante. Os espetáculos ocorrerão no pátio central do Arquivo Nacional, sempre às terças-feiras, às 18h30, em palco coberto, com capacidade para até 2 mil pessoas".

Cronologia
1887 - Nasce a 5 de março, no Rio.
1899 - Violoncelista, aproxima-se da estética boêmia carioca.
1905 - Viaja pelo Brasil; encanta-se com violeiros nordestinos.
1907 - Desiste de estudar música; assume seu autodidatismo.
1912 - Fixa-se no Rio; ''Suíte Popular Brasileira''.
1916 - Atinge sua primeira centena de composições.
1920 - Compõe o primeiro de seus ''Choros''.
1922 - Participa da Semana de Arte Moderna.
1923 - Faz sua primeira viagem à Europa.
1927 - Regressa à Europa com grande reconhecimento.
1930 - Compõe a obra ''Bachianas Brasileiras nº 1”.
1931 - Excursiona pelo interior de São Paulo e Paraná com Souza Lima e Guiomar Novaes.
1932 - Responsável pelo ensino da música no Distrito Federal (Rio). Populariza o canto orfeônico.
1933 - Passa a compor para fins didáticos.
1944 - Viaja anualmente, como maestro, para Europa e Estados Unidos. Dirigiria até o fim da vida 83 orquestras em 24 países diferentes; recebe encomenda de obras de várias instituições e solistas.
1948 - Com câncer, é operado em Nova York, Estados Unidos.
1959 - Morre no Rio, a 17 de novembro.

*******

Fontes

- Museu Villa-Lobos
- Viva Villa! Arquivo Nacional
- Revista Life (Fotos de Villa-Lobos)

.

Exibições: 1224

Comentário de Cabocla em 14 novembro 2009 às 21:20
Comentário de Cabocla em 14 novembro 2009 às 21:21
Comentário de Marise em 14 novembro 2009 às 21:46
Helô como sempre, nos informando e fazendo com que aprendamos mais sobre Villa Lobos.
Beijo
Comentário de Helô em 14 novembro 2009 às 23:13
Meninas!
Ótimos vídeos vocês colocaram. Gostei de saber mais sobre o Villa na entrevista do Estadão e adorei ver como anda a exposição, que ainda irei visitar.
Obrigada.
Beijos.
Comentário de Cafu em 14 novembro 2009 às 23:35
Muito bom este levantamento. Melhor ainda saber que o Rio homenageia o nosso compositor maior com uma belíssima exposição. Pelo visto, a programação está de primeira e à altura do riquíssimo legado que o Villa deixou para a cultura brasileira.
As fotos do post estão maravilhosas!
Que bom a sortuda vai poder visitar. Aproveite por todos nós que não poderemos ir.
Beijos e ótimos momentos com o Villa no Rio.
Comentário de Zé Via de Regra em 14 novembro 2009 às 23:38
Olha,

Chagall depois Villa Lobos, que até virou parque.
Olhar e ler e ouvir, fazer o quê?
Interessantíssimo o destaque sobre nacionalismo, era um movimento generalizado, desatrelar de influências francesas. França, Debussy, parece que uma viagem a Paris foi um ponto de virada, loura sabida! Que tal esmiuçar?

LIndo trabalho, maravilha dissonante.
Pétalas de rosa sobre pianos e violões.
Zouzou aprova!
Comentário de Sérgio Troncoso em 14 novembro 2009 às 23:40
Êsse é o maior em muitos sentidos. Viva Villa então garimpeira!
Comentário de Helô em 14 novembro 2009 às 23:42
Cafu
Ando feliz vendo um monte de iniciativas homenageando o nosso Villa. Ele merece e o Brasil também. Será que andamos mais nacionalistas?
Que tal a gente dar um rolé pelo Rio? Prometo que te levo para conhecer a Praça Tiradentes e o Cine Íris. De quebra, um almoço no Bar Luiz e uma visita à Biblioteca Nacional. Topas?
Beijos.
Comentário de Helô em 15 novembro 2009 às 0:22
Zouzou e Serjão
Volto amanhã pra conversar com vocês. Os zoinhos já estão ardendo.
Beijos.
Comentário de Laura Macedo em 15 novembro 2009 às 0:46
Helô,
Maravilha você trazer para o Portal todas as informações sobre a exposição, "Viva Villa", que a imprensa, de modo geral, já vinda noticiando parcialmente.
Parabéns pela ideia de condensar num só post, praticamente, todas as matérias de blog, vídeos, fotos, textos, grupo de discussão e links. Grata pela parte que me toca :-)
Esse post é para ser guardado, eternamente por todos nós, na mesma proporção de carinho que foi feito...
Super beijo.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço