O índice de abstenção na segunda etapa do Vestibular 2011 do Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) foi elevado, entre os candidatos que zeraram notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e foram chamados para as provas em cima da hora. De acordo com a universidade, 95% dos estudantes não compareceram aos locais de prova. Na noite de sábado, por meio de uma liminar, 3.326 candidatos ganharam novamente a chance de disputar uma vaga e foram avisados, a menos de 20 horas do início das provas. Desses convocados, 3.171 deveriam fazer provas neste domingo, mas 3.018 desistiram.

QUEM VAI RECOMPENSAR ESTES JOVENS? FERNANDO HADDAD?

Exibições: 295

Responder esta

Respostas a este tópico

 

Sr.

ALEXANDRE LEÃO,

 

Inépsia é a sua, amigo, por

não saber que FERNANDO HADDAD é

o melhor Ministro da Educação

das últimas décadas.

Ou você quer que chamemos

para o lugar o tucano

PAULO RENATO, o lobista das

Universidades privadas?

Por que você não joga a

responsabilidade no

Judiciário, que deu a sentença

em última hora?

 

Abraço,

 

Marco Nogueira

Marco,

 

Não defendo o Paulo Renato, ele não é apenas lobista, mas um inepto também. Mas o Fernando Haddad a partir do momento que se agarrou ao Ministério fazendo loby para ficar, deu um tiro no pé. Tem mais gente dentro do Ministério querendo que ele saia do que fora. Ou voce acha que toda esta trapalhada do ENEM e SISU foram coincidência?

Pensa...

alexandre,

tem gente no ministério querendo que haddad saia, na folha, na globo, na abril, e você aqui, não é mesmo?

 

haddad faz um excelente trabalho no ministério da educação, sobretudo porque tem sabido localizar os grandes estrangulamentos que povoavam a política educacional do país. naturalmente que nada, nada, se resolve de um dia para o outro, quando se acumulou tanta falta de investimento e falta de perspectiva para a educação.

 

as coisas mudaram e haddad tem sido um grande artíficie destas mudanças. daí que não consigo mais entender (ou melhor, eu entendo sim, e como entendo) porqque sacrificar o ministro, se problemas acontecem e são imediatamente resolvidos. naturalmente, sempre com algum prejuízo que podem e são reparados.

 

mas o interessante mesmo é que, de repente, no Brasil, os alunos que prestam exames se transformaram, todos, em sujeitos que só tem direitos. o mínimo que se espera de um aluno quando presta um exame de ingresso para a universidade é que ele saiba o tema de uma redação, que saiba onde colocar a resposta na folha que lhe é destinada, que saiba, pelo menos, alguns elementos gramaticais. ah, o aluno não sabe? erra? mas, expulsa o ministro!

há um erro técnico na folha de resposta de um exame? corrige o erro? garante o direito do aluno? não, exonera o ministro!

 

garantir o direito do aluno, diante de eventuais erros técnicos, garantir direito do aluno diante de um suposto erro de correção de uma prova, é coisa simples e corriqueira. mas paralisar a educação no Brasil, despedir o ministro, apenas porque um mocinho ou uma mocinha, ou um juiz (... e o alexandre magno) assim o desejam é demais da conta, não?

 

estas tapiocadas se repetem. se repetem. se repetem...

Luzete,

 

Voce conhece o Plano Nacional de Educação 2011-2020 que o Sr. Ministro Fernando Hadadd encaminhou ao Congresso em 16/12/2010?

Ainda bem que o PNE vai ser debatido na Comissão de Educação da Câmara e Senado e depois vai a Plenário de ambas as casas.

Exemplo:

Meta do PISA para 2021: 39 países já atingiram em 2099

Meta do IDEB para 2021: A rede de Educação Básica privada já atingiu em 2005.

E voce vem me dizer que o Ferando Hadadd é o melhor Ministro da Educação que já tivemos é proque só tivemos ineptos e incopententes que são os responsáveis pelos indices atuais de nossa educação

Isto é contentar com pouco, muito pouco. O Brasil merece mais. O povo brasileiro merece mais.

Não fui eu quem fez as Metas do PNE 2011-2020, mas participei da CONAE 2010 - Conferencia Nacional de Educação e te garanto que as Metas do PNE não são as que foram aprovadas pela CONAE. Fomos traidos pela Burocracia do MEC.

alexandre,

uma coisa é, a cada marola, a cada mau humor da imprensa (imprensa que todos nós conhecemos, não é mesmo?) querer despedir o ministro da educação e, outra coisa é discutir as metas previstas para o PISA e para o IDEB. E ser discutido pelo congresso nacional era um momento previsto do plano, não se trata de um "ainda bem"... estava previsto!

 

se algumas destas metas já foram atingidas por outros países (em 2099, você diz?! imagino que vc errou aqui na sua conta... será que despeço você?! ) ou, como você alega, por escolas privadas é, porque, você deve saber, são países que seguiram outra trajetória e que, por isto mesmo, o Brasil precisa correr atrás, ou são escolas cuja natureza do problema é COMPLETAMENTE DIFERENTE daquela enfrentada pela escola pública.

 

e, de qualquer modo, quais problemas que nas escolas privadas, mesmo neste nível de ensino (nível da educação básica) estariam já superados? você fala genericamente... do que você fala aqui?

 

onde ocorreu a traição da burocracia no que se refere as metas preconizadas nas conferência?

 

que a educação brasileira tem muiiiiiiiito a melhorar todo mundo sabe, mas que, na gestão de Haddad ele cometeu ousadias necessárias e imprimiu mudanças substantivas na educação ninguém ignora. talvez pague o preço destas ousadias, mas o ENEM, o PROUNI, a expansão das vagas nas universidade federais, além da criação de novas universidades públicas, as novas escolas de ensino tecnológico, a expansão de vagas nas escolas existentes, o fim do monopólio de algumas editoras (principalmente da abril) no fornecimento do livro didático foram desafios enfrentados e vitoriosos, ainda que correções devam ser feitas.

 

a valorização do professor e a melhor definição deste conceito de qualidade da educação, o olhar para a relação entre mercado de trabalho e o sentido da escola, são coisas que precisam avançar. e vão avançar. mas, paremos com esta historinha boba de querer mudar o ministro que muitos querem despedir muito mais por conta das suas virtudes, do que pelo seus defeitos. assim como fizeram com jango!

 

 

 

 

e veja como as coisas podem ser resolvidas com serenidade. e a notícia é do site que não podemos chamar de insuspeito, o G1:

 

O final da novela Enem 2010 foi feliz para o estudante paulista Luan Estrela Pietro, de 18 anos. Ele passou no curso de medicina da Universidade Federal do Rio Grande (Furg) após a divulgação dos candidatos aprovados pelo Sistema de Seleção Unificada (SiSU). Luan foi destaque em reportagem do G1 em novembro do ano passado, quando teve de preencher as questões do Enem de forma invertida por causa de falha de impressão na folha de respostas.

Na época, Luan chegou a ficar preocupado com uma possível eliminação no Enem por causa da falha de impressão. Ele entrou com pedido junto ao Ministério da Educação para que sua prova fosse corrigida com o gabarito invertido.

Por causa da falha da impressão, o MEC precisou realizar uma nova prova do Enem para mais de 9 mil candidatos no dia 15 de dezembro.

Pedido aceito, Luan tratou de levar a sério as outras etapas do processo. “Não tive problemas para me cadastrar no site do SiSU”, afirmou. “No domingo, assim que as inscrições foram abertas, consegui entrar e colocar as minhas opções.”

 

http://g1.globo.com/vestibular-e-educacao/noticia/2011/01/estudante...

 

 

Quer dizer que ele não é inepto,mas foi sabotado????

Os sistemas que permitem acesso ao Ministério da Educação estão dando problemas justamente porque nunca houve tanta gente podendo entrar na universidade pública brasileira. É ruim? É, claro! Podia ser pior? Muito! Podia ser como vem sendo desde os anos setenta (do regime militar) até o período "maravilhoso" do ministro Paulo Renato. Com esses não tinha pane, porque com esses não tinha procura! Aliás, com esses também não tinha tanta gente, nem tantos jornais "indignados".

 

Sou educador, há mais de vinte anos... Ver gente brigando para entrar no sistema educacional, para mim, é uma alegria. Ainda mais quando, no final, tudo se resolve a contento... Do ponto de vista do estudante, qualquer problema é uma "catástrofe". Do ponto de vista menos individualista, ou seja, do ponto de vista da nação... Parabéns Haddad! Nunca ninguém incluiu tantos na educação deste país, continue assim!

 

Agora: tem que conversar com o judiciário. Já que ele não ajuda a nação EM NADA que, pelo menos, não atrapalhe TANTO. Daqui dois dias cada prova de escola fundamental vai ter questões anuladas e datas trocadas por mandados judiciais de alunos, nos poupem!!!

Desculpe-me Sr. Alexandre, mas não há justiça em sua reclamação. Aliás, estamos vivendo uma perigosa ditadura da Justiça, que já está decidindo quem deve ou não ser operado com urgencia, quem deve ou não aplicar uma prova, quem deve ou não ter ou não ter direito, quem deve ou não respeitar as leis - êpa!!! Acho que está faltando bom senso e sobrando liminares... Não é bom senso paralisar um processo de seleção que envolve milhares de pessoas até por falhas no processo de inscrição. Se houver danos, cabe a reparação. Creio, humildemente, que aí deve atuar o judiciário... Não se justifica paralisar uma Nação inteira por problemas que afetem uma minoria, que terá, se comprovada a culpa do órgão envolvido, direito a uma reparação proporcional aos danos causados. Mal maior é a paralisação total. Os prejuizos materiais e morais acabam atingindo TODOS os envolvidos e não somente aqueles que foram afetados por uma falha ou uma pane. Quem decide prioridade médica, é o médico. Uma decisão judicial pode levar o médico a ter de "decretar a morte de alguém" ou "ser preso por não obedecer a uma ordem do juiz". O que fazer???
Estou vendo que ultimamente o poder judiciário é extremamente ágil para agir contra o estado, porém extremamente lento para agir contra a iniciativa privada. Se fosse tão ágil, teríamos telefônicas que operariam melhor, teríamos concessionárias de serviço público agindo de forma mais correta, mas me parece que há um viés ideológico em tudo isto, o público é ineficiente e age mal, já o privado é uma beleza.

o ENEM é a maior prova do gênero no mundo: cerca de 4 milhões de candidatos.
4 milhões de candidatos presentes e espalhados por 1700 cidades.

 

Na verdade o que xiste é uma campanha orquestrada,pela mídia,pelas elites e oposição para  desmoralizar o Enem,desmoralizar o ministro é um dos passos para alcançar este objetivo.

Atacar pequenas falhas,possíveis de acontecer em qualquer processo desta monta é uma maneira simples de não querer ver a importância do Enem para as classes menos favorecidas.Até nos países desenvolvidos onde existem processos parecidos com o Enem,como França e EUA,existem problemas.

O que esta incomodando esses setores da sociedade é que com o Enem,que esta sendo aprimorado a duras penas,veio pra ficar e dar oportunidade a estudantes sem condições financeiras para fazer diversos exames pelo Brasil afora,os interesses econômicos que estão sendo contrariados com o Enem são enormes ,pena que pessoas bem intencionadas e interessadas com a melhoria da educação no Brasil,façam a divulgação  de tais preconceitos e interesses,são interesses políticos e econômicos que estão por trás das criticas ao Enem,onde houver falhas que elas sejam corrigidas,onde houver incompetência que ela seja banida,o que não é possível é a cada falha,mínima que seja,queiramos crucificar aqueles que se esforçam por uma educação melhor,justa e democratica para o nosso país.

Se a justiça,principalmente a do Ceará,por que será??continuar agindo assim,teremos alunos entrando na justiça por que não foram com a cara do fiscal de provas e se sentiu prejudicado.

RSS

Publicidade

© 2022   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço