À primeira "vista" pode parecer um discussão boba.

Mas o fato é que se o homem não convencionasse insistir em que este "Deus" é masculino, possivelmente não haveria tanto preconceito, principalmente religioso, contra as mulheres.

E por que os homens temem tanto as mulheres a ponto de quase sempre tentar torná-las submissas, etc, etc... ?


Exibições: 1729

Responder esta

Respostas a este tópico

Tem um romance muito legal de Silvio Piresh, autor novo brasileiro. Chama "O Cristo Rosa". Trata da reencarnação no século XXI do espírito de Cristo em corpo feminino.

x-x-x-x-x-x

A pergunta de Gabriel é ótima. Por que os homens temem? Eu posso formular uma hipótese, mas não convicta (não tenho conhecimento suficiente para isso):

- os estados teocráticos do passado precisavam de reprodução (camponeses, soldados)

- bons resultados nisso dependiam de consolidação do patriarcado e de separação de papéis por gênero

- o papel do mando ficou com o gênero masculino, livre da imobilidade da gravidez (mas há registros de sociedades onde predominava o matriarcado.) Deus do monoteísmo ser masculino faz parte. Mas Zeus também era masculino...

- inventam-se razões para solidificar esse condicionamento. Um processo de muito longo prazo, cerca de 4 mil anos, que começou a ser desconstruído com o renascimento, iluminismo e a ascensão da burguesia.

- A invenção/descoberta da penicilina reduz a mortalidade feminina drasticamente. A urbanização e o paradigma de crescimento de produção (comum a socialismo e capitalismo) levam a drástica redução da fecundidade. Não há reação porque os recursos naturais são finitos.

Então acho que era mais a "sociedade" que temia a pouca reprodução. Esse temor não é mais necessário mas demora pra parte das pessoas enxergarem os mecanismos históricos de construção social de categorias.

José Mayo

Bíblia só existe uma. Talvez hajam muitas "bíblias", mas ao se discutir a Bíblia há de  faze-lo a partir da diegese biblica e não outra. Foi isso que eu disse e não outra coisa.

///Bíblia (do grego βίβλια, plural de βίβλιον, transl. bíblion, "rolo" ou "livro")[1][2] é o texto religioso de valor sagrado para o Cristianismo[3][4][5], em que a interpretação religiosa do motivo da existência do homem na Terra sob a perspectiva judaica é narrada por humanos. É considerada pela Igreja como divinamente inspirada.[2]///

Prezado, não ironizo a crença [ou não crença] de ninguém - mesmo que para mim seja um amontoado de asneiras.

Só não dá para analisar Freud usando as leis da fisica. O mesmo ocorre com os fatos do cristianismo.

Abs.

 

Meu caro, você parte do pressuposto de que a conversa gira em torno da Bíblia que você venera, assim, com maiúsculas. E eu parto da ideia de que existem muitas "bíblias"... não pode haver convergência; São coisas distintas. Contudo, e com todo o respeito que a tua crença me merece, prefiro a minha interpretação do assunto à tua e, mais, discuto a Bíblia sim, como eu quiser e sempre que eu quiser; não devo nada ao teu Deus, nem a você e a "boca" é minha. O que jamais faria, por educação e cortesia, é destratar você ou ferir a tua crença, ainda que, na minha escala de valores, certamente não valha tanto quanto você acha que deveria.

Saudações

“Céptico não significa aquele que duvida, mas aquele que investiga ou pesquisa, oposto àquele que afirma e pensa que descobriu.” Miguel de Unamuno

E ?

De fato, não saberia dizer onde "encaixa" essa informação sobre o "ceticismo", não estou discutindo fatos, e sim crenças. Estas, não necessitam confirmação, se dão, ou não se dão. Não sendo fatos, e não possuindo "realidade", valem tanto uma quanto a outra... ainda que não para a mesma pessoa.

Mas se vamos de fatos, fato é que nenhuma pessoa tem exatamente a mesma crença que a outra, mesmo que leiam a mesma "bíblia", ou a mesma Bíblia. Não posso, portanto, racionalmente, distinguir quem tem mais razão, dentre os que "pedem proteção" ao crucificado ou ao capeta; os dois suplicantes se confortam num "além", algo que não alcançam, não vêem e nem se manifesta, a não ser, muito excepcionalmente, pela transversal e aleatória "coincidência", que alguns chamam de "milagre", ou "graça", ou o que seja.

Saudações 

Mas se vamos de fatos, fato é que nenhuma pessoa tem exatamente a mesma crença que a outra, mesmo que leiam a mesma "bíblia", ou a mesma Bíblia.

E por aí  que se encaixa, José.

Principalmente quando sabemos que há diferentes versões da bíblia. Se ficarmos só em duas versões, a da Reforma e a Alexandrina, já teremos diferenças grandes.

Se juntarmos a isto as interpretações a que uma e outra se prestam, não é mesmo possível estabelecer um debate racional sobre o assunto.

E Deus criou primeiro o homem.

Já começa aí o preconceito ( se é que podemos chamar assim).

Não bastasse isso, inferiorizam a mulher escrevendo que fora "feita" a partir de uma costela do Adão.

E tem mais, para santificar o homem e engrandecê-lo, o colocam como inocente na estória e traído pela mulher (no caso Eva)

E quem seduziu Eva ?  Ora,  nada mais que um animal  cujo gênero é feminino.

E se formos usar a Bíblia como leitura exemplar, veremos em suas páginas algumas dezenas, talvez centenas de citações rebaixando as mulheres e as tornando submissas e inferiorizando-as, quando não, criaturas malignas e traidoras.  

E ao tomar conhecimento de outras religiões, notamos que muitas seguem o mesmo padrão em relação as mulheres.

Nas religioes politeístas isso é mais nuançado. No candomblé me parece que os orixás femininos têm tanta força quanto os masculinos, mas nao sou especialista no assunto, pode ser só impressao. 

Stella, ainda assim é uma perspectiva de homem... (rs, rs)

E se Deus for hermafrodita? Não seria conveniente?

RSS

Publicidade

© 2022   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço