Aliança com um bandido (Paulo Maluf) procurado pela Interpol ? Não! - ou existem divergências?

Pragmatismo tem limite. Aliança com um bandido (Paulo Maluf) procurado pela Interpol - não. Nem com ele nem com o PP. As forças populares possuem área de atuação nunca antes imaginada em todo o Brasil. Fazer uma aliança conservadora (conservadora ou criminosa?) para ganhar SP apenas enfraquece o projeto de Estado Social, desenvolvido pelo PT e seus aliados, no governo Lula e Dilma. Uma derrota em SP sem esta aliança nos dará mais força do que uma vitória consentida.
O depoimento de Agnelo na CPMI me encheu de orgulho: sua defesa política foi pautada por um conceito ético. Na primeira vitória de FHC, que o PSDB aliou-se com a direita, o filósofo e professor Gianotti, orientador do FHC, cunhou a expressão da Zona Cinzenta da Moralidade - que é este espaço das negocições meio lá meio cá. Dizia Gianotti que política não é jogo de xadrez, com regras claras. Tudo bem. Não é mesmo. Mas é um jogo que os velhos (no bom sentido) FILÓSOFOS como Sócrates, Platão e Aristóteles tinham claro: a busca do ser humano é o "sumo bem" e isto, diziam eles, se faz mediante o exercício da Políitica. Cada vez penso mais que a filosofia, a ética e a política começaram e terminaram na Grécia Antiga. A impressão que temos que depois disto só tivemos arremedos culturais e históricos, muito mal feito, das idéias desta turma (incluindo claro, Heraclito - que já sabia tudo da dialética).
Um projeto social e político precisa antes de mais ser verdadeiro também em seus instrumentos. Até que outra situação se apresente minha posição é claro: em política não negocio com bandidos Eventualmente em um sequestro preciso até negociar . Não é o caso. OU É. Sofremos um sequestro político e eu não estou sabendo.
Toda minha solidariedade a Erundina.

Frederico Drummond - professor de filosofia e filósofoso "freelancer".

Exibições: 961

Responder esta

Respostas a este tópico

Escrever só em maiúsculas corresponde a falar gritando na vida off-line. É indelicado com os leitores. 

Concordo com o financiamento público de campanha exclusivo. Agora, mandato único, me desculpe, é idéia de j*****. Aí mesmo é que os deputados desonestos teriam que "fazer a festa" em um único mandato. E a cada eleiçao, se tivesse havido bons deputados na anterior, nao poderíamos votar neles de novo, teríamos outra vez que correr o risco do desconhecido. 

Um outro agravante começar a pipocar em todo o Brasil alimentado pela maldita foto. O PT teve um crescimento muito grande nos últimos anos nos diversos municípios brasileiros. Boa parte deste crescimento com baixo ou nenhum compromisso ideológico. Os núcleos ideológicos de esquerda ainda constituiam uma resistência para alianças municipais mais conservadoras.
Parece, pelos e-mails que recebo, que houve um "LIBEROU GERAL", do tipo se o presidente Lula pode fazer estas alianças porque não podemos. Quem se der ao trabalho de olhar os jornais municipais vai poder entender esta onda que começa a se formar. O presidente do PT precisa urgente reestabelecer os parâmetros do Programa para alianças do partido.

As magníficas análises do assunto, da matéria continuan em, favor anotar:

http://blogln.ning.com/profiles/blogs/em-fric-o-granmatical-maluf-s...

Tá se rebolando de satisfaçao, né, seu troll? Por puro oportunismo. Porque, como o próprio Sérgio Guerra reconheceu, se fosse o PSDB que fizesse a aliança seria normal; afinal, já fizeram com o DEM... Argh! 

O pragmatismo, aliás, oportunismo PTista é longo e vem desde o período da eleição contra Collor. O PT vislumbrou um modo de chegar ao poder 'custe ao que custar', e chegou... e quer manter-se... e para manter-se fará qualquer coligação, pois o PT que está aí é o partido da ordem capitalista. Não há o que apostar nele. Aliás não há o que apostar em eleições burguesas, com regras burguesas, financiamento burgueses. Há que se apostar sim em Conselhos Populares Deliberativos em todas as áreas. O parlamento burguês da democracia representativa só representa os "donos do poder" (Raymundo Faoro).

A organização popular, de trabalhadores independentes de direções sindicalistas pelegas, URGE!!

O pragmatismo do PT na eleição "contra" ( só pode ser o 2º turno),  Collor o vencedor das eleições não pareceu muito eficaz.

Sem coligação num país com mais de 20 partidos? Ocorre, é o caso do PV/RJ, fica bem assim?

Qual partido que disputa eleições fora da ordem capitalista num país de economia capitalista?

O fim da democracia representativa, fim das organizações partidárias. Isso abole o poder econômico da burguesia? O golpe de 64 é um dos casos então paradoxais, fecharam o parlamento.  

Conselhos populares são estabelecidos nos períodos revolucionários. Historicamente são instituições antigas: 

  • Conselho de Anciões (70 anciãos no tempo de Moisés (Números 11:16-17)
  • Conselho dos Quinhentos (Gerontocrático), na Grécia antiga;
  • Conselhos Consultivos nas treze primeiras colônias britânicas na costa leste da América do Norte.
  • Conselhos Administrativos nas colônias, de Portugal (Séc. XII e XV)
  • Comuna de Paris (1870)
  • Sovietes Russos (1917-1921)
  • Comuna Spartacus, de Berlim (1919)
  • República dos Conselhos Operários, da Hungria (1919)
  • Räte alemães (década de 20)
  • Conselhos Operários de Turim, na Itália (1919 a 1920)
  • Comitês-governo espanhóis, durante a Revolução (1936 a 1939)
  • Teses de Pulacayo, na Bolívia (1946)
  • Conselhos de Autogestão, na Yugoslava (1950)
  • Conselhos Operários, na Alemanha (1953)
  • Revolução dos Conselhos, Hungria (1956)
  • Revolta Operária, na Polônia (1956 e 1970)
  • Solidarnosc, na Polônia (1980 e 1981)
  • Comuna de Shangai, na China (1966)
  • Revolução dos Conselhos, na Argélia (1962)
  • Primavera de Praga, Tchecoslováquia (1968)
  • Assembléia Popular, na Bolívia (1971)
  • Conselhos de Autogestão, de Gdansk (1981)
  • Conselho de Anciões (70 anciãos no tempo de Moisés (Números 11:16-17)
  • Conselho dos Quinhentos (Gerontocrático), na Grécia antiga;
  • Conselhos Consultivos nas treze primeiras colônias britânicas na costa leste da América do Norte.
  • Conselhos Administrativos nas colônias, de Portugal (Séc. XII e XV)
  • Comuna de Paris (1870)
  • Sovietes Russos (1917-1921)
  • Comuna Spartacus, de Berlim (1919)
  • República dos Conselhos Operários, da Hungria (1919)
  • Räte alemães (década de 20)
  • Conselhos Operários de Turim, na Itália (1919 a 1920)
  • Comitês-governo espanhóis, durante a Revolução (1936 a 1939)
  • Teses de Pulacayo, na Bolívia (1946)
  • Conselhos de Autogestão, na Yugoslava (1950)
  • Conselhos Operários, na Alemanha (1953)
  • Revolução dos Conselhos, Hungria (1956)
  • Revolta Operária, na Polônia (1956 e 1970)
  • Solidarnosc, na Polônia (1980 e 1981)
  • Comuna de Shangai, na China (1966)
  • Revolução dos Conselhos, na Argélia (1962)
  • Primavera de Praga, Tchecoslováquia (1968)
  • Assembléia Popular, na Bolívia (1971)
  • Conselhos de Autogestão, de Gdansk (1981)

Conclusão: não há diferença entre partidos de qualquer espécie, dentro desse ponto de vista. Nesse caso pragmatismo pode ser confundido com oportunismo de várias espécies. 

As tentativas que citas não invalidam a tese, só a reforçam. E o antigo não quer dizer superado, desatualizado, vide Relatividade Geral e Particular, Evolução pela seleção natural, Termodinâmica, Lei do Mínimo (Ecologia), Circunvolução dos Planetas, Teorema de Pitágoras... todas absolutamente antigas e... plausíveis.

Debate fora do Capitalismo não existe, evidente. O debate e a superação do sistema são feitos dentro dele e contra ele.

Não é porque experiências sociais foram derrotadas por grupos mais fortes e organizados que elas são invalidas.

Estamos sendo derrotados há pouco mais de 300 anos por este sistema, mas não quer dizer que sempre será assim.

A luta urge, é contínua e continua!

                                                  o debate nunca esteve tão dentro do capitalismo e dentro dele maNu [se] debate para sair do código gentilhomme DE onde saindo a luta continua desde o século 19 com um webertipo que maNu detesta mas não nega que separa pragmatismo de oportunismo assim desse jeito

a política, de modo geral, significa a luta pela conquista, pela influência, pelo governo do exercício do poder, que modernamente se concentra no Estado; o poder é a capacidade de impor a própria vontade, projetos, ideais e valores sobre e contra a vontade, projetos, ideais e valores dos outros

                                              o que o quê

a ética da responsabilidade diz respeito à articulação racional, coerente e consequente entre meios e fins, e exige que o agente político conheça e assuma integralmente a responsabilidade pelas previsíveis consequências de sua ação – é a ética adequada e ajustada para orientar a ação na esfera da política

                                  o que se dava no \animal/ faro político passa a se exercer no \racional/ preparo estratégico e o debate é será sobre estratégia em perspectiva de política moderna dentro do capital pensando na superação [na estratégia de superar] já superados códigos de honra e comportamentos morais de moral individual

                        maNu pensa que pensar e fechar com socialismo é pensar e fechar \pragmaticamente/ como socialista [sem fetiches nem vacas sagradas] atualizar o desatualizado desde cada ponto de chegada onde fica a linha de partida [ou do PARTIDO]

Vejam o que se passa no Egito, agora, milhões vão às ruas, o presidente é afastado e um grupo de pessoas continua manipulando.

O mundo tem evoluído; a mulher conseguiu ter direito ao voto, no Brasil, faz algumas décadas; porém, o poder, quase sempre, continua sob o controle de alguns que, depois, não aceitam transferi-lo, nem para os correlegionários. Acredito que o ser humano (nem todos, pois psicopatas exitem) continua desejando melhorar tudo isso. Agora, a cultura, os costumes, a indiferença (já como efeito) retardam a transformação. Aqui, no meu blog, publiquei MOVIMENTO POR UM PARTIDO que considero ser uma evolução, pois tem o objetivo de afastar a existência desses líderes eternos. Quem poderia afastar Quéopes, Quéfren ou Miquerinos, se até eram considerados divinos. Só uma divindade maior através de uma conspiração. Hoje, quem fala em rotatividade, democracia mais abrangente, mandato único é tratado como visionário, no sentido pejorativo. Até isso, já é um avanço, pois em épocas remotas eram tratados como agentes do SATAN e mais recentemente, como comunista, vermelho e outros termos que de tanto falarem mudou a semântica, passando a ter um sentido, também, pejorativo.
A maioria comenta, discute os problemas. No meu blog, estou discutindo o problema e apresentando a solução. Precisamos discutir a solução! A questão é que afeta interesses pessoais, de grupos, de partidos que só pensam nas coligações, no poder só pelo poder.

Erundina provou que somente temos um (um) corrupto na política do Brasil. No PT nenhum, talvez também no PSDB....

RSS

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço