Dia 1 de agosto - PROTESTO NACIONAL CONTRA A CORRUPÇÃO

Recebí em meu email uma convocação para um protesto nacional contra  a corrupção. Independente de preferências partidárias, ladrões existem em todos os lados. A ocasião e certeza da impunidade, levou o brasil para um patamar jamais visto. Popularizou a corrupção. Acredito que mais de 60% das cidades desse pais estão sendo saqueadas pelo grupo no poder. Posso estar errado, mas se for é para menos.

Achei boa a convocação porque era anômina. Assim não ha lider. Há uma idéia.

Alguem recebeu esse email?

Exibições: 1201

Responder esta

Respostas a este tópico

Emílio,

Te esqueceste de denunciar os 18 anos de corrupção do PSDB e aliados no governo de São Paulo. Sabes como é né! De Verônica Dantas, Verônica Serra, Paulo Preto, PCC a Zé Mané! 

Alexandre, pode confessar, nunca mais vc vai ver einstein com os mesmos olhos que via antes. Ficou a dúvida né? Fica também a da vale. Sera verdade? Tem lógica, ou não?

Se estivessemos em um pais de primeiro mundo, alguem ia preso. Aqui é o faz de conta. Vc sabe. Os mensaleiros, os dirceus, os paloccis.... etc ...etc. Denunciar o que todos sabem. Só tem um jeito.

Vamos para rua. Vamos salvar a dilma.

emilio, emilio, você sabe porque a galinha bota ovo?

Essa resposta deve ter alguma coisa com pinto, não é? Pegadinha.

Alexandre, vc tem cara de gente boa. Me simpatiso com vc.

Como assim, ''será verdade?''

Quer dizer, então, que seu negócio é vender ilações como se fossem fatos?

Tráfico sórdido, este.

É o que seus amigos entendem por ''construção do conhecimento''?

Quem é a ''turma'', fulano?

De onde você tira este monte de generalizações, que não se dá ao trabalho de justificar?

De quem ''a massa pobre desaculturada é instrumento de trabalho''? 
E que cazzo é isso de ''adeus boliva''?

E eu estou lá preocupado com a satisfação ou decepção do ''troll que escreve errado'', fulano?
Estou é convencido de que se trata de um (mau) personagem, que se acha no direito de dizer o que quer, mas não responde o que lhe perguntam.

Isso está fora das regras do forum, de qualquer forum de debates, sabia?

Ariston, a corrupção e a ineficiência são seculares no brasil. Isso todos sabemos. Mas a coisa aqui, e alhures, só muda quando a gente sai as ruas. Foi assim nas diretas, na saida o collor, etc.

A dilma esta precisando de ajuda. ela é refem. acredito que ela é bem intencionada, por isso, acho que é dever de todos nós, sem ideologia partidária, ajudá-la.

O jeito é sair as ruas. Um processo contínuo e duradouro. Povos nemos esclarecidos que os brasucas estão saindo e protestando nas praças.

Chega de corrupção.

 

Perfeito, o povo na rua, ameaça esvasiar as urnas eleitorais, o maior medo dos políticos.

O que está dito no texto abaixo sobre o jornal O Globo vale tb para certos comentaristas de direita que só querem trollar:

 

A resposta do MST para  O Globo é daquelas que merecem ser amplamente divulgadas. De tão boas, O Globo não publicou.

Por que a população não sai às ruas contra a corrupção?

19 de julho de 2011

 

Da Página do MST

O jornal O Globo publicou uma reportagem no domingo para questionar por que os brasileiros não saem às ruas para protestar contra a corrupção.

Para fazer a matéria, os repórteres Jaqueline Falcão e Marcus Vinicius Gomes entrevistaram os organizadores das manifestações de defesa dos direitos dos homossexuais e da legalização da maconha. E a Coordenação Nacional do MST.

A repórter Jaqueline Falcão enviou as perguntas por correio eletrônico, que foram respondidas pela integrante da coordenação do MST, Marina dos Santos, e enviadas na quinta-feira em torno das 18h, dentro do prazo.

A repórter até então interessada não entrou mais em contato. E a reportagem saiu só no domingo. E as respostas não foram aproveitadas.

Por que será?

Abaixo, leia as respostas da integrante da Coordenação Nacional do MST que não saíram em O Globo.

Por que o Brasil não sai às ruas contra a corrupção?

Arrisco uma tentativa de responder essa pergunta ampliando e diversificando o questionamento: por que o Brasil não sai às ruas para as questões políticas que definem os rumos do nosso país? O povo não saiu às ruas para protestar contra as privatizações – privataria – e a corrupção existente no governo FHC. Os casos foram numerosos – tanto é que substituiu-se o Procurador Geral da Republica pela figura do “Engavetador Geral da República”.

Não saiu às ruas quando o governo Lula liberou o plantio de sementes transgênicas, criou facilidades para o comércio de agrotóxicos e deu continuidade a uma política econômica que assegura lucros milionários ao sistema financeiro.

Os que querem que o povo vá as ruas para protestar contra o atual governo federal – ignorando a corrupção que viceja nos ninhos do tucanato – também querem ver o povo nas ruas, praças e campo fazendo política? Estão dispostos a chamar o povo para ir às ruas para exigir Reforma Agrária e Urbana, democratização dos meios de comunicação e a estatização do sistema financeiro?

O povo não é bobo. Não irá às ruas para atender ao chamado de alguns setores das elites porque sabe que a corrupção está entranhada na burguesia brasileira. Basta pedir a apuração e punição dos corruptores do setor privado junto ao estatal para que as vozes que se dizem combater a corrupção diminua, sensivelmente, em quantidade e intensidade.

Por que não vemos indignação contra a corrupção?

Há indignação sim. Mas essa indignação está, praticamente restrita à esfera individual, pessoal, de cada brasileiro. O poderio dos aparatos ideológicos do sistema e as políticas governamentais de cooptação, perseguição e repressão aos movimentos sociais, intensificadas nos governos neoliberais, fragilizaram os setores organizados da sociedade que tinham a capacidade de aglutinar a canalizar para as mobilizações populares as insatisfações que residem na esfera individual.

Esse cenário mudará. E povo voltará a fazer política nas ruas e, inclusive, para combater todas as práticas de corrupção, seja de que governo for. Quando isso ocorrer, alguns que querem ver o povo nas ruas agora assustados usarão seus azedos blogs para exigir que o povo seja tirado das ruas.

As multidões vão às ruas pela marcha da maconha, MST, Parada Gay…e por que não contra a corrupção?

Porque é preciso ter credibilidade junto ao povo para se fazer um chamamento popular. Ter o monopólio da mídia não é suficiente para determinar a vontade e ação do povo. Se fosse assim, os tucanos não perderiam uma eleição, o presidente Hugo Chávez não conseguiria mobilizar a multidão dos pobres em seu país e o governo Lula não terminaria seus dois mandatos com índices superiores a 80% de aprovação popular.

Os conluios de grupos partidários-políticos com a mídia, marcantes na legislação passada de estados importantes – como o de Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul – mostraram-se eficazes para sufocar as denúncias de corrupção naqueles governos. Mas foram ineficazes na tentativa de que o povo não tomasse conhecimento da existência da corrupção. Logo, a credibilidade de ambos, mídia e políticos, ficou abalada.

A sensação é de impunidade?

Sim, há uma sensação de impunidade. Alguns bancos já foram condenados devolver milhões de reais porque cobraram ilegalmente taxas dos seus usuários. Isso não é uma espécie de roubo? Além da devolução do dinheiro, os responsáveis não deveriam responder criminalmente? Já pensou se a moda pegar: o assaltante é preso já na saída do banco, e tudo resolve coma devolução do dinheiro roubado…

O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, em recente entrevista à Revista Piauí, disse abertamente: “em 2014, posso fazer a maldade que for. A maldade mais elástica, mais impensável, mais maquiavélica. Não dar credencial, proibir acesso, mudar horário de jogo. E sabe o que vai acontecer? Nada. Sabe por quê? Por que eu saio em 2015. E aí, acabou.(…) Só vou ficar preocupado, meu amor, quando sair no Jornal Nacional.”

Nada sintetiza melhor o sentimento de impunidade que sentem as elites brasileiras. Não temem e sentem um profundo desrespeito pelas instituições públicas. Teme apenas o poder de outro grupo privado com o qual mantêm estreitos vínculos, necessários para manter o controle sobre o futebol brasileiro.

São fatos como estes, dos bancos e do presidente da CBF – por coincidência, um dos bancos condenados a devolver o dinheiro dos usuários também financia a CBF – que acabam naturalizando a impunidade junto a população.

Anarquista, não dá para vc ler e resumir. esplicação do mst é fobra. Traduz-se : me da dinheiro púyblico. O mst não engana mais ninguem. Virou emprego. Quer cestas básicas, terras para arrendar, dinheiro para desinvadir, mato para vender madeira. O rainha ta milionário e cobra pedágio dos outros assentados. Pedágio proveniente de dinheiro público. Diz que para a causa. O movimento. E tem gente que acredita.

Tche guevara ja morreu, o sonho do socialismo voluntarista e romantico acabou. O último dos sonhadores, o chaves bufão, acordou para vida quando descobriu que no seu pais não poderia ser operado. Salvou a argentina mas esqueceu dos hospitais pátrios. No brasil todo munda saberia o que ele tem. queria, o infeliz, vir no sirio libanes. Teve que ir para cuba. Ou não tem nada e ta fazendo festa ou ta fudido. Operar em cuba?

 Mas corrupção não tem partido. A vilma ta precisando de ajuda. Todo dia será uma nova denûncia.

Alguém pode traduzir aí? A mistureba me fez cair os butiá dos bolsos.

RSS

Publicidade

© 2022   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço