Dilma está salvando os políticos. Vai virar um Jânio de saias ou chegará a 'estadista' ?

   Basta ouvir a voz das ruas: sem partidos ! Queremos governar das ruas !

   O contínuo e abissal afastamento das classes políticas das ruas é o motivo das manifestações. Elas nos conduzirão à anarquia ? Duvido muito. À uma ditadura ? Dificilmente. Mas, sem dúvida já temos uma 'guinada à direita' visível. 

   No entanto, não basta estar à direita para beneficiar-se dos movimentos populares, neste instante. Há uma repulsa à política e aos políticos.

   Notem: em duas semanas, todos os políticos deste país se calaram. A presidenta quebrou o silêncio. "Deu a cara para o povo bater". E fez mais. Reconhecendo que o cerne da questão é a descrença em tudo o que vem dos governos em todos os níveis, apresentou ao povo a reforma política. Uma constituinte restrita teria sido um sonho realizado - os constituintes não precisariam ter filiação partidária ! Poderíamos, no limite, excluir todos os membros do atual Congresso !! Não foi por menos que o apoio foi quase nulo...Dilma correu o risco de indispor-se com todos os partidos. Sua cartada foi, antes de tudo, corajosa !

     E o povo nas ruas - porque nem ao menos se manifestou a respeito ? Desinformação ? Despolitização ?    - Um mistério ainda.

      Ora, se alguma coisa pode trazer um mínimo de credibilidade aos políticos, esta coisa é a Reforma. Ela trará a Política de volta como tema de debate popular. A Reforma, portanto, é salvadora para a classe política. 

     No entanto, a Reforma ainda não chegou às ruas. E pode até ser plebiscitária contra a presidência, proibindo sua reeleição !  Como Dilma passará à História ? Como uma espécie de Jânio de saias, que perdeu o mandato (no caso a reeleição) em uma cartada política ou como uma estadista que colocou o país de volta no melhor rumo ?  

      Apostas na mesa. O tempo dirá quem venceu.

Exibições: 237

Responder esta

Respostas a este tópico

Epa, Jânio quis dar um golpe na democracia, para ditar sozinho o que ele entendia por governo, por acreditar que os milicos e empresários não aceitariam sua renúncia e que não admitiriam especialmente que o país fosse governado por Jango, herdeiro do trabalhismo de Getúlio.

Os "tolinhos" inventaram uma lorota. Quando o Congresso ( onde tinha teoricamente a maioria) lhe deu um tapa de encomenda, aceitando a renúncia, delirou com o discurso, no qual alegou que planejou voltar nos braços do povo.

Opa! a Dilma enxergou, entendeu, vivenciou.... Calma, o que ela está tentando fazer é uma limonada do limão que as ruas estão dando. Reforma política? Como? Pra que? Besteira, o que o povo quer, é honradez, é honestidade, é caráter, é transparência. O que o povo está dando é óleo de peroba para a cara de pau dos governantes, pra ver se essa súcia abre os olhos. Ai a Dilma vem com esse papo furado de reforma política e pior, trazer o que o PT aprovou em seu 3º congresso? Constituinte exclusiva? Plebiscitos...

Faça me um favor! né!...

Falou....

  Como eu escrevi: Uma constituinte restrita teria sido um sonho realizado - os constituintes não precisariam ter filiação partidária ! Poderíamos, no limite, excluir todos os membros do atual Congresso !! Não foi por menos que o apoio foi quase nulo...  

  Agora, que ninguém apoiou a Constituinte, tem que fazer limonada mesmo. Perdemos o bonde da história. Poderíamos ter passado tudo a limpo...

  Hoje, mais uma lei importante (muito importante !) foi aprovada:

 http://g1.globo.com/politica/noticia/2013/07/senado-aprova-punicao-...

Isto é outra sacanagem. Será que sempre hão de inverter a ordem das coisas? A empresa privada só tem capacidade de corromper quem se deixa levar por este caminho e isso já existe lei que puna. É só o servidor público denunciar os agentes que tenta lhe corromper. O que ocorre no entanto e na grande maioria das vezes, é o agente privado ser extorquido e na falta de opção entrar na farra. Com certeza isto ocorre em noventa por cento dos casos.

Não vamos dizer que os agentes privados são santos pressionados pelos demoniozinhos públicos, também não é assim. Mas a coisa é tão arraigada no seio do serviço publico, que do garí ao prefeito, do auxiliar administrativo ao governador, do auxiliar de serviços gerais ao deputado e senador, do motorista ao presidente da república é quase visto como normal esse tipo de procedimento. É o todo mundo faz.

Falou... 

   Fala sério !

    Você disse: " A empresa privada só tem capacidade de corromper quem se deixa levar por este caminho..."  

 Quer dizer que está certo tentar corromper ou se aproveitar de funcionários corruptos ?  E se o corruptor for a empresa, o culpado é só o servidor ? Se um servidor público propuser algo ilegal, não basta também ao empresário denunciar à polícia ?

   E, no que toca ao serviço público federal, sejamos justos: a CGU não perdoa nada ! É só ver quantos servidores públicos foram processados e demitidos pela CGU de uns anos pra cá. É preciso punir as empresas sim. Elas às vezes tem a corrupção como política de mercado. A lei que já permite torna-las inidôneas, impedindo a atuação em negócio públicos já se mostrou insuficiente.

    Se a corrupção é arraigada, ela é arraigada na sociedade. 

    Não é corrupção dar dinheiro ao guarda para não ser multado, alunos 'colarem' nas provas, pessoas  sonegarem impostos, aceitarem comprar sem nota...? Ou será que só servidores públicos fazem tudo isso  ?   

    

 

    

   

 

A Presidenta propôs o que seria o correto e o ideal para o país: uma Constituinte digna do nome, elaborada por uma Assembleia específica, não um "congresso constituinte" originou essa constituição atual, fortemente influenciada pela direita no movimento autointitulado "centrão", capitaneado por um certo "roberto jefferson" (com minúsculas, mesmo). Tomara que o Governo, na figura da Presidenta Dilma, consiga impor uma agenda melhor possível que possibilite todos os avanços que a sociedade mais esclarecida e descompromissada com a direita reacionária desejam, para o bem do nosso Brasil.

RSS

Publicidade

© 2021   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço