Nos últimos dias, a imprensa brasileira divulgou a notícia confirmando a denúncia feita pelo Greenpeace de que pessoas e animais da região de Caitité, na Bahia, estão tomando água contaminada por urânio!
O Instituto de Gestão de Águas e Clima (Ingá) do governo da Bahia divulgou, na semana passada, os resultados de amostras coletadas na área de influência direta da mina de urânio e da instalação da INB (Indústrias Nucleares Brasileiras) em Caetité. Em uma delas, a concentração de urânio na água está 5 vezes acima dos limites permitidos pela legislação brasileira.
A denúncia do Greenpeace foi resultado de meses de pesquisas e análises - e esse trabalho só foi possível graças ao apoio de pessoas como você!
Depois de sair de Caetité, o urânio vai para fora do Brasil para ser enriquecido e volta em forma de combustível para abastecer as usinas de Angra I e II. E, se depender do governo brasileiro, Angra III também. Veja aqui o ciclo completo do combustível nuclear.
Com esse caso, mostramos que os perigos e impactos da energia nuclear começam na mineração do urânio e culminam no lixo radioativo que sai das usinas nucleares de Angra dos Reis.
Vamos continuar lutando para manter as energias sujas, como a nuclear, fora da matriz energética brasileira. E contamos com o seu apoio. Junte-se a nós!
GREENPEACE..http://www.greenpeace.org/brasil/nuclear/ciclo-do-perigo

Será que não aprendemos com o desastre do Césio 137 em Goiás?? com tantas alternativas enegéticas sustentáveis e limpas não se justifica no momento atual retomar Angra III sob nenhuma ótica..o lixo atômico é uma questão que os países do primeiro mundo ainda nem conseguiram equacionar e provavelmente vão querer desepejar nos depósitos situados longe deles..se encontrarem urãnio em grande quantidade na Amazõnia o que será daquela riqueza e dos povos que lá habitam?? já somos os maiores exportadores do bem mais precioso do Planeta, a Água e agora exportamos urãnio e o compramos enriquecida na velha equação que alimenta o subdesenvolvimento: exporta matéria prima e importa produtos com valor agregado..
Caitité é uma região pobre da Bahia assim como tantas no nosso país e agora o povo de lá além das "misérias" históricas está contaminado num grau absurdo..não podemos repetir o erro da era JK que colocou nosso transporte sobre asfalto e quatro rodas sucateando as ferrovias e a cabotagem, o Loyde Brasileiro chegou a ser a segunda maior empresa marítima do mundo, matriz essa imposta pela indústria de petróleo e das montadoras multinacionais,,mais uma vez estamos decidindo o que seremos nos próximos 50 anos..

Exibições: 244

Responder esta

Respostas a este tópico

qual blog?
em que local vc postou lá seu comentário?
ok Moita, câmbio positivo e operante..kkkkkkkkkk
entendi, boa ideia não me passou isso..
o chefe hoje tirou folga a Ruiva tá na área
hehehe..insista e não desista..vc tem moral com o chefe..rs
Amigo, me desculpe mas alguns de seus argumentos não tem pé nem cabeça.

Césio 137? Existe alternativa pra isso?
Quais as alternativas para os procedimentos médicos nucleares?
Qual a alternativa pra ressonância magnética, tomografia e etc.?

O urânio brasileiro 'e enriquecido no Brasil mesmo. Sera este o único engano do artido?

Me preocupo com o ocorrido. Que as falhas sejam corrigidas.
Amigo vc leu com calma o artigo? o que quiz levantar é a questão da ausência de maiores e melhores controles do armazenamento do lixo atômico, mesmo nos países do primeiro mundo esse problemas não está resolvido..quantos aos equipamentos que vc cita são produtos do avanços da pesquisa científica necessárias ao progresso da humanidade,,eu falo de Energia Nuclear como matriz energética que além de perigosa e caríssima não me parece ser a melhor para um país com uma cesta tão variada..entendo que uma plano piloto para pesquisa é necessário mas não usinas nucleares a farta..
Celso, depois de Chernobyl, Three Miles Island do césio, além da insensatez de fazer-se usinas nucleares no meio das duas maiores cidades do Brasil, agora vemos o lobby nuclear vindo vender quinquilharia perigosa. O problema do Brasil não é a falta de energia, é a falta de bom senso para poupar a energia e também direcionar a situação para a maior eficiência energética. Somos excessivamente ineficientes, conheço gente que, mesmo num lugar fresco e sem perigo de assalto já entra no carro ligando o ar condicionado, como nos "edificios inteligentes" que o lobby nos vendeu, que só funcionam com eletricidade, mesmo em dias claros e frescos. A arquitetura brasileira pensa que estamos na Escandinávia. Sou arquiteto mas na minh escola a gente aprendia a projetar no meio ambiente, não a isolar as edificações. As fontes energéticas alternativas não tem o lobby das grandfes empreiteiras e dos vendedores da morte. O Brasil vai na contramão da história, como um país de idiotas. Ninguém deveria estar preparado para a energia nuclear antes de fazer tudo para não ter risco de desastre nuclear. Isso é pura palhaçada, incompetência e desonestidade.
Um abração.
Mas eu concordo com vc.

O Brasil não precisa de 23 usinas nucleares, porém, não pode abrir mão desta tecnologia.
Assim, temos que ter sempre algumas usinas em funcionamento.

Querendo ou não...
O Brasil não está preparado.

Como assim?


Como você citou o acidente em Goiás, não temos estrutura para tais realizações e muito menos estrutura administrativa. No Brasil, os detritos nucleares têm um destino repugnante e vergonhoso para um país como o nosso, para uma nação soberana como o Brasil é: expostos até mesmo em céu aberto!

Mas para nós é importante... importante tanto explorar a energia hidrelétrica, tanto como a nuclear, a eólica, térmica, feita a partir do carvão e, quem sabe num futuro próximo, a energia do hidrogênio. Ou apagões e crises de racionamento já bastam? Um país em expansão, uma economia emergente, pode ficar parado por falta de energia? Não.

RSS

Publicidade

© 2022   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço