Lembro bem da sensação de felicidade que experimentei em 2002... Lula lá!... Finalmente.
As expectativas eram muitas. A decepção com o primeiro governo "de esquerda" no Brasil, o deplorável FHC, era total. A sensação generalizada era de mais miséria, mais desemprego, a classe média arrochada, a economia um caos... Talvez o pior presidente do país, levando-se em consideração o apoio que teve, a popularidade inicial nas alturas. Foi fraco! Foi covarde! Foi vaidoso! Só deixou saudades numa minoria preconceituosa, que não aceitava o operário-analfabeto-nordestino como o novo presidente.

Massacrado pela mídia, pela oposição, com um ódio repleto de preconceitos e desprezo a um político, sem precedentes, Lula logo se viu no olho de vários furacões. Parecia fadado a um fracasso retumbante, à desmoralização total, à morte política. "Deixem o porco sangrar até as eleições" - teria dito um despeitado ex-presidente, feliz com a desgraça de seu sucessor.

E apesar das lambanças de seus ministros principais e outros petistas ilustres, Lula fez muita coisa, na minha opinião. Manteve um sangue-frio, uma postura democrática, conciliadora, nos piores momentos. Concordo com quem diz que se há o tal do "animal político", Lula se insere nesse contexto. E aplaudo sim, o operário-nordestino, sem cultura sim, mas com uma intuição política que para mim é simplesmente imbatível. Não vejo no Brasil ninguém como ele.

Ah!... - dirão muitos... - "mas ele usou esse talento natural primeiramente para não cair, em defesa própria, não do país!..."
E daí? E daí?!? Hipocrisia! Que político não coloca sua sobrevivência nessa selva que eles fazem parte, em primeiro lugar? A questão, é que Lula conseguiu governar o país, manter um programa mínimo pelo qual lutou sim, com unhas e dentes, melhorou a gestão pública, "achou" a Dilma e deu a ela praticamente carta branca, e o fato é que a mulherzinha é danada de boa nessa coisa de fazer a administração pública andar.
E fez o PAC, o bolsa-família, o pró-une, na minha opinião suas três maiores obras. Tudo isso, debaixo da chuva de esgoto que a mídia lhe jogava todos os dias sobre a cabeça. Veja, Globo, Estadão, Folha, todos o tratando com um desrespeito que nunca assistimos contra um presidente do Brasil, antes.

Lula manteve os juros altos? Manteve. Deu lucro bilionários aos bancos e especuladores? Sim. E creio que errou em ambas as decisões. Às vezes se aliou a bandidos, a canalhas? Sim! Mas não creio que tivesse outra saída política, após o evento mensalão... E tinha que garantir a governabilidade em seu segundo mandato, o primeiro tinha acabado de forma lamentável, o cheiro do "mensalão" ainda no ar...

Porque todo esse discurso? Apenas para dizer que discordo radicalmente dos que chamam Lula de farsante! Porque seu governo não foi "de esquerda". Sim, concordo com essa parte. Mas ele foi mais governo do que FHC, fez mais pelo país do que seu antecessor, liberou a Polícia Federal para investigar poderosos e ricos, gente que nunca havia tido uma batida policial em sua casa... Segundo o jornalista Bob Fernandes, ele garantiu a operação Satiagraha. E só isso, já é muito para o combate às várias máfias brasileiras, a do DD, talvez a pior delas...

Não sou petista, aliás, tenho um certo enjôo contra o pt e contra os petistas... - me perdoem, mas é verdade... - mas votei em Lula em 2002 (segundo turno, sempre que Ciro Gomes for candidato meu voto é dele) e 2006, e não me arrependo disso.
Lula errou a mão em alguns setores, como câmbio e juros. Mas criou empregos, lutou para o desenvolvimento do país, nos representou lá fora com dignidade, melhorou a imagem do Brasil, estimulou a luta contra a miséria e o preconceito. Está longe de ser um farsante.

Foi fraco às vezes? Sim. Mas não o vejo como covarde, mas excessivamente conciliador, pouco disposto a rixas, como eu mesmo defendi que mantivesse com o insano do Gilmar Mendes, quando "o chamou às falas". Hoje creio que trata-se mais dessa intuição do "animal-político" Lula, talvez ciente de que tudo o que essa oposição odiosa, e essa mídia de esgoto desejavam, era uma "briga-de-rua" entre o presidente e um obscuro sem futuro algum, como esse abjeto presidente do STF.

Escrevi isso algumas vezes, no Blog do Nassif. Talvez o que muitos de nós que "nos decepcionamos com ele" não aceitamos, é que LULA FEZ O MÁXIMO QUE PODIA, NAS CIRCUNSTÂNCIAS POLÍTICAS QUE ENVOLVERAM SEU GOVERNO, E DENTRO DE SUAS CARACTERÍSTICAS E LIMITES PESSOAIS. E se foi isso mesmo, podemos ser tão críticos, tão exigentes?

Será que Lula não foi apenas, humano...?-

Exibições: 425

Responder esta

Respostas a este tópico

Tenho profunda admiração pelo Lula.

Mas, tenho fortes discordância em relação a seu posicionamento.

O que mais admiro em Lula, que vou dizer também para a Maria Dirce, é exatamente sua capacidade de não por-se acima do PT. A sociedade quer fazê-lo a todo custo, mas Lula luta por manter-se dentro do partido. É isto o que nos mostrou o texto da Suely também. Lula, em evento em que estive, no Encontro Estadual de São Paulo, com mais de 2 mil participantes, em 2001, estava em campanha contra Eduardo Suplicy, pela indicação da vaga a Presidente da República. Lembro-me bem, em momento algum Lula desmereceu a decisão de Suplicy de disputar a indicação com ele, e tenho certeza, tivesse sido Suplicy vitorioso, Lula o apoiaria em campanha.

Esta atitude sóbria, de alguém que se subordina a um projeto coletivo é que o tornam a especialíssima pessoa que é. É isso que impede que Lula ataque o Gilmar Mendes. Ele, com certeza, tem os mesmos sentimentos que todos nós a este respeito. Mas, Lula sabe quais são seus limites constitucionais enquanto Presidente da República e respeita as três instituições: a Constituição da República, que está acima de todos, a Presidência da República, mantendo-a no seu limite constitucional, e a Presidência do STF, do qual pode discordar, mas não lhe compete tratar.

Até a lógica política de manutenção do Meirelles eu entendo, ainda que discorde fortemente dela. Entretanto, se eu quizesse o Super-Lula, acima do PT e das instituições, então iria revoltar-me com ele. Mas quero exatamente o Lula, que sabe que a história é maior do que todos nós e que a democracia se faz no plural.

Todos precisamos avançar, e para o avanço é que fazer o PT melhor do que é é que é necessário. POr isso, sou petista, crítico, mas engajado.

Abraço a todos.
Obrigado pelo apoio implícito. Não foi à tôa que nos demos bem, desde antes disso aqui - rs. Um abração, meu amigo !!!
Concordo plenamente com sa opinião.
Oi, Arkx
Estou com medo é de um retrocesso autoritário (nao por parte de Lula, deixe-se bem claro isso antes que as abelhas partam para novo delírio). Com a mídia e o STF que temos, se a crise bater bravo e Lula perder parte da popularidade, acho que o risco de golpe é real. Você viu a "última do STF" (segundo tópico do Blog do Nassif; nao vi o julgamento em questao)? Advogados nao podem ser postos sob suspeição. Já temos todas as leis criadas para impedir a investigação de quadrilhas, os procedimentos para coagir juízes e delegados da PF, o que mais ainda pode vir por aí?
Um abraço
AnaLú
Tadeu, não creio haver uma chance em um milhão de isso ocorrer! Graças a Deus! Abço.
Arkx,

Que teremos fortes mudanças em alguns anos, é inexorável. Toda a base da economia mundial está sendo modificada.

As eleições de 2010 serão das mais dificeis de todos os tempos. Ninguém terá a menor noção de em que mundo estará no governo.

Espero que a Dilma seja eleita, mas quero o Lula por perto. Ele terá que cumprir um forte papel de acompanhamento do novo governo, para exatamente trazer a força de mobilização para a segurança institucional do país.

Talvez Lula tenha que voltar a conduzir assembléias de cidadãos em defesa da democracia no país!
Boa, Edmar. Acho que esse é um papel essencial, e que o Lula seria uma pessoa indicada para exercer, dada a popularidade dele. Só tenho pena de que ele nao o exerça mais mesmo por agora; afinal, o fato dele ser o presidente nao o impede de, às vezes, se pronunciar para a nação. Mas, enfim, concordo com você que é ótimo que ele nao se ponha como "O Salvador", mas sim como um político de um partido. Um entre outros. E precisamos de mais "outros"...
Um abraço
Anarquista Lúcida
PS: vi agora que respondi meio "misturadamente" a 2 comentários seus diferentes; mas OK, o espírito da coisa é esse mesmo
Arkx, como você bem colocou, parcialmente já vivemos algumas dessas situações de que você fala, que, aliás, sao algumas das causas nao vistas da situação falimentar da escola pública. Mas acho que você exagera quando parece prever que o caldeirao vai explodir completamente de uma hora para outra; acho que vai só continuar explodindo aos poucos, talvez acelerando o ritmo um pouco. E, mais do que nunca, é preciso lucidez a respeito.
Um abraço
Anarquista Lúcida
Arkx, há um problema muito grave na sua colocação, que eu não consigo enxergar uma saída clara, a curto prazo. Vou explicar: Concordo com tudo o que você disse, de verdade... MAS NÃO EXISTEM PARTIDOS SÓLIDOS E COERENTES, NO BRASIL !!! Há uns doze anos, temos quatro partidos fortes: PT - que foi obrigado a mudar muito quando se fez poder, e nunca mais poderá erguer a bandeira do "único Partido que...." - é um partido bom, cheio de quadros interessantes, mas rachado, grande parte ainda se submete ao que o Zé Dirceu determina, e passa uma certa insegurança, sobre como seria um novo governo seu, pós-Lula... PMDB - não há o que dizer... totalmente fisiológico, MAS NINGUÉM GOVERNA SEM ELES. Como sair dessa sinuca, é a primeira questão séria do novo Governo. DEM - obviamente muito mais fraco que há dez anos atrás, mas ainda incomoda por tudo o que sabemos. PSDB - vem forte com o Serra, a vitória do Kassab deu um certo fôlego a ele, não? Mas tem o Aécio... Vai aceitar????

Enfim, não tenho ainda pensamentos claros, sobre como nós, sociedade civil, não engajados oficialmente em Partidos, podemos nos organizar melhor, para propor, debater, pressionar, participar mais do nosso próprio destino.... Outro dia fiquei feliz, por ver a repercussão no Blog, daquele famoso post do Nassif, sobre o "acordão" Veja-Lula... O Tarso não teria respondido a qualquer um... Mas a força do blog não está só no Nassif, está justamente na união da credibilidade dele, com a nossa participação... Mas é pouco, não? Enfim, Arkx, temo que em 2010, seja Serra, Ciro, Dilma ou Aécio, teremos mais um governo, em que UMA PESSOA estará mais uma vez em julgamento, não um Partido sólido, um programa, um grupo de pessoas... Porque - e nisso eu acho que o Lula fez um bom governo... - mesmo agora, que vemos um Tarso, uma Dilma, e algumas outras pessoas se destacando no Governo, mesmo agora que se percebe que há uma equipe trabalhando duro pelo Brasil, ainda falamos em "Governo Lula" como "o governo DO LULA", E NÃO DE UM GRUPO. Talvez seja nossa cultura, de exagerar no papel de UM homem. Na verdade, não vejo um mal irreparável nisso, se "esse homem", seja lá quem for, souber aglutinar, delegar, e chamar a sociedade para as mudanças ainda necessárias. Lula fez isso, eu creio, mas apenas parcialmente. como aumentarmos esse grau de participação social, um engajamento mais sério do funcionalismo público, um ideal para um país melhor...?

Abço.
Eduardo, eu não vejo como a sociedade brasileira possa, neste momento, influenciar diretamente os governos estaduais ou o governo federal. Por enquanto, nos dois níveis de governo citado nós só podemos votar e torcer. No governo municipal, no entanto, já está na hora de tomarmos consciência de que temos que participar da vida pública de nossa cidade. Para mudarmos a política temos que criticar mas também propor, e para isso é necessário interagirmos com a política, no caso, a municipal. Imagine que uma cidade como Taubaté-SP, onde moro, de quase 300 mil habitantes, delegue a 15 pessoas (14 vereadores e 1 prefeito) a missão de elaborar todos os projetos e leis para o bom funcionamento dela; É muito pouco! Desses quase 300 mil munícipes, quantos não têm a solução para os problemas que eles próprios sofrem no dia-a-dia? Debatemos os gastos do governo dos Estados Unidos mas não debatemos o custo de cada vereador para nossas cidades ou sua real necessidade. Um ideal para um país melhor pode bem começar com um ideal para uma cidade melhor.

Valeu!
Tem razão, Pedro. Nós que moramos nas grandes capitais, talvez nem pensemos muito nisso, da coisa começar pela nossa cidade, acho que temos a visão errada de que não adianta fazer nada, que não temos os meios para essa participação... Mas outro dia, vi uma reportagem, não lembro em que emissora e qual era o município, onde os cidadãos formaram uma espécie de comitê, que fiscalizava e exigia explicações de cada centavo gasto pela prefeitura. Integraram-se, na prática, à administração do seu município. Hoje temos os tribunais de contas, municipais ou estaduais, órgãos repletos de apadrinhados dos governantes, para aprovarem as contas, fiscalizarem, etc. etc. - um sistema obviamente cheio de vícios, mais parece uma grande farsa, e paga com nosso dinheiro. Talvez se em cada cidade um comitê semelhante fosse montado, e pessoas sérias, que colocassem a honestidade, a transparência, acima de paixões partidárias, entrassem nesse mundo escuro do dinheiro público, e começassem a denunciar, gritar, pressionar, exigir, as coisas mudassem para melhor. Mas eu, por exemplo, nem saberia por onde começar... Como aglutinar pessoas interessadas num projeto assim? Qual a legalidade, a força de ação concreta desses comitês? Como ter acesso ao orçamento, aos gastos, às notas fiscais, aos compradores, os gestores, só para citar um exemplo, dos hospitais, pelo menos aqui no Rio fonte inesgotável de corrupção e atuação de máfias, inclusive com assassinato de médicos que as desafiaram?
Mas é uma idéia extremamente válida, sedutora... Gostei tanto, - rs - que me recrimino por não ter pensado nisso antes. Vou abrir um post sobre o assunto!
Obrigado, e parabéns!!
Tadeu, acabei de abrir um post sobre o assunto, tamanho interesse o comentário do Pedro me despertou!! Pode detalahr essa experiência para nós, lá? Obrigado, e um abço!!

RSS

Publicidade

© 2022   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço