MARCO MAIA INSTALA TRÊS CPIs. E NADA DA PRIVATARIA TUCANA!

O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-SP) autorizou no dia 03/02 a instalação de três das cinco CPIs que poderão funcionar simultaneamente. tratarão de tráfico de pessoas; exploração sexual de menores; e do trabalho escravo.

Restam apenas duas CPIs passíveis de instalação neste ano. Com a costumeira prorrogação das CPIs, e o período eleitoral que paralisa o Congresso no segundo semestre, se a CPI da Privataria Tucana, requerida por Prtotógenes Queiroz e outros quase 200 parlamentares, poderá ficar para as calendas ou ser arquivada antes de nascer.

A mídia fez silêncio sobre as CPIs autorizadas. O Carnaval vem aí, para completar a alienação. Caso a CPI da Privataria não seja instalada nesta semana, nas próximas horas, o assunto estará morto. deve haver um acordão para esta "operação-abafa" com a participação do Governo Dilma e do PT. 

É preciso pressionarmos agora, hoje, o presidente da Câmara e demais deputados, para que a impunidade não vença mais uma vez. Depois não adiantará lamentarmos e fazermos discursos contra a corrupção...

Exibições: 1223

Responder esta

Respostas a este tópico

De qualquer jeito está errado, não acha Marco? Nem o PT deve chantagear a oposição, nem o contrário - pelo menos isso não atende ao interesse público. 

O crime é tão grande, de lesa-Pátria, que precisamos apurá-lo, doa a quem doer. Ou locupletemo-nos todos...

Antônio, com todo respeito, mas essa sua fala tem grande probabilidade de  provocar mais um bafafá. Daqui a pouco esse Portal implode, estará todo mundo brigado com todo mundo, ou abandonando o Portal. Vamos discutir posiçoes, e nao ficar cobrando uns aos outros? Veemência tudo bem, mas... 

Perfeita a sua crítica, corrigi a tempo. 

O problema de um brasileiro com 56 anos de idade e 90 de jornalismo é querer ver o futuro. Ou seja: ansiedade braba...rsrsrs

Obrigado, e ânimo, profa!!!!

Marco, meu amigo, desculpe-me pelo linguajar que nem é meu, e muito menos você merece. 

Minha irritação é por ver a alta corrupção consertar-se de novo, enquanto nós ficamos discutindo o futuro desejável. 

As coisas em Brasília eram assim em 1962, em 1980 (quando eu trabalhei na Câmara), em 1980 e serão em 2079. É justamente por saber o mecanismo regimental das CPIs que hoje dei este alerta geral: são 5 vagas, 3 já estão preenchidas! 

Veja, querido amigo, não acho periférico inestigar-se a venda de partes do subsolo que valem 1.000 vezes mais do que foi pago. Nem é periférico (nem prá mim, que tenho meia vida na Holanda) que o pré-sal vire Petrobrax. 

Vc entendeu meu ponto de vista? No mundo globalizado, todos são nacionalistas. E para que o Brasil seja forte, é necessário ser nacionalista, dominar suas riquezas, negociar com soberania. Quem doa o patrimônio do povo vende a própria independência. Não creio que isso seja periférico: é postura de Nação.

Perdão por meus excessos, vou apagá-los agora. Abraços!

Marco, reforma política só com uma Constituinte independente do Congresso, eleita por prazo determinado, sem partidos, etc. Ou seja: never...rsrs

O Congresso Nacional não faz, não fez e não fará qualquer reforma. Político pode ser burro, mas não é suicida. Qualquer mudança tem que ser arrancada pelo povo, na pressão mesmo, cercando a casa do nosso querido deputado, amistosamente, para dizer-lhe que ou obedece ao povo ou...vai morar em Miami. 

Conheço alguns casos, por isso ouso propor.

Sinais claros de que a política de verdade está transbordando do Congresso para outras bandas...

Humm. Pode ser. Já vi esse filme, e nao gostei do final. 

Amigos(as): reproduzi o texto do Paulo Henrique Amorim de hoje (13/02), que confirma nossas preocupações. Como ficou lá na última página, peço licença ao amigo MARCO para usar este espaço, mais visível para quem visita o tópico: 

CPI da Privataria: 
Maia subiu no telhado

Publicado em 13/02/2012



O passarinho pousou na janela lá de casa e trouxe no bico um recado palaciano.

CPI da Privataria ? 

Manda bala.

Ainda mais agora que os tucanos querem dizer que acabou o Fla-Flu.

Não acabou, não.

Vamos peitar a Privataria deles, como na eleição de 2010.

O passarinho bateu asas e voou.

Aí, veio outro passarinho.

Trazia no bico um recado de outro prédio, ali ao lado, o prédio do Congresso.

Dizia assim o recado.

O Marco Maia quer tirar o corpo fora.

Diz que uma coisa é conseguir as assinaturas regimentais para instalar a CPI.

Outra, instalar.

Para instalar, ele exige uma mega-mobilização de opinião pública.

Alguma coisa assim como na Grécia – deve ser.

É a mesma mega-mobilização que o Bernardo disse que precisa haver para enviar uma Ley de Medios ao Congresso.

É assim, agora, o PT do Maia e do Bernardo.

Só se mexe minutos antes de o Palácio de Inverno cair.

Disse o segundo passarinho, mais loquaz, que o novo líder do PT, o Jilmar Tatto, não morre de amores pela CPI da Privataria.

De um lado, João Paulo Cunha, do PT de São Paulo, luta para instalar a CPI.

Do outro, Tatto revelou-se menos entusiasmado.

O que parece certo, porém, é que o deputado Marco Maia não parece gostar muito de ser deputado federal.

É que o eleitorado do Rio Grande do Sul acompanha bem esse movimento em torno da Privataria.

Lá, o livro do Amaury vendeu como pão. 

É por aí! O PT anda muito quietinho em relação ao assunto.

Mas Antônio, depois do Carnaval nao seria melhor? Durante o Carnaval, ninguém pensa em outra coisa... 

Só temo que o Maia esgote as cinco CPIs nesta semana, pois há muitos requerimentos no mesmo sentido sobre outros temas. 

Como pessoal está acostumado a aprovar aumentos de seus salários e outras medidas impopulares de madrugada e perto do Natal, Ano Novo, pode ser que a tática se repita. 

E estranho que ninguém tenha atentado para essas três já aprovadas, você sabia delas? Eu tb pensava que isso seria feito só depois do Carnaval, mas estão com pressa de trabalhar...

Houve um tópico no LNO que falava disso, mas que interpretou no sentido de Marco manter a oposiçao na mao. 

RSS

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço