Medicina: e a vítima ainda precisa compadecer-se do algoz!

Convém dizê-lo muito claramente: os serviços médicos, no Brasil, são muito ruins para os que não os podem pagar aos bons profissionais, que não mantém qualquer relação com o Estado.

Os restantes, públicos, semi-públicos ou prestados por meio de seguros e planos de saúde são ruins e caros. A parte evidente do problema é falta de dinheiro e de rigor, embora nossa forma distorcida de ver insista em bobagens laterais como defeitos de gestão e outras coisas mais subjetivas.

O custo elevado explica-se, basicamente, por duas coisas: 1 – equipamentos e procedimentos caros, muitas vezes desnecessários, que precisam ser remunerados; e 2 – escassez de médicos, ou seja, pouca oferta de profissionais em relação à demanda pelos serviços.

O preço de um serviço não escapa da lei básica de procura e oferta. Há poucos médicos e profundamente mal distribuídos no território do país, ao tempo em que há muitos doentes. Assim, podem cobrar caro pelo trabalho; é compreensível que assim seja.

Condicionar a prestação de um serviço essencial a remunerações altas ou muito altas é uma chantagem que se pode fazer e não há no termo chantagem um conteúdo moral ou axiológico, é apenas o nome da postura. Já se faz e tem grande êxito para um dos lados, o dos prestadores do serviço.

Os usuários dos serviços público e semi-público nunca estiveram bem, sempre foram mal atendidos e sempre viram claramente que a pobreza não pune duplamente, senão infinitamente. O que têm a perder é pouco, porque só se perde o que já se teve.

Acontece que ao absurdo costumam-se ajuntar mais absurdidades, porque nada está tão ruim que não possa piorar. À situação objetiva de mau atendimento a preços elevados, acrescenta-se um discurso piedoso dos médicos, que pedem à doente sociedade não apenas que lhes pague bem, mas que compre seu discurso, que se apiede dessa classe de filantropos, de abnegados.

A lógica da justificação moral faz dessas obras, ela não se contenta com subjugar objetivamente, ela pretende que a servidão seja voluntária, de corpo e alma, sincera, bovinamente mansa. O sujeito que vê um filho morrer em um hospital público tem que antes chorar algumas lágrimas para o coitado do médico que, infeliz, tem que ter três empregos para poder custear as prestações de um Range Rover de R$ 400.000,00.

A vítima tem que se apiedar do algoz, antes de pensar em si mesma. Ou seja, ela tem que imbecilizar-se a ponto de abstrair-se e mergulhar na servidão ampla, aquela que entrega tudo, o corpo, a força de trabalho, a capacidade crítica, a percepção da realidade, a percepção de si. Não basta sucumbir, tem que sucumbir dizendo que assim quis.

Essa lógica da justificação percebe-se, por exemplo, na imprensa, que não pode deixar de tratar do assunto da má prestação de serviços de saúde, pública e semi-pública. Ao invés de tratar do assunto com objetividade e considerando o interesse público e dos usuários, trilha o caminho das névoas.

O cerne de quase todas as matérias jornalísticas não está no serviço, está nos interesses dos prestadores dele, seja dos administradores públicos, seja dos médicos. Faz-se uma confusão dramática, escandalosa, meio histérica, mas o viés não é de abordar-se a coisa objetivamente.

Leio um jornal que dedicou três páginas ao assunto, muitas delas repletas de lamentos de médicos, que têm que ter muitos empregos para viverem. Se fosse jornalismo sério, diria para viverem de que maneira os médicos trabalham em mais de um serviço e de que maneira vive a população que recorre a tais serviços. Jornalismo é comparação, também.

Se fosse jornalismo sério, dir-se-ia que ter muitos empregos, em larga margem dos casos, é simplesmente ilegal, porque os horários formais são incompatíveis. Só são materialmente compatíveis porque os médicos não cumprem os horários formalmente contratados.

Se fosse jornalismo sério diria que muitos médicos professores de instituições federais de ensino aderiram ao regime da dedicação exclusiva, voluntariamente, porque este regime é facultativo e paga mais. E que o optante pela docência exclusiva não pode desenvolver qualquer outra atividade, embora isso seja solenemente ignorado e conte com a ampla complacência.

Mas, praticamente não há jornalismo sério, porque ele atende aos interesses dominantes, é claro.

Exibições: 73

Responder esta

Respostas a este tópico

 

           O problema da saúde, não é só no Brasil, mas também em outras partes do mundo. (Alias, sei pouco da realidade brasileira). Mas em termos gerais, trata-se de uma questão que deve ser analisada sob diversos pontos de vista e é logico que se trata de uma matéria muito complexa, como tal só deixo duas ideias essenciais: segundo um critério económico - a lei de oferta e procura - os médicos deviam ser distribuidos pelas áreas em que existissem falta de médicos e não apenas ficarem nas zonas do litoral, onde normalmente a vida é mais facil e serem pagos de forma equivalente a outras profissoes que exigem estudo e dedicação. Quanto ao regime das incompatibilidades, o mesmo deveria ser fiscalizado pelas hierarquias, pois não se pode estar em dois lugares ao mesmo tempo; e, os doentes deveriam ter acesso à saúde independentemente da sua situação economica, em qualquer instituição pública ou privado, sendo certo que quem tem maior poder de compra não deve beneficiar de sistema de saúde gratuito.

 Só assim se salvaguarda a dignidade da pessoa humana, num Estado de Direito. Como só assim, se dignifica as profissões.

   Há também que questionar qual o papel da industria farmaceutica... ( grande parte dos custo da saúde derivam do preço elevado dos medicamentos)

 

           Um abraço

  

 

Vanda,

 

Sigo seus apontamentos. A despeito dos aspectos objetivos, ou mercadológicos, como preferem uns, há que se considerar que saúde é bastante diferente de outros serviços.

Há um sistema de complacências que tem uma imensa inércia social. É difícil desmontá-lo e a imprensa não ajuda.

E a imprensa pauta a maior parte da opinião pública, que fica gritando coisas desconexas e passa ao largo dos pontos essenciais.

A cumplicidade social é uma força muito poderosa. O caso dos médicos que trabalham em três, quatro, cinco, seis empregos conta com a cumplicidade social, porque é óbvia a impossibilidade material que todos conhecem.

 

 

     Com todo o respeito, vou expressar a ideia com que fiquei com o artigo que acabei de ler. E já reparei que é opnião de mais pessoas. Acontece que a razão que leva o médico a trabalhar em vários sitios é a falta de fiscalização. A fiscalização é da competência do membro do Governo responsável pela área da Saúde. Não se pode atribuir a imprensa,a força que ela não tem. A impressa tem o poder de divulgar, e a comunidade aproveita os beneficios ou prejuizos que possam derivar da divulgação de qualquer facto. Mas, não tem competência para obrigar os médicos a serem correctos, a terem princípios profissionais e respeitar a lei das incompatibilidades. Quem tem que fazer cumprir a lei é um outro serviço do Estado - órgão que tem competencias proprias - A Inspecção. A imprensa apenas pode divulgar. Mas o serviço de fiscalização é sempre um serviço que deve observar o princípio da legalidade. 

            Cumprimentos,

RSS

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço