Nassif, Nassif, não seguistes as recomendações da minha avó...

Como sempre dizia a minha avó:

- Não desprezes amores velhos, por novos que vão surgir, os novos se vão embora e os velhos voltam a servir.

Aqui o Portal Luis Nassif, não está fora do ar, já as Brasilianas....

Exibições: 1349

Responder esta

Respostas a este tópico

A mesmice nos assuntos e a monotonia da falta de debates também têm me deixado meio apático. Sinto falta dos velhos companheiros.

Dos velhos, mas poderiam ser novos tb. O que chateia é a falta de debates, e a onda de "comentaristas" completamente narcísicos e sem noçao que ficam se repetindo, criando vários tópicos em seguida que só interessam a eles mesmos. 

Exato, AnaLu, éssa é a questão... O narcisismo e a acolhida inamistosa que muitos, agora poucos, costumam ter aos comentários e às críticas; Ninguém gosta de ser recebido com "pedradas", quando apenas tenta participar de uma "conversa".

Acho que qualquer um, na web, tem que estar preparado para receber críticas, mordazes ou nao. Desde que nao haja baixarias. A acolhida que cada um recebe depende muito daquilo que msotra nos comentários feitos; se alguém acha que uma crítica foi injusta, pode rebatê-la, em vez de ficar cheio de melindres, como se tivesse algum direito a ser recebido com elogios e flores. Agora, concordo com você que baixarias, ataques de narcisismo, ofensas, etc. sao altamente perniciosos. 

O problema é que está se criando uma cultura em que crítica a opiniões ou posturas políticas está sendo tomada como uma crítica a pessoa. Parece que a imagem do "brasileiro gentil" é confundida com a ausência de críticas.

.

Poderíamos até pensar que todos atuam numa má ética cliente-fornecedor, ou seja, se não estás satisfeito simplesmente não compre e não consuma.

.

Agora podemos também tentar uma postura mais leve em termos de estrutura de crítica, criticando a fundo, porém sem cairmos em intolerâncias e respostas curtas e ríspidas. Estas afastam várias pessoas, que estão preparadas par ser contestadas mas não para levar "pedradas", como diria o comandante Che:

.

"Hay que endurecerse sin perder jamas la ternura."

Bom, o que é ou nao uma "pedrada" depende muito, por um lado, da "sensibilidade" da pele (e do grau de narcisismo...) de quem recebe a crítica, e, por outro, do temperamento de quem a faz. A gente pode achar que o grau de uma e outro poderiam ser diferentes (sempre no caso de outras pessoas, claro...), mas isso tem tanta eficácia quanto a de achar que a Terra deveria ser quadrada: cada um é como é. Acho que há comportamentos inadmissíveis num grupo, e que estes devem ser coibidos (na medida do possível) pelas outras pessoas; mas, fora esses casos extremos, acho que nao adianta muito querer que os outros sejam diferentes do que sao, eles nao serao...

Quanto ao que você chama de "má ética" cliente-fornecedor, nao entendi por que seria uma má ética nao comprar e/ou nao consumir quando nao se está satisfeito; me parece um comportamente bastante razoável. Mas tb nao entendi muito como isso se aplicaria àquilo de que estamos falando. Acho razoável nao querer contato com pessoas que consideramos muito negativamente, se é disso que você está falando; isso é exatamente o que fazemos na vida off-line, em que só mantemos relaçoes com pessoas que nos pareçam ser agradáveis, ou pelo menos suportáveis. E aliás é uma boa alternativa a dar respostas muito cortantes a coisas que achamos horrorosas; só que nem sempre somos tao sábios assim, rs, rs.  

Ana Lú.

Má ética pois se posta somente como uma relação comercial, sem escutar os reclamos e vontades de ambas as partes. Partindo por uma explicação simplória, imagine tu tomando café da manhã todo dia numa padaria e de um dia para o outro o Galego elimina o sandwich de mortadela. Tu reclamas e ele diz, se não estás satisfeito vás comer na outra padaria!

Bom, nao acho aconselhável o procedimento do Galego (inclusive em termos comerciais), mas, dado o fato, eu iria comer na outra padaria (se houvesse uma por perto, claro).

Quando comento na web nao estou fazendo "trabalho social". Comento sobre assuntos que me interessam. Procuro colaborar com informaçoes que possam interessar outras pessoas comentando (ou lendo) no tópico, mas nao me acho obrigada a preencher "necessidades" de ninguém.   Respondo sobretudo ou quando acho o comentário ou texto a que respondo bons, merecendo complementos,  ou entao muito equivocados, merecendo correçao nem que seja só em nome de terceiros leitores. E sobretudo acho que só vale a pena responder ao autor diretamente se acho que ele está comentando de boa-fé (mesmo que eu nao concorde com o que diz), senao critico ou questiono sem me dirigir a ele, ou dando fora, sim, em alguns casos onde isso realmente cabe. 

Reação errada. Estarias perdendo a convivência com a Florisbela, a gentil atendente da padaria do Galego, estarias perdendo a mesa cativa que adquiriste o direito depois de 20 anos de café da manhã, e não lerias tranquilamente o teu jornal, comendo o fantástico sandwich de mortadela com bastante margarina.

Ou seja, há relações humanas, hábitos que fazem parte de nossa vida que só mesmo o proprietário desta (da vida, é claro) tem direito de abdicar.

Temos o direito de reclamar e outros tem obrigação de escutar, mesmo que seja para dizer um não.

Mas de qualquer forma estou escrevendo uma nova entrada para levar a diante o assunto, aguarde!

Tb. Euripedes, sinto saudades.

Caros

Meu sumiço dessas paragens tem a justificativa por fatos que gostaria não tivessem ocorridos, porem o que temos que passar por essa vida, haveremos de passar, e esta passando, com todos os percalços, como dizem os árabes, "maktub", acho que é mais ou menos isso, "estava escrito".

Meados do ano passado foram detectados linfomas generalizados nas áreas toraxica e pélvica, dá pra imaginar o choque, para uma pessoa que não tinha necessidade nem de analgésico para simples dores de cabeça, assim começou minha luta.

Final do mês de abril, recebi a noticia de que as atividades cancerígenas estão encerradas, sendo necessário os controles inicialmente trimestrais, semestrais, anuais conforme for se verificando a evolução da cura.

Nesse tempo, pude repensar tudo sobre a vida, sua brevidade, me indignar assim como todos, com jovens sadios se envenenando com drogas, enquanto milhares lutam pela vida, nas quimioterapias e radioterapias, e apesar do ceticismo da maioria de vocês, encontrar Deus, nas faces de cada pessoa que me ajudou nessa fase, minha esposa, mãe, sogra, filhas, enfermeiras, médicos, são tantos que relato aqui apenas para a demonstração de minha gratidão por tudo que por mim fizeram.

Quero registra que também de vez em quando entrava por aqui para ver os comentários, não tinha coragem nem "saco" para postar nada, também quero avisar ao Rogério que não deixo de visitar suas paginas no Engenheiro, assim como já estou me sentindo em "CNTP", reinicio meus pitacos, bem ligth.

Abraços a todos, muita saúde.

 

Sebastião, vamos em frente, pois como diria de novo a minha avó, porque atras vem gente.

Eu na minha vida já tive algumas vezes com alguns prognósticos bem sombrios, eles serviram não só para repensar algumas coisas como para relativizar outras, quando se passa por um evento como este, termina-se aproveitando bem melhor a vida daí por diante. Isto ocorre exatamente porque se começa a pensar em não perder, talvez não ganhar, mas certamente não perder.

De qualquer forma é mais um que dá o seu "PRESENTE"!

RSS

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço