(do cara Beto Ruschel que, quando fez esta fotinha,  pensou “Vão felizes, devagar, os dois em busca do que querem encontrar…”)

”As roupas de uma pessoa são notícias de seu interior.”

                                   ( Neli Dutra, na novela “O espelho”)

Um dia, pode que eu encontre ainda o livro em algum sebo. Sei pelo Google da existência de um exemplar numa universidade norte-americana.

O resto, é silêncio.

Pode que ainda me depare com minha mãe ainda jovem e escrevendo seriamente.  Mas guardo comigo o que ela simbolizou pra mim: no mínimo, curiosidade.

Ela chamava o que escrevia de “pataquadas lamurientas” e ia queimando, um a um,  seus escritos.  Exorcista catártica, figura, ela.

Pensava aqui nestas coisas, nas queimações que ela providenciava, e daqui de Minas fui pro terreiro da aldeia Kuikúru na frente da oca do Orlando Villas-Bôas.

Ele nos falava, eu com 16 anos e com a tarde caindo, sobre como alcançar o universo do pensamento indígena.

“Estava sentado observando uma índia brincando com sua filha pequena na beira do rio. As duas riam muito, foi isso que me chamou a atenção. Estavam ali já há muito tempo.

A brincadeira era assim: sob o olhar da indiazinha, a mãe juntava uma porção de argila nas mãos e começava a esculpir. Aos poucos, com penas, bico, rabo, pernas finas, aparecia uma galinha. Quando ficava pronta, a índia oferecia a galinha à sua filha. Ela pegava um pedaço de graveto grande e destruía a galinha a pauladas. Imolava o bicho e as duas morriam de rir.

Quando ela ali na minha frente fez a quarta galinha, fui até lá e perguntei porque, depois de tanto capricho com os detalhes, ela deixava a filha matar a galinha daquele jeito. Aproveitei e sugeri que ela fizesse uma galinha “menos galinha”, sem tantos detalhes e capricho.

Ela me olhou séria, ouviu minha explanação sobre a inutilidade da sua concentração artística.

Depois, sorriu e respondeu.

- Seu Orulando, se eu fizer assim, aí não é mais uma galinha de verdade!!!

Com a exatidão da resposta, a distância de um cosmos inteiro que havia entre meu pensamento e o dela, a sua mais que poética –  real clareza de seu raciocínio-, voltei para o meu posto de observação e continuei ouvindo as duas gargalhando por muito tempo mais.”

A Neli, mesmo quando chamava seus escritos com “pataquadas lamurientas”, sabia que os símbolos adoram esconder-se de quem não sabe procurá-los ou não tem interesse por eles.

Pataquadas são coisas sem importância, as lamurientas, então, menos importantes serão. Suas “galinhas”, as da Neli, por mais reais que fossem, não lhe pareciam suficientemente galináceas. Assim como, pra indiazinha e sua mãe, a única galinha verdadeira era aquela que era morta a pauladas na beira de um rio no Xingú. Nenhuma outra serviria.

Uma e outra índias viam o símbolo, abstinham-se da idéia e existência do animal verdadeiro, este, ali, era mais real (por sua irrealidade explícita) que a própria realidade delas: pra elas, só havia uma só galinha no mundo, aquela da brincadeira.

Cavar fundo pra entender o sentido das coisas, eventos, emoções e sensações imagéticas, este turbilhonamento incompreensível que nos faz buscar sentido pra a vida e suas várias vestimentas ou suas muitas camadas de entendimento, é tarefa fascinante.

Separar a pergunta da resposta é impossível, desunir símbolo e objeto simbólico do nosso repertório expressivo, uma raridade.

É pouco provável que isso aconteça a nós, os simples mortais, os esforçados, mas incompetentes e preguiçosos normatizados por uma existência, aparentemente, sem sentido.

Mas, a arte… a música, os belos textos e imagens, as interpretações de alguns atores, músicos e bailarinos, as esculturas do Caldel (que “são” em movimento, ora aqui, ora ali, múltiplas)  e a egrégora de alguns ambientes cujos espaços nos abraçam e abarcam por todos os lados (um terreiro de aldeia indígena ou capela de beira da estrada)… estão aí.

Apontam um rumo, esticam o beiço como qualquer mineiro de estirpe legítima e dizem.

- É logo ali!

Por menos “ali” que o objeto de nossa procura esteja, ou seja, ou simbolize, ele estará ali.

 

Exibições: 1033

Responder esta

Respostas a este tópico

Um tango pauleira


 

El diablo y yo nos entendemos
como dos viejos amigos.
A veces se hace mi sombra,
va a todas partes conmigo.
Se me trepa a la nariz
y me la muerde
y la quiebra con sus dientes finos.
Cuando estoy en la ventana
me dice ¡BRINCA!
detrás del oído.

Aquí en la cama se acuesta
a mis pies como un niño
y me ilumina el insomnio
con luces de artificio.
Nunca se esta quieto.
Anda como un maldito
como un loco, adivinando
cosas que no me digo.

Quien sabe que gotas pone
en mis ojos, que me miro
a veces cara de diablo
cuando estoy distraído.

De vez en cuando me toma
los dedos mientras escribo.
Es raro y simple. Parece
a veces arrepentido.

El pobre no sabe nada
de si mismo.
Cuando soy santo me pongo
a murmurarle al oído
y lo mareo y me desquito.
Pero después de todo
somos amigos
y tiene una ternura como un membrillo
y se siente solo el pobrecito.

 

 

 

N...

 

Não sei leu essa carta que mandei pro Soripe...aqui no meu blog.

 

(Segundo a meia dúzia de fantasmas particulares que me fazem companhia, todos os fantasmas sofrem! Eles me confessaram que a razão de suas lamúrias é a falta de companhia nas suas incompreendidas dores. E assim acontece com todos eles!)

 

Estas nossas amizades são fogo(s)!!

 

Bração.


 

 

Alberto,


Isso me faz lembrar de uma crônica do Luis Fernando Verissimo, sobre  o samba do Nelson Sargento, Falso Amor Sincero. Ele notou uma imensa semelhança da letra com um poema de Shakespeare. Concluiu que, apesar do trezentos anos de distância, os gênios continuam dialogando no tempo. Essa é a força da poesia.


Um abraço.


 

Eu roubei a idéia do Rilke...rsrs...to mais é pra ladrão, se queres saber.. , mas robei um bão!

 

bração.

 

 

 

 

 

Bom tempo (Chico Buarque) # Mônica Salmaso

 

Êêêêeeeebaaa! Feliz da vida, n?

:))))))

A gravação original.Tô sentindo Bom Tempo no ar, mas vou calçar as sandálias da humildade.

 

 

KKKKKKKKKKKK. Tó procê!

 


Já euzinha, calçada de sapatos verdes, vou que vou, lá no alto, o sol quente me leva num salto, pro lado contrário do asfalto, pro lado contrário da dor! :P

 

Quando a primavera acontece
até o botão do casaco
floresce


(Retta)

 

 

Aqui o inverno é leve
A paina que cai
No lugar da neve


(Retta)

 

 

será que consegui???? rs

 

Sim sim salabim! Vitória!

Parabéns. Muito bacana esse bolero e muito bonita sua interpretação (se é que é vc quem canta). Põe os créditos (nome da música, eventual parceria etc, para a gente saber de TUDO). rsrs

RSS

Publicidade

© 2022   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço