Sem medo de ser feliz, entre as minhas “14 Mais” – essa referência é muito antiga e só alguns irão se lembrar que uma gravadora (a antiga CBS, se não me engano) lançava, semestralmente, um LP de vinil contendo as 14 preferidas ou melhores (era o que cabia em um LP) –, está a música Besame Mucho. João Gilberto cantou, os Beatles cantaram, informalmente, é certo, sem gravarem. Os boleros têm seus fãs incondicionais.

Quando a mexicana Consuelo Velazquez compôs Besame Mucho, era menor de idade – 15 anos, presume-se – virgem e nunca tinha beijado alguém. Tendo estudado piano desde criancinha, inspirou-se – é o que se diz – em uma peça do espanhol Granados: “Quejas, o la maya y el ruiseñor”, do ciclo Goyescas. Consuelo faleceu há seis anos, em 2005, com 84 anos. Besame foi composta em 1940. São 71 anos. Longa vida para um clássico.

Ernesto Lecuona é, por algumas semelhanças com o americano compositor de Summertime na formação musical, considerado o “Gershwin cubano”. Ambos transitaram entre os formatos do popular e do erudito. Nasceu em 1895 e veio a falecer distante da terra natal por conta da instauração do governo revolucionário de Castro, em 1963, e enterrado em terras americanas; e deve ser trasladado a Cuba após o fim do regime vigente. Pelo menos, é a vontade de Lecuona, registrada no testamento. O treinamento clássico no piano o levou a estudar brevemente com o franco-basco Maurice Ravel. Compôs música para teatro, cinema, além de peças eruditas para o piano; são cerca de 600 composições no total. Lecuona, porém, é um dos reis da época de ouro da música latina.

Apesar de israelense, Anat Cohen adora música latina
Há um contingente enorme de fãs do bolero, apesar de outro tanto de pessoas considerá-lo um gênero, usando termos que caíram em desuso, “brega”, ou “kitsch”. Mesmo para um público menos habituado ou que desconhece o bolero, que mal ouviram falar de Gregorio Barrios, Angela Maria, Lucho Gatica, ou Miguel Aceves Mejía, devem ter escutado clássicos como Malagueña, Besame Mucho e, menos, Siboney. Certamente terão pouco ouvido falar de intérpretes como Trini Lopez ou Concetta Rosa Maria Franconero. Os dois, americanos de nascimento, tinham origem hispânica e foram propagadores da música latina em terras ianques. Sei de um bocado de gente fã de ambos.

Veja como os tempos mudam. Na década de 1960, um boa-pinta de olhos meio puxados, cabelo armado com gumex, e sempre de violão em punho (os americanos puros preferiam uma arma), provocou frisson entre as moças no Brasil. Vários LPs de Lopez foram lançados pela CBS (atual Sony). Um de seus sucessos foi La Bamba. Gerações que não chegaram aos 40 anos, certamente, conhecem essa música, muito em razão do filme sobre a vida de Richie Valens, contemporâneo do astro seminal do rock, Buddy Holly.

Não ligo nem um pouco para a música La Bamba (foi gravada pela banda Los Lobos nos anos 1980), mas Siboney está entre as 14 Mais, como Besame Mucho. É obra que sobrevive e gerações recentes continuam a gravá-la. Ouça uma interpretação da clarinetista israelense – é isso mesmo – Anat Cohen. A paixão dela por música latina demonstra que a música desconhece fronteiras.


Ouça também no piano sublime do cubano Ruben González. É a minha preferida, pelo menos, por agora.


Não se pode esquecer da interpretação de Connie Francis. Essa é para você, amigo SK.

Exibições: 447

Responder esta

Respostas a este tópico

Guen,

amoor siboney..

eu adorooooo

aqui a letra, e muitas vezes ficar a cantarolar siboney... assim do nada

 Siboney

Composição : Ernesto Lecuona

Siboney yo te quiero yo me muero por tu amor.
Siboney, en tu boca la miel puso su dulzor.
Ven aquí que te quiero y que todo tesoro eres tú para mí.
Siboney al arrullo de tu alma pienso en ti.

Siboney de mi sueño si no oyes la queja de mi voz,
Siboney si no vienes me moriré de amor.
Siboney de mi sueño te espero con ansia en mi caney,
Siboney si no vienes me moriré de amor.

Oye el eco de mi canto de cristal
no se pierde por el rudo manigual.

 

p.s. excelente lembrança!!

Não me canso de ouvir isso daí. Todos os que foram colocados aqui são ótimos, mas uma vez, em minha adolescência, ouvi uma versão, gravada naqueles discões de 78 rotações, interpretada pelo Beniamino Gigli, (nem sei se é assim que escreve) Que até hoje ressoa e impressiona meus tímpanos.
Ô Marco, pode ser o Ron Merino purinho, com gelo, ou sem gelo mesmo? Odeio Coca-Cola! É coisa de americano.
Marco, ótimo. Se for a ela que CB se referiu, está mais que certo.

Marco eu acho que é ste que falas. Eu vi este filme.

Salve!! minha amiga Marise,

somente SIBONEY

para  fazer vc. aparecer..

salve!!

Oi Stella, é verdade o Guen me atraiu com este lindo post.

Beijo

Obrigado Marco. Eu também tenho saudades.

Beijo

Guen conseguistes com que eu voltasse 50/40 anos atrás para lembrar meus tempos de bailes,onde se bailava tangos e boleros. A mim pouco importa que achem o bolero brega,pois continuo até hoje amando este ritmo que embalou minha juventude. Obrigado por me levar aos velhos tempos jamais esquecidos

Beijo

 

Pedro Vargas outro monstro dos boleros

Andrea Bocelli mais novo, mas linda voz.

RSS

Publicidade

© 2022   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço