post do jornalista evaldo novelini em seu blog alfarrábios - www.evaldonovelini.com.br, juntando com muita felicidade a celebração do escritor argentino tomás eloy martínez, recentemente falecido, e a crítica aguda à arrogância e à soberba de certo tipo de jornalista que ainda viceja por aí.


Soberba

10/02/2010 - 12:27:45
A morte de qualquer pessoa deixa a humanidade mais pobre.

Quando ela ceifa bons escritores, ao menos, consola o fato de terem deixado uma obra como legado.

É o caso do argentino Tomás Eloy Martínez, que morreu em 31 de janeiro último, aos 75 anos.

Extremamente culto e arguto, teve uma carreira literária profícua. E brilhante.

Natural de Tucumán, conta a história que começou a escrever aos dez anos de idade.

Posto de castigo por haver fugido, foi privado da leitura. Enquanto cumpria a punição imposta pelos pais, resolveu escrever o conto de um garoto que resolve viajar o mundo escondido em um selo postal. Foi seu primeiro livro.

Daí em diante não parou mais. Familiares contaram a jornalistas que, mesmo perdendo a luta vital contra o tumor cerebral, Martínez sentava-se diariamente diante de um computador para concluir seu último romance, El Olimpo.

Morto, Martínez ganhou necrológios justos de praticamente toda a imprensa mundial, desde The New York Times até El País. Menos no Brasil, para variar.

Os jornalões brasileiros mais uma vez erraram. Não que tenham deixado de recontar a história do escritor argentino, mas falharam por conta do corporativismo que assola a imprensa tupiniquim e empobrece o debate, até mesmo o literário.

Quem conhece a obra de Martínez percebeu na hora, ao término da leitura dos obituários dedicados a um dos mestres da escrita latino-americana, que a chamada grande imprensa não aprendeu uma das lições do escritor: a busca incansável pela verdade.

Não houve erros, mas omissão.

É fato que, "como jornalista, [Martínez] fundou diários, foi correspondente internacional, dirigiu e colaborou com diversas publicações", conforme se leu na Folha de S. Paulo.

O argentino, como também lembrou como exatidão O Estado de S. Paulo, fez do peronismo o tema de algumas de suas obras mais vendidas e era "um escritor aferrado à palavra e à verdade".

Sim, o livro mais famoso do escritor argentino é mesmo Santa Evita (1995), que relata o desaparecimento do corpo embalsamado de Eva Duarte Perón (1919-1952) por 16 anos, de 1955 a 1971. Consta que foi traduzido em 30 países.

Mas, no Brasil, a obra mais comentada de Martínez é outra. Trata-se de O voo da rainha, de 2002. Só quem conhece o conteúdo do volume e o quanto a imprensa nativa é parcial e omissa quando convém a seus interesses pôde entender por que as menções ao livro em todos os jornais de grande circulação, sem exceção, limitaram-se a dizer que foi o ganhador do prêmio Alfaguara, "uma das principais distinções a autores de língua espanhola", segundo a Folha.

Sobre o quê falava o tal livro, porém? Nenhuma linha.

O voo da rainha é um romance com chaves, ou roman à clef, na expressão francesa. Trata-se de um recurso literário empregado por alguns escritores para ocultar sob pseudônimos pessoas e acontecimentos reais. O leitor com o mínimo de argúcia, no entanto, junta as peças e facilmente descobre a realidade disfarçada.

Pois O voo da rainha, escrito dessa forma, reconta em suas 279 páginas a história de um crime passional e covarde perpetrado pelo jornalista Antonio Pimenta Neves em 20 de agosto de 2000. Então diretor de redação do jornal O Estado de S. Paulo, e não se conformando com o término de um romance com a colega Sandra Gomide, resolve assassinar a ex-namorada com dois tiros pelas costas, em um haras localizado em Ibiúna (SP).

- Não Pimenta, não!, teriam sido as últimas palavras dela.

- A Folha está informando sobre o caso com mais rigor e detalhe que O Estado. Será que eu preciso estar aí para que saibam o que deve ser feito? Você não tem ninguém que saiba contar direito uma história de amor e traição?, teria reclamando Neves a seu imediato na redação do jornal no dia seguinte, quando, ainda na condição de foragido da justiça, cotejou a cobertura do crime feita pelos dois principais veículos de São Paulo.

A presunção do assassino que, ainda com as mãos sujas de sangue, preocupara-se em humilhar e dar aulas de jornalismo a seus subordinados serviu de mote para Martínez escrever o belo O voo da rainha.

Gregório Magno Pontífice Camargo é Pimenta Neves. Reina Remis é Sandra Gomide. El Heraldo é a Folha de S. Paulo; El Diario, O Estado.

O livro foi lançado pela Objetiva na coleção Plenos Pecados. Convidados, sete autores escolheram um dos pecados capitais para sustentar um romance.

Zuenir Ventura, em Mal secreto, tratou da inveja.

José Roberto Torero, em Xadrez, truco e outras guerras, da ira.

Luis Fernando Verissimo, em O clube dos anjos, da gula.

João Ubaldo Ribeiro, em A casa dos budas ditosos, da luxúria.

João Gilberto Noll, em Canoas e marolas, da preguiça.

Ariel Dorfman, em Terapia, da avareza.

Com O voo da rainha, Tomás Eloy Martínez fechou a série abordando a soberba.

E que personagem mais adequado para explorar orgulho, arrogância e presunção do que um jornalista brasileiro?

Ao falar do amigo Martínez, em artigo para O Estado de S. Paulo, Ariel Dorfman relembrou uma lição deixada pelo colega, que foi destacada no título do texto, em letras garrafais:

- Se algo não é contado, não vale a pena existir.

Por isso os jornais brasileiros omitiram o roteiro de O voo da rainha?

Porque, para eles, o assassinato de Sandra Gomide por Pimenta Neves, por constrangedor, não vale a pena existir?

Talvez essa seja a chave.

Exibições: 113

Responder esta

Respostas a este tópico

Tanto Pimenta Neves quanto a nossa imperial grande imprensa, não sofrem apenas do pecado da soberba. Eles frequentemente cometem pecados muito maiores, por exemplo o não compromisso com a verdade factual, a falta de caráter democrático de seus proprietários que se irradia como uma metástase aos empregados, com ou sem consentimento deles, as imposições culturais, e mais inúmeros exemplos que dariam para encher um inferno particular só para eles. Um abraço.
Excelente comentário Cid, fico sem palavras , só o elogio de excelente
muito bom!!!!
Já postei aqui mas não saiu, vou repetir.Estou sem palavras, não posso crer. Nunca soube deste livro.Cortina de silêncio pesadíssima. E o que é pior do que não falarem de um livro importante assim? É o assassino Pimenta Neves, julgado e condenado, continuar à solta, às custas de seus bem remunerados advogados. Mora em SP, tem casa na praia, namora, talvez até exerça a advocacia, pois andou solicitando registro à OAB,não sei o que deu. A última noticia que tive da família da vítima, Sandra Gomide, é que estava esfacelada moral e fisicamente. São pobres.
Soberba é exatamente a definição desse ser. Mas nem eu, nem meus colegas próximos que trabalhamos naquela redação sob seu jugo, nunca soubemos do livro. É de estarrecer!
As vezes penso se Pimenta Neves continua com a soberba e a arrogância. O que sentirá? No que pensará? Talvez não pense nem sinta.
E Cid,muito obrigada pela postagem e pelo link para o site do jornalista, um abraço.

RSS

Publicidade

© 2021   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço