UM CAMINHO PARA CONTER O CRESCIMENTO DESORDENADO DAS FAVELAS.

Para se comprar uma arma, o cidadão necessita ter bons antecedentes.
Para comprar remédios,o cidadão precisa ter uma receita.

Mas para comprar cimento, arreia, ferro, saibro, tijolos etc não e exigido nenhum documento!

Uma obra mal realizada, além de não respeitar a legislação urbana da cidade e tão perigosa quanto uma arma ou um remédio mal utilizado. Pode mata.


É de responsabilidade da prefeitura exigir que os consumidores regularizem as suas reformas e/ou construções.

Por ineficiência, interesses políticos eleitoreiros e acomodação administrativa a máquina pública a não é acionada para combater obras ilegais e conseqüentemente o crescimento e surgimento de novas favelas.

A criação de instrumentos para combater a desordem urbana é obrigação do prefeito e vereadores, só que é preciso trabalhar, administrar, orientar, multar e principalmente agir em defesa da ordem e não dos interesses de alguns de criar uma nova modalidade dos antigos currais eleitorais.

Se as lojas de materiais de construção forem obrigadas por lei municipal a cobras dos consumidores de determinados produtos - em especial produtos comprados em grandes quantidades - uma cópia do alvará ou licença para construção ou reformas, as prefeituras passam a ter em suas mão a ferramenta necessária para conter o crescimento desordenado das favelas.


Com um sistema com estes moldes penso que a fiscalização seria facilitada e a arrecadação do estado incrementado.

Periodicamente os fiscais da prefeitura deveriam visitar e conferir o estoque e as vendas realizadas pelas casas que vendem materiais de construção.

Assim se poderia ter controle das vendas esaber com certeza que a cidade não estava crescendo irregularmente.

Já que toda grande vende realizada, obrigatoriamente, teria anexado uma guia indicando que ela estava de acordo com as leis do município.

É certo que mesmo com todo este controle se encontraria algumas inregularidades, mas certamente algo do tipo iria coibir construções ilegais.

Exibições: 316

Responder esta

Respostas a este tópico

Meu Deus do céu!!!!!!!!! Que absurdo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Senhora Dona da Verdade, repeito sua opinião, mas gostaria de saber qual seria sua sugestão para evitar o caos do crecimento desordenado das cidades em que vivemos?
Meu caro Milton Santana
Sua pergunta já revela seu desconhecimento do assunto, porque nossas cidades têm seu crescimento ordenado, aliás ordenadíssimo, pelas leis da especulação imobiliária.
Plano Diretor, que é uma maneira de conter um pouco da sanha predatória do nosso capitalismo selvagem, é coisa que os políticos de direita nem querem ouvir falar (veja o que o Kassab está fazendo com o de São Paulo).
Agora, inventar burocracia para dificultar a vida do pobre coitado do favelado, que trabalha dias para comprar um saco de cimento... isso me parece crueldade de nazista. Daqui a pouco vai propor que adotemos a tática que os israelenses usam em cima dos palestinos. Com certa moderação, é claro, porque senão ficamos sem serviçais.
Cara Hermeneuta,

Respeito sua posição, mas não concordo.

Minha proposta não tem nada de absurdo. Ela simplemente sugere um caminho para fazer com que as prefeituras façam o que têm que ser feito: fiscalizar as construções ilegais. Os puxadinhos etc.
Normalmente eles argumentam não ter pessoal suficiente para realizar todas as fiscalizações que deveriam fazer.


O único absurdo aqui é o seu pensamento.

Fico assustado com o pensamento, idéias e valores de uma pessoa que possui títulos como os que a Senhora informa ter (Doutoranda no Instituto de Economia da Unicamp. Mestre em sociologia no Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da USP. Professora do curso de Design das Faculdades Campinas) incapaz de perceber que a diferença entre o bem e o mal. Do veneno e o remédio é simplesmente a dosagem.
Milton
Você está muito por fora.
Em primeiro lugar, o curriculum que você pegou de orelhada é o da Mariana Fix, autora de um artigo que eu postei para debate.
Eu sou peão, companheiro. Peão no Japão.
Aliás, sabe que aqui não tem favela?
Eles tem uma instituição centenária incrível, que acaba com esses problemas. Chama-se SALÁRIO. Funciona assim: o cara trabalha e recebe um dinheiro, com o qual ele pode fazer o que quiser, inclusive pagar um aluguel de uma moradia conforme os códigos de edificações. O grande lance é que este citado pagamento pelo trabalho (você entendeu como funciona?) dá para a família do trabalhador viver. O salário mínimo é de US$ 70. Menos do que isso um empregador NÃO pode pagar senão vai ter problemas com a Lei. Ah! Me desculpe se o confundi: esse é o valor diário. São US$70 por dia de trabalho, mas todo mundo ganha um pouco mais que isso. Mas não muito mais, ouviu? Peão ganha US$100, engenheiro ganha 20% a mais. O resultado é que o país é uma imensa classe média feliz da vida. Tem favela não.
Me desculpe o erro de qualificação.
Eu entendi mal a sua página no Blog.

Quer dizer que vc não mora no Brasil!

Você mora no Japão e ai não existe favelas! Ai as leis funcionam?

Fiquei confuso quando vc coloca "que você é peão"? Sentir um certo tom de preconceito.

Quer dizer que vc não entende nada de arquitetura... urbanismo... administração etc?

Legal... continue a ler o que tenho a dizer.

Quem sabe uma dia vc vai ter a coragem de voltar.

E este dia vai chegar. Porque, eu e outros com eu, estamos aqui expressando nossas idéias na tentativa de fazer com este país se torne um pouco melhor.

Digno das pessoas que vivem aqui e das que como vc que acreditam que o melhor mesmo é tentar a vida em outro lugar.
O preconceito é todo seu, meu amigo: por que um peão não pode entender de urbanismo, arquitetura, administração e o escambau?
Não me falta coragem de voltar e tenho muita vontade de fazê-lo. Aliás, volto logo, se Deus quiser. Mas veja você que maravilha é esta nossa internet que me permite, mesmo tão longe, manter-me participando dos debates que interessam ao nosso país, como tantos neste portal.
Melhore seus argumentos, Milton, porque esta insinuação de que eu seja um ''desertor'' da Pátria é ridícula.
E sugiro que você não faça mais isso de postar 5 mensagens de uma vez, bloqueando todo o espaço do forum, porque dá a impressão de que você está querendo monopolizar as atenções. Com que intenção?
Suas colocações não merecem ser comentadas!
Nossa, Milton, você tem certeza que pensou direitinho sobre o que escreveu aqui e nos outros tópicos que vc abriu?

Você tem mesmo tanta certeza assim?

Se tem, Milton, nossa, fico assustada mesmo, tanto ou mais do que o hermeneuta (ele é menino, viu!) e, aí, fico eu aqui refletindo sobre esta nossa maldita condição que nos autoriza a dizer que somos humanos...
Minha proposta apenas sugere um caminho para fazer com que as prefeituras façam o que têm que ser feito: fiscalizar as construções ilegais. Os puxadinhos etc.Normalmente eles argumentam não ter pessoal suficiente para realizar todas as fiscalizações que deveriam fazer.

Não estou querendo com ela explusar ninguém das favelas. Apenas estou sugerindo fazer com que o Caos não tome conta das nossas cidades de uma forma crescente e contínua até fica completamente sem controle.

Nos outros tópicos que vc mencionou, sugiro entre outras coisas que dê ao trabalhador condições dígnas de ir e vir. O transporte de massa no brasil não existe.

Os impostos que pagamos e não recebemos nada em troca não são justos para com niguém.

Os políticos que se elegem com falsas promessas e ficam nos enganando por anos e anos devem sim perder o mandato. Da forma que estar penso que não não é inteligente continuar.
Quaquaquá!
Luzete e Hermê, comitê de recepção.
Miltão entrou e óia o que pegou pela proa. Seguuuuura peão!
Vai dando ideias, dr. Santana, que Kassab faz, viu? O maurício mora nos jarrrrdinshhhh.
Faria Lima, Berrini e Jardim Europa não tem construção ilegal. Tudo nos conformes, planta, alvará e tapume. Não precisa expulsar favelado, de vez em quando pinta um incendiozinho saneador. Deus seja louvado.
Realmente essa baianada é uma praga, por que não voltam pra Bahia?
Por sinal que proposta da hora, Miltão! Se der certo, zezinho vai se dedicar ao tráfico de blocos e sacos de cimento. O Al Capone do reboco.
Vai nessa!
Caro Zé da China,

Para seu conhecimento eu sou Bahiano.
Vejo que entendeu em parte a minha colocação. Ela não tem por finalidade expulsar niguém e sim impedir que a desordem continue a tomar conta das cidades sob o pretexto de se impossivel fiscalizar tudo e todos ao mesmo tempo.

RSS

Publicidade

© 2021   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço