Setor Elétrico Brasileiro

Informação

Setor Elétrico Brasileiro

Este grupo pretende discutir o Setor Elétrico. Participe enviando comentários, estudos e trabalhos sobre a matriz energética, planejamento, Luz para Todos, leilões, entre outros. Sua pergunta, enviada por vídeo, pode ir para o Brasilianasorg.

Membros: 92
Última atividade: 19 Out, 2015

Setor Elétrico Brasileiro: Uma aventura mercantil

O autor, Roberto Pereira d'Araújo, discute as implicações ambientais da implantação e operação dos diversos sistemas de produção da energia elétrica. O trabalho abrange o histórico do setor elétrico do país e avalia a situação energética no mundo.

Livro Setor Elétrico Brasileiro.pdf

A publicação do livro foi autorizada pelo autor.

Fórum de discussão

Haddad, o arco do Futuro, uma luz no fim do túnel

Haddad, o Arco do Futuro, uma luz no fim do túnel                       EVERALDO GONÇALVESBrasil 247, 9 de Janeiro de 2013 às 05:54Reurbanização das várzeas do Rio Tietê-Pinheiros-Tamanduateí,…Continuar

Iniciado por Everaldo Gonçalves 10 Jan, 2013.

CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA- PROTEÇÃO AMBIENTAL-EDUCAÇÃO 14 respostas 

      Sou  professora de Física da Secretaria de Educação no DF desde 1990.      No ano de 2002 começamos  na nossa  escola  a discutir questões ambientais  e nos esbarramos sempre em questões…Continuar

Iniciado por Ana Cruzzeli. Última resposta de Nena Sayeg 18 Nov, 2012.

Diversificação do modelo de geração energética no Brasil 93 respostas 

Temos um gigantesco potencial hidráulico, que pode e deve gerar energia, mas temos um modelo de geração que gera alagamentos gigantescos e obras faraônicas, além dos custos de transmissão. Não está…Continuar

Iniciado por Luiz Augusto de Jesus carvalho. Última resposta de Eugênio Fonseca Pimentel 26 Nov, 2011.

Farsa e Fraude em Chernobyl -- Seminários de Ciência Estratégica

CONVITE: Palestra: Farsa e Fraude em ChernobylProf. Jose Eduardo M. Hornos - IFSC - USPNeste seminário discutiremos o acidente de Chernobyl e suas consequencias factuais, desvendando as falsas…Continuar

Iniciado por Alexandre Ferreira Ramos 20 Out, 2011.

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de Setor Elétrico Brasileiro para adicionar comentários!

Comentário de Gustavo Cherubine em 26 março 2010 às 13:11
Olá Sebastião, car@s, trabalho aqui:

www.sociedadedosol.org.br

E lutamos por isso:

http://www.youtube.com/watch?v=SgEgG8_BS8o

Profissões do Futuro: Instalador de Aquecedor Solar

Comentário de Gustavo Cherubine em 26 março 2010 às 13:08
Pessoal, quem pode traduzir?

Recebi como indicação, mas não sou bom para traduzir.

Abraços, Gustavo.

China, Germany lead the race toward a low-carbon economy

2:08pm EDT - Reuters

By Dave Levitan - SolveClimate (www.solveclimate.com)

As countries around the world set emissions targets and ramp up their national climate policies, the race toward a vibrant low-carbon economy is under way, and there is a growing consensus that the United States will not take the lead.

A report from Deutsche Bank Group's Climate Change Advisors found that when considering all of the world's major emissions and climate change policies as a measure of movement toward a low-carbon economy, China and Germany are extremely well positioned. The U.S., meanwhile, lags far behind.

"The countries that move first to a low-carbon economy are definitely going to have a head start in terms of relative growth rates," said J. Scott Holladay, an economics fellow at New York University School of Law's Institute for Policy Integrity.

"In the not-too-distant future there is going to be a huge market for green energy, and it feels like the Scandinavian countries and Germany are leading that charge, and China is quickly catching up. In the U.S., it doesn't seem to be a huge policy priority."

The Deutsche Bank report identified 154 new policy initiatives announced in countries around the world since October, clearly representing the run-up and then follow-up to the Copenhagen climate summit in December.

The new emissions pledges would result in a reduction of annual emissions of about 2.8 gigatons. Add that to all the emissions policies already in place, and, if implemented successfully, they could reduce emissions by 9 gigatons in 2020. That would still fall 3 to 5 gigatons short of the goal of the "stabilization pathway" - the total needed to keep CO2 levels below 450 parts per million and the global temperature rise less than 2 degrees Celsius.

Notably, the biggest contributors to the additional 2.8 gigatons of emission reductions since October are China and Brazil.

China set a target for emissions intensity reduction, which is a measure of greenhouse gases released per unit of GDP, of 40 to 45 percent below 2005 levels by 2020. Brazil set a hard emissions target of about 20 percent below 2005 levels by 2020. Each would result in almost a gigaton of emissions reduction on its own.

"Based on that, you can assume that there will be a market response," said Kate Brash, assistant director of the Columbia Climate Center at Columbia University and part of the modeling team that contributed to the Deutsche Bank report. "The ambition is clearly not particularly high."

Germany already leads the pack in many ways, having long ago established feed-in tariffs that reward consumers for producing renewable electricity and feeding their excess power into the grid; the Deutsche Bank report calls feed-in tariffs "an integral underpinning of any prosperous green economy."

China, meanwhile, has installed renewable energy capacity per unit of GDP that exceeds both Germany and the United States. As Holladay points out, though, this may position the country well economically, but it does not imply much about its environmental and global warming mitigation potential.

"The rubber meets the road when you look at emissions per GDP data," he said. "The renewables are a step in the right direction, but when you look at the emissions per person or emissions per GDP data, I think the U.S. and China are both kind of lagging."

A Chunk of $2.3 trillion

Purely economically, though, the world's most populous country is embracing a green revolution. According to another report on low-carbon transitions by the Center for American Progress, clean energy will be a $2.3 trillion industry by 2020, and China will be right in the middle of it.

China, along with Germany and Spain, has multiple national policies that position it well for the next decade. All three countries have something resembling a government-run "green bank." The China Energy Conservation Investment Corporation will have about $15 billion in assets by 2012, consisting of energy efficiency and renewable energy technologies, among other things.

"Each of these countries has a long-term, sustained plan of how to ramp up clean energy industries and also lower carbon emissions," said Kate Gordon, one of the CAP report's authors and the organization's vice president for energy policy. "And the U.S. has 100 percent short-term and state-by-state policies. They're not comprehensive; they're scattershot."

Comparing the U.S. to these countries in any number of environmental or economic measures shows the widening divide. Germany, China and Spain all have feed-in tariff programs, while in the U.S., only a small handful of states have even experimented with the idea. All three countries also have national renewable energy standards, energy efficiency plans and carbon emission reduction plans. The U.S. has none of these on the federal level.

Holladay thinks that the United States' slow start won't necessarily keep it down forever.

"I wouldn't say it spells economic doom for the United States," he said. "Energy is a significant fraction of our economy, but so much of the U.S. economy is service-based now that you could imagine us continuing to do relatively well in terms of growth with below-average energy policy, or low-quality energy policy that doesn't take into account the changing international landscape."

Furthermore, both the Deutsche Bank and Center for American Progress reports use current policy - which includes state and local initiatives along with federal law - as the context. With Sens. John Kerry (D-Mass.) and Lindsey Graham (R-S.C.) set to unveil a compromise climate and energy bill on Capitol Hill soon, some of those parameters could change. If they do, Holladay thinks lost economic ground can be made up.

"If there was some sort of pricing on carbon, the U.S. economy is uniquely suited to take advantage of those kinds of changes and develop new technology," he said. "You would imagine that we would have a good chance of catching up to the pack quickly. But that first part is a big 'if.'"

Gordon agreed that putting a price on carbon would start a radical shift in economic progress, as would setting a national renewable energy portfolio standard.

"Every country we looked at has a renewable energy standard at the national level," she said. "Having a renewable energy standard sends a message that we're serious about this, but also sets a goal. So that would change the dynamic as well."

She pointed out that in spite of the long-standing complaints that the Kyoto Protocol did not work well to start bringing down carbon emissions around the world, there are some measures indicating that signatories to the agreement saw some economic benefit.

Countries that did participate in Kyoto saw an average increase in renewable energy technology patent applications of 33 percent since the time they signed. Over the same period, notable abstainers Australia and the U.S. saw no measurable increase.

Such measures would most likely change, though, if some of the proposed measures on Capitol Hill pass.

"There is no question that a piece of national legislation that made a strong statement about a commitment to a low-carbon future would change the game," Gordon said.
Comentário de Fernando Antônio Maia de M Beça em 26 março 2010 às 10:01
A Usina Hidrelétrica de Tumarin que a Eletrobrás vai construir em sociedade com a Construtora Queiroz Galvão na Nicarágua é um ENGÔDO também para aquele pobre País da América Central.
A Usina de Tumarin terá 220.000 kW de potência instalada e vai custar 850 milhões de doláres, podendo inclusive aumentar ainda mais o preço do empreendimento.
Assim, a Nicarágua pagará cerca de R$ 7.000,00 por cada kW instalado. Para se ter uma idéia do que isto significa a CHESF está a construir em sociedade com a Eletronorte e a Neoenergia, a Usina de Dardanelos no Mato Grosso por R$ 3.000,00 por cada kW instalado.
A integração da América Latina não pode se dar em cima de tamanha expoliação.
Será que o Presidente Lula sabe disso?
Comentário de Sebastião de Oliveira em 20 março 2010 às 14:00
Caro Gustavo
Certa vez já fiz um comentario sobre seus textos, e entendo perfeitamente sua posição com relação as questões ambientais, pois como dá para perceber pelos seus comentarios, voce deve trabalhar para alguma ONG ou ate mesmo em algum instituto governamental cuja função é defender ferrenhamente a preservação ambiental da forma como ela se encontra, sem qualquer interferencia humana nos biomas.
Com esse tipo de raciocinio, se extrapolarmos para todas as atividades humanas, teremos um pais completamente estagnado economicamente falando, pois sem construções de barragens não teremos energia, sem energia não teremos crescimento economico, sem crescimento economico não teremos aquilo que todo brasileiro sonha, melhores dias para nossos descendentes.
Comentei no paragrafo acima apenas barragens, pois esse é o tema da questão sugerida, porem alargue esse conceito para tudo que deva ser necessario para melhoria de vida dos brasileiros, exemplifico:
- Sabemos todos da necessidade nacional de melhor integração logistica de nosso territorio, necessidade indiscutivel de uma hidrovia por exemplo no Rio Araguaia, que interligado com a bacia do Prata por uma distancia irrisoria de 100Km que poderia ser feita por uma ferrovia, ligaria o pais de Norte a Sul.
- Aprofundamento do porto de Santos. Há mais de 10 anos discutem-se o tema, somente agora conseguiram uma chamada licença ambiental para tal operação, com os argumentos mais ilogicos possiveis, o material depositado no fundo do canal esta carregado de poluição, não se deve mexer no lodo do mangue pois desbalanciaria a cadeia biologica da região, etc, etc...
- Anel viario de São Paulo, esta em construção depois de uma batalha de mais de 15 anos, uma obra que se faz necessaria para a vida dos paulistanos a mais de 10 anos.
- Inumeras barragens pelo pais inteiro, com problema de licenciamento ambiental com os argumentos mais variados possiveis, sobrevivencia do bagre, acasalamento das rãs, etc....
Pergunta-se: por que tudo isso? Ambientalistas não permitem. Quem são esses ambientalistas? Quais seus reais anceios? Quanto ganham mensalmente para pregar essas ideia? Quem os pagam?
Voce não acha que nós brasileiros que pagmaos impostos, temos o direito de ter essas perguntas respondidas.
Repito, entendo perfeitamente suas posições, as defenderiam tambem se as tivessem como convicção pessoal, porem acompanhando todas as noticias sobre o tema confesso ter muitas duvidas sobre as reais necessidades desse zelo ambiental por que estão querendo nos imputar.
Abraços, otimo final de semana.
Comentário de Gustavo Cherubine em 19 março 2010 às 12:42
http://www.inesc. org.br/noticias/ noticias- do-inesc/ 2010/marco/ belo-monte- futuro-da- amazonia- gera-mobilizacao -internacional

Belo Monte: futuro da Amazônia gera mobilização internacional

Carta assinada por 140 organizações e movimentos sociais, de várias partes do mundo, pede ao Presidente Lula da Silva que tome uma posição favorável à paralisação do processo político, administrativo e financeiro que pretende viabilizar a construção da UHE de Belo Monte, no rio Xingu, no Pará.

Belo Monte: futuro da Amazônia gera mobilização internacional


Inesc

Considerado o "grande filé" do momento por bancos públicos como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES); por dois dos principais fundos de pensão do País, a Previ (dos funcionários do Banco do Brasil) e a Funcef (Caixa Econômica Federal), e pelos principais grupos empresariais do setor, como as mineradoras Alcoa e Vale, a CPFL Energia, o Grupo Neoenergia, a Odebrecht e a Camargo Correa, a Andrade Gutierrez e o Grupo Votorantim, entre outros, a obra já está orçada em R$ 20 bilhões. Deste total, o BNDES anuncia que pode financiar até 80%, fazendo uso inclusive do FAT - Fundo de Amparo ao Trabalhador e de endividamento público no mercado financeiro internacional.

A carta aponta vários problemas sociais e ambientais que serão gerados pela obra na região do rio Xingu, como desmatamentos, emissão de gases de efeito estufa, ressecamento de cursos d'água, comprometimento de fontes alimentares e de renda de comunidades indígenas, ribeirinhos etc. Calcula-se em 30 mil o número de pessoas que serão removidas de seus locais de moradia por conta dos impactos da obra na região. A isso se acrescenta uma onda migratória que deverá fluir para a região, agravando ainda mais a situação social.

http://www.ihu.unisinos.br/index.php?option=com_noticias&Itemid...

http://www.youtube.com/watch?v=xg3wuvSmNoc

Belo Monte Inesc.wmv


http://www.ihu.unisinos.br/index.php?option=com_noticias&Itemid...

13/3/2010

Entidades internacionais pedem que Lula suspenda Belo Monte


Numa carta ao Presidente Lula, 140 entidades internacionais repudiam o projeto da hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, Pará, e pedem que o governo pare o processo de Belo Monte.

A reportagem é do sítio do Cimi, 12-03-2010.

As entidades se mostram detalhadamente informadas sobre o projeto. Denunciam as falhas no processo democrático que o governo está levando à frente. Apontam a falta de consulta dos povos indígenas e comunidades tradicionais impactados com a obra, como determina a Constituição brasileira e vários tratados internacionais.
Denunciam o enorme impacto ambiental, devastando uma grande parte da floresta amazônica e basicamente aniquilando o rio Xingu. Comprometendo, aliás, a meta do próprio governo para reduzir a emissão de gases estufa, como gás carbônico e metano.

Denunciam ainda o grande impacto social, como a remoção forçada de 30 mil moradores. E questionam ainda a viabilidade econômica da obra, visto que na época seca, a hidrelétrica produzirá pouquíssima energia.
As entidades não negam que o Brasil precise de mais energia. Porém, sinalizam que há muitas outras formas para assegurar essa quantidade de energia, sem tamanha destruição.

Segue a carta, na íntegra:

Excelentíssimo Senhor Luíz Inácio Lula da Silva,

Gostaríamos de expressar a nossa grande indignação e insistir para que o projeto da barragem hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu, no estado do Pará, seja imediatamente suspenso devido aos devastadores riscos sociais, ambientais e econômicos que o projeto representa para a região Amazônica.

Em julho de 2009, o senhor reuniu-se em Brasília com representantes da sociedade civil brasileira e com líderes das comunidades indígenas da bacia do rio Xingu, e lhes prometeu a reabertura do diálogo sobre o ameaçador mega-projeto hidrelétrico. Na ocasião o senhor lhes garantiu que “Belo Monte não seria forçada goela abaixo de ninguém”. Entendemos que esse compromisso significava que a usina de Belo Monte somente seria aprovada uma vez que as comunidades afetadas tivessem sido devidamente consultadas sobre o projeto, compreendido suas implicações e concordado com sua construção.

Entretanto, menos de um ano mais tarde, seu governo deu sinal verde para o projeto, apesar da indignação das comunidades locais, da preocupação e dos alertas explícitos dos especialistas brasileiros. Dois altos funcionários do IBAMA - Leozildo Tabajara da Silva Benjamin e Sebastião Custódio Pires - chegaram a pedir demissão de seus cargos no ano passado devido ao alto nível de pressão política para a aprovação do projeto. Fica claro que há sérias preocupações e críticas oriundas de vários grupos e figuras importantes da sociedade civil brasileira, inclusive da parte de Dom Erwin Krautler, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), e de Leonardo Boff, entre outros. Independente dessas preocupações expressas por seus compatriotas e da promessa feita anteriormente, percebemos que seu governo pretende de fato forçar Belo Monte goela abaixo das comunidades indígenas e ribeirinhas da Amazônia que são diretamente afetadas.

Estamos extremamente preocupados não apenas com a decisão de construir um mega-projeto tão destrutivo do ponto de vista ambiental, mas também com a falta de ética que permeou o processo de licitação do projeto através do qual o governo excluiu a sociedade civil de qualquer debate aberto. Aqueles que serão os mais afetados pela construção de Belo Monte – o povo do Baixo Xingu - foi particularmente alijados do processo de tomada de decisão. O povo da Bacia do rio Xingu se opõe à Belo Monte há mais de 20 anos por razões que são válidas até hoje.

Como o senhor sabe, o Brasil votou pela Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas (UNDRIP), que protege o direito desses povos à auto-determinação, incluindo consulta livre, prévia e informada e que passou a integrar a lei Internacional dos Direitos Humanos. O Brasil também faz parte da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho que garante aos povos indígenas o direito a consulta livre, prévia e informada com relação a projetos de desenvolvimento ou de infra-estrutura que gerem impactos sobre suas vidas e subsistência, tais como a proposta barragem de Belo Monte. Líderes de grupos indígenas locais deixaram claro que esse direito de consulta foi completamente desconsiderado na aprovação da licença prévia de Belo Monte e na sanção dos seus impactos sobre territórios indígenas.

As populações tradicionais e os povos indígenas tiveram seus direitos violados durante todo o processo de licitação e insistimos para que essa situação seja remediada. Acreditamos que a construção da Belo Monte representa uma grave violação de quase todos os artigos da UNDRIP, tais como os artigos 3, 4, 5, 7, 8, 9, 10, 11, 18, 19, 20, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 32, 38, 40, 43 e 44.

O Brasil também viola o artigo 231.3, Capítulo VIII, da Constituição Federal do Brasil de 1988, que garante por lei o direito dos povos indígenas de contestarem a exploração de recursos hídricos em suas terras, e do artigo 10-V da resolução 237 do CONAMA (19 de Dezembro de 1997), que requer a consulta pública sobre as avaliações de impacto ambiental.

Como o senhor está ciente, a represa de Belo Monte irá inundar uma área de 500 km2 e desviar quase todo o fluxo do Xingu para a usina na barragem através de dois canais artificiais. Esse desvio do fluxo do rio deixará sem água, peixe ou transporte as comunidades indígenas e tradicionais ao longo de uma extensão de 130 km na Volta Grande do Xingu. O rebaixamento do lençol freático poderá vir a destruir a produção agrícola da região, afetando os produtores indígenas e não indígenas, assim como a qualidade da água. É muito provável que as florestas tropicais da região tampouco sobrevivam. A formação de pequenos lagos de água parada entre as rochas da Volta Grande propiciarão um meio perfeito para a proliferação da malária e de outras doenças cujo vetor se desenvolve na água parada. As comunidades a montante, inclusive os índios Kayapó, sofrerão com a perda das espécies migratórias de peixe que são parte fundamental de sua dieta.

Além dos impactos devastadores à Volta Grande já mencionados, estima-se que 20.000 pessoas serão forçadas a deixarem suas casas, incluindo habitantes da cidade de Altamira que será parcialmente inundada. Apesar de tudo isso, Belo Monte é considerado como um projeto-modelo pelo Projeto de Aceleração do Crescimento (PAC), ambicioso programa do seu governo que promete trazer um futuro de desenvolvimento para o Brasil com mínimo impacto social e ambiental. Unimo-nos aos opositores brasileiros à usina de Belo Monte ao declararmos que esses impactos são um preço inaceitável a ser pago por um projeto de viabilidade técnica e econômica duvidosa que oferece benefícios questionáveis aos brasileiros. Na verdade, a construção da Belo Monte pode levar ao questionamento de toda a imagem do PAC, tanto no Brasil quanto no mundo, sendo completamente contrária ao desenvolvimento sustentável e aos benefícios sociais com que o PAC se compromete.

Investigações independentes concluíram que a avaliação do estudo de impacto ambiental do projeto é incompleta e subestima a extensão dos possíveis impactos da usina de Belo Monte. É do conhecimento de todos que o fluxo ao longo da Volta Grande do Xingu seria gravemente reduzido pelos canais, contudo, os estudos geológicos e sobre a qualidade e o fluxo das águas na Volta Grande permanecem incompletos. Francisco Hernandez, engenheiro eletricista e co-coordenador de um grupo de 40 especialistas que analisaram o projeto, duvida da viabilidade de Belo Monte e alerta tratar-sede um projeto extremamente complexo que dependeria da construção não somente de uma barragem, mas de uma série de grandes barragens e diques que interromperiam o fluxo de água de uma extensa área e requereria escavações de terra e rochas em escala semelhante aquela necessária na construção do Canal do Panamá. Estamos particularmente preocupados com o descaso do governo com relação ao parecer do painel de especialistas e à análise técnica realizada pelo IBAMA, em novembro último, parte fundamental do processo de licenciamento ambiental.

Belo Monte produzirá somente 10% da capacidade instalada de 11.233 MW de energia durante os três a quatro meses da estação seca. Além disso, ainda não se sabe qual será o custo total do projeto; enquanto a Empresa de Pesquisa Elétrica (EPE) estima R$ 16 bilhões, investidores privados estimam R$ 30 bilhões. O suprimento energético ineficiente e as incertezas sobre os dados ambientais do projeto não justificam tamanho investimento. Revolta-nos a falta de responsabilidade dos atores corporativos e financeiros que se empenham em concretizar esse projeto, como o banco nacional de desenvolvimento BNDES que planeja utilizar de maneira irresponsável os recursos públicos dos contribuintes brasileiros para financiar a maior parte de Belo Monte. Belo Monte não é um problema não somente para a população do Xingu, mas é também um péssimo investimento para o Brasil.

A realização do projeto de Belo Monte desconsidera alternativas viáveis e menos destrutivas tais como o aumento da eficiência energética e a promoção de fontes renováveis de energia, por exemplo, energia solar e eólica. Um estudo realizado pela WWF-Brasil, publicado em 2007, mostrou que até 2020 o Brasil poderá reduzir a demanda energética prevista em 40% por meio de investimentos em eficiência energética. A energia economizada seria equivalente a 14 hidrelétricas de Belo Monte e representaria uma economia de cerca de R$ 33 bilhões para os cofres brasileiros.

Apesar de existirem alternativas muito mais viáveis e sustentáveis, a hidrelétrica de Belo Monte está sendo proposta como modelo para a matriz energética renovável do Brasil, parte importante da redução de 38% das emissões domésticas brasileiras até 2020. Na verdade, o que se verifica é exatamente o contrário: a barragem emitirá grandes quantidades de metano, gás de efeito estufa 21 vezes mais potente do que o CO2. Grandes barragens também causam destruição ambiental direta e indireta consideráveis, como o desmatamento de grandes áreas e o aumento das emissões de gases de efeito estufa. Não há nada de limpo nem de sustentável em Belo Monte.

Acreditamos que nossa reunião realizada em junho deste ano tenha sido um passo importante na direção da abertura de novos canais de diálogo e confiança entre o governo e as populações locais do Rio Xingu. No entanto, vemos que a total incapacidade de cumprir essa promessa de diálogo vem aumentando a tensão política em torno da questão de Belo Monte com a possibilidade de mobilizações em massa e confrontos violentos se tornando cada vez mais factíveis.

Em suma, entendemos a aprovação desse mega-projeto pelo governo brasileiro como um ato irresponsável e temerário. Forçar Belo Monte goela abaixo de milhares de povos indígenas e famílias ribeirinhas, enquanto o baixo Rio Xingu é destruído, é um preço incomensuravelmente alto a ser pago por uma fonte energética ineficiente, de alto custo e devastadora do ponto de vista ambiental.

O Brasil não precisa de Belo Monte para assegurar o seu futuro energético. Insistimos veementemente para que o governo adote alternativas menos destrutivas para alimentar o crescimento econômico do Brasil, realize a devida consulta às comunidades locais e suspenda de imediato esse projeto desastroso em respeito aos direitos dos habitantes do Rio Xingu e à integridade do ecossistema da região.

Atenciosamente,

Christian Poirier
Brazil Program Coordinator
Amazon Watch

Carta endossada pelas seguintes organizações:

ACCION ECOLOGICA REDLAR, Equador
ACTION POPULAIRE CONTRE LA MONDIALISATION, Genebra, Suíça
AFRICA YOUTH INITIATIVE ON CLIMATE CHANGE
AKIN
ALLIANCA DEL CLIMA E.V.
AMAZON WATCH, EUA
AMBIENTE E SALUTE (ENVIRONMENT AND HEALTH), Bolzano-Itália
AMNESTY INTERNATIONAL, América Latina, Alemanha
ANAKU ERMET, Aotearora/Nova Zelândia
AQUATIC NETWORK
ASIAN INDIGENOUS WOMENS'S NETWORK, Filipinas
ASIA PACIFIC INDIGENOUS YOUTH NETWORK, Filipinas
ASOCIACIÓN DE ECOLOGÍA
ASOCIACIÓN INTERAMERICANA PARA DEFENSA DEL AMBIENTE, México
ASIA INDIGENOUS PEOPLES PACT, Tailândia
BERNE DECLARATION, Suíça
BIOFUELWATCH
Both ENDS, Holanda
BUILDING COMMUNITY VOICES, Cambodia
CANADIANS FOR ACTION ON CLIMATE CHANGE, Canadá
CARBON TRADE WATCH
CENTRE FOR CIVIL SOCIETY ENVIRONMENTAL JUSTICE PROJECT, África do Sul
CENTER FOR INDIGENOUS PEOPLES, Paquistão
CHR-CAR, China
CLIMATE ALLIANCE OF EUROPEAN CITIES WITH THE INDIGENOUS RAINFOREST
PEOPLES
CODEPINK, EUA
COECOCEIBA-FoE, Costa Rica
COMITÉ POUR LES DROITS HUMAINS EN AMÉRIQUE LATINE
COMUNIDAD VILLA SALVIANI, Bolívia
CORDILLERA PEOPLES ALLIANCE, Filipinas
CORPORATE ACCOUNTABILITY INTERNATIONAL, EUA
CORPORATE ETHICS INTERNATIONAL, EUA
COUNCIL OF CANADIANS, Canadá
DOGWOOD ALLIANCE, EUA
EARTH CHARTER NARSAQ, Groenlândia
EARTH CHARTER YOUTH VISION ALLIANCE NETWORK, Nigéria
EARTHPEOPLES
ECO LABS, Reino Unido
ECOSISTEMAS, Chile
FERN, Bélgica
FIAN International
FIAN, Holanda
FOREST PEOPLES PROGRAMME, Rainforest Foundation EUA
FLEMISH CENTRE FOR INDIGENOUS PEOPLES, Bélgica
ECOLOGISTAS EN ACCIÓN, Espanha
ENERGY ETHICS, Dinamarca
ENVIROCARE, Tanzânia
FOREST PEOPLES PROGRAMME
FRIENDS OF PEOPLES CLOSE TO NATURE
FRIENDS OF THE EARTH, Àustria
FRIENDS OF THE EARTH, Canadá
FRIENDS OF THE EARTH, Chipre
FRIENDS OF THE EARTH, Flandres e Bruxelas
FRIENDS OF THE EARTH, França
FRIENDS OF THE EARTH, Mauritius
FRIENDS OF THE EARTH, Serra Leoa
FRIENDS OF THE EARTH, EUA
FUNDACIÓN PARA ADHESIÓN CON LOS PUEBLOS AMAZÓNICOS
FUNDACIÓN PROTEGER, Argentina
GEGENSTRÖMUNG – COUNTERCURRENT, Alemanha
GLOBAL EXCHANGE, EUA
GLOBAL FOREST COALITION
GLOBAL JUSTICE ECOLOGY PROJECT, EUA
GLOBAL 2000 - FRIENDS OF THE EARTH, Àustria
GRASSROOTS INTERNATIONAL
GREEN ACTION FOE, Croácia
GREENPEACE
GRUPPO AMBIENTE, Bolzano, Itália
HMONG ASSOCIATION, Tailândia
HUMAN RIGHTS PROJECT AT THE URBAN JUSTICE CENTER
IBIZA ECOLOGIC
ILO, Support for Indigenous Peoples, Cambodja
INDIAN CONFEDERATION OF INDIGENOUS AND TRIBAL PEOPLES NORTH EAST
ZONE, Ìndia
INDIAN YOUTH CLIMATE NETWORK, Ìndia
INDIGENOUS ENVIRONMENTAL NETWORK, EUA
INDIGENOUS PEOPLES COUNCIL ON BIOCOLONIALISM
INDIGENOUS PEOPLES CULTURAL SUPPORT TRUST
INDIGENOUS RIGHTS ACTIVE MEMBER, Cambodja
INDI-GENEVE, Switzerland
INDONESIA FISHERFOLK UNION/Serikat Nelayan, Indonésia (SNI)
INSTITUTE FOR SOCIAL ECOLOGY, EUA
INTERNATIONAL ACCOUNTABILITY PROJECT, EUA
INTERNATIONAL RIVERS, EUA
IPUGAO TRIBAL GROUP, Filipinas
JUSTICE, PEACE AND INTEGRATION IN CREATION
KAHAB ABORIGINAL ASSOCIATION OF NANFOU, Taiwan
KALUMARAN - ALLIANCA OF INDIGENOUS PEOPLES ORGANIZATIONS MNDANAU,
Filipinas
KIRAT YAKTHUNG MANGENNA CHUMLUNG, Nepal
KLIMA-BÜNDNIS, Alemanha
KOALISYON NG KATUTUKO, Filipinas
KoBra
LAND IS LIFE
LISIANG DONGBA CULTURE RESEARCH INSTITUTE, China
MAGAR STUDIES CENTER, Nepal
MENSCHENRECHTE 3000 e.V. (Human Rights 3000)
MINA SUSANA SETRA, Indonésia
MONTAGNARD FOUNDATION, Vietnã
NAGA PEOPLES MOVEMENT FOR HUMAN RIGHTS, Filipinas
NATIONAL ASSOCIATION OF PROFESSIONAL ENVIRONMENTALISTS, Uganda
NETHERLANDS CENTRE FOR INDIGENOUS PEOPLES
NETWORK OF INDIGENOUS PEOPLES IN THAILAND
NOAH FRIENDS OF THE EARTH, Dinamarca
NURHIDAYAT MOENIR, Indonésia
ODISHA ADIVASI MANCH, Índia
OILWATCH, Costa Rica
OILWATCH, Mesoamérica
O'odham VOICE Against the WALL
PACIFIC ENVIRONMENT, EUA
PACIFIC INDIGENOUS PEOPLES ENVIRONMENTAL COALITION
PAGGAMISAN TAKO AM, Filipinas
PAKISTAN FISHERFOLK FORUM, Paquistão
PEACE ACTION MAINE, EUA
PENGON-FOE, Palestina
PERUVIAN IN ACTION-NY
PUMC-UNAM, México
QIVI NETWORK GREENLAND
RADIO DIGNIDAD
RADIO URGENTE
RAINFOREST FOUNDATION, EUA
RAINFOREST ACTION NETWORK, EUA
RETTET DEN REGENWALD e.V, Alemanha
SOBREVIVENCIA FRIENDS OF THE EARTH, Paraguai
SOCIETY FOR THREATENED PEOPLES INTERNATIONAL
SOS-REGENWALD, Àustria
TARA-Ping Pu, Taiwan
TAIWAN ENVIRONMENTAL PROTECTION UNION
TERRA NOSSA FOUNDATION
THE CORNER HOUSE, Reino Unido
THE ENVIRO SHOW WXOJ-LP & WMCB
THE WITTENBERG CENTER FOR ALTERNATIVE RESOURCES
TIBET THIRD POLE
TIMOR-LESTE INSTITUTE FOR DEVELOPMENT MONITORING AND ANALYSIS-La'o
Hamutu
TRAPESE POPULAR EDUCATION COLLECTIVE
TRIBAL PROFESSIONAL AND STUDENT SOLIDARITY, Filipinas
UMPHILO WAMANZI, A WATER AND ENVIRONMENTAL CSO IN SOUTH AFRICA
UNITED WORLD OF INDIGENOUS PEOPLES
Universitario México Nación Multicultural –UNAM, México
VIVAT INTERNATIONAL
VOICE, Bangladesh
VOLUNTARY SERVICES ONESEAS, Paquistão
YACHAY WASI, Cuzco, Peru & NYC, EUA
WISEREARTH
WORLD RAINFOREST MOVEMENT, Reino Unido

Para ler mais:

*
Conjuntura da Semana Especial. Belo Monte: Uma obra emblemática
Comentário de roberto pereira d araujo em 17 março 2010 às 23:30
Totalmente de acordo, Elton! O que tentei ponderar é que não se deve transformar essa ameaça da Eletrobrás-Petrobrás no único ou no mais importante problema do setor elétrico brasileiro. Para a sociedade, o que está ficando claro é que a nossa energia está cada vez mais cara e cada vez mais inconfiável. Se puderem dêem uma lida nesse artigo que escrevi já a algum tempo.
http://www.rumosdobrasil.org.br/2009/10/23/tarifas-de-energia-eletr...
Comentário de Elton Bandeira em 17 março 2010 às 18:56
Qual é a práxis contra o açodamento?

Após o aniversário da Chesf e o pronunciamento do Presidente Muniz, pude depurar algumas constatações práticas:
1. É necessário e possível retardar o processo de Transformação da Eletrobrás em andamento até que se entendam seus efeitos no longo prazo. É preciso debater mais profundamente que rumos devem tomar a holding, suas subsidiárias e o modelo do setor elétrico, que tem muitos problemas. Possivelmente este debate desembocará na necessidade de vários ajustes no modelo atual, na legislação, e também em uma Transformação da Eletrobrás amadurecida e equilibrada, que melhore sua eficiência e seu desempenho econômico-financeiro sem aumentar as desigualdades regionais e sem comprometer a integridade das empresas regionais, seja no curto, médio ou longo prazo. Isto é o que se quer, e também é o que está no discurso do Presidente Muniz, mas não está “no papel”;
2. Este debate não pode ser contaminado pelo processo eleitoral deste ano. Por um lado, a Transformação da Eletrobrás isoladamente não corrigirá os problemas do Setor Elétrico, por outro lado, a integridade e autonomia de empresas como a Chesf é algo demasiadamente sério, é preciso muita clareza e responsabilidade ao se mexer com tais instituições. O aparelhamento já feito está no limite do tolerável, e não deve avançar se houver riscos de danos irreversíveis ao país. Se tivermos capacidade política e inteligência, no entanto, as eleições 2010 podem ser usadas para retardar o processo em andamento e cobrar maior clareza neste processo. Se as intenções do Presidente Muniz são as melhores, se corroboram com a redução das desigualdades regionais e sociais, se não atentam contra as comunidades mais carentes, então não há motivos para não formalizá-las em todas as letras, levá-las ao debate e institucionalizá-las, sem açodamento;
3. Os líderes sindicais e deputados tradicionalmente ligados a este tipo de causa não estão suficientemente mobilizados contra o processo de Transformação da Eletrobrás em andamento. Se estivessem, considerando as dimensões das ameaças, não clamariam apenas por uma desobediência civil, e, porque não dizer também, infantil, que é a não entrega dos velhos crachás. Não parecem estar convencidos de que há ameaças. Talvez porque têm mais informações (ou interesses) ou um ponto de vista privilegiado que os deixam mais tranqüilos. É verdade que falam em audiências públicas, em iniciar o debate. Mas há uma discrepância entre seus níveis de preocupação e posicionamento e aqueles de Sebastião Lins ou José Antônio Feijó. Quero entender que tais líderes não estariam tão confortáveis se soubessem que assinam (direta ou indiretamente) um projeto irresponsável. Cobremos esclarecimentos;
4. É possível, embora lamentável, que o presidente Lula e a ministra Dilma não estejam suficientemente informados das preocupações que temos, com potenciais ameaças existentes nas entrelinhas da Transformação. Talvez a primeira medida a ser tomada seja a elaboração de um texto conciso e completo sobre as atuais preocupações, e a garantia de que tomem conhecimento;
5. A massa de empregados das subsidiárias (entretidos com o PCR) e a sociedade em geral, não estão conscientes das possíveis ameaças e não entendem bem a discussão sobre o Modelo do Setor Elétrico. Sensibilizar-se-ão, apenas, se conseguirem associar o processo em andamento a perdas pessoais, diretas ou indiretas. Esta tradução deve ser feita e publicada, não só internamente às empresas, mas também na imprensa tradicional;
6. A oposição, ou parte dela, pode contribuir para cobrar os devidos esclarecimentos, se entenderem que pode ser uma oportunidade para desgastar o governo e expor o Ministro Lobão e o Presidente Muniz. Se tudo for devidamente esclarecido a contento, não haverá o desgaste. Se devidamente repercutido, o assunto pode definir votos e alianças estaduais;
Acredito que é nosso direito cobrar esclarecimentos, cobrar que o discurso de fortalecimento das subsidiárias e seu entorno e contra as desigualdades regionais seja formalizado, documentado e faça parte da missão da Nova Eletrobrás. E que a discussão não pare por aí, avance até termos energia barata, limpa, responsável e acessível a todos. Não temos que nos lançar no escuro e assistir passivamente à transformação.
Comentário de Rogério Maestri em 17 março 2010 às 13:12
Vide nota introduzida no item "Diversificação do modelo de geração energética no Brasil"
Comentário de Fernando Antônio Maia de M Beça em 17 março 2010 às 6:20
PARA ONDE VAI A TRANSFORMAÇÃO DA ELETROBRAS?

O plano de transformação da Eletrobrás está apoiado em uma conclamação do Presidente Lula de que a Eletrobrás deveria se tornar a Petrobras do setor elétrico.

A partir daí surgiu uma estranha comparação entre essas duas empresas.
A comparação entre as marcas Petrobrás e Eletrobrás que o Presidente Lula fez, foi tomada de forma cabal e não adequada, pelas lideranças políticas que controlam o setor elétrico, na formulação das mudanças corporativas, e com implementação já em andamento. Não adequadas porque na taxonomia de bens, os produtos das duas empresas são diferenciados por mercado (transnacional x nacional), portabilidade e formação de preços.

Outras diferenças podem ser apontadas entre as duas empresas: em uma se aplica intensamente o elemento inovação na produção e na outra muito pouco; uma por ser internacional lida com um mercado complexo e internamente tem um poder superior ao ente regulador enquanto a outra lida com um mercado nacional complexo.

A Petrobrás tem um planejamento determinativo que tem de cumprir diante do seu quadro de acionista, composto, por capitalistas internacionais. O setor elétrico, ao contrário com um planejamento setorial indicativo e de pouca efetividade, no suporte a outros setores no processo de desenvolvimento, o que pode ser observado pelo contrasenso de na geração ter alcançado preços modicos, mas tal energia barata, quando sujeita ao formato institucional do setor, e ao regime tributário, chega aos consumidores como uma das energia mais caras do mundo, especialmente para aqueles de menor renda .
Portanto, se Eletrobras e a Petrobras não são a mesma “coisa” como poderiam convergir para o mesmo destino final? E se não vão convergir para o mesmo destino final, qual será a perspectiva da Eletrobras?
Vamos analisar o que está acontecendo com a Eletrobras nesse momento. Os seus atuais dirigentes fazem o discurso de que estão fortalecendo as empresas do grupo, mas na prática estão se imiscuindo em pequenas questões de gestão no dia-a-dia das empresas controladas; capturam os melhores quadros técnicos das empresas controladas oferencendo vantagens salariais acima das práticas nas subsidárias e com isso estão formando uma cabeça maior do que o corpo; evitam tomar as verdadeiras medidas para transformar a Eletrobras em uma “holding” com controle efetivo das ações estratégicas das empresas do sistema; dizem que não estão trabalhando para extiguir as empresas regionais federais, mas na prática só tomam medidas concretas nessa direção.
A questão que aqui se coloca é se o modelo das empresas regionais federais está esgotado e se é o momento de se partir para a fusão de todas em uma empresa nacional única. O fato é que os atuais dirigentes da Eletrobras são incapazes de demonstrar que o modelo atual está esgotado e que a nova proposição é satisfatória nesse momento. Na prática as medidas tomadas pela direção da Eletrobras é contrário ao que apregoam. O quadro atual é de descalabro com uma conjunção de medidas que pode comprometer seriamente o futuro do grupo. A primeira medida parece de pouca importancia, mas revela o pouco valor que os que estão a frente da Eletrobras dão as questões de custo. Imagine trocar todos os crachás eletronicos dos empregados das empresas do grupo por outros, só de fachada, pois as catracas eletronicas não estão preparadas para a unificação. Depois, lá na frente vai se precisar trocar todos os crachas de novo para um padrão único de catracas, ainda a serem adquiridas. E além disso trocar as placas de todas as empresas do grupo num tempo recorde para o Ministro Edson Lobão poder assumir a paternidade da grande obra da transformação.
Mas existe coisa muito mais grave do que isto. Especialmente começando por uma homogeneidade forçada de seus estratos salariais. O que, no caso da Chesf, por ter uma formação completamente diferente de seus salários nominais dado o contexto regional, quando por décadas foi praticada um política de transferencia de renda dos salários mais altos para os mais baixos, face a inflação que atingia principalmente uma grande quantidade de funcionários de nível técnico superior, médio e administrativo.

O corpo técnico especializado e gerencial aceitou uma menor parcela no incremento da massa salarial, enquanto, o Sindicato praticava uma política de obtenção de beneficios em vez de salários. Tais movimentos reforçaram o aumento do salário real das faixas baixas e médias, levando a que na atualidade empregados de menores salários recebam 50 salários nominais por ano, remuneração totalmente incompátivel com o mercado local e, também, com os montantes de rendimentos mensais que receberão na aposentadoria, o que certamente levarão estes funcionários a retardá-la ou mesmo a evitá-la.

Ora, evidente fica então que o início de implementação do Plano de Transformação da Eletrobrás, ao forçar a “compatibilização das faixas” salariais da Chesf com as das demais subsidiárias, com um aumento de 8% na massa salarial, beneficiando parcelas de funcionários, com promoções que variam de zero a oito níveis, reforça o status de renda daquelas faixas que já encontram-se com maiores salários reais na Chesf.

Esta medida de gestão não é certamente um medida de fortalecimento, porque demonstra uma opção de transformar a Chesf em uma Empresa de trabalho braçal e não de intelecto.

Na verdade a primeira mudança do Plano que está sendo implementada é na verdade um jogo de “mise en scène” criando um fato político de cunho populista, porém no longo prazo conomicamente prejudicial aos inteeresses da empresa.
Ao longo de muitos anos vimos a Eletronorte ser caracterizada como uma empresa ineficiente pelos sistemicos prejuizos que vem apresentando. Talvez não seja coincidencia o fato de que durante todos esses anos quem esteve presente na gestão dessa empresa é o mesmo grupo de pessoas que hoje está a frente da Eletrobras. Será que a Eletrobras vai se transformar numa grande Eletronorte?
Comentário de roberto pereira d araujo em 16 março 2010 às 12:44
Como se vê, estamos de acordo. Concordo com o Feijó, como não poderia deixar de ser, pois, afinal, estivemos no ILUMINA desde sua fundação. Em 2004 sai do Instituto porque muitos atuantes membros passaram a ocupar posições de governo. Achei que o instituto perdeu a independência.
Mas repare que Feijó não coloca a questão da CHESF isoladamente como parecia ser a questão aqui. Quando chama a atenção para a perda de coordenação da Eletrobrás na atividade de planejamento, critica a modelagem mercantil onde proliferam orgãos que pulverizam as responsabilidades. Na minha visão este modelo está a serviço do setor privado e da mercantilização da energia.
 

Membros (90)

 
 
 

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço