LuizaCaetano
  • Feminino
  • CARCAVELOS
  • Portugal
Compartilhar no Facebook MySpace

Amigos de LuizaCaetano

  • ADRIANA TASCA
  • JORGE LUIZ FERNANDES SCHLEE
  • mirna ms cardoso
  • Lucineia Silva
  • Ana Ribeiro
  • ana catarina morais habib
  • Maria Conceição Gonçalves Lopes
  • Thais Matarazzo
  • ADRIANA TASCA
  • Marcio Marcelo  Nascimento Sena
 

Página de LuizaCaetano

Informações do Perfil

Profissão
poeta-pintora

Fotos de LuizaCaetano

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Vídeos de LuizaCaetano

  • Adicionar vídeo
  • Exibir todos

Blog de LuizaCaetano

BOM DIA COM POESIA

"BREVE PENSAMENTO"

Existe no silêncio
um grito de harpas
desamparadas
como se viúvas
da música das palavras.

Porém não chores
a eternidade aprende-se
escutando o vento.

LuizaCaetano
Dezembro de 2009

Postado em 9 dezembro 2009 às 13:05

INVERNO EM CARCAVELOS - PORTUGAL





"DIZER ADEUS"



Dizer Adeus

ainda que em silêncio,



é partir

para o outro lado de mim ...



É como morder as lágrimas

em cada aceno

e passar a derradeira fronteira



do oceano branco e breve

de alguma secreta embarcação



Lá no cais velho das partidas

onde os barcos chegam e partem

e se esvaziam para sempre

de nossas vidas.



Tela/Poesia -…

Continuar

Postado em 16 novembro 2009 às 17:32 — 1 Comentário

POEMA PARA UM DIA DE FINADOS

"POEMA PARA UM DIA DE FINADOS"


Á cabeceira da eternidade
uma flor na campa desse Adeus
que não sei onde começa
ou se algum dia acaba.

Apenas um sonho de água
celebrado em taça de vento
com vinho de mel e de mágoa.

Te deixo meu amor a minha palma,
um pouco de terra, de sal e de saudade
e
sobre a campa derradeira,
fica contigo também a minha alma.

LuizaCaetano
2009/10/31

Postado em 31 outubro 2009 às 21:08

BEIJOSPOESIA

"Há sempre música no coração para te dedicar com BeijosPoesia"

"AO SOM DO BLUE"



Por entre os dedos

da areia - vagueia,



um sangue - saudade



trompete!





Lavando a mágoa da chuva

por entre a música do vento



molhando, algures teus olhos,

uma sinfonia

saxofónicamente chorando

velhos lamentos da terra.



Imagens quebradas - melódicas

insuflando quase… Continuar

Postado em 4 outubro 2009 às 21:01

LISBOA IN VERSOS (livro de poesia) na Bienal do Rio de Janeiro

LISBOA IN VERSOS

NA BIENAL DO RIO DE JANEIRO (DE 10 A 20 DE SETEMBRO)
STAND DA ALLPRINT EDITORA, PAVILHÃO 2 LARANJA - RUA B Nº 10

Se, não for à Bienal e, mesmo assim quiser possuir este book de poesias, contacte. Terei todo o prazer em o fazer chegar até si - AUTOGRAFADO. Portes de envio cortezia da autora (para

qualquer parte do mundo)

Postado em 16 setembro 2009 às 13:01 — 1 Comentário

Caixa de Recados (9 comentários)

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Em 8:45pm on outubro 31, 2009, ana catarina morais habib deu para LuizaCaetano um presente...
Presente
Cara Luiza , Quero muito adquirir seu livro Lisboa In Verso mas não consigo encontra-lo à venda . Diga-me o quê devo fazer para consegui-lo.
Em 2:02am on outubro 25, 2009, mirna ms cardoso deu para LuizaCaetano um presente...
Presente
Amigos para sempre! bj de luz
Às 17:58 em 16 setembro 2009, geraldo alves disse...
"Nossa Realidade em Forma de Protesto"
www.jornalgentejovem.blogspot.com
Às 2:44 em 14 setembro 2009, JORGE LUIZ FERNANDES SCHLEE disse...
Obrigado pela poesia!... Me apraz ouvir o éco da alma através da criação do poeta!... Navego só, pelo caminho escuro e frio da madrugada que se inicia, acompanha-me somente o som do silencio!...
Portanto, amiga, estou te enviando a poesia abaixo, não é de minha autoria, mas retrata o que sinto, ao varar a madrugada, buscando, tentando encontar o que não sei, o que não perdí e sei que nenca irei encontrar!...

Ansiedade

Estou aqui imersa no silêncio
este fiel companheiro da alma .
Não tenho muito tempo para pensar
porque é mais fácil sentir no momento
e deixar a emoção abrir a porta
sem a ouvir bater com muita força no peito.

Então, espero com os lábios ainda despidos
que desamarrem as palavras amordaçadas
vistam esta boca de murmúrios suaves
e com sussurros floridos de primavera
refresquem-lhe a pele .
Esperar...

Eu espero...
Nunca gostei de conjugar este verbo na primeira pessoa.

Sofro de uma patética ansiedade
que gosta de me roubar a tranquilidade
facilmente conquistada
apenas com um minuto de silêncio...
um só minuto deste mundo de sons estagnado nos ouvidos.

Fico ansiosa, porque espero
e tenho pressa de alcançar,
de prender todos os segundos nos meus braços.
Quero saborear todos os momentos
sem desperdiçar nenhuma gota
nem que tenha que lamber esses minutos
que teimam em escoar nas bordas do tempo.

Enquanto a garrafa vai-se enchendo
de sorrisos e frases com hálito a mentol
eu deixo a ansiedade guardada no escuro
beijo todos os sonhos com a boca anestesiada de ternura
e espero com os olhos estampados no luar
que aquela estrela distante adormeça comigo.

Autoria: Daniela Pereira
Cortar as Palavras num só Golpe-Corpos Editora

Abraço Amigo... Jorge.
Às 7:49 em 10 setembro 2009, JORGE LUIZ FERNANDES SCHLEE disse...
Bom dia amiga!!!... Obrigado pelo carinho!!!...
Poesia, com poesia se paga!!!...

O TEMPO

O segredo do tempo é consumi-lo sem percebê-lo.
É fingir-se infinito para não o vermos passar
É fazer-se contar em anos em vez de momentos

Relógio, despertador, cronômetro, calendário
Tudo engodo para imaginarmos prendê-lo, controlá-lo

Ampulheta, único instrumento sincero do tempo
Regressivamente, nos impõe a gravidade
De haver realmente um último grão
Riscando na areia a nossa fragilidade

Mas o tempo é imparcial
Não distingue rico de pobre
Preto de branco, homem de mulher
Devora-se sem escolhas

Matar o tempo é matar-se sem sentido
Perdê-lo é viver em vão

Faz-se devagar nos maus momentos
Depressa quando o queremos

Ponteiro invisível da vida
Peça necessária do fim

A sua fome é insaciável
A sua vontade é determinante
A sua procura é unanime

Se esconde nas sombras que se movem
Nos objetos que não mais servem
Nas pessoas que nunca mais vimos
Na podridão das frutas que não foram colhidas
Nas lembranças já esquecidas

Revela-se nas fotos que se desbotam
Nas cartas que amarelam
Nas crianças que crescem
Nas rugas que aparecem

Deixa-nos a esperança de Pandora
Nas ações dos que virão
No nascimento dos rebentos

Abraço... Jorge.
Às 18:06 em 9 setembro 2009, ana catarina morais habib disse...
Menina você é Òtima!!!!!!!
Beijos do Brasil para você!!!!!
Às 17:55 em 9 setembro 2009, ana catarina morais habib disse...
Sua poesia é maravilhosa .Posso divulga-la?
Adorei "relógio do tempo.
Às 12:18 em 9 setembro 2009, ADRIANA TASCA disse...
Holá Luiza, que bom que vc me chamou!!!
Às 18:31 em 1 setembro 2009, JORGE LUIZ FERNANDES SCHLEE disse...
Olá, gostaria de adicioná-la como amiga, para que possamos trocar idéias e comentários sobre posts adicionados...Afinal, ninguém escreve só para sí!!!...Obrigado e sucesso!!!...Jorge Schlee.
 
 
 

Publicidade

© 2022   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço