ALBA ZALUAR DEFENDE NA ANPOCS A MESMA ANISTIA CONCEDIDA A EX PRISIONEIROS POLÍTICOS DA DITADURA MILITAR PARA TRAFICANTES

por Esther Lucio Bittencourt





A antropóloga Alba Zaluar,  coordenadora e fundadora do Núcleo de Pesquisas da Violência (Nupevi) da Universidade Estadual do Rio de Janeiro,  convidada pela diretoria da ANPOCS_Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais-  a participar da Conversa com o Autor de ontem à noite no Hotel Gloria, em Caxambu afirmou que, para diminuir o tráfico de drogas os traficantes deveriam ser perdoados, mesmo os que já tenham cometido assassinatos, à semelhança de ex-prisioneiros políticos da ditadura militar do Brasil que foram anistiados. Alba Zaluar estuda há mais de 30 anos a violência urbana na cidade do Rio de Janeiro. Sua pesquisa com o escritor Paulo Lins, no final da década de 1980 deu origem ao filme Cidade de Deus (2002).

Comentou que em Medelin, na Colômbia, que adotou esta medida, os para-militares e traficantes foram perdoados e postos em outras atividades para recuperá-los, o número de mortes causadas pela violência do tráfico , em cerca de sete anos caiu de 300 por cento para 20%.
A  antropóloga que hoje pesquisa nas favelas a atuação das UPPs, -Unidade de Política Pacificadora-  disse que "a função da polícia militar é a de se aproximar das favelas respeitando a população local, ouvindo-a para estabelecer prioridades de segurança. Eles não precisam tocar violão com a população, ou ensinar futebol para as crianças, por, que vão ensinar futebol como ensinam os soldados a se comportarem, com muita disciplina, uma coisa muito mais rígida de que os moradores não gostam.

A situação do Morro do Alemão, apesar da Presença das UPPs não está sob controle, e eu acho que deveriam encontrar formas de pensar maneiras de fazer com que estes que ainda estão no tráfico desistissem e tudo seria mais fácil com o perdão. Porque não se anistia , por exemplo aqueles que têm condições de recuperação? Mesmo os que cometeram assassinatos.
Vou contar a condição do Ailton Batata" -  ele inspirou a construção do personagem Cenoura no Filme “Cidade de Deus” – “ele me procurou cobrando porque se a história dele está no filme ninguém me procurou perguntado se podia ou não . Eu disse para ele, olha Ailton, eu fiquei muito chateada porque não fazem nenhum agradecimento a mim e vou fazer o possível para ajudá-lo através de meu advogado. Primeiro ele trabalhou num projeto chamado Agentes da Liberdade, da Prefeitura do Rio, que procurava prisioneiros e famílias destes para fazer socialização, profissionalização,  evitando que estes prisioneiros voltassem para o  tráfico. Hoje ele trabalha com <a href="http://www.rio.rj.gov.br/web/guest/exibeconteudo?article-id=87137">  o Choque de Ordem </a>. Ele é homicida, está em liberdade condicional e trabalhando!”

A permanência da Força de Pacificação nos complexos do Alemão e da Penha, na Zona Norte do Rio, será prorrogada até junho de 2012, conforme foi anunciado dia 24 deste mês através da assinatura de novo acordo entre o Governo do Estado do Rio, o Ministério da Defesa e o Exército. Segunda a Antropóloga isto se faz necessário porque o Morro do Alemão é muito extenso, cheio de viradas, e se a polícia se retirar , certamente o crime voltará. Os traficantes ainda estão lá, muitos fugiram, mas no alto do morro é o reduto deles.

Hoje, Nathan Wachtel da Cátedra do Collège de France fará conferência às 9 horas, na sala 4 do Hotel Glória sobre “Memoires Marranes”, cuja obra do mesmo nome busca por trações judaicos pelas terras áridas do nordeste.

O 35º Encontro Anual da ANPOCS, que termina 28 deste mês em Caxambu, cidade do sul de Minas Gerais terá também a mesa redonda sobre Imagem e Memória, na sala 5 do Hotel Glória, às 9 horas com a presença de Gary Kildea, cineasta e antropólogo da Ethnographic Film Unit, Antropology Departament, Australian National University (Camberra), diretor do filme “Trobriand Cricket”
https://www.youtube.com/watch?v=dk9_EqPh7YE
um documentário de 52 minutos. Termina hoje o Simpósio Celso Furtado, às 9 horas, na sala 7 do Hotel Gloria e outro simpósio será iniciado amanhã: 20 Anos do Mercosul, no mesmo horário, na sala 6.

Exibições: 133

Comentário de Maria Cássia D'Ambrósio em 26 outubro 2011 às 17:27

É uma antropóloga de respeito! Suas propostas  devem ser, no mínimo, analisadas. Mas... "os traficantes deveriam ser perdoados, mesmo os que já tenham cometido assassinatos, à semelhança de ex-prisioneiros políticos da ditadura militar do Brasil que foram anistiados".

Que coisa séria! Temos organização necessária pra isso?

 

 

Comentário de esther lucio bittencourt em 27 outubro 2011 às 0:57
exato, Maria Cássia, sem contar que ela tem vivência profunda do problema e sabe que as UPPs não atingem o objetivo . no entanto tentei argumentar sobre por que falar somente em ex-presos políticos quando deveriam ser citados os militares também, pois eles foram anistiados na mesma lei, mas ela se escusou e disse que estava na hora do jantar. sabemos que o país não oferece a mínima condição para educar e propiciar trabalho para que esta proposta seja objetivada. mas a proposta da antropóloga é , realmente, muito séria.
Comentário de Maria Cássia D'Ambrósio em 27 outubro 2011 às 15:23

Que bom que você estava lá e pode perguntar sobre militares!  "Mas ela se escusou e disse que estava na hora do jantar " - Dá uma boa discussão. Afinal, muitas leituras podemos fazer a partir dessa reação.

Obrigada, bjs.

Cássia

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2021   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço