BATE, REBATE: BOLSONARO OU ROSÁRIO, QUEM FICA COM A MELHOR PARTE?

            Ainda repercute na mídia, nos blogs, a questão que envolveu os deputados quanto a quem devia bater, ou apanhar, ou merecer qualquer coisa. Um último comentário que li foi de que, sendo Luciana Genro, o deputado se daria mal.

            Como!?

            Foi lembrado o debate em que a Luciana Genro se insurgiu contra o candidato Aécio Neves e o seu dedo acusatório. No entanto, a mesma Luciana Genro tinha o dedo em riste quando fazia contestações.

            Dizia minha avó que em uma mulher não se bate nem com uma flor. No cinema, muitas vezes, via-se a bofetada da mulher no homem e este se contendo, na falta de uma flor naquele momento, não respondia no mesmo tom.

            É desigual o combate físico entre um homem e uma mulher. Vai daí um momento de reflexão que se pode dizer: cabe algum direito à mulher de bater sem contestação?

            Mundos que se confundem.

            Ao partir para a mesma seara de combate, as armas quem escolhe é o suposto ou suposta ofendida. Afinal, não bater, significa também não descer ao mesmo nível do contestante, ou contestador, porque aí todos batem e ninguém tem razão.

            Argumentou o articulista que Luciana Genro teria respondido com uma bofetada. Portanto, a pergunta é: transformar o debate ou a mídia na casa da mãe Joana é bom para Bolsonaro ou para Rosário?

Nilson Lattari@Nlattari

Exibições: 126

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2021   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço