Brasil pode ser país com maior reserva de urânio

LILIAN MILENA
Da Redação - ADV


O Brasil pode ser o país com a maior reserva de urânio do mundo. A expectativa é que o território abrigue cerca de 800 mil toneladas do minério.

O responsável pelo Programa Nuclear Brasileiro, o contra-almirante Carlos Passos Bezerril, explica que, com apenas 30% do território prospectado, o país já é considerado a sexta maior reserva. Assim, a partir da análise dos outros 70% do território, são grandes as chances de confirmação de mais minério, elevando o Brasil para a 2º ou 1º colocação no ranking mundial

Para entender a importância disso, a quantidade de urânio prospectada atualmente no país (cerca de 309 mil toneladas) é igual a 238 anos do fornecimento de gás natural comprado anualmente da Bolívia. Logo, a presença de mais que o dobro dessa quantidade (800 mil toneladas) resultaria não só na independência energética do país, permitindo também que o Brasil se torne futuro exportador dessa matriz.

Bezerril explica que a constatação favoreceria ainda mais o incentivo de estudos na área e a diversificação da matriz energética limpa. “O Brasil é abençoado com recursos hídricos que devem ser explorados, mas algum dia esses recursos vão findar. É aí que entram as chamadas térmicas, e dentro das térmicas a nuclear é altamente competitiva. Além disso, o país tem tecnologia suficiente para produção de energia a partir dessa matriz”, afirma.

O Brasil domina toda a técnica de produção do combustível nuclear, desde a prospecção mineral à fabricação das pastilhas de urânio que alimentam os reatores. No entanto, ainda não somos capazes de obter em escala industrial o gás UF6 (hexafluoreto de urânio), e o próprio urânio enriquecido, necessários para atender as Usinas Angra 1 e 2. Esses produtos acabam sendo importados do Canadá e da companhia Urenco (Uranium Enrichment Sevices Worldwide) – formada por Inglaterra, Alemanha e Holanda.

Hoje em dia, a energia nuclear representa 2,6% do total da demanda consumida no país – a hidrelétrica ocupa o primeiro lugar fornecendo 75% do consumo. Juntas, Angra 1 e Angra 2 são capazes de produzir o total de 2 mil megawatts enquanto a necessidade nacional gira em torno de 2.600 kilowatts por hora anuais. O Estado do Rio de Janeiro é o principal consumidor da matriz - cerca de 57% da sua demanda é atendia pela energia nuclear.

O contra-almirante Bezerril explica que a partir dos projetos em andamento – a Usina de Hexafluoreto de Urânio (Usexa) e o Laboratório de Geração Núcleo-Elétrico (Labgene), previstos para 2010 e 2014, respectivamente –, o país terá capacidade para atender a demanda interna e trabalhar na construção de submarinos a propulsão nuclear.

Importância econômica

Dominar a técnica de enriquecimento de urânio também será de extrema importância para a balança comercial do país. O Brasil poderá se tornar futuramente um dos maiores exportadores de urânio enriquecido no mundo.

Em entrevista concedida em setembro de 2008 ao Projeto Brasil, o fundador do Núcleo de Estudos Estratégicos (NEE) da Unicamp, coronel da reserva Geraldo Cavagnari, explicou que a venda do produto acabado, ou seja, do urânio enriquecido deverá ocorrer não só para complementar a base do consumo energético do país.

“Vender o produto acabado [para outros países] com o enriquecimento no grau permitido de 3% a 20%, é bem melhor economicamente”, ressaltou. O grau considerado para produção de arma nuclear é o enriquecimento de 90% do urânio. Além disso, por convenção internacional, o Brasil não poderá comercializar para qualquer país.

Matérias Relacionadas:

=> Energia nuclear deve contribuir para diversificação de matrizes limpas

=> Brasil investe na construção do primeiro submarino nuclear

=> Programa Nuclear visa diversificar matrizes energéticas

=> Enriquecimento de urânio requer plano estratégico

=> Os projetos ligados ao Programa Nuclear

=> Outro lado: o meio ambiente frente à energia nuclear

Exibições: 357

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2022   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço