Puxa, Tia! Parece que foi ontem! A sra lembra quando eu fui morar com a senhora? Lá no final dos anos 60, ali na Aires Saldanha, entre Djalma Ulrich e Almte. Gonçalves? A senhora tinha entrado na queimação de óleo 50 e eu tava com 17, completamente alucinado, ouvindo Jimi Hendrix e tudo o mais, querendo ser baterista de uma banda de rock e outras cositas.
Um dia eu tava ouvindo o “smash hits” – o volume da vitrola portátil no talo, quando a senhora, enrolada numa toalha, irrompeu pelo quarto, cuma cara apavorada! Aí, quem ficou apavorado fui eu, que perguntei:”Tia, que que houve?” A sra. ,fechando a cara, disse que tinha saindo correndo do banheiro, pensando que me tinha acontecido algo, pois ouvira uma gritaria danada. Expliquei para a senhora que a gritaria devia ser do disco que ouvia. A senhora, nessa altura dos acontecimentos, mais p da vida ainda, me olhou com uma expressão de reprovação completa e bateu a porta.
Tava ouvindo o disco ontem quando lembrei tudinho. Até o cheiro do banho da senhora(shampoo, sabonete) me veio à memória. Essa deve ter sido uma das n vezes que fiz a senhora passar uma raiva danada. Fosse em Vitória, na Fazenda, na Praia da Costa, onde fosse. Afinal, além de sobrinho-neto e afilhado, mais bagunceiro impossível. Até que eu não era de aprontar muito. Só abri um buraco por baixo de quatro caixas de “serenata de amor”, que a senhora e tia quetinha tinham comprado para decorar a mesa pru aniversário da prima Nietta e comi tudo. Num teve decoração e eu ganhei um esporro daqueles e tremendo pirirí. Nessa façanha eu tinha dez aninhos. Foi lá em Vila Velha. Como castigo, a senhora me mandou para a casa de Dona Celeste – de quem eu tinha um medo danado. Fiquei lá três dias.
Outro dia, eu tava vendo o Canal Brasil quando o Macalé apareceu naquele programa do Pereio. Lembrei de outra passagem, aí em Linhares, quando, numa tarde, eu tava no pasto com Cariê ele me perguntou “Você tem visto o Macalé?”, ele sabia que, naquela época, eu e o tonho emprestávamos instrumentos e local para o Macalé e os “Brazões” ensaiarem “Gotham City” para o festival da Globo. Nós conhecíamos o Torquato Neto de rua( Torquato morava na Carlos Góis, em cima do Clipper) e a gente sempre tava em contato, pois emprestávamos discos prêle e ele corrigia nossas letras e dava idéias. Até o dia do suicídio. Me lembro como se fosse hoje que o porteiro falou para nós, “Acharam um bilhete no aquecedor dizendo “cuidado para não acordar o Tiago”( que era o filho pequeno dele). Será que Cariê tem entrado em contato com o Macalé? Eu, pelo menos, não o vejo desde a época da Rádio Roquette Pinto, quando ele tava casado com a Ana Maria Miranda(aquela que hoje é escritora) e apresentava, na rádio, a “Parada de Fracassos”. Isso já devia ser 1977.
Tia, lembrei disso tudo e muito mais coisa. Gosto de te mandar essas cartas porque a sra. deve ser a única pessoa que conheço que tem 92 anos e ta mais lúcida que eu, que to agora com 58 aninhos. E porque sei que a sra. as lê de cabo a rabo. Bom dia e um beijão do afilhado Luiz Sergio.

Exibições: 83

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2021   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço