Minhas convicções são como uma menina cheia de vergonha diante do lépido olhar do garoto escroto. Embora

meio sem graça, sou levado pelo instinto a expressar meus pensamentos – mesmo os
mais nefastos – na expectativa de que o prazer seja maior do que a dor. E ainda
que mais tarde esses pensamentos sejam outros, vou expressá-los sem medo. Não posso
ser indiferente ao comportamento humano, principalmente quando esse comportamento
pode afetar a vida de milhões de pessoas.


O senador e ex-presidente Fernando Affonso Collor de Mello (PTB),
maioral e mandatário de Alagoas, possuído pelo sentimento de superioridade que
lhe é característico – tendo como alicerce a certeza de que não será refeição
de gusanos quando passar dessa para melhor - tem-se comportado como um troglodita
diante das mais diversas situações.


Há cerca de um ano atrás, em um gesto de quase animosidade, o senhor-senador-e-ex-presidente Fernando Collor
de Mello amedrontou o colega Pedro Simon (PMDB),
com um olhar que expressava fúria e violência na suposta tentativa de defender
a honra que cabe a um senador da república. Como se o senador Pedro Simon o
tivesse atacado de uma forma vil e traiçoeira. Confesso que por semanas esperei
que alguma coisa além do que já tinha triste e temerosamente visto,
acontecesse. Mas, embora o senhor-senador-e-ex-presidente Fernando Collor tenha
sentido-se vítima de opróbrio, tratou de tomar um chá de camomila para acalmar
os nervos.


Infelizmente o chá milagroso que havia livrado o idoso Pedro Simon da fúria do ex-cassador-de-marajás perdeu
seu efeito. E mais uma vez, sentindo-se vítima de uma ruidosa armação contra
sua honra já tão atacada, decidiu manifestar sua beligerância por telefone,
desta feita, contra o jornalista Hugo Marques da revista IstoÉ.
Fazendo uso de uma linguagem “bem popular” (será por causa das eleições?)
chamou o jornalista de filho de uma puta e prometeu, se o encontrasse na rua, algumas
bofetadas. Quiçá seja para provar a força do braço que tanto já foi usado para
lograr um povo entorpecido pela esperança.


A verdade é senhores como esse - enquanto existirem pessoas que só pensam no agora e votam com a barriga - continuará se achando no direito de responder a qualquer
acusação, ainda que existam provas irrefutáveis, como um soldado da ditadura.
Porque nos mais recônditos porões da sua existência, a força física é a forma
mais persuasiva de convencimento e defesa intelectual.


Hitler pensava assim, Mussolini também. E você Collor, como que pensa?


Esse texto é reflexo da minha insatisfação em relação ao totalitarismo que ainda existe na política brasileira. E como disse no início, embora saiba que posso
sentir alguma dor, espero que o prazer das mudanças seja maior.


Sei que esse senhor nunca lerá esse texto, e se o fizer, talvez me considere tão pequeno que não seja acometido pelo desejo de me trucidar. Mas, se eu estiver equivocado
e a sua prepotência o motivar a querer me encontrar para me esbofetear. Informo-o
que conheço pelo menos uns vinte pais de família que foram vítimas do “Plano Collor”
e uns quinze “caras pintadas”. Acho que ter conhecimento dessas lembranças servirá
como chá de camomila.


Texto retirado do blog: http://falaparticular.blogspot.com/

Exibições: 143

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2021   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço