>> artigos

Obs.: artigo elaborado para publicação em nossaluta.net (página de bancários, em implantação)
    

Grandes Números (1) – A cesta básica


Embora por vezes escondidos em meio a dados da economia alardeados pela imprensa, há números que são referências importantes para análise da evolução do país.
Publicaremos alguns comentários a respeito.

Iniciemos pela cesta básica calculada pelo DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos.

Para o cálculo o DIEESE verifica preços em pontos de venda selecionados da rede varejista de 17 Unidades da Federação. A composição da cesta é dada por indicativo de consumo da Pesquisa de Orçamento Familiar, elaborada pelo IBGE. (mais informações: WWW.dieese.org.br).

Adotaremos o valor da cesta básica em São Paulo, maior unidade da Federação e a de custo mais elevado.

Em janeiro de 2003, início do primeiro governo Lula, a cesta custava R$ 162,79, o que correspondia a 81,40% do salário mínimo então vigente, de R$ 200,00. Até janeiro de 2010 seu custo se elevou a R$ 225,02, crescimento de 38,23%.

Relativamente, no entanto, houve redução: o comprometimento passou a 44,12% do salário mínimo, R$ 510,00 em janeiro de 2010. Mesmo tomando-se novembro deste ano por referência, a cesta, agora valendo R$ 264,61, compromete 51,88% do mínimo.  

Observe-se a tabela:



Em janeiro de 2008 registrou-se acréscimo acentuado no valor da cesta básica. Elevada demanda internacional ao longo de 2007, em especial da China, e a estiagem prolongada no segundo semestre do mesmo ano impuseram a forte alta, segundo o DIEESE. Já o Banco Central, em Relatório de Inflação do último trimestre de 2007, avaliava que contribuíra para a elevação dos preços o otimismo em relação ao período que então se iniciaria. Relembre-se que o PIB de 2007, de 6,09%, fora o maior desde 1986.

O gráfico a seguir demonstra a queda do comprometimento:


Em resumo: desde 2003 o salário mínimo cresceu 155%, ou 92 pontos porcentuais acima do valor da cesta de novembro de 2010.

Assim, ao menos sob a ótica aqui comparada, contraria-se máxima de alguns analistas econômicos de que elevação do poder aquisitivo não decorrente de ganho de produtividade imediato apenas alimenta a inflação, argumento utilizado para contenção de salários. Pode até ser, mas nem tanto.
  
Aliás, o IPCA – índice de referência para inflação - acumulado de 2003 a novembro de 2010 foi de 55,7%.

No próximo artigo, comentários relativos ao Salário Mínimo Necessário calculado pelo DIEESE.

 

 
 
>> Leia mais   

•    HOME    •    ARTIGOS    •    IMAGENS    •    MEMÓRIA    •   BLOG    •    OPINIÃO    •    LINKS    •

 

Exibições: 167

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2021   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço