Indignação: leituras de uma imagem contemporânea

 

1 - Esta imagem vencedora do World Press Photo Award 2009 mostra um homem fardado de pistola em punho em um cenário de guerra, mas, ao olhar atentamente a foto, surge a surpresa: é um polícial no Ohio, EUA, confirmando se há alguém na casa destruída cujos donos receberam ordem de despejo por não mais poderem pagar a hipoteca. Sinal dos tempos atuais captado por Anthony Suau, fotógrafo norte-americano que acabou vencendo o WPPA, repetindo um feito que conquistou há alguns anos. “Só houve três fotógrafos que ganharam mais do que uma vez o World Press Photo Award”.

 

2 - Sucessivas ondas de indignação, de diferentes proveniências, trouxeram à costa o cadáver da política. A indignação em massa é um fenómeno mimético e reativo, analisável no âmbito de uma geometria das paixões, mas estranho a uma racionalidade que dá origem a um discurso de conhecimento e de legitimação A indignação não se articula numa sintaxe, não tem fôlego para construir frases — esgota-se numa palavra exclamada ou numa interjeição (por mais prolongadas que ambas sejam), proferidas com os pulmões cheios de ar e o coração acelerado. Por isso, a sua capacidade para se tornar politicamente qualificada — para entrar no espaço de representação política — é quase nula: a política é discurso, lógica, conceptualidade. O consagrado “direito à indignação” existe precisamente porque a indignação é a resposta instintiva a um dano moral e, nesse sentido, é sempre legítima. Se alguém se sente indignado é porque tem razões para tal, por mais que essas razões não sejam as mesmas que indignam os outros. Pelo contrário, as razões para fazer uma revolta, uma insurreição ou uma revolução precisam de ser partilhadas, precisam de fundar uma comunidade (e por isso são figuras políticas). Assim, um indignado, no momento em que se manifesta enquanto tal, tem sempre razão (porque é a ‘sua’ razão, tão íntima e idiomática que, mesmo que não consigamos compreendê-la, temos de atendê-la no seu direito), e a sua indignação, se for autêntica e não encenada, é indiscutível. Já a política não funciona desta maneira: mesmo aquilo que uns clamam como óbvias “injustiças políticas” é sempre objeto de debate e de conflito; uma injustiça política não é como uma injustiça moral. Ora, quando a indignação entra num espaço tradicionalmente reservado à política, é porque esta foi substituída pela moral. A isto se chama despolitização, e nenhum bem pode daí advir..

Fontes:

http://imagesvisions.blogspot.com/

http://aindanaocomecamos.blogspot.com/

 

 

 



Fonte: António Guerreiro, «Ao pé da letra», Expresso-Atual, Portugal, 16.7.2011

Exibições: 43

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2021   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço