Sábado, 31 de outubro de 2009, 07h57

Do The New York Times

Recentemente se iniciou um debate na Itália a respeito dos termos pejorativos como culturame - lixo intelectual - novamente em uso depois de décadas. Os políticos empregam estes termos para desacreditar os intelectuais da oposição.

Se estou bem lembrado, culturame foi um termo cunhado por Mario Scelba, Ministro italiano do Interior nos últimos anos da década de 1940, que só acreditava na lógica dos cassetetes da polícia.

Spiro Agnew, vice-presidente de Richard Nixon, falava dos esnobes decadentes, o qual remete aos velhos seminários fascistas que riam dos escritores ou dos intelectuais que falavam com sotaque espanhol a respeito dos poetas românticos.

Uma expressão semelhante em inglês é eggheads (cabeças de ovo). Durante os conflitos políticos do pós-guerra, os intelectuais de direita ressuscitaram a expressão inocentes úteis, que foi como Vladimir Lênin chamou os intelectuais que simpatizavam com a esquerda.

Todos esses termos reforçam a ideia de que o desprezo em relação aos intelectuais é uma característica da direita. A consequência é que não existam intelectuais de esquerda, porque todos os intelectuais são da oposição.

Por definição, um intelectual sempre está em oposição a algo; inclusive os que apoiam a direita podem opor-se a ela em muitas questões. Houve grandes intelectuais conservadores, inclusive alguns reacionários. Reacionário não é palavrão - como nos dias de Peppone e de Dom Camilo nos romances de Giovanni Guareschi a respeito de um povoado italiano no pós-guerra - porque muitos intelectuais e artistas já sonharam com a volta a uma ou outra tradição, a um ou outro regime do passado.

Um reacionário não é apenas um fascista. Dante - um importante intelectual - era um reacionário, e mesmo atualmente existem muitos escritores que não fazem outra coisa a não ser criticar a modernidade, a tecnologia e as utopias revolucionárias.

Recentemente a direita italiana identificou como seus "heróis" intelectuais pessoas que eram de esquerda por definição - caso (talvez de forma justa) do intelectual italiano Pier Paolo Pasolini, uma vez que defendia um estado pré-industrial da natureza.

Poucas pessoas fora da Itália, e talvez até dentro dela, lembram-se das especulações ocorridas nos anos 1960 a respeito do nascimento de uma cultura de direita. Havia inclusive uma revista chamada La Destra (A Direita).

Alguns editores como Borghese desenterraram uma obra sem importância de Adolf Hitler e se rebaixaram a publicar Spiro Agnew (chamado no seu tempo de o vice-presidente mais reacionário dos Estados Unidos, o homem que diz em voz alta aquilo que Richard Nixon apenas sussurra).

A Rusconi Books publicou muitos representantes do pensamento de direita. Essas obras - desde o japonês Yukio Mishima e o escritor italiano Giuseppe Prezzolini até o escritor e político italiano Panfilo Gentile - redescobriram uma verdadeira "grande" filosofia reacionária como a de Joseph de Maistre, diplomata francês da era pós-revolucionária considerado um precursor do fascismo.

Para encontrarmos escritores de renome que eram ou são de direita, conservadores ou reacionários basta olhar ao nosso redor.

Podemos encontrar escritores fascistas ou antissemitas como Louis-Ferdinand Celine ou Ezra Pound. E inimigos clássicos da modernidade como o austríaco e historiador de arte Hans Sedlmayr, o filósofo Martin Heidegger ou o intelectual galês René Guénon.

Se olharmos os catálogos dos editores ditos democráticos, podemos encontrar tentativas da esquerda de revindicar para si alguns escritores de direita, como acontece com Ernst Junger ou com Oswald Spengler. Estes escritores de direita não serão também culturame?

O certo é que pensamos na direita como algo homogêneo. Inclusive nestes círculos achamos intelectuais que os reconhecem como seus pares, mas por serem intelectuais não rotulam os seus opositores como culturame ou esnobes decadentes.

Outros - criaturas do sistema da política de farda, lacaios dos políticos, interessados apenas no poder ou no dinheiro - nunca leram o suficiente para saber que existem os intelectuais de direita. Apenas enxergam os de esquerda, principalmente quando estão na oposição.

Para essas mentalidades limitadas, intelectual é sinônimo de opositor. Como o comandante da Luftwaffe (força aérea alemã), Hermann Goering, quando ouvem falar de cultura levam as mãos às suas armas.

Embora a comparação com Goering seja duvidosa, a linha de pensamento surge na obra de teatro nazista "Schlageter", por Hanns Johst: "Wenn ich Kultur hore ... entsichere meinen Browning". Mas aqueles que lançam mão das suas armas não sabem nada a respeito da origem da citação. Não leem; simplesmente não leem.

Umberto Eco é filósofo e escritor. É autor de "A Misteriosa Chama Da Rainha Loana", "Baudolino", "O Nome da Rosa" e "O Pêndulo de Foucault". Artigo distribuído pelo The New York Times Sybdicate. - http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI4073835-EI12929,00-I...
-
01/11/09 - Sorocaba dia e noite - http://recantodasletras.uol.com.br/mensagens/1898728
-
Conheça o projeto Rodamundinho - http://rodamundinho.ning.com/
-
Sorocaba dia e noite
http://www.vejosaojose.com.br/sorocabadiaenoite.htm
douglara@uol.com.br - fone (15) 3227-2305

Exibições: 62

Comentário de Carla Genovez em 4 novembro 2009 às 0:03
Esquerda, direita...conceitos direcionais, podem nos guiar fisica e ideologicamente-não importa,a direção leva-nos a mesma constatação- quem não concorda, com este ou aquele regime vigente, é um opositor, assim procedeu a chamada Santa Inquisição, assim agiram os defensores das grandes ditaduras- um dos nossos maiores intelectuais brasileiros, Jose Guilherme Merquior, um homem dedicado ao policulturismo, expressava -se a favor, não da ditadura militar,porém não defendia com veemência a dita esquerda, e, por isto, as universidades, principalmente as que mantinham acesas as lâmpadas da oposição sem trégua, o exilaram e asilaram das salas de aula, entrementes, o supracitado escritor e crítico literário, notabilizou e abrilhantou , com sua visão eclética e caleidoscópica, nosso quadro sociológico, literário e histórico. Seu brilhantismo foi expurgado porque ele não empunhou uma bandeira de oposionista de carteirinha assinada e sindicalizado para se autopromover nos meios academistas,que tomaram para si a verdade absoluta, esquecendo,outrossim, que Albert Einstein já revelara ao mundo sua teoria da relatividade- dentro dos próprios quadros ditadoriais, como os do fascismo e nazismo, houve resistência, e esta reconhecida anos depois, porque, os que resistiram ,na época, foram considerados traidores- assim aconteceu com nossos militares, que , por vocação, seguiram o seu caminho,mas não concordaram com os métodos impostos no golpe de 64 . Eram de direita,segundo os intelectuais esquerdistas, mas , sem ao menos pensarem,estes mesmos esquerdistas, talvez , se estivessem no lugar dos golpistas, fizessem o mesmo- porque direita e esquerda não é só o passo da marcha marcial, e sim uma questão de caráter- Stalin contrafez o regime tzarista, e, entretanto, transformou-se em um dos maiores assassinos da humanidade, em nome de uma ideologia ,que, talvez, ele nem mesmo entendia- porque não lêem- é isto, não lêem e, mesmo sem concordar, e aqui valho-me da etimologia do vocábulo- com o coração, os verdadeiros intelectuais abrem suas asas e voam em todas as direções, para que possam entender as diversas tendências ou mesmo as variadas ideologias a fim de , não só defendê-las, mas não atacar sem argumentações lógicas àqueles que não compartileham com seus ideais ou sua opinião- o verdadeiro intelectual não pertence a este ou aquele lado, ele existe e sobrevive aos séculos,aos regimes e a qualquer passagem do tempo, porque são anacrônicos, atemporais, e, por isto, estarão,exilados pelos intransigentes ,mas sempre na vanguarda da humanidade.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2022   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço