Foto: http://mrg.bz/88M2tL 

      Rótulos são palavras que colocamos nas pessoas para definir o que achamos dela: coxinhas, nazistas, petralhas, comunistas, ou simplesmente o desejo de uma viagem a Cuba, como um lugar no extremo do mundo, e não um país caribenho recheado de belas praias, e nem por isso se deseja que se vá para Cancun.
        No esgarçar da rotulagem, comunistas viram comunistoides, esquerdopatas, contorcionismos na linguagem que podem, utilizando a imaginação, conceber contorções nos rostos, na tentativa vã de transformar a força das palavras além delas mesmas, além do falar alto e esbravejar, como se isso amedrontasse alguém.
        Nesse jogo de argumentações que deixa o contraditório de lado, buscando sedimentações, bases sólidas de pensamentos, e buscam o outro lado da fronteira, que vai buscar o ódio e a raiva como o final das divergências, aquele que mais atrai é o argumento dos não comunistas, para pressionar os então considerados comunistas, quando se tenta argumentar as condições de desigualdade com políticas sociais, o dizer que se deva então levá-los para casa, e deles cuidar.
        O que não se entende é que, na busca da igualdade, o que se quer é a mesma oportunidade para todos. A imagem de crianças de olhos grandes e tristonhos, magras, mostrando os ossos na África, ou então o desalento dos nossos compatriotas que vivem no sertão do nordeste tem que nos levar a pensar que a genética, dos então “capazes”, ou capacitados a mudar o mundo, não olha o gênero, a geografia ou o berço. Não é difícil imaginar que alguns daqueles seres podem ter a chave que pode mudar o mundo, tanto tecnológica quanto socialmente. Quantas mentes não são aproveitadas para o bem comum, e sucumbem com a fome e a doença? E essas mentes somente querem oportunidades.
        O argumento fácil de se propor a caridade, por parte daqueles que “agem com o coração”, e não sucumbem com a falácia do custo x benefício dos pragmáticos proponentes do estado mínimo, quando se deva entender que o estado mínimo é o desejo de todos, mas, que ele se estabeleça onde uma sociedade tenha um número mínimo, também, de “incapazes” socialmente, até porque incapacidade ou capacidade é determinada pela ordem capitalista dominante, e, talvez, em uma sociedade alternativa, essas “capacidades” possam dar uma guinada, é o rótulo mais vil da falta de argumentação sólida para as soluções do nosso mundo pós-moderno.
        Assim sendo, exige-se o voto de pobreza, viagens em classe econômica, carros sem luxo, para aqueles que pregam que o mundo funcione menos desigual. Seguindo este raciocínio, seria muito mais fácil que segmentos da sociedade, que conseguem sobreviver com dignidade, e ao mesmo tempo defender a igualdade de oportunidades, fazerem os tais votos e viverem como, e como consequência acumular moeda e tornarem-se mais ricos, do que aqueles que pregam o voto contrário, raciocinando com a classe mais rica, servindo-lhe de claque, pregando um mundo de competição onde cada vez mais são massacrados, na pura ilusão de “vencer”, tornarem-se verdadeiramente ricos, em todos os sentidos.

Fonte: WWW.NILSONLATTARI.COM.BR

Exibições: 169

Comentário de Nena Noschese em 31 maio 2015 às 23:14

Gostei da análise, ou repassar.

Comentário de Nilson Lattari em 1 junho 2015 às 1:01
Obrigado, Nena, caso queira ler mais algumas coisas além de artigos, tenho crônicas, contos, poesias no meu blog ou acesso através do facebook https://www.facebook.com/blogdonilsonlattari?ref=aymt_homepage_panel Obrigado.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2021   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço